2. Hans-Hermann Hoppe e o equivalente político da fusão nuclear

0
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

Sean Gabb

[Sean Gabb ([email protected]), um libertário e conservador inglês, é o diretor da Aliança Libertária, um think-tank britânico sobre o livre mercado e as liberdades civis.]

 

Fui convidado a contribuir com um capítulo para este livro de apreciações de Hans-Hermann Hoppe. Agora, ele é uma pessoa de realizações intimidadoras. Ele fez contribuições importantes para a economia, a teoria política, o direito e a epistemologia, entre muitas mais. Ele também é uma pessoa de muita habilidade organizacional, e as conferências que dirige em Bodrum para sua Property and Freedom Society rapidamente se estabeleceram como um dos pontos altos do calendário libertário.

Isso torna difícil saber por onde começar quando se trata de escrever um único capítulo sobre suas realizações. O que decidi fazer, no entanto, é tentar mostrar como o que ele pode considerar como uma de suas realizações menores está contribuindo para um consenso novo e potencialmente significativo dentro dos movimentos libertário e conservador.

O fim da Guerra Fria: uma vitória contestada

No sentido ideológico, a Guerra Fria foi travada entre os defensores da liberdade e da tradição, e seus mais sinceros e sistemáticos inimigos. Ainda assim, no acordo que se seguiu à derrota do comunismo, os principais perdedores foram os libertários e conservadores.

Aqueles que ainda consideram essa uma derrota para os inimigos da liberdade e da tradição não conseguiram ver, sob a superfície das coisas, a realidade subjacente. O marxismo-leninismo ortodoxo, junto com suas numerosas heresias, era principalmente importante não em seus próprios termos, mas como uma desculpa. Em cada geração, existem pessoas que querem viver às custas dos outros, ou torná-los infelizes, ou ambos. A menos que possam ser predadores por meio de conquistas – os assírios, por exemplo, ou os mongóis – essas pessoas sempre precisam de argumentos para persuadir suas vítimas de que serem roubadas ou assassinadas tornará o mundo um lugar melhor. A maioria delas precisa acreditar nesses argumentos.

Muito antes da queda do Muro de Berlim, o marxismo havia se tornado uma vergonha. Seus fundamentos históricos e econômicos desmoronaram. Todas as suas previsões se revelaram falsas. Suas promessas foram todas quebradas. Sua contagem de cadáveres e a pobreza de seus sobreviventes não podiam mais ser negadas. Já não servia para justificar as ações ou a existência do Estado soviético. Sua extinção depois de 1989 foi mais uma libertação do que uma derrota para os inimigos da liberdade e da tradição.

O avanço acelerado do multiculturalismo politicamente correto desde então, e a ascensão, partindo de praticamente nada, do ambientalismo, não deveriam, portanto, ser vistas como ideologias de asilo para marxistas órfãos. Em vez disso, são ideologias de transformação e controle mais de acordo com o espírito da época atual. Assim como o marxismo tinha feito, cada um fornece uma narrativa compartilhada, uma terminologia compartilhada e um sentimento compartilhado de fazer o bem, para aqueles cujos objetivos são tudo menos bons.

Além disso, são melhores do que o marxismo, na medida em que são menos ameaçadores para os poderosos do Ocidente. As exigências de diversidade e sustentabilidade geram burocracias, que permitem a cartelização de custos, que privilegiam a riqueza estabelecida contra a competição de novos entrantes. Além disso, fornecem empregos e status em organizações com a aparência de empresas convencionais e respeitáveis.

A nova ordem mundial

O resultado foi o surgimento, desde 1989, de uma nova ordem na qual instituições em geral liberais e democráticas estão sendo transformadas em agências de um estado policial, e na qual os modos de vida tradicionais e as diversidades reais estão sendo postos de lado em favor de uma homogeneidade centralizadora.

Não há nada de incomum no que está acontecendo. Não há nada que não devesse ter sido pelo menos vagamente percebido em 1989. No final de cada guerra real, a aliança vencedora tende a se desfazer, pois os grupos de interesse muitas vezes radicalmente diferentes que a compunham descobrem que o que os unia não mais existe para mantê-los juntos. Então, novas alianças se formam entre os grupos de interesse do lado vencedor e do lado perdedor.

Isso aconteceu no final das guerras napoleônicas, quando a Grã-Bretanha e a França se viram cada vez mais do mesmo lado contra as potências da Europa Central. Aconteceu novamente no final da Segunda Guerra Mundial, quando americanos e russos se desentenderam, e ambos recrutaram suas zonas da Alemanha ocupada como aliados na nova luta. Isso agora aconteceu com o novo consenso ideológico que surgiu no final da Guerra Fria.

Quer isso fosse esperado ou não, os libertários e conservadores têm motivos para se sentir lesados. Eles foram talvez os dois grupos ideológicos mais proeminentes na batalha contra o comunismo. Economistas libertários forneceram as armas de ataque mais devastadoras. Os conservadores fizeram o máximo para articular a repulsa que as pessoas comuns sentiam quando confrontadas com a cleptocracia e o assassinato em massa no cerne do comunismo. Eles agora são, em conjunto, excluídos das disposições de um mundo onde ex-trotskistas e até mesmo ex-membros do Partido Comunista vestiram ternos e se tornaram ministros do governo, e agora sentam-se sorridentes à mesa do jantar com os chefes de corporações globais.

Existem três respostas possíveis para este estado de coisas. Libertários e conservadores podem pateticamente ficar choramingando sobre a injustiça das coisas. Ou podem continuar, como se nada tivesse mudado depois de 1989, endereçando argumentos aos mesmos aliados e contra os mesmos inimigos. Ou podem reconhecer que o mundo mudou, e que a promoção dos mesmos valores requer uma abordagem diferente.

Novos tempos, novos caminhos

Deixe-me agora deixar de lado o tom impessoal. Não vou falar diretamente pelos conservadores. Mas falarei pelo movimento libertário em geral. Não há ortodoxia aqui. Os libertários discordam uns dos outros quase tanto quanto nós discordamos de nossos vários oponentes. Mesmo assim, é possível ver um consenso emergente – primeiro, que há necessidade de uma nova abordagem e, segundo, de sua natureza.

Ao explicar isso, o lugar lógico para começar é com nossos pensamentos sobre o livre mercado.

Responsabilidade limitada: o bichinho na goiaba do livre mercado

Todo mundo sabe que os libertários acreditam em mercados livres. Mas algo que nem sempre deixamos suficientemente claro – algo que pode nem sempre ter sido claro para nós mesmos – é que, quando falamos sobre mercados livres, o que queremos dizer são mercados de pessoas livres. Isso não significa que endossamos os mercados simplesmente porque são eficientes ou mesmo porque são criativos. Em particular, não temos afeição por grandes empresas.

Embora não haja dúvida de que tenham enriquecido o mundo, empresas como a Microsoft, a General Motors e a ICI não são instituições naturais. Elas são criaturas do estado. Elas surgiram e são sustentadas por leis de sociedade anônima. Essas leis permitem que indivíduos e grupos de indivíduos ajam não como eles próprios, mas como servidores de uma entidade fictícia. Os diretores e acionistas não são legalmente responsáveis ​​pelas dívidas da entidade. Nem precisam se sentir moralmente responsáveis ​​por suas ações ou inação em seu nome.

Devido à responsabilidade limitada dos acionistas, as corporações podem atrair grandes volumes de investimento. Por não serem pessoas físicas, não precisam seguir o ciclo de crescimento e declínio normal para empresas em nome individual. Em vez disso, uma geração de diretores e acionistas pode dar lugar a outra. Esses dispositivos permitem que as corporações comerciais cresçam muito mais do que as empresas que não sejam sociedade anônima.

Pode-se argumentar que as leis de sociedade anônima são semelhantes às leis de casamento – isto é, que reúnem o que de outra forma seriam uma série de acordos complexos em um único ato. Se não houvesse estado, as pessoas ainda coabitariam. Cada parceiro ainda pode fazer do outro seu herdeiro primário. Haveria acordos ou regras consuetudinárias para regular a gestão da propriedade comum e a educação dos filhos.

Mas este não é o caso da sociedade anônima. Certamente, os proprietários de qualquer negócio poderiam concordar com seus fornecedores e clientes que eles são servidores de uma entidade fictícia e que sua responsabilidade por dívidas é limitada ao seu investimento na entidade. Mas eles não poderiam se tornar contratualmente isentos de responsabilidade civil. Esse fato por si só afastaria qualquer investidor que não conseguisse comprar o controle acionário. Eu e incontáveis ​​milhões de pessoas como eu possuímos ações de empresas das quais nada sei. Se soubéssemos que seríamos considerados, no caso de uma grande indenização por danos, solidariamente responsáveis ​​pelo pagamento, dificilmente algum de nós se arriscaria a ser acionista.

Agora, exceto para os anarquistas, dizer que algo não poderia existir sem o estado não o torna ilegítimo em si mesmo. Mas é razoável presumir que tudo o que não pode existir naturalmente precisa de uma forte justificativa em termos de utilidade. Não basta apontar as realizações das grandes empresas. Os libertários têm enfrentado argumentos semelhantes há séculos sobre o estado. Na maioria dos países, o estado oferece educação. No meu país, o estado fornece a maioria dos cuidados de saúde. Obviamente, isso não significa que educação e saúde não seriam fornecidos sem o estado. O mesmo ocorre com as sociedades anônimas. Todos os produtos farmacêuticos e a maioria dos softwares de computador foram desenvolvidos por grandes corporações. Mas não há razão para supor que eles não possam ser fornecidos de outra forma.

E mesmo se pudesse ser demonstrado que haveria menos dessas coisas em um mundo sem sociedade anônima, os custos da sociedade anônima devem ser pesados ​​contra os benefícios.

Capitalismo de compadrio

Quando o número e o tamanho das empresas crescem além de um certo limite, elas tendem a se tornar parte da classe dominante. Para criar um novo negócio e torná-lo grande, é preciso empreendedorismo, que na maioria das vezes é uma qualidade de quem está de fora. Administrar o que já está estabelecido e torná-lo maior exige competências semelhantes às exigidas pela política e pela administração estatal. Entre o Estado e as corporações maiores, portanto, haverá um compartilhamento e intercâmbio contínuo de pessoal.

Isso possibilitará que as empresas externalizem alguns de seus custos de crescimento. Elas irão, como jogadores políticos, pressionar pelo envolvimento do Estado na construção de estradas e ferrovias e outras infraestruturas de transporte que lhes permitam desfrutar de maiores economias de escala do que seria possível de outra forma. Elas vão pressionar pelo controle político dos mercados estrangeiros. Elas estarão em melhor posição para obter contratos governamentais – frequentemente para fornecer coisas que elas próprias insistem que são necessárias.

Dado um clima ideológico favorável à intervenção ativa, elas moldarão o sistema tributário e regulatório em desvantagem para os concorrentes menores.

Existem então os custos culturais. Qualquer pessoa que trabalhe por qualquer período de tempo em uma grande corporação tende a se tornar apenas mais um “recurso humano” – todas as decisões importantes de sua vida são tomadas para ela por outras pessoas e são incentivadas à passividade política e cultural. Para se sair bem aqui, ela precisa se tornar um receptor e transmissor de ordens, aceitar autoridade e evitar discussões com superiores, e considerar o sucesso em termos de renda estável pontuada por avanços constantes. Ela deve ser essencialmente um burocrata. Ela não saberá nada sobre como os negócios reais são transacionados. Ela não se importará nada com as leis e impostos que impedem outros de realizar negócios reais. Ela não estará inclinada a resistir ao paternalismo nos arranjos políticos de seu país.

O fim do comprometimento

Como disse, essa rejeição do que pode ser chamado de “capitalismo realmente existente” é apenas um consenso emergente. Ainda existem muitos libertários que não veem nada de errado com as corporações empresariais em si mesmas. E até recentemente, pessoas como eu estavam à margem do movimento libertário. Mas, então, até recentemente, não era irrazoável para os libertários olharem favoravelmente para as corporações empresariais.

Até 1989, toda a política foi moldada pelo grande cabo de guerra ideológico contra o socialismo. Tínhamos pouca escolha sobre entrar naquele cabo de guerra, e nenhuma sobre em que direção estaríamos puxando – e nenhuma sobre com quem estaríamos puxando. Os comunistas queriam destruir as corporações comerciais e também a liberdade de mercado. Mesmo os mercados corrompidos são melhores do que nenhum mercado. E nunca se deve esquecer que o “capitalismo realmente existente” funciona. Pode restringir os mercados e o espírito humano. Mas tem sido melhor do que qualquer outro sistema de organização econômica oferecido nos últimos cem anos. Tem sido incrivelmente produtivo. Ele elevou, e está elevando, bilhões da pobreza para a prosperidade. Um mundo libertário de unidades de negócios pequenas e sem privilégios seria melhor. Mas o que tínhamos era muito bom e deveria ser defendido contra todos os seus rivais tradicionais.

Mas os tempos estão mudados. As corporações empresariais tornaram-se cada vez mais globais desde o fim da Guerra Fria. Elas têm saído gradualmente de sua fase empresarial para a burocrática. Elas estão cada vez mais exigindo privilégios descarados. Elas estão exigindo leis de propriedade intelectual que vão muito além do que qualquer pessoa comum possa considerar razoável. Por meio dos chamados acordos de “livre comércio”, elas estão promovendo a cartelização regulatória em nível mundial. Ninguém importante quer nacionalizar as corporações. Elas trabalham alegremente com governos de todas as convicções aparentes. Seus dirigentes são, mais do que nunca, membros da classe dominante.

Quanto mais os libertários duvidam da legitimidade da corporação empresarial, mais nos reconectamos ou nos conectamos com outras tradições de resistência ao poder estatal. Não há nada anti-libertário em organizações fortes da classe trabalhadora. Enquanto não houver concessão de privilégio legal, os libertários não podem fazer objeções aos sindicatos, cooperativas ou outras instituições. Podemos não ter nada contra o desmembramento de grandes propriedades – no campo e na cidade.

As grandes empresas não precisam ou merecem mais nosso apoio. Podemos agora enfatizar com segurança os elementos radicais de nossa ideologia. Não corremos mais o risco de apoiar instituições alternativas que podem ser organizações de fachada para o comunismo.[1]

Proximidade com conservadores: velhos amigos nos novos tempos

Isso basta para a primeira parte de nossa estratégia emergente de resistência. Mas agora existe a questão de nosso relacionamento com os conservadores. Não me refiro aos neoconservadores. De um modo geral, o prefixo “neo” tem um significado negativo. E essas pessoas estão menos interessadas na tradição do que em manter um complexo militar-industrial que pode ter sido necessário para enfrentar o comunismo soviético, mas que agora é simplesmente um perigo permanente para a liberdade interna e a paz no exterior.

Não – o que quero dizer são verdadeiros conservadores no sentido de língua inglesa. Sua defesa da tradição é necessariamente uma defesa do governo limitado, do devido processo legal, da liberdade civil e da liberdade de mercado. Eles eram aliados naturais no passado. Não há razão para que não continuem sendo no futuro.

O problema até agora é que existem certas diferenças entre libertários e conservadores que impedem a cooperação de todo o coração. Com o fim da ameaça comunista, pareceu por um tempo que iríamos seguir caminhos separados. Mesmo agora, não é comumente aceito que haja uma nova ameaça tão mortal quanto a anterior, e que precisa de resistência coordenada.

A principal diferença é a visão da sociedade ideal. A utopia libertária é uma de escolha máxima em um mundo de rápido progresso tecnológico. Em última análise, o que queremos é uma ordem não totalmente baseada neste planeta, na qual as pessoas têm vivido por muito tempo. Não estamos muito interessados ​​em manter antigos modos de vida simplesmente porque são antigos.

Os conservadores, é claro, estão interessados ​​em manter esses métodos antigos. Eles odiavam o socialismo como um ataque à sua ordem ideal. Eles às vezes consideram o libertarianismo como um ataque comparável. Em particular, eles não acreditam na imigração em massa, que eles percebem como uma ameaça ao seu estado-nação orgânico. E eles têm dúvidas sobre uma liberdade de comércio que pode impedir seu país de se alimentar ou de produzir suas próprias manufaturas.

Assim chegamos, finalmente, ao que considero a principal conquista de Hans-Hermann Hoppe. Não estou qualificado para avaliar seu trabalho econômico. Como minha própria perspectiva filosófica é limitada pelos céticos gregos e por Epicuro e os empiristas britânicos, sua epistemologia realmente não concerne minhas áreas de interesse. Tampouco direi que ele concorda com minha aversão às empresas. Mas seu esclarecimento sobre o que pode ser uma ordem libertária é algo que posso apreciar. E é isso que considero sua maior contribuição para a causa conjunta da liberdade e da tradição.

O problema da imigração

Vamos considerar seu trabalho sobre imigração. Até o final do século XX, havia um consenso libertário sobre a imigração que emergiu durante as primeiras questões sobre a entrada de judeus e católicos irlandeses na Inglaterra, ou dos povos do sul e do leste da Europa para a América. Os libertários insistiram, e obtiveram consenso com o tempo, que os problemas suscitados por essas imigrações eram imaginários ou de curto prazo; e que as políticas de indiferença benigna transformariam estranhos em cidadãos.

Com o aumento da imigração em massa de fora do mundo europeu, essa opinião teve que ser revista. Se todos os judeus da Europa Oriental tivessem se mudado para a Inglaterra antes de 1906, isso teria aumentado a população em talvez três milhões. Se todos os eslovacos da Europa tivessem se mudado para os Estados Unidos antes de 1920, isso também teria aumentado a população em três milhões. Eram povos cuja aparência e valores eram razoavelmente semelhantes aos da população nativa e que, com o tempo, se poderia esperar que se tornassem indistinguíveis da população nativa.

Pode ser diferente com os imigrantes não europeus. Sua aparência é diferente. Seus valores costumam ser radicalmente diferentes, e até hostis. Há um número potencialmente ilimitado deles. Sua simples presença parece capaz de deslocar padrões culturais que há muito são vagamente favoráveis ​​à liberdade e colocar uma forte pressão para baixo na renda dos pobres. Além disso, eles estão sendo usados ​​como desculpa para criar uma ordem em que a liberdade de expressão e de contrato, juntamente com a responsabilização democrática, seja deixada de lado no suposto interesse da ordem pública.

A resposta libertária dominante tem sido negar que haja em si mesmo qualquer problema nisso, e que a experiência das imigrações passadas simplesmente se repita. Suas únicas recomendações de política são fazer objeções mais ruidosas ao estado policial multicultural que já estava crescendo antes da aceleração da imigração não europeia. Eles também apontam que muitas disputas entre nativos e recém-chegados acontecem em áreas controladas ou influenciadas pelo estado. Defendem que não haja educação estatal, de modo a não haver necessidade de discutir se algumas escolas devam permitir que os professores usem véus e outras devam ensinar a inerrância da Bíblia ou a inexistência de Deus. Se não houvesse um estado de bem-estar social, não haveria necessidade de discutir impostos sobre os nativos para manter os filhos de estrangeiros, ou impostos sobre estrangeiros para pagar as pensões dos nativos.

Quanto ao argumento sobre a queda salarial, ele é contraposto pela observação de que uma maior liberdade de mercado iria, depois de um tempo, conter ou mesmo reverter essa tendência, ou negando-se a legitimidade de qualquer consideração do Estado com os padrões de vida dos pobres.

O que o professor Hoppe faz é ignorar a polaridade do debate da forma como foi estabelecido. Aqueles que querem uma ordem anarquista até agora tiveram que aceitar a legitimidade da imigração em massa. Aqueles que estavam preocupados com a imigração em massa tiveram que aceitar a necessidade de um estado para controlar a fronteira. O professor Hoppe ignora esse debate e vai direto ao ponto.

O Estado é o traidor, e não o guardião do portão

Ele considera a imigração em massa do último meio século para os países ocidentais como um exemplo não de fronteiras abertas libertárias, mas de “integração forçada”. É diferente do livre comércio de bens e serviços na medida em que não é uma escolha livre dos indivíduos se associarem como quiserem. Em vez disso, é um produto de leis antidiscriminação e políticas de bem-estar social do Estado.

Em uma democracia, os políticos terão interesse em importar aqueles com maior probabilidade de votar por um governo grande, ou aqueles com maior probabilidade de se prestarem a uma balcanização eleitoral que ponha fim à responsabilização dos governantes aos governados. Dada a pressão da maioria, esses políticos farão leis de imigração que parecem duras. Mas isso conduzirá, na melhor das hipóteses, a atos aleatórios de opressão contra os tipos de imigrantes que, em qualquer ordem racional, podem ser bem-vindos. As políticas de bem-estar social indiscriminado que atraem os indigentes para o país, e do politicamente correto e multiculturalismo que impedem a maioria de resistir, continuarão sem controle.

Mas vamos imaginar uma sociedade em que não haja estado. Obviamente, não haveria bem-estar social fornecido pelos contribuintes. Nem seria possível assustar os nativos para deixá-los passivos. Nem, porém, haveria imigração descontrolada.

O professor Hoppe diz:

[V]amos supor … uma sociedade anarcocapitalista. … Todos os territórios são propriedade privada, incluindo todas as ruas, todos os rios, todos os aeroportos, todos os portos (e assim por diante). Em relação a alguns pedaços de terra, o título de propriedade pode ser ilimitado (irrestrito); i.e., o proprietário está autorizado a fazer com a sua propriedade tudo quanto lhe aprouver, desde que não danifique fisicamente a propriedade dos outros. Em relação a outros territórios, o título de propriedade pode ser mais ou menos severamente restringido (restrito ou limitado). Como é atualmente o caso em alguns loteamentos, o proprietário pode estar vinculado a limitações contratuais sobre o que ele pode fazer com a sua propriedade (zoneamento voluntário), as quais podem incluir temas como: uso residencial versus utilização comercial; proibição de edifícios com mais de quatro andares; proibição de venda ou de aluguel a judeus, a alemães, a católicos, a homossexuais, a haitianos, a fumantes ou a famílias com ou sem filhos.

É claro que, nesse cenário, não há liberdade de imigração. Em vez disso, muitos donos independentes de propriedades privadas têm a liberdade de admitir ou de excluir os demais das suas propriedades de acordo com os seus próprios títulos (irrestritos ou restritos) de propriedade. A admissão a alguns territórios pode ser facilmente obtida, ao passo que a admissão a outros territórios pode ser quase impossível de ser adquirida. Em qualquer caso, contudo, o acesso à propriedade de uma pessoa que o admite não implica a existência de uma “plena liberdade de ir e vir” – a menos que os demais proprietários autorizem essa movimentação. Haverá tanta imigração ou não imigração, tanta inclusão ou exclusão, tanta dessegregação ou segregação, tanta discriminação ou não discriminação (baseada em critérios raciais, étnicos, linguísticos, religiosos, culturais, entre outros) quanto os proprietários ou as associações de proprietários permitirem.

Note-se que nada disso – nem mesmo a mais exclusiva forma de segregacionismo – implica a rejeição do livre comércio e a adoção do protecionismo. O fato de que alguns não queiram se associar com – ou viver no bairro de – negros, turcos, católicos ou hindus (e assim por diante) não implica que eles não desejem negociar à distância com esses indivíduos. Pelo contrário: é exatamente pela voluntariedade absoluta da associação humana e pela separação – i.e., pela ausência de qualquer forma de integração forçada – que se concretiza a possibilidade de relações pacíficas – i.e., de livre comércio – entre indivíduos cultural, racial, étnica e religiosamente diferentes.[2]

Na verdade, ele não para na imigração. Ele argumenta que um mundo libertário teria espaço para comunidades altamente tradicionais, nas quais visões conservadoras da moralidade seriam a norma.

Agora, eu repito, esta pode ser uma contribuição teórica que o professor Hoppe considera menor do que seu trabalho sobre a teoria econômica austríaca. Para mim e para qualquer pessoa que queira uma fusão de movimentos libertários e conservadores, é uma contribuição de importância de primeira classe.

Resistindo à Nova Ordem Mundial: o fim do começo?

Os conservadores podem não ficar totalmente satisfeitos com esse mundo. Seu ideal orgânico dá espaço para um estado poderoso. Mas a resposta para isso no momento – e por algum tempo – é que qualquer estado capaz de intervir em questões de moralidade pessoal será necessariamente administrado pelo tipo de pessoa que agora dirige o estado que temos. Esse não será um estado conservador. Portanto, o libertarianismo deve, em um futuro previsível, ser uma estratégia para os conservadores.

Estamos falando aqui de um debate que está ocorrendo entre algumas centenas de pessoas e que é ignorado por quase todos os outros. Não há chance, seja na Inglaterra ou nos Estados Unidos, de uma vitória eleitoral libertária ou mesmo realmente conservadora.

Mas, apesar de lamentável, isso não é necessariamente importante. O importante é que dois grupos de intelectuais cheguem à verdade, e concordem entre si sobre essa verdade e como ela deve ser promovida. Se o que eles decidirem for a verdade, ela eventualmente terá seu efeito.

Eu disse que aqueles que gostam de viver às custas dos outros dificilmente falam honestamente sobre o que desejam. Quase nunca admitem para si mesmos o que desejam. Em vez disso, eles operam por trás da ideologia de legitimação mais conveniente no momento. Ataque essas ideologias com força suficiente, e elas irão desmoronar. Isso pode fazer com que os oprimidos se levantem e reivindiquem seus direitos. Mais provavelmente, isso confundirá e enfraquecerá aqueles que se beneficiam de tais ideologias, de modo que acabarão cedendo a demandas menos violentas.

Os libertários e conservadores podem ter perdido a Guerra Fria. Mas a batalha continua. E, graças em parte ao trabalho de Hans-Hermann Hoppe, o que apenas alguns anos atrás poderia ter parecido uma última resistência fútil pode ser o prelúdio para um contra-ataque fulgurante.

 

_____________________________

Notas

[1] Nada do exposto acima deve ser considerado original. Há uma vasta literatura, embora principalmente americana, sobre esse assunto. Veja, por exemplo, Murray Rothbard:

Todos os elementos do programa do New Deal: planejamento central, criação de uma rede de cartéis obrigatórios para a indústria e agricultura, inflação e expansão do crédito, aumento artificial dos salários e promoção de sindicatos dentro da estrutura monopolista geral, regulamentação governamental e propriedade, tudo isso tinha sido antecipado e esboçado durante as duas décadas anteriores. E esse programa, ao privilegiar vários interesses de grandes empresas no topo da pilha coletivista, em nenhum sentido lembrava o socialismo ou o esquerdismo; não havia nada que cheirasse a igualitário ou proletário aqui. Não, o parentesco desse coletivismo florescente não era de forma alguma com o socialismo-comunismo, mas com o fascismo, ou socialismo-de-direita, um parentesco que muitos grandes empresários dos anos 1920 expressaram abertamente em seu anseio pelo abandono de um sistema quase-laissez-faire para um coletivismo que eles pudessem controlar…. Tanto a esquerda quanto a direita têm sido persistentemente enganadas pela noção de que a intervenção do governo é ipso facto esquerdista e anti-empresas.

Murray N. Rothbard, “Esquerda e Direita: Perspectivas para a Liberdade”, Esquerda e Direita, no. 1 (primavera de 1965).

Para mais discussões, veja: Gabriel S. Kolko, Railroads and Regulation, 1877-1916 (Princeton: Princeton University Press, 1965) e idem, The Triumph of Conservatism: A Reinterpretation of American History, 1900-1916 (New York: Free Press , 1965); Murray N. Rothbard, “War Collectivism in World War I,” em Ronald Radosh & Murray N. Rothbard, eds., A New History of Leviathan (Nova York: Dutton, 1972); Robert Higgs, Crisis and Leviathan: Critical Episodes in the Growth of American Government (Oxford e Nova York: Oxford University Press, 1987); Paul Weaver, The Suicidal Corporation: How Big Business Fails America (Nova York: Simon & Schuster, 1988); Butler Shaffer, In Restraint of Trade: The Business Campaign Against Competition, 1918-1938 (Lewisburg: Bucknell University Press, 1997); John T. Flynn, As We Go Marching, (Nova York: Free Life, 1973); Roy Childs, Big Business and the Rise of American Statism (editora sem nome, 1971); Joseph Stromberg, “Political Economy of Liberal Corporatism” (Nova York, Center for Libertarian Studies: 1978) e idem, “The Role of State Monopoly Capitalism in the American Empire,” (Nova York, Center for Libertarian Studies: 1978); Kevin A. Carson, The Iron Fist Behind the Invisible Hand: Corporate Capitalism as a System of State-Guaranteed Privilege (Montreal: Red Lion Press, 2001); Kevin A. Carson, Austrian and Marxist Theories of Monopoly-Capital: A Mutualist Synthesis, Economic Notes 102, (Londres: The Libertarian Alliance, 2004).

Recomendo particularmente os trabalhos de Kevin Carson.

[2] Hans-Hermann Hoppe, “On Free Immigration and Forced Integration,” LewRockwell.com (1999).