100 anos de propaganda fascista: o centenário do Memorial de Lincoln

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

O Memorial de Lincoln em Washington, D.C. completou 100 anos em 30 de maio, então pensei em acrescentar meus dois centavos a todas as homenagens prestadas ao “monumento mais amado dos EUA”, como uma publicação conservadora o descreveu. Se você quiser saber o que está ensinando seus filhos e netos a adorar e reverenciar quando os leva para visitar o Memorial de Lincoln, sugiro ler uma publicação do Serviço Nacional de Parques dos EUA (SNP) de um tal Nathan King intitulada “Símbolo Secreto do Memorial de Lincoln”. Esta é a explicação do governo dos EUA sobre o significado do Memorial de Lincoln.

O “verdadeiro significado” do Lincoln Memorial de acordo com o Serviço Nacional de Parques que o administra é representado por um “símbolo onipresente” que está por todo o monumento, por dentro e por fora. Esse símbolo são os fasces, um feixe de varas unidas por uma tira de couro. Diz-se que isso representa “o significado mais elevado do memorial e do homem”.

Os fasces foram originalmente usados ​​no Império Romano como “um símbolo de poder e autoridade”, diz a publicação do SNP. Ele “representava que um homem detinha imperium, ou autoridade executiva”. Exercendo essa “autoridade” um “líder poderia esperar que suas ordens fossem obedecidas, poderia punir [aqueles que o desobedecessem] e poderia até executar aqueles que desobedecessem”. Esse homem, na tradição americana, seria Abraham Lincoln em particular, e todos os seus sucessores em geral. Isso significa que a declaração de Jefferson na Declaração de Independência de que os governos derivam seus poderes justos do consentimento dos governados é nula e sem efeito. De Lincoln em diante, o governo nos EUA deriva seus “poderes justos” de si mesmo. Seus “poderes” são o que ele diz que são. A palavra “fascismo”, é claro, tem suas raízes na palavra “fasces”.

O SNP observa que a “autoridade executiva” representada pelos fasces foi muitas vezes aplicada na história por “espancamentos” e “decapitações”, se necessário. Os fasces que são “retratados por todo o Memorial de Lincoln” implicam “poder, força, autoridade e justiça governamentais”. Não liberdade, ou direitos naturais à vida, liberdade e propriedade, mas “poder” e “autoridade” governamentais. Chamar o fascismo ditatorial de “justiça” aparentemente torna tudo perfeitamente aceitável.

O objetivo de todo esse “poder” desenfreado é exercer “o poder e a autoridade do Estado sobre os cidadãos, exigindo respeito”, diz o SNP. Respeito não é algo a ser conquistado, mas comandado. Que o povo americano não é mais o mestre, mas sim os servos do estado é o “verdadeiro significado” do Memorial de Lincoln. Os fasces onipresentes implantados em todo o Memorial são americanizados com pequenas imagens fofas de águias carecas no topo.

O Memorial de Lincoln foi consagrado em 1922, quando muitas das elites da classe dominante do mundo estavam apaixonadas pelo comunismo e pelo fascismo. Um exemplo seria um Richard Washburn Child, um garoto-propaganda para os elitistas da classe dominante americana. Formado em Harvard e na Harvard Law School, ele escreveu panfletos de propaganda para o Tesouro dos EUA durante a Primeira Guerra Mundial e depois se tornou um propagandista de relações públicas para Warren Harding. Em troca de seus esforços, o presidente Harding nomeou Childs como embaixador americano na Itália, sabendo que ele estava apaixonado por Benito Mussolini e pelo fascismo. Childs usou suas conexões elitistas para conseguir que o banco J.P. Morgan investisse na Itália; vangloriava-se de convencer Mussolini em sua marcha sobre Roma; e até mesmo de ser o autor fantasma da autobiografia de Mussolini com o título cativante de Minha Autobiografia. Ele foi o proponente americano mais proeminente do fascismo, promovendo ideias fascistas no The Saturday Evening Post.

Na mesma época, Winston Churchill anunciava que, se fosse italiano, também teria vestido a camisa preta fascista dos asseclas de Mussolini. E também deve ser dito que o New Deal de FDR era, em muitos aspectos, quase idêntico ao fascismo italiano e alemão do ponto de vista econômico. Como John T. Flynn observou em The FDR Myth (p. 43):

[Mussolini] organizou cada grupo comercial ou industrial ou grupo profissional em uma associação comercial supervisionada pelo Estado. Ele chamou de cooperativa. Essas cooperativas operavam sob supervisão estatal e podiam planejar produção, qualidade, preços, distribuição, padrões trabalhistas etc. A NRA [ou seja, a Administração Nacional de Recuperação de FDR] estabeleceu que na indústria americana cada indústria deveria ser organizada em uma associação comercial supervisionada pelo governo federal. Não se chamava cooperativa. Foi chamado de Autoridade de Código. Mas era essencialmente a mesma coisa. . . isso era fascismo.

O mito de Lincoln é a pedra angular ideológica dos argumentos usados ​​para sustentar o poder governamental ilimitado e inconstitucional. É apoiado por ambos os partidos políticos exatamente por esse motivo, razão pela qual seu monumento é um monumento ao fascismo como o próprio estado admite. Como orgulhosamente admite na sua cara. Foi concluído durante o auge da paixão bizarra dos elitistas americanos pelo fascismo. Eles entenderam que ninguém na história americana era um símbolo melhor do governo brutal, intransigente e ditatorial, ao estilo do Império Romano, do que Abraham Lincoln. É disso que qualquer estado ou conjunto de estados estaria se separando se decidisse fazê-lo. Talvez os Confederados do Sul soubessem o que estavam fazendo, afinal.

 

Leia também: Abraham Lincoln e o Estado Moderno

A farsa sobre Abraham Lincoln

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Que artigo fabuloso!

    “De Lincoln em diante, o governo nos EUA deriva seus “poderes justos” de si mesmo”

    Esta afirmação é extremamente poderosa e sutil na sua profundidade. Os governos criam os próprios meios de poder, que justamente por não derivar do consentimento do povo, se torna aleatório e substancialmente incontrolável. É por isso que o nível de violência dos estados vem aumentando, pois todos os problemas do estado giram em torno de si mesmo ou seja a população é um meio descartável, não vinculada ao estado. Para os governos portanto, indivíduos são coisas, não sujeitos de direito. Estar vivo não passa de uma coincidência e benevolência de algumas máfias estatais. E não tem nada a ver com necessidade, pois como vem demonstrando a atual crise a Ucrânia, os governos supostamente democráticos estão dispostos a uma aniquilação mútua, único motivo para a guerra não ter acabado.

    Certa vez eu discuti com idiota liberal radiano a respeito da falta de legitimidade do estado, exatamente como colocado aqui pelo DiLorenzo, a ausênsia de povo. E como não poderia deixar de ser, o sujeito fez uma defesa do estado afirmando que sem essa nobre instituição, nós seríamos comandados por gangues de traficantes e sua justiça aleatória… na verdade isso é o estado, não o Comando vermelho ou o PCC.