19. Duas notas sobre preferência e indiferença

0
Tempo estimado de leitura: 15 minutos

I. Uma nota sobre preferência e indiferença na análise econômica

Em seu célebre artigo “Reconstruindo a Economia de Bem-estar e de Utilidade”, Murray Rothbard escreveu que

A indiferença nunca pode ser demonstrada pela ação. Muito pelo contrário. Toda ação necessariamente significa uma escolha, e toda escolha significa uma preferência definida. Ação, especificamente implica no contrário de indiferença. . . . . Se uma pessoa é realmente indiferente entre duas alternativas, então ela não pode e não irá escolher entre elas. A indiferença, portanto, nunca é relevante para a ação e não pode ser demonstrada na ação.[1]

Isso parece ser inegável, e qualquer tentativa de explicar por que alguém escolhe fazer x em vez de y com referência à indiferença em vez de preferência parece um absurdo lógico, um “erro de categoria”. De fato, isso parece ser uma verdade semelhante à verdade que nenhuma “constante” pode ser usada para explicar uma “variável” e por que qualquer tentativa de explicar um resultado variável com referência a algumas condições constantes é igualmente absurda.

No entanto, Rothbard e Mises foram criticados por Nozick[2] e Caplan,[3] por inconsistência em admitir o conceito de indiferença na análise econômica, mesmo que apenas indiretamente. Essas críticas foram respondidas por Block[4] e Hülsmann.[5] No entanto, suas respostas, embora em grande parte corretas, parecem trazer pouca clareza ao assunto. Partindo da crítica de Nozick, espero remediar aqui essa deficiência.

Conforme corretamente observado por Block,[6] além de algumas observações bastante confusas e facilmente descartadas, Nozick tem apenas uma crítica desafiadora ao veredicto de Rothbard e Mises sobre a indiferença. Ele argumenta que seus pontos de vista são incompatíveis com sua própria formulação da lei da utilidade marginal. “De fato”, escreve Nozick,

os teóricos austríacos precisam da noção de indiferença para explicar e delimitar a noção de uma commodity e de uma unidade de uma commodity. . . . Sem a noção de indiferença e, portanto, de uma classe equivalente de coisas, não podemos ter a noção de uma commodity, ou de uma unidade de uma commodity; sem a noção de uma unidade (“uma unidade intercambiável”) de uma commodity, não temos como afirmar a lei da utilidade marginal (decrescente).[7]

Para fundamentar ainda mais sua afirmação, em uma nota de rodapé anexa, Nozick fornece citações de Ação Humana de Mises[8] (1966) e Homem, Economia e Estado[9] de Rothbard (1962). Ele escreve,

na pág. 158 [de Ação Humana] Mises diz: “Todas as partes – unidades – do estoque disponível são julgadas igualmente úteis e valiosas, quando se considera o problema de renunciar a uma delas.”. Aqui, então, temos indiferença. No entanto, uma escolha será feita, talvez ao acaso. Um objeto em particular será abandonado. No entanto, a pessoa não prefere desistir deste a desistir de outro. . . . [Da mesma forma, Rothbard em Homem, Economia e Estado, pp. 84] escreve, “Nesses exemplos, as unidades do bem são intercambiáveis do ponto de vista do agente. Assim, qualquer libra concreta de manteiga foi valorada neste caso perfeitamente igual a qualquer outra libra de manteiga.”[10]

A resposta de Block para este desafio é esta:

Penso que este problema pode ser conciliado da seguinte forma. Antes que surgisse a questão de desistir de uma das libras de manteiga, todas elas eram unidades intercambiáveis ​​de uma mercadoria, manteiga. Todas eram igualmente úteis e valiosas para o agente. — Mas então ele decidiu abrir mão de uma libra. Ele não detinha mais, ou pode ser considerado como detentor, de uma commodity homogênea que consiste em unidades de libra-manteiga. Agora há realmente duas commodities. Manteiga a, por um lado, consistindo de 99 unidades de uma libra, cada uma (das 99) de valor igual, cada uma intercambiável do ponto de vista do agente com qualquer outra no conjunto de 99 libras; por outro lado, a manteiga b, consistindo de uma libra de manteiga (a 72ª unidade das 100 unidades originais de manteiga, a que, por acaso, ele optou por desistir quando desejou vender uma de suas libras de manteiga). Nesse caso, a manteiga a seria preferível à manteiga b, como mostra o fato de que, quando chegou o momento de decisão, a manteiga b foi descartada e a manteiga a retida. — Alternativamente, podemos dizer que a pessoa era “indiferente” entre todas as 100 unidades de manteiga antes e além de qualquer questão de escolha que entrasse em cena. Mas a “indiferença”, nessa interpretação, existindo apenas na ausência da ação humana, não seria uma categoria praxeológica ou econômica, mas vaga, psicológica. . . . — Podemos ver, então, que com esta interpretação não haverá dificuldade em relação à lei da utilidade marginal decrescente. Por um lado, isso é porque podemos ter nossa homogeneidade (além da ação humana), bem como negá-la (quando a escolha ocorre). Assim, na medida em que são necessárias unidades homogêneas de uma mercadoria para o funcionamento e aplicação dessa lei, não há problema.[11]

Há dois pontos que não me satisfazem na solução de Block para o desafio de Nozick.

Primeiro, sua interpretação da indiferença como uma categoria “vaga, psicológica” parece errada. Em vez disso, de acordo com Mises, ela deve ser considerada como uma categoria epistemológica bastante precisa implícita no conceito de uma classe de objetos e envolvida em qualquer operação de classificação. “Quantidade e qualidade”, explica Mises,

são categorias do mundo exterior. Só indiretamente adquirem importância e significado para a ação. uma vez que cada coisa só pode produzir um efeito limitado, algumas coisas são consideradas escassas e tratadas como meios. como os efeitos que as coisas são capazes de produzir são diferentes, o agente homem distingue vários tipos de coisas. como uma mesma quantidade e qualidade de meios pode sempre produzir um mesmo efeito, a ação não faz distinção entre quantidades idênticas de um meio homogêneo.[12]

No entanto, se a formação de classes de objetos tem um fundamento realista e objetivo, como enfatiza Mises, então a rota de fuga de Block parece implausível e ad hoc: antes da escolha as unidades de manteiga pertenciam a uma classe (eram homogêneas), agora, no momento da escolha, elas são de repente membros de diferentes classes (elas são heterogêneas). Na verdade, elas continuam sendo o que eram e são agora: unidades de manteiga.

Block escolhe esse caminho porque acredita que, caso contrário, afirmar que as ações devem ser explicadas com referência às preferências pode ser uma afirmação duvidosa. No entanto, esse medo é injustificado. Podemos ter nossa homogeneidade (classes de objetos) e ainda insistir que somente as preferências podem explicar e são demonstradas em escolhas concretas.

Para explicar isso, é útil relembrar alguns insights elementares sobre a natureza da ação – insights com os quais os “austríacos” em particular deveriam estar familiarizados. As ações, enquanto comportamento intencional, têm um aspecto externo-comportamentalista e um interno-mentalista. Para dar uma descrição completa e adequada, ambos os aspectos devem ser levados em consideração. Uma citação de John Searle[13] deve deixar isso claro:

Se pensarmos na ação humana, . . . é tentador pensar que tipos de ação ou comportamento podem ser identificados com tipos de movimentos corporais. Mas isso está obviamente errado. Por exemplo, um mesmo conjunto de movimentos corporais humanos pode constituir uma dança, ou sinalização, ou exercício, ou treinamento muscular, ou nenhuma das opções acima. Além disso, assim como um mesmo conjunto de tipos de movimentos físicos pode constituir tipos completamente diferentes de ações, um tipo de ação pode ser realizado por um número muito diferente de tipos de movimentos físicos. . . . Além disso, outra característica estranha sobre as ações que as torna diferentes dos eventos em geral é que as ações parecem ter uma descrição preferida. Se vou dar uma volta no Hyde Park, há muitas outras coisas que estão acontecendo no decorrer da minha caminhada, mas suas descrições não descrevem minhas ações intencionais, porque, na ação, o que estou fazendo depende em grande parte do que eu acho que estou fazendo. Por exemplo, também estou me movendo na direção geral da Patagônia, balançando o cabelo da minha cabeça para cima e para baixo, desgastando meus sapatos e movendo muitas moléculas de ar. No entanto, nenhuma dessas outras descrições parece chegar ao que é essencial sobre essa ação, como a ação que é.[14]

Diante do pano de fundo da observação de Searle sobre a descrição preferida de uma ação, podemos agora propor uma solução simples, mas elegante, para o desafio de Nozick. Tenha em mente que, no exemplo acima, “ir passear no Hyde Park” e “movendo-se na direção geral da Patagônia” são fenômenos comportamentalmente idênticos, mas o último não faz parte da descrição preferida, embora possa estar sob diferentes circunstâncias. Em sua resposta a Nozick, Block não fornece a descrição preferida.

Se as 100 libras de manteiga são de fato homogêneas e eu entrego uma libra (seja em troca de dinheiro, como presente ou por qualquer outro motivo), então simplesmente não faz parte de minha ação que seja a unidade 72 que eu dou (mesmo que isso possa ser uma descrição comportamentalmente correta do que eu faço), assim como no caso acima não faz parte de minha ação que eu me mova na direção geral da Patagônia. Em vez disso, a descrição correta (preferida) é que entrego uma unidade de manteiga, demonstrando assim que prefiro esse dólar – ou mais provavelmente um dólar – ou talvez um “obrigado” do meu vizinho a uma unidade de manteiga. Por outro lado, se faz parte da descrição correta da minha ação que é a 72ª unidade de manteiga que dou (e não qualquer outra), então e só então estamos lidando com libras heterogêneas de manteiga (e minha ação demonstra que prefiro um dólar, aquela unidade de manteiga ou um “obrigado” a esta unidade de manteiga).

Outros supostos quebra-cabeças sobre sorvete, suéteres, crianças se afogando e o asno de Buridan podem ser resolvidos da mesma maneira.

Para dizer que sou indiferente quanto ao sorvete de morango e de baunilha é dizer, por exemplo, que uma descrição correta da minha ação deve falar simplesmente de sorvete ou de algo gelado e cremoso. Obter um sorvete de morango em troca de um dólar simplesmente não faz parte da descrição da minha escolha. Em vez disso, minha escolha demonstra que prefiro um sorvete ou algo gelado e cremoso a um dólar. Por outro lado, se tomar um sorvete de morango faz parte da descrição correta da minha ação, então é absurdo dizer que sou indiferente entre sorvete de morango e de baunilha.

Da mesma forma, se sou indiferente a suéteres azuis e verdes, minha escolha diz respeito simplesmente a um suéter, ou um suéter de cor escura; e obter um verde (ou azul) não faz parte da descrição correta da minha ação. Em vez disso, minha escolha demonstra minha preferência por um suéter sobre uma (ou esta) camisa ou outra coisa.

Da mesma forma, uma mãe que vê seus filhos igualmente amados Pedro e Paulo se afogarem e que só pode resgatar um não demonstra que ama Pedro mais do que Paulo se resgatar o primeiro. Em vez disso, ela demonstra que prefere uma criança resgatada a nenhuma. Por outro lado, se a descrição correta (preferida) é que ela resgatou Pedro, então ela não ficou indiferente em relação aos filhos.

Por fim, considere o asno de Buridan entre dois fardos de feno idênticos e equidistantes. O asno não é indiferente e ainda escolhe um em detrimento do outro, como Nozick teria dito. Em vez disso, prefere um fardo de feno (seja o esquerdo ou o direito simplesmente não faz parte da descrição da escolha preferida) e, portanto, demonstra sua preferência geral de feno à morte.

 

II. Mais notas sobre preferências e indiferença: réplica a Block[15]

Em resposta às críticas anteriores de Block à minha nota publicada anteriormente sobre o assunto de preferência e indiferença na análise econômica, primeiro resumirei os pontos que concordamos. Em seguida, reconstruirei nossas diferenças na forma de um diálogo fictício entre Block e Hoppe para concluir que Block falhou em entender meu argumento devido à sua incrível admissão de que “não dou a mínima para saber se alcançamos ou não uma descrição correta de ações de alguém.”

Suponha que Block tenha várias notas de dez dólares e eu tenha vários suéteres. Concordamos que é possível e perfeitamente legítimo que Block diga que cada uma de suas notas é “perfeitamente substituível” por qualquer outra, que são bens “homogêneos”, ou que se é “indiferente” a uma nota em relação a qualquer outra. Se esta afirmação é verdadeira (ou falsa) depende da percepção de Block. É verdade se Block realmente vê cada nota como “igualmente útil” (dado algum objetivo ou fim definido) em comparação com qualquer outra; e é falso se ele as considerar como não igualmente úteis (nesse caso, são bens heterogêneos). O mesmo vale para Hoppe e seus suéteres.

Em segundo lugar, concordamos que toda ação e, mais especificamente, toda troca interpessoal demonstra, expressa, revela ou manifesta uma preferência (ou melhor: preferências opostas).

Além disso, concordamos que a lei da utilidade marginal, ou seja, a proposição de que à medida que a oferta de um bem homogêneo aumenta (diminui) a utilidade marginal diminui (aumenta), é verdadeira.

Agora, as nossas diferenças: suponha que Block afirme que considera cada uma de suas notas de dólar igualmente úteis (como um suprimento de notas homogêneas), e Hoppe também afirme que considera cada um de seus suéteres perfeitamente substituível por qualquer outro. Em seguida, ocorre a troca de uma nota de dez dólares por um suéter. Como essa troca deve ser analisada?

Block: Primeiro, essa troca demonstra que eu prefiro um suéter a uma nota de dez dólares e você prefere uma nota a um suéter. Em segundo lugar, demonstra que valorizo ​​uma nota a menos (aquela que realmente abro mão) do que as outras (aquelas que guardo) e que o mesmo vale para você e seus suéteres – afinal, é uma nota em particular que está sendo trocada por um suéter em particular e deve haver uma razão pela qual é esta nota e este suéter e não aquele.

Hoppe: Concordo com sua primeira afirmação, mas não com a segunda. De fato, com sua segunda afirmação você fica enredado em uma contradição lógica, porque por um lado você afirmou que considera todas as suas notas como homogêneas e por outro lado você agora afirma que elas não são homogêneas (mas você valoriza uma nota menos do que outra).

Block: Admito, isso é uma contradição se você colocar as coisas dessa maneira. Mas não coloco assim. Pelo contrário, digo que considerei as notas como homogêneas antes da ação (troca), mas depois, no momento da escolha, as considerei diferentes ou heterogêneas. Assim, a contradição desaparece.

Hoppe: Mas e se você disser que as considera notas homogêneas enquanto (exatamente no mesmo momento em que) a troca ocorre? Então você não está se contradizendo? Você não está dizendo simultaneamente ambos: que suas notas são homogêneas e que não são homogêneas? Além disso: suponha que você tenha afirmado a lei da utilidade marginal enquanto trocávamos uma nota de dez dólares por um suéter e dissesse: “Entrego uma de minhas notas igualmente úteis em troca de um de seus suéteres e, consequentemente, a utilidade marginal de uma nota de dez dólares para mim agora é maior do que seria. Dado o que você argumentou desde o início: que sua troca de uma nota por um suéter demonstra não apenas sua preferência de um suéter por uma nota, mas também sua preferência por algumas notas (aquelas que você guarda) sobre outras (aquela que você entrega) – você não está envolvido em uma contradição lógica? Certamente, nem ambas as afirmações podem ser verdadeiras: sua afirmação da lei da utilidade marginal e sua descrição particular da troca. Sua afirmação não é então falsificada por sua descrição de nossa troca ou vice-versa?

Block: Devo admitir que estou tendo dificuldades aqui com meu argumento. Mas você não está enfrentando dificuldades semelhantes com os seus? Primeiro: como você pode aceitar apenas a primeira parte da minha análise, mas negar a segunda? Afinal, não se pode negar que é uma nota específica e um suéter específico que estão sendo trocados. E segundo: se você não aceita a segunda parte da minha análise, você não está dizendo com efeito que a indiferença é e pode ser demonstrada pela ação? E como você concilia isso com a máxima de Murray Rothbard (na qual concordamos) de que “a indiferença nunca pode ser demonstrada pela ação”?

Hoppe: Em primeiro lugar, é claro que não estou dizendo que a segunda parte de sua análise da nossa troca está incorreta em todas as circunstâncias. Se você tivesse uma nota que considerasse distinta (heterogênea) de todas as suas outras notas, e eu tivesse um suéter que considerasse distinto de todos os meus outros suéteres, então seria inteiramente correto você dizer que nossa troca demonstrou sua preferência do meu suéter em relação a esta nota em particular (em comparação com todas as suas outras notas). Mas, por suposição, esta não é a situação que devemos analisar. Em vez disso, a questão é se sua análise está ou não correta se, de acordo com a suposição, você afirmou que considera todas as suas notas como não distintas, homogêneas e igualmente úteis na busca de um determinado fim.

Agora a sua pergunta: rejeito a segunda parte de sua análise, porque envolve uma contradição, como acabei de explicar novamente. Se você considera as notas como homogêneas, então a descrição correta de nossa troca é que uma—qualquer uma—nota foi trocada por um—qualquer um—suéter (mas não: esta nota por este suéter); e isso logicamente implica que, de fato, é uma nota específica que está sendo trocada por um suéter específico. Portanto, não há problema em relação à sua primeira disputa.

Block: E quanto ao segundo problema mais sério que tenho com sua análise?

Hoppe: Esse problema também é prontamente resolvido.

Nem tudo o que “acontece” comportamentalmente é resultado de uma escolha (minha referência original a Searle pretendia enfatizar precisamente esse ponto). Se eu optar por caminhar do ponto A ao B, por exemplo, essa caminhada deve começar (e terminar) com o pé esquerdo ou com o pé direito; ou seja, comportamentalmente, minha caminhada pode ser descrita como esquerda-direita-esquerda-direita e assim por diante, ou como direita-esquerda-direita-esquerda e assim por diante. Mas enquanto esta ou aquela sequência particular de passos pode ser o resultado de uma escolha deliberada de minha parte, não precisa ser assim (e normalmente não é). Pode simplesmente “acontecer” ser esta sequência em vez daquela sem que eu escolha qualquer uma delas (ou seja, demonstrando a preferência de uma perna principal sobre a outra). Como determinamos o que é o resultado da escolha e o que não é? Obviamente, não por mera “observação”. Em vez disso, devemos perguntar ao agente para chegar a uma descrição (correta) de sua ação. Ele escolheu colocar o pé esquerdo ou direito primeiro ou simplesmente aconteceu que era um pé em vez do outro? A resposta depende da descrição correta da ação em questão; e o que é ou não a descrição correta da ação depende da percepção e conceituação da ação por seu próprio agente: na descrição de seu objetivo e de seus meios disponíveis para satisfazer esse objetivo.

Isso vale também para o caso em questão. É incorreto inferir, como você faz, pelo simples fato de que uma nota em particular está sendo trocada por um suéter em particular que isso deve ser o resultado de uma escolha. Pode muito bem ser uma coincidência, e a escolha foi, na verdade, umaqualquer uma – nota por umqualquer um – suéter. O que é ou não o caso depende de você, da descrição de sua ação. E qual é a descrição que você deu de sua ação? Você declarou que entregou uma nota considerada igualmente útil a várias outras notas em troca de um suéter. No entanto, afirmar isso é dizer que você não escolheu entre uma nota e outra (apesar do fato de que uma nota em particular deve ter sido selecionada de fato).

Block: No entanto, como você pode conciliar essa análise com a máxima de Rothbard?

Hoppe: Muito facilmente; pois é assim que Rothbard continua sua afirmação: “se uma pessoa é realmente indiferente entre duas alternativas, então ela não pode e não vai escolher entre elas.”[16] Note que Rothbard não diz aqui que não existe indiferença. Ao contrário, sua declaração implica claramente que ele pensa que existe – apenas que se e na medida em que há indiferença, então nenhuma escolha está envolvida. É exatamente isso que estou dizendo: se você é de fato indiferente em relação às suas notas, isto é, se acredita que cada uma delas é igualmente útil na busca de um determinado fim, então você não escolhe entre elas; e que você não escolhe, porque considera sua oferta de meios homogênea, pode até ser verificada. Pois se você é realmente indiferente, então você estaria disposto a permitir que eu (ou qualquer terceiro) selecionasse a nota que você está disposto a entregar em troca de um suéter que mais lhe agrade; e isso quer dizer, literalmente, que você não escolheu entre suas notas. Se uma escolha foi feita, foi uma escolha feita por outra pessoa. No que lhe diz respeito, sua escolha é entre umaqualquer uma – nota e um suéter.

Block: Então, qual é o papel da “indiferença” na análise econômica?

Hoppe: Sempre que agimos, empregamos meios para atingir um fim valorizado. Este fim é um estado de coisas que o agente prefere ao estado de coisas real (e iminente). Ambos os estados de coisas, no início da ação e na sua conclusão, são constelações de meios (bens) à disposição de um agente, descrevendo as circunstâncias ou condições sob as quais ele deve agir. Por um lado, a indiferença faz parte da descrição de tais circunstâncias e condições (os pontos inicial e final da ação). Por outro lado, as preferências (escolhas) explicam a mudança nessas circunstâncias que um agente deseja alcançar através da disposição de meios. Qualquer análise completa da ação deve envolver ambos: uma descrição do início e do fim da ação, bem como uma explicação da mudança que ocorre de um ponto para outro devido à ação demonstrativa de preferência. Ambos os conceitos, preferência e indiferença, são, portanto, partes necessárias e complementares de toda análise econômica (praxeológica).

Para explicar: O mundo com o qual nós, agentes homens, devemos lidar é um mundo de meios (bens). Mais especificamente, é um mundo feito de bens heterogêneos. Nem todo bem é adequado para alcançar o mesmo fim. Não habitamos um mundo feito de alguma “massa mágica” ou “maná” que seja igualmente adequado para satisfazer todos os fins humanos concebíveis. Em vez disso, alguns bens podem satisfazer alguns fins, mas não outros (ou não igualmente bem). Por outro lado, também não vivemos em um mundo feito exclusiva e inteiramente de bens heterogêneos, de modo que cada bem particular possa satisfazer um e apenas um fim específico. Em vez disso: Nosso mundo – o mundo real – é caracterizado pela heterogeneidade e homogeneidade: por bens heterogêneos compostos de múltiplas unidades homogêneas (enumeráveis ​​e quantificáveis), de modo que cada unidade é capaz de produzir o mesmo efeito final desejado.

Assim, toda análise praxeológica deve começar e terminar com “indiferença” (homogeneidade). Toda análise deve começar com uma descrição do ponto de partida da ação; e isso envolve uma especificação da atual constelação de oferta de unidades homogêneas de bens heterogêneos à disposição de um agente. É aqui que a indiferença (homogeneidade) entra em jogo pela primeira vez. Em segundo lugar, toda análise deve então explicar a mudança nessa constelação que um agente deseja efetuar ao entregar (alguns) desses bens em troca por outros mais valorizados. Aqui a preferência entra em cena. Finalmente, na conclusão de cada análise deve haver uma descrição dos resultados da ação (que são ao mesmo tempo as condições iniciais da ação); e essa descrição novamente deve ser sobre uma (nova e diferente) constelação de oferta de unidades homogêneas de bens heterogêneos (resultando em uma nova e diferente escala de valor do agente).

 

___________________________________

Notas

[1] Murray N. Rothbard, “Reconstruindo a Economia de Bem-estar e de Utilidade”, em idem, The Logic of Action, vol. 1 (Cheltenham, Eng.: Edward Elgar 1997), pp. 225–26.

[2] Robert Nozick, “On Austrian Methodology”, Synthese 36 (1977): 353-92.

[3] Bryan Caplan, “The Austrian Search for Realistic Foundations”, Southern Economic Journal 65, no. 4 (1999): 823-38.

[4] Walter Block, “On Robert Nozick’s ‘On Austrian Methodology’”, Inquiry 23 (1980): 397–444; e idem, “Teorização Austríaca: Recordando os Fundamentos”, Quarterly Journal of Austrian Economics 2, no. 4 (1999): 21-39.

[5] Jörg Guido Hülsmann, “Economic Science and Neoclassicism,” Quarterly Journal of Austrian Economics 2, no. 4 (1 999): 3-20.

[6] Block, “Sobre ‘Sobre Metodologia Austríaca’ de Robert Nozick”, pp. 423-425.

[7] Robert Nozick, “On Austrian Methodology”, Synthese 36 (1977): 353-92.

[8] Ludwig von Mises, Ação Humana.

[9] Murray N. Rothbard, Homem, Economia e Estado.

[10] Nozick, “Sobre Metodologia Austríaca”, p. 390.

[11] Block, “Sobre ‘Sobre Metodologia Austríaca’ de Robert Nozick”, pp. 424-425; e da mesma forma Block, “Teorização Austríaca: Recordando os Fundamentos”, pp. 22–24.

[12] Mises, Ação Humana, p. 155.

[13] John Searle, Minds, Brains and Science (Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1984), pp. 57-58.

[14] Ver também Hoppe, A Ciência Econômica e o Método Austríaco (Instituto Rothbard).

[15] Originalmente publicado no Quarterly Journal of Austrian Economics 3, no. 4 (Inverno 2005).

[16] Minhas ênfases.