16 réus acusados de crimes contra a humanidade – Nuremberg 2.0 em breve?

2
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

De acordo com o The Desert Review, uma série de figuras do alto poder na pandemia de COVID-19 e da exigência de vacinas experimentais de COVID foram acusados ​​​​de vários crimes, incluindo crimes contra a humanidade, crimes de guerra e crimes de agressão no Reino Unido:

    “Em um impressionante arquivamento legal de 46 páginas ao Tribunal Penal Internacional em 6 de dezembro [2021], um advogado intrépido e sete requerentes acusaram Anthony Fauci, Peter Daszak, Melinda Gates, William Gates III e outros doze de inúmeras violações do Código de Nuremberg. Estes incluíram vários crimes contra a humanidade e crimes de guerra, conforme definido pelos Estatutos de Roma, Artigos 6, 7, 8, 15, 21 e 53.”

Os 16 implicados

Ao todo, os 16 réus citados nos autos são:

  1. Anthony Fauci, diretor do NIAID
  2. Peter Daszak, presidente da EcoHealth Alliance
  3. Bill Gates
  4. Melinda Gates
  5. Albert Bourla, CEO da Pfizer
  6. Stephane Bancel, CEO da Moderna
  7. Pascal Soriot, CEO da AstraZeneca
  8. Alex Gorsky, CEO da Johnson & Johnson
  9. Tedros Adhanhom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS
  10. Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido
  11. Christopher Whitty, conselheiro médico-chefe do Reino Unido
  12. Matthew Hancock, ex-secretário de Estado da Saúde e Assistência Social do Reino Unido
  13. Medicines and Healthcare, atual secretário de Estado da Saúde e Assistência Social do Reino Unido
  14. June Raine, diretora executiva de medicamentos e produtos de saúde do Reino Unido
  15. Rajiv Shah, presidente da Fundação Rockefeller
  16. Klaus Schwab, presidente do Fórum Econômico Mundial

A vítima, em nome de quem a denúncia foi apresentada, é “o povo do Reino Unido”. Um dos sete requerentes é o Dr. Michael Yeadon, ex-vice-presidente e cientista-chefe de alergia e pesquisa respiratória da Pfizer.

No final de 2020, ele expressou profunda preocupação com a obrigatoriedade das injeções COVID, pois não encontrou justificativa médica para seu uso. Em 2021, como todos sabemos, os decretos foram lançados em todo o mundo. Em abril de 2021, Yeadon veio a público com a preocupação de que as injeções fizessem parte de uma agenda de despopulação.

“Acredito que [injeções de reforço COVID-19] serão usadas para prejudicar sua saúde e possivelmente matá-lo. Não consigo ver nenhuma interpretação sensata além de uma tentativa séria de despopulação em massa”, disse ele em uma entrevista ao “Planet Lockdown” publicada no final de abril de 2021.3

O que é o Tribunal Penal Internacional?

O Tribunal Penal Internacional (TPI) é uma organização intergovernamental e tribunal internacional localizado em Haia, Holanda. Suas atividades são regidas por um tratado internacional chamado Estatuto de Roma, que foi ratificado por mais de 120 países, incluindo os EUA.

O TPI é um tribunal permanente e independente que investiga crimes que dizem respeito à comunidade internacional, como alegações de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crimes de agressão. Em teoria, os estados membros devem cooperar com o tribunal, mas isso nem sempre acontece.

Se acionado, o tribunal pode processar e julgar indivíduos acusados ​​desses tipos de crimes, mas normalmente só o fará se o Estado-Membro não tomar as medidas legais apropriadas contra o perpetrador, o que pode acontecer se um governo tentar proteger o indivíduo em questão de responsabilidade criminal. Conforme observado na acusação:

    “Tentamos levar este caso à polícia inglesa local e ao sistema judicial inglês sem sucesso, não conseguimos sequer registrar o caso na polícia ou no tribunal após várias tentativas.

O estatuto do TPI declara que “O TPI visa complementar, não substituir, os sistemas criminais nacionais; processa casos apenas quando um Estado não está disposto ou é genuinamente incapaz de realizar a investigação ou a acusação (Artigo 17(1)(a)). Este é um caso e é por isso que estamos recorrendo ao TPI diretamente.”

Ainda assim, o TPI depende da aplicação da lei nacional dos estados para prender indivíduos, de modo que um estado membro ainda pode restringir a capacidade do tribunal de levar um criminoso à justiça. O TPI não possui força policial própria para cumprir mandados ou prisões. Neste caso, os réus estão espalhados por vários países. De acordo com a denúncia do TPI, os 16 réus violaram o Código de Nuremberg e quatro artigos do Estatuto de Roma.

Violação 1 – O Código de Nuremberg

O Código de Nuremberg é um conjunto de princípios de ética em pesquisa médica que surgiu do “Julgamento dos Médicos” em Nuremberg após a Segunda Guerra Mundial. O tribunal de crimes de guerra de Nuremberg estabeleceu 10 padrões aos quais os médicos devem obedecer ao realizar experimentos em seres humanos.

O mais importante entre esses códigos de ética é a necessidade de consentimento informado para participar de experimentos médicos. O Código de Nuremberg também tem sido a base para outras orientações e leis de ética médica, incluindo a Declaração de Helsinque de 1965, que obriga os médicos praticantes a “agir no melhor interesse do paciente ao prestar assistência médica”.

Não sendo uma lei vinculante, a denúncia argumenta que o Código de Nuremberg se qualifica como fonte de direito internacional por meio do artigo 21(1)(b) do Estatuto de Roma, que reconhece o direito internacional, tratados internacionais, costumes internacionais e princípios de direito reconhecido pelas nações civilizadas como sendo de igual valor.

Violação 2 – Genocídio

O artigo 6º do Estatuto de Roma refere-se a atos de genocídio, ou seja, atos destinados a destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso. Aqui, o grupo em questão é a população britânica em sua totalidade e, por extensão, do mundo, começando pelos idosos, doentes crônicos e deficientes. O genocídio pode incluir os atos de:

  • Matar
  • Causar danos físicos ou mentais graves
  • Impor medidas destinadas a reduzir a fertilidade
  • Infligir deliberadamente condições de vida, calculadas para causar destruição total ou parcial

Todas essas definições se aplicam neste caso, e os detalhes são fornecidos para dar suporte a cada acusação. Por exemplo, no que diz respeito às “condições de vida calculadas para causar destruição”, isso inclui tanto a destruição de negócios quanto a transferência de riqueza por meio de lockdowns impostos e danos ao sistema imunológico das pessoas pela recusa de oferecer tratamento precoce, obrigas a usar máscara e coação de pessoas para tomar a injeção COVID.

Violação 3 – Crimes Contra a Humanidade

O artigo 7.º do Estatuto de Roma abrange os crimes contra a humanidade, que incluem:

  • Assassinato
  • Extermínio
  • Prisão ou privação grave da liberdade física em violação das regras fundamentais do direito internacional
  • Tortura
  • Esterilizações forçadas
  • Perseguição de qualquer grupo identificável
  • Apartheid e outros atos desumanos

Cada uma das acusações específicas estão detalhadas na denúncia, com dados para justificá-las.

Violação 4 – Crimes de Guerra

Os crimes de guerra estão previstos no artigo 8º do Estatuto de Roma. A queixa argumenta que “uma guerra secreta foi travada contra o povo do Reino Unido (e do mundo) através do lançamento da arma biológica SARS-Cov-2 e da arma biológica adicional, ‘vacinas’ de terapia genética m-RNA”. Eles também incluem uma acusação de Mens Rea (mente culpada), ou seja, a intenção de cometer um crime, afirmando que:

    “… os membros do governo do Reino Unido e líderes internacionais mundiais contra os quais apresentamos esta queixa, estão conscientemente trabalhando em nome desta agenda global para a dspopulação através das armas biológicas conhecidas como SARS-Cov-2 e o m-RNA ‘ vacinas.’

Afirmamos, portanto, que os membros do governo do Reino Unido e os líderes mundiais contra os quais apresentamos esta queixa têm conhecimento e intenção em relação a esses supostos crimes”.

Os crimes de guerra listados na denúncia incluem:

  • Morte intencional por meio das injeções experimentais de COVID, o uso de doses letais de midazolam em pacientes de asilos diagnosticados com COVID e a inclusão de hidróxido de grafeno nas injeções.

Eles não apenas estão pedindo uma investigação completa sobre a inclusão de hidróxido de grafeno em algumas das injeções de COVID, mas também querem uma investigação completa sobre o suposto assassinato do Dr. Andreas Noack, um químico alemão e um dos principais especialistas em grafeno. A tese de doutorado de Noack descreveu a conversão de óxido de grafeno em hidróxido de grafeno. De acordo com a denúncia:

    “O professor Dr. Pablo Campra vem da universidade de Almeria e, ao lado do Dr. Andreas Noack, examinou nas ‘vacinas’ covid a presença de óxido de grafeno com a Espectroscopia Micro-Raman, o estudo de frequências. De acordo com os dois médicos, as vacinas não contêm óxido de grafeno, mas contêm hidróxido de grafeno.

Em 23 de novembro de 2021, o Dr. Andreas Noack divulgou um vídeo explicando o que é o hidróxido de grafeno e como as nanoestruturas injetadas no corpo humano agem como ‘lâminas de barbear’ dentro das veias dos recebedores da ‘vacina’…

Em 18 de novembro de 2020, o Dr. Andreas Noack estava em uma ‘transmissão ao vivo’ no YouTube discutindo os perigos das ‘vacinas’ Covid-19 quando foi preso diante das câmeras pela polícia alemã armada (Apêndice 41). Em 26 de novembro de 2021, poucas horas depois de publicar seu último vídeo sobre óxido de grafeno e hidróxido de grafeno (Apêndice 42), ele foi atacado e assassinado.

Solicitamos que seja feita uma investigação completa sobre a inclusão do hidróxido de grafeno nas ‘vacinas’ Covid-19 e sobre o assassinato do Dr. Andreas Noack.”

  • Tortura por meio do uso forçado de máscaras, o uso de cotonetes de teste contendo produtos químicos cancerígenos e a liberação de uma arma biológica artificial.
  • Causar intencionalmente grande sofrimento ou lesões graves ao corpo ou à saúde – Exemplos incluem o uso forçado de máscaras, o fechamento de consultórios médicos, os mandatos de jab COVID, o uso de guerra psicológica, o uso de guerra econômica, o uso de guerra biológica, negação de medicamentos eficazes, supressão de tratamentos alternativos, uso de ventiladores apesar da evidência de danos e eutanásia de pacientes idosos com COVID com midazolam.
  • Extensa destruição e apropriação de propriedade, não justificada por necessidade militar e realizada de forma ilegal e arbitrária.
  • Dirigir intencionalmente ataques contra civis, incluindo aqueles que não participam diretamente de quaisquer hostilidades.
  • Lançar intencionalmente um ataque, sabendo que causará perda de vidas, ferimentos a civis, danos a bens civis e/ou danos generalizados, de longo prazo e graves ao ambiente natural.

Violação 5 – Crimes de Agressão

A última violação são os crimes de agressão contra a população britânica, abrangidos pelo artigo 8 bis3 do Estatuto de Roma. De acordo com a denúncia:

    “Esta é uma conspiração criminosa global, planejada há várias décadas. Agora é óbvio que “o plano” envolve os ultra-ricos e líderes da maioria dos estados-nação, com algumas exceções.

Também está claro que poderosos grupos de reflexão, incluindo o WEF [Fórum Econômico Mundial] em Davos, bem como o Clube de Roma, e outras ONGs como OMS e GAVI, entre outras, estão no centro dessa conspiração criminosa draconiana. Sob o slogan oficial; ‘BUILD BACK BETTER’, usado pelo Presidente da OMS, o Presidente dos EUA, bem como o Presidente do WEF, o Primeiro Ministro do Reino Unido, bem como inúmeros outros líderes mundiais.

O objetivo desta atividade é criar uma nova ordem mundial, através da Agenda 2030 da ONU, desmantelando todos os Estados Nacionais Democráticos, passo a passo, controlados por uma elite não eleita e destruir as liberdades e direitos humanos básicos dos povos da Terra.

Além disso, o objetivo é destruir as pequenas e médias empresas, transferindo as fatias de mercado para as maiores corporações, de propriedade da Elite Global. O cumprimento desse objetivo provavelmente levará à escravização total da humanidade.

Isso está sendo feito por meio da ameaça de uma arma biológica perigosa, o vírus, as vacinas, os testes, os decretos de máscara e todas as outras medidas. Tudo isso constitui não apenas uma violação das leis nacionais, mas também uma violação fundamental da Carta das Nações Unidas e do Tratado de Roma e dos nossos direitos humanos fundamentais.

É de extrema urgência que o TPI tome medidas imediatas, levando tudo isso em consideração, para impedir a implementação de vacinas COVID, introdução de passaportes de vacinação ilegais e todos os outros tipos de guerra ilegal mencionados neste documento atualmente sendo travadas contra o povo do Reino Unido por meio de uma liminar judicial”.

Novas descobertas vão ‘desmantelar toda a indústria de vacinas’

Em um anúncio em vídeo de 1º de janeiro de 2022, Dr. Reiner Fuellmich – advogado de defesa do consumidor americano-alemão e cofundador do Comitê Extraparlamentar de Inquérito Corona alemão (Außerparlamentarischer Corona Untersuchungsausschuss) lançado em 10 de julho de 2020 – anunciou que os dados que agora possuem são “suficientes para desmantelar toda a indústria de vacinas”.

Fuellmich está liderando o comitê do caso de delitos da crise corona. Inicialmente, o comitê se concentrou em expor a fraude do teste de PCR, mas agora eles também têm evidências de que os fabricantes de vacinas estavam usando números de lote diferentes para realizar um experimento dentro de um experimento, sem o conhecimento do público.

Segundo Fuellmich, parece um experimento para determinar a dosagem necessária para matar e/ou mutilar pessoas. Em outras palavras, as pessoas não estão recebendo produtos idênticos. Diferentes lotes ou remessas contêm diferentes dosagens e até ingredientes diferentes.

     Há provas incontornáveis, a meu ver como advogado, de que houve premeditação. – Dr. Reiner Fuellmich

De acordo com o Dr. Wolfgang Wodarg, ex-presidente da Assembleia Parlamentar da Comissão de Saúde do Conselho da Europa, eles têm “provas concretas” disso. Ele aponta para uma investigação publicada no final de 2021 mostrando que apenas 5% dos lotes foram responsáveis ​​por 100% das mortes rápidas.

No vídeo, Wodarg também mostra um gráfico de 9.500 diferentes lotes de injeções da Pfizer, com alguns apresentando toxicidade, evidenciada por mortes, 3.000 vezes acima da linha de base. Outros têm uma toxicidade 2.500 vezes maior do que a linha de base. Entre eles estão lotes sem mortes atribuídas a eles.

Wodarg também afirma ter dados que mostram que os fabricantes de vacinas parecem ter coordenado e sincronizado seus experimentos, de modo que apenas um deles está liberando um lote potencialmente mortal de cada vez. Mas todos eles estão fazendo isso. Todos eles estão experimentando dosagens e ingredientes, insiste Wodarg, e a razão pela qual eles são capazes de fazer isso é porque não há conselhos de revisão supervisionando nenhum deles.

Agora existe um site interessante onde você pode pesquisar os dados do Sistema de Relatórios de Eventos Adversos de Vacinas dos EUA (VAERS) com base no número do seu lote, para ver se você obteve um dos lotes mais perigosos. Você pode encontrar esse painel aqui.

“Há evidências incontestáveis, na minha opinião como advogado, de que houve premeditação”, diz Fuellmich. E se a premeditação pode ser comprovada, então não há mais imunidade legal para ninguém. Eles podem ser responsabilizados por ferimentos e mortes.

Sem dúvida, as batalhas legais serão incrivelmente difíceis, pois há tantas pessoas poderosas trabalhando juntas nisso, protegendo umas às outras. Mas isso não significa que não devamos tentar. Pelo contrário, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para levar os criminosos por trás dessa tomada de poder global à justiça e responsabilizá-los por tudo o que foi feito às nossas economias, nossos meios de subsistência, nossas famílias, nossa saúde e o futuro de nossos filhos.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS