13. Agressão Externa

0

Muitas pessoas perguntam: “Mas como poderia uma sociedade laissez-faire lidar com a agressão de nações estrangeiras, já que não teria um governo para protegê-la?” Por trás dessa questão estão duas suposições irreais: primeiro, que o governo é algum tipo de entidade que existe independentemente da sociedade, com recursos próprios – recursos que só podem ser usados ​​para defesa pela ação do governo – e, segundo, que o governo efetivamente defende seus cidadãos.

Na realidade, o governo deve extrair todos os seus recursos da sociedade sobre a qual governa. Quando uma sociedade controlada pelo governo toma medidas defensivas contra a agressão de uma potência estrangeira, de onde obtém os recursos necessários para realizar essa ação? Os homens que lutam são particulares, geralmente alistados e convocados para o serviço do governo. Os armamentos são produzidos por particulares que trabalham em seus empregos. O dinheiro para pagar esses armamentos, os trocados distribuídos aos recrutas, bem como os salários da pequena minoria composta pelo quadro de oficiais das forças armadas, é confiscado de particulares por meio de impostos. A única contribuição do governo é organizar todo esse esforço pelo uso da força – a força do alistamento obrigatório, da tributação e de outras coerções menores, como racionamento, tetos salariais, controle de preços, restrições de viagem etc. Assim, afirmar que o governo é necessário para defender uma sociedade da agressão externa equivale a afirmar que é necessário usar agressão doméstica contra os cidadãos para protegê-los da agressão externa.

Apesar da óbvia imoralidade de forçar os homens a se protegerem contra a força, algumas pessoas acreditam que uma defesa coagida é mais eficiente do que uma voluntária e, portanto, é permissível ou mesmo necessária em uma situação de emergência como a guerra. Um breve exame mostrará a falácia de mais essa variante da dicotomia moral versus prática. O sucesso de qualquer empreendimento, incluindo a guerra, depende da quantidade de pensamento e esforço investido pelos envolvidos. Sob a pressão da força, um homem pode ser induzido a fazer muito esforço e até mesmo pensar um pouco, mas seus esforços relutantes e motivados pelo medo não podem se comparar em eficiência e produtividade aos esforços ambiciosos e incansáveis ​​de um homem livre, se esforçando para realizar algo que ele realmente quer que seja feito. O homem que trabalha com entusiasmo não só trabalha com mais eficiência, como também usa sua mente para descobrir novas e melhores maneiras de atingir seu objetivo, e essa inovação é a chave para o sucesso.

Além disso, um sistema baseado na força é sempre um desperdício de recursos, porque quanto mais relutante é a vítima da força, mais energia deve ser desviada para mantê-la em linha, e menos resta para realizar a tarefa principal. Homens que são forçados a fazer o que não querem (ou não fazer o que querem) são incrivelmente bons em inventar maneiras engenhosas e complicadas de enganar o sistema que os escraviza. É por isso que mesmo os governos mais totalitários descobrem que não podem ir à guerra sem grandes esforços de propaganda destinados a convencer seu próprio povo da justiça e da necessidade da guerra.

A liberdade não é apenas tão moral quanto a escravidão governamental é imoral, ela é tão prática quanto o governo é impraticável. É tolice supor que os homens não se organizariam para se defender, e o fariam com muita eficácia, se não fossem forçados a isso. Os homens não são tão cegos que não possam compreender o valor da liberdade, nem tão indiferentes à vida que não defendam seus valores. Nem são tão estúpidos que precisem de políticos, burocratas e generais do Pentágono para lhes dizer como se organizar e o que fazer. Quanto mais livres as pessoas forem, mais eficientemente elas atuarão. Sendo isso verdade, pode-se esperar que um sistema de defesa de livre mercado contra a agressão externa seja muito eficaz, em contraste com um sistema governamental de tamanho, recursos e maturidade comparáveis.

A crença de que a sociedade não poderia ser defendida sem um governo também pressupõe que o governo protege, de fato, a sociedade sobre a qual governa. Mas quando se percebe que o governo na verdade nada tem além do que tira à força de seus cidadãos, torna-se óbvio que ele não pode proteger as pessoas, porque não tem recursos para fazê-lo. De fato, o governo, sem os cidadãos dos quais é parasita, não poderia sequer se proteger! Ao longo da história, as pessoas foram convencidas a se submeterem às tiranias de seus governos porque, era-lhes dito, o governo era vitalmente necessário para protegê-las das depredações ainda mais terríveis de outros governos. Os governos, tendo feito essa propaganda, passaram a persuadir e pressionar seus cidadãos para que protegessem o governo! Os governos nunca defendem seus cidadãos; eles não podem fazê-lo. O que eles fazem é usar seus cidadãos para se defenderem, geralmente depois que suas políticas estúpidas e imperialistas irritaram ou ameaçaram outro governo ao ponto de um conflito armado. A proteção governamental contra a agressão externa é um mito (mas um mito no qual, infelizmente, a maioria das pessoas realmente acredita).

O governo não pode defender seus cidadãos, e é um sacrifício tolo os cidadãos defenderem um monopólio coercitivo que não apenas os escraviza, mas também provoca conflitos com outros monopólios coercitivos – ou seja, com outros governos. Em matéria de agressão externa, o governo é muito mais um passivo do que um ativo, e as pessoas estariam muito melhor com um sistema de defesa de livre mercado.

Os meios de defesa do livre mercado contra a agressão externa difeririam em escopo e intensidade, mas não em princípio, dos seus meios de defesa contra a agressão doméstica (como uma gangue de bandidos locais). Em ambos os casos, o princípio envolvido é que cada homem tem tanto a liberdade quanto a responsabilidade de defender seus próprios valores na medida em que ele considere que seja de seu próprio interesse. Moralmente, nenhum homem pode ser impedido de defender a si mesmo e seus valores, nem pode ser forçado a defendê-los se não quiser. Se algumas pessoas em uma área sentirem que um de seus vizinhos não está “contribuindo sua parte justa para a defesa”, elas são livres para usar a persuasão racional para tentar convencê-lo de que seria de seu interesse assumir responsabilidade por sua defesa. Elas não podem, no entanto, extorquir sua “contribuição” através do uso ou ameaça de força … mesmo que sejam claramente a maioria. Nem seria prático para elas fazê-lo. Um homem que é coagido a defender seus vizinhos contra um agressor externo pode decidir gastar parte de seus esforços defendendo-se contra seus próprios vizinhos coercitivos.

Em uma sociedade laissez-faire, a defesa contra a agressão externa seria posta à venda no mercado livre, assim como qualquer outro tipo de defesa. Devido à estreita conexão natural entre companhias de seguros e agências de defesa, provavelmente o modelo mais viável seria vender serviços de defesa contra agressão externa na forma de apólices de seguro. Ou seja, as seguradoras venderiam apólices concordando em proteger seus segurados contra agressões externas e indenizá-los por perdas decorrentes de tais agressões (o contrato seria anulado, é claro, se o segurado provocasse o conflito por suas próprias ações agressivas). As seguradoras cuidariam para providenciar todas as defesas necessárias para evitar perdas, e se esforçariam para realizar um trabalho muito eficiente, pois qualquer perda lhes custaria grandes somas de dinheiro.[1]

Certos críticos questionaram se as companhias de seguros poderiam pagar todas as indenizações necessitadas pela destruição generalizada de uma guerra moderna, caso suas defesas fossem derrotadas. Se a guerra fosse perdida, é claro, nem o pessoal da companhia de seguros, nem seus segurados, nem qualquer outra pessoa estaria em condições de realizar transações financeiras normais. Se fosse ganha, as companhias de seguros teriam que pagar ou declarar falência. Para determinar se uma companhia de seguros seria financeiramente capaz de pagar, há duas considerações importantes – a extensão e a intensidade do dano, e a extensão dos ativos da companhia de seguros.

A quantidade de dano é impossível de prever em antecedência à situação real, mas não há razão para supor que seria necessariamente tão grave a ponto de incluir a destruição total de todas as principais cidades. Os governos geralmente lançam guerras de destruição apenas contra áreas que, por causa das ações de seus próprios governos, representam uma ameaça ao atacante. Uma sociedade laissez-faire, sem governo para fazer ameaças imperialistas, dificilmente se tornaria alvo de uma guerra de destruição. Um governo estrangeiro poderia decidir enriquecer-se anexando o território livre, mas tentaria fazê-lo por uma guerra de conquista e não por uma guerra de destruição. As guerras de conquista são muito menos devastadoras e exigem o uso restrito de armas convencionais em vez do uso de armas nucleares. A razão simples para isso é que o conquistador pode obter muito menos lucro com escombros e cadáveres do que com fábricas e escravos.

Outra razão para supor que uma guerra contra uma sociedade laissez-faire não seria totalmente destrutiva dessa sociedade é que, sem dúvida, defesas eficazes contra a guerra moderna podem ser criadas. O fato de os governos ainda não terem inventado tais defesas prova apenas que os governos são profundamente ineficientes, e mais interessados ​​na projeção de poder imperialista do que na defesa de seus cidadãos. Dada a eficiência do livre mercado e a motivação do lucro (pois as pessoas estariam dispostas a pagar por “equipamentos” de defesa efetivos, se pudessem comprá-los), os inovadores sem dúvida criariam vários dispositivos defensivos muito superiores à máquina de guerra militar que atualmente nos é imposta.

A segunda consideração para determinar a capacidade das seguradoras de pagar indenizações decorrentes de agressão externa é a extensão de seus ativos. Mesmo em nossa sociedade, onde são prejudicadas por regulamentações governamentais, as seguradoras detêm ativos vastos e variados, espalhados por amplas áreas financeiras e geográficas. Elas também têm o hábito de distribuir grandes riscos entre várias empresas para que uma quantidade repentina e extensa de destruição possa ser paga sem levar nenhuma delas à falência. Esta é a razão pela qual as companhias de seguros podem pagar milhões de dólares em sinistros que surgem de grandes furacões, tornados, terremotos, etc., e podem fazê-lo repetidamente, sem irem à falência. Em uma sociedade laissez-faire, as companhias de seguros teriam uma fundação financeira ainda mais sólida do que em nossa economia aleijada pelo governo. Isso significa que um invasor teria que conseguir eliminar uma grande parte dos ativos de toda a sociedade para tirar as companhias de seguros do mercado. Mas não há razão para supor que um governo estrangeiro atacaria toda a área livre de uma vez (já que, sem um governo, não seria uma única entidade política) ou que conseguiria destruir a maior parte dela se o fizesse. Embora não haja garantia absoluta de que as seguradoras seriam financeiramente capazes de pagar as indenizações decorrentes de um ataque de uma potência estrangeira, as chances disso são muito boas.

A defesa propriamente dita de uma sociedade laissez-faire seria fornecida pelas empresas de defesa (tanto as independentes quanto as subsidiárias de seguradoras). Essas defesas consistiriam de quaisquer meios militares, incluindo pessoal e equipamento, necessários para derrotar as forças de qualquer nação que ameace (ou potencialmente ameace) os segurados. Essas defesas iriam variar em tamanho e tipo de acordo com a ameaça representada, e poderiam incluir desde espiões e soldados de infantaria até redes de radar e mísseis defensivos.

Como o desenvolvimento e a manutenção de armamentos modernos são bastante caros, todas as companhias de seguros, exceto as maiores, provavelmente reuniriam seus esforços e recursos sob pressão competitiva para fornecer a melhor proteção possível ao menor custo. Pelas mesmas razões de eficiência, elas tenderiam a comprar todas as suas necessidades de defesa contra a agressão externa de algumas empresas notáveis ​​que poderiam cooperar de perto umas com as outras. A competição entre as empresas de defesa para obter negócios tão lucrativos promoveria o desenvolvimento do sistema de defesa mais poderoso e eficiente que fosse racionalmente justificável. Inovações tecnológicas impossíveis de prever melhorariam constantemente sua segurança e eficácia. Nenhum sistema governamental, com suas toneladas de burocracia e politicagem intrínsecas, clientelismo, tráfico de influência e sede de poder, poderia se aproximar remotamente da potência e eficiência naturalmente geradas pelas forças do livre mercado (que estão sempre se esforçando para atender à demanda).

Aqueles que duvidam que “o setor privado” da economia possa arcar com as despesas de um sistema de defesa de livre iniciativa fariam bem em considerar dois fatos. Primeiro, “o setor público” recebe seu dinheiro da mesma fonte que “o setor privado” – a riqueza produzida por indivíduos. A diferença é que “o setor público” toma essa riqueza à força (roubo legalizado) – mas não tem acesso a um conjunto maior de recursos. Ao contrário, ao drenar a economia por meio de impostos e restringi-la com regulações, o governo na verdade diminui a oferta total de recursos disponíveis. Em segundo lugar, o governo, sendo o que é, torna a defesa muito mais cara do que deveria ser. A ineficiência grosseira e o desperdício característicos de um monopólio coercitivo, que obtém suas receitas pela força e não teme a concorrência, fazem os custos disparar. Além disso, o desejo insaciável de políticos e burocratas de exercer poder em todos os cantos do mundo multiplica exércitos caros, cujo principal efeito é cometer agressões e provocar guerras. A questão não é se o “setor privado” pode arcar com o custo de defender os indivíduos, mas por quanto tempo os indivíduos podem arcar com o enorme e perigoso custo da “defesa” governamental compulsória (que é, na realidade, defesa do governo, para o governo … feita pelos cidadãos).

Uma grande parte do custo da defesa contra a agressão estrangeira em uma sociedade laissez-faire seria arcada originalmente pelos negócios e pela indústria, já que os proprietários de instalações industriais obviamente têm um investimento muito maior para defender do que os proprietários de residências. Se houvesse alguma ameaça real de agressão por parte de uma potência estrangeira, todos os empresários estariam fortemente motivados a comprar um seguro contra essa agressão, pela mesma razão que compram seguro contra incêndio, embora pudessem economizar dinheiro no curto prazo se não o fizessem. Um resultado interessante desse fato é que o custo de defesa acabaria por se espalhar por toda a população, uma vez que os custos de defesa, juntamente com despesas administrativas e outras, teriam de ser incluídos nos preços dos bens pagos pelos consumidores. Assim, é infundada a preocupação de que os “caronas” possam se dar bem parasitando as defesas pagas por seus vizinhos. Baseia-se em uma concepção errônea de como o sistema de livre mercado funcionaria.

Como grandes consumidores de seguro contra agressão estrangeira, as empresas e a indústria tenderiam a unir o território livre para fazer frente contra qualquer agressão. Uma fábrica de automóveis em Michigan, por exemplo, pode ter uma fonte vital de matérias-primas em Montana, uma fábrica de peças em Ontário, uma filial na Califórnia, armazéns no Texas e lojas em toda a América do Norte. Cada uma dessas instalações é importante em algum grau para a direção daquela fábrica em Michigan, então ela vai querer defendê-las, cada uma na medida de sua importância. Acrescente-se a isso a preocupação dos proprietários e gerentes dessas instalações com seus próprios negócios, e com todos os outros negócios dos quais eles, por sua vez, dependem, e surge uma vasta e variada rede de sistemas de defesa interligados. O envolvimento das seguradoras, com suas participações financeiras diversificadas e seus mercados geograficamente dispersos, fortaleceria incomensuravelmente essa rede defensiva. Essa rede múltipla de sistemas de defesa interligados está muito longe da imagem comum, mas errônea, de pequenas cidades, empresas e indivíduos, sem proteção de nenhum governo, sucumbindo separadamente ao avanço de uma horda inimiga.

Observe, no entanto, que tal rede de defesa não obrigaria nenhum indivíduo a contribuir com dinheiro ou esforço para qualquer ação defensiva na qual seus valores não fossem ameaçados. Sob o atual sistema governamental de defesa coletivista dentro de fronteiras arbitrárias, um californiano seria forçado a sacrificar seus valores, e possivelmente sua vida, para defender o Estado do Maine, mesmo que não tivesse nenhum interesse nisso. Ao mesmo tempo, um homem a alguns quilômetros de distância em Quebec, por estar do outro lado de um certo rio, teria que ficar de braços cruzados, a menos que seu próprio governo decidisse tomar alguma medida. Isso porque a defesa governamental, como qualquer outra ação governamental, é necessariamente de natureza coletivista. Com um sistema de defesa de livre mercado, cada homem age para defender seus próprios valores na medida em que deseja tê-los defendidos, independentemente do pedaço de terra que esteja ocupando. Nenhum homem é obrigado a se sacrificar pela defesa do sistema coletivo de uma quadrilha coercitiva chamada governo.

Um sistema de defesa de livre mercado também tornaria muito difícil para um invasor obter uma vitória completa. Assim como uma sociedade laissez-faire não teria governo para iniciar uma guerra, não teria governo para capitular. Os defensores lutariam enquanto julgassem ser de seu interesse, nem mais, nem menos. Mesmo as companhias de seguros e agências de defesa não poderiam negociar uma rendição, porque qualquer acordo que fizessem seria vinculativo apenas para aqueles que efetivamente o assinaram. É interessante especular sobre o que uma nação estrangeira agressiva faria, se confrontada com tal situação.

Em um sistema de defesa de livre mercado, o tamanho dos exércitos e os gastos com armamentos seriam regulados automaticamente de acordo com sua necessidade. Os consumidores, informados sobre a situação mundial pela mídia de notícias e pela publicidade das seguradoras, comprariam mais seguros quando houvesse ameaça de agressão, e menos quando as tensões diminuíssem. Isso seria particularmente verdadeiro para as grandes empresas e indústrias, os maiores clientes das seguradoras. Elas seriam muito previdentes na compra de seguros contra agressão externa, assim como devem ser previdentes em todas as suas outras transações. Além disso, a competição forçaria a redução de custos, de modo que os armamentos em uso teriam que ser necessários para fins de defesa, ou então descartados, pois não valeria a pena mantê-los ociosos. Nenhum exército poderia crescer além do que o mercado suportasse, e o mercado nunca suportaria um exército maior do que o realmente necessário para a defesa, porque a força é um gasto improdutivo de energia.

Essa resposta armada automática à situação mundial, com um controle de armas embutido, ofereceria várias vantagens importantes. Primeiro, evitaria o dreno econômico de manter exércitos permanentes maiores do que o necessário, mas ainda permitiria um rápido rearmamento quando necessário. Em segundo lugar, poria fim às perigosas provocações a nações estrangeiras que sempre acompanham a manutenção de grandes exércitos imperialistas em todo o mundo e, assim, removeria uma importante fonte de hostilidade e tensão. Terceiro, impediria todas as várias intromissões, agressões e “conflitos de baixa intensidade” que resultam da tentativa de bancar o “policial mundial” e regular os assuntos de todos no planeta. E quarto, garantiria que uma máquina militar inchada nunca poderia ser tomada por um aspirante a ditador e usada contra as próprias pessoas da sociedade laissez-faire (uma garantia que nenhuma constituição pode dar).

Um sistema de defesa de livre mercado também acabaria permanentemente com o perigo de que algum político descuidado ou louco pelo poder pudesse “apertar o botão” e condenar os infelizes cidadãos à violência retaliatória do “outro lado”. Um negócio de livre mercado não ganharia poder “apertando o botão”; perderia uma quantidade enorme de ativos. Consequentemente, qualquer ação militar das agências de proteção de livre mercado seria estritamente defensiva e realizada apenas quando todos os outros meios de enfrentar a ameaça tivessem falhado.

E, junto com todas as suas outras vantagens, um sistema de defesa de livre mercado poria um fim permanente à imoralidade sangrenta do alistamento obrigatório. As forças de defesa profissionais e voluntárias do mercado seriam muito superiores às forças de conscritos governamentais. Os exércitos de conscritos são terrivelmente caros de manter por causa da constante necessidade de treinar novos recrutas para preencher os lugares daquela grande e sensata maioria que dão baixa assim que termina seu período obrigatório. Além disso, os alistados são combatentes notavelmente ineficazes e relutantes em comparação com os voluntários, por razões óbvias. Mais uma vez, a abordagem moral é a mais prática.

Muitos profetas da desgraça clamaram que não pode haver defesa contra a moderna guerra de mísseis. De fato, o perigo de tal guerra é um dos principais argumentos apresentados em favor de um governo forte. Diz-se que somente mantendo um governo forte podemos desencorajar um ataque inimigo ou enfrentá-lo com sucesso quando ele vier. E, como centenas de mísseis já estão apontados para várias partes do mundo e não parece que serão desmantelados em um futuro próximo, nos dizem que devemos esperar manter esse governo forte por muito tempo, e nem mesmo sonhar em experimentar formas radicais de melhorar nossa sociedade, como a liberdade.

Como a vida não oferece nenhuma garantia automática de segurança e sucesso, é verdade que mesmo um forte sistema de defesa de livre mercado pode ser esmagado por um ataque atômico-biológico-químico total, caso tal ataque seja lançado. Mas o mesmo pode acontecer com um sistema de “defesa” governamental, então essa afirmação não diz nada sobre os méritos relativos da defesa do livre mercado versus a “defesa” governamental.

Um exame da “defesa” governamental mostra que ela depende da iniciação de força contra seus próprios cidadãos, e de muita propaganda sobre “perigos” estrangeiros fabricados pelo governo, e exige que os cidadãos se sacrifiquem por qualquer coisa que os líderes do governo considerem ser para o bem do “público”. O livre mercado permite que cada homem defenda seus próprios valores, não inicia nenhuma força contra seus próprios clientes, não exige sacrifício deles e não penaliza aqueles que se recusam a viver vidas não coercitivas. A “defesa” governamental inevitavelmente drena e desperdiça os recursos da sociedade. Também é ineficaz na proteção do cidadão contra a guerra moderna e provavelmente permanecerá assim, porque sem competição e motivação do lucro, faltam incentivos para inovar de forma eficaz. No mercado livre, a concorrência força as empresas a cortar custos e eliminar o desperdício, e também traz melhorias contínuas na eficácia por meio da inovação tecnológica, à medida que as empresas lutam para “manter-se à frente da concorrência”.

Mas pior do que seu desperdício e ineficácia, a “defesa” governamental é, na verdade, pouco mais que uma desculpa para o imperialismo. Quanto mais o governo “defende” seus cidadãos, mais provoca tensões e guerras, pois exércitos desnecessários chafurdam descuidadamente em terras distantes, e funcionários do governo, do mais alto ao mais baixo, buscam impor sua vontade de forma provocativa e insaciável. A máquina de guerra estabelecida pelo governo é perigosa tanto para estrangeiros quanto para seus próprios cidadãos, e essa máquina pode operar indefinidamente sem qualquer controle efetivo – além do ataque de uma nação estrangeira. Se tal máquina de guerra não tem oposição dos exércitos de outras nações, ela é quase inevitavelmente usada para promover o imperialismo desenfreado. Mas se tem a oposição de outras máquinas de guerra de igual força e letalidade, então surge um equilíbrio de terror, com a constante ameaça de um holocausto. As empresas em um mercado livre não têm dinheiro sobrando para essas loucuras perigosas, porque conquistam clientes oferecendo valor a homens livres, em vez de ameaçar o uso da força contra súditos desarmados.

Os governos na verdade não defendem seus súditos cidadãos. Em vez disso, eles provocam guerras e então forçam os cidadãos a sacrificar seu dinheiro, sua liberdade e muitas vezes suas vidas para defender o governo. Tal “defesa” é pior do que nenhuma defesa!

É verdade que os mísseis, as substâncias químicas mortíferas e as calamidades da guerra moderna constituem uma ameaça muito real. Mas foram os governos que ordenaram a construção desses implementos de destruição em massa, e esses mesmos governos estão continuamente criando armas novas e mais mortais. Dizer que precisamos de um governo para nos proteger enquanto esses produtos do governo estiverem presentes é como dizer que um homem deve manter seu tumor canceroso até algum momento no futuro, quando estiver melhor, porque seria muito perigoso removê-lo agora!

Se o coletivismo provou ser ineficiente, perdulário e perigoso em áreas como transporte e medicina, certamente o pior lugar de todos para tê-lo é na área vital de defesa contra a agressão externa. Guerras e muitos outros tipos menos destrutivos de conflitos humanos são a consequência natural da institucionalização da violência na forma de governos!

 

______________________________

Notas

[1] Isso é semelhante à relação que prevaleceria em uma sociedade laissez-faire entre seguradoras contra incêndio e empresas de combate a incêndios. As seguradoras venderiam seguros contra incêndio e manteriam suas próprias instalações para apagar incêndios, ou contratariam os serviços de empresas independentes de combate a incêndios para seus segurados (assim como qualquer outra pessoa que quisesse pagar uma taxa pelos serviços quando usados). Como as várias seguradoras achariam conveniente ter acordos contratuais para comprar os serviços de combate a incêndios umas das outras quando isso fosse mais viável do que usar os seus próprios, não seria necessário ter um quartel de bombeiros para cada seguradora em todas as áreas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.