3. O poder do argumento em um mundo louco

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Remigijus Šimašius

[O Dr. Remigijus Šimašius ([email protected]) é Ministro da Justiça da República da Lituânia. Antes de sua nomeação para este cargo em dezembro de 2008, ele foi presidente do Instituto de Livre Mercado da Lituânia.]

 

Não devemos nos surpreender com o fato de o mundo estar louco. A natureza humana leva à busca individual de objetivos que levam a conflitos, poder e abuso de poder. O mundo, porém, está ainda mais do que apenas louco hoje em dia. Em vez de procurar soluções para lidar com o lado negro da natureza humana, os líderes políticos e de opinião do mundo estão ocupados ignorando o problema ou tornando-o muito maior. Há ataques constantes à economia de mercado e à responsabilidade pessoal. Regulamentação, educação, subsídios – tudo é empregado a serviço desses ataques.

Existem inúmeras estratégias para lidar com este mundo louco. Você pode agir de acordo com ele, racionalizar sua loucura e ganhar a vida servindo àqueles cujos interesses são manter o público na ignorância. Ou você pode analisar o mundo ao seu redor, mostrando o que há de errado com ele e mostrar como as coisas realmente são. Hans Hoppe é uma daquelas pessoas que sempre busca a verdade, vai mais fundo do que os outros e não hesita em expor suas ideias a outras pessoas.

Vamos dar alguns exemplos. A preferência temporal é uma questão essencial quando falamos sobre a criação de riqueza. Hoppe explica que você só pode acumular capital se estiver pronto para adiar os prazeres de hoje pelo amanhã. Economizar, aprender e trabalhar significa adiar o lazer e o consumo.[1] Mas se olharmos para as políticas e os sentimentos dominantes no mundo hoje, vemos que virtudes totalmente opostas estão sendo promovidas: poupar é ruim porque atrapalha o consumo hoje. Gastar é tratado como bom, enquanto a poupança é tratada como um problema. Atacar os qualificados, os talentosos e os educados não apenas com tributação, mas com tributação “progressiva” é tratado como moral. A educação é considerada um benefício para o indivíduo e a sociedade apenas pelo estudo de coisas que não trazem ganho financeiro. Trabalhar é desencorajado por impostos, enquanto não trabalhar é encorajado por subsídios. Os argumentos de Hans Hoppe demonstram que você obtém exatamente o que incentiva e subsidia. Se você subsidia a preguiça, você obtém preguiça. Se você subsidia a pobreza, você obtém pobreza. Assim ele escreve,

Em decorrência da prática de subsidiar os fingidores de doenças, os neuróticos, os descuidados (negligentes), os alcoólatras, os viciados em drogas, os infectados pela AIDS e os física e mentalmente “diferenciados” através de regulações na área de seguros e através de seguros compulsórios de saúde, haverá mais doenças, mais fingimentos, mais neuroticismo, mais descuido (negligência), mais alcoolismo, mais toxicodependência, mais infecção por AIDS e mais retardo físico e mental.[2]

A crise econômica de 2008 (e o boom artificial que a precedeu) é outro exemplo de como o mundo está louco. Todo mundo está em pânico, todo mundo está procurando desesperadamente por uma solução, e muitos recorrem ao governo em busca de um plano de resgate. Mas e quanto à expansão do crédito como pré-condição fundamental para a crise? A teoria austríaca dos ciclos econômicos foi ignorada antes da crise porque não havia crise. Agora a teoria é ignorada porque explica que o governo é a fonte da crise, e porque aconselha que esperemos pacientemente enquanto o mercado liquida os maus investimentos que há anos são incentivados. Hoppe explica que, se você quiser enfrentar a crise, deve mudar o sistema monetário e abolir as moedas fiduciárias impostas pelo estado.[3]

O axioma de Hoppe da propriedade privada também é de importância crucial. Se você debate sobre questões éticas, significa que você pressupõe seu próprio direito, bem como o direito de outras pessoas de debater a questão.[4] Essa aceitação implica que você respeita os direitos das outras pessoas envolvidas no debate de controlar seus próprios corpos. E a conclusão é crucial: se você começar a debater o que é certo e o que é errado, significa que você já reconheceu que a propriedade privada é necessária e inevitável para qualquer julgamento moral. Isso se aplica até mesmo àqueles que tentam argumentar contra a propriedade privada. A base ética da propriedade privada nunca foi tão forte e profunda antes.

Existem também muitos outros campos onde Hans Hoppe expandiu os limites da ciência política e econômica. A monarquia não é tão ruim quanto a democracia, ele argumenta.[5] Isso foi e ainda é inaceitável para muitos intelectuais. E a maioria das pessoas seguiu o exemplo dos intelectuais porque não tinham bons argumentos em contrário. A simples referência à “mão forte” de um ditador não era apenas politicamente incorreta e antiquada, mas também contrária aos objetivos e à imagem de sociedade que a maioria das pessoas realmente possui. Hoppe forneceu uma explicação clara para resolver essa bagunça intelectual. A ausência de democracia nas decisões públicas não significa necessariamente ditadura e a mais terrível exploração do povo. Pelo contrário: a democracia é o sistema que conduz à ditadura, à exploração dos outros, à ignorância e à vulgaridade.

O fornecimento privado de segurança é outro tópico que se beneficiou dos insights de Hoppe.[6] Toda pessoa decente muitas vezes sente que a polícia não está fornecendo proteção adequada, mas qual é a alternativa? Melhor isso do que nada, como tantos dos insatisfeitos com o governo tendem a concluir. Um exército de intelectuais está pronto para ajudá-los a chegar a essa conclusão. Hoppe fornece argumentos sólidos e explica a economia da produção privada de defesa. Nenhum estudioso sério pode ignorar os argumentos importantes de Hoppe. Aqueles que afirmam que não haverá segurança sem governo estão simplesmente enganados. Agora, você pode direcioná-los para as obras de Hans Hoppe.

Imigração, democracia, regulamentação – tantas ideias ruins abundam sobre todas essas questões. E Hoppe aborda essas questões tão bem em seus escritos e discursos.[7]

Hans Hoppe não é, no entanto, apenas um estudioso que apresenta bons argumentos e os defende com competência e paixão. Ele mesmo é como um argumento. Conhecer Hans é um acontecimento e tanto para muitos. Ele é uma pessoa que possui uma autoridade natural; é impossível não notá-lo em qualquer grupo de pessoas. Não quero dizer que Hans fale alto, conte piadas ou aja de alguma maneira bizarra ou excitada. Pelo contrário, ele respeita os bons modos e é autoconfiante o suficiente para não precisar mostrar que “não é como os outros”. São apenas essas boas maneiras antiquadas, combinadas com grande intelecto e conhecimento que ele nunca tenta esconder dos outros, que o tornam um líder natural.

Hans sabe como apresentar um argumento de uma forma que é muito compreensível mesmo para um homem de capacidades intelectuais medianas. Seus exemplos às vezes são tão inesperados e diretos que realmente ajudam ou até o forçam a repensar o que você pensava sobre o mundo antes. Parece muito natural para ele, por exemplo, colocar uma nota de rodapé em um livro com uma breve explicação de por que a escravidão pública é ainda pior do que a escravidão privada.[8] Isso não significa que Hans tenta ser simples. Ele é muito direto. Ele não hesita em criticar até mesmo os defensores do livre mercado que não são consistentes em sua argumentação. Se você disser algo absurdo ou apresentar argumentos falhos, ele geralmente não esconderá o fato de você. Talvez por isso algumas pessoas até pareçam intimidadas por Hans Hoppe. Compreensivelmente, nem sempre é agradável ter seus argumentos destruídos em público.

Conheci Hans pela primeira vez quando ele estava dando uma de suas brilhantes palestras. Viajei de Vilnius a Cracóvia o dia inteiro para ouvir aquela palestra. Foi uma satisfação total. Não são apenas os textos escritos de Hoppe que são tão claros e atraentes, mas também seu discurso. Posteriormente, ouvi várias vezes suas palestras, inclusive sobre os mesmos tópicos. O estranho é que elas não ficam chatas, mesmo na terceira ou a quarta vez. A maneira como ele apresenta os argumentos para abordar o assunto de maneira adequada pode ser chamada de uma história intelectual. A precisão vem junto com a elegância intelectual, e “elegância” é precisamente a palavra para descrever seus discursos. Eles não têm nada de especial – nem slides sofisticados ou histórias engraçadas – apenas a precisão, a força e a elegância do argumento.

Hans Hoppe não se descreve como um grande acadêmico. Ao contrário, sua ambição não é muito grande quando fala sobre o papel do acadêmico (incluindo ele mesmo) na sociedade. Não é sua ambição inventar uma teoria completamente nova ou encontrar uma terra incógnita. Ao contrário, Hoppe afirma que o papel de um erudito decente é antes de tudo preservar o que já foi encontrado, explicado e descoberto. Não desperdiçar o conhecimento da humanidade, mas preservá-lo e explicá-lo em linguagem moderna às novas gerações, é para ele uma tarefa ambiciosa. Ele faz isso perfeitamente. Ao contrário de muitos daqueles que estão felizes com suas novas teorias ambiciosas e frequentemente falaciosas, ou com “farrapos filosóficos”,[9] ele está sempre enfatizando o papel de seus professores e predecessores, Rothbard e Mises.

Coragem é outra coisa que combina com o nome de Hans Hoppe. O politicamente correto não é um bom princípio quando você está procurando a verdade. As pessoas defendem a importância da verdade da boca para fora, mas nem todos a defendem, mesmo quando sua carreira e nome estão em jogo. Mas quando a liberdade e a verdade estão em jogo, Hans Hoppe nunca desistirá. A conhecida controvérsia em torno de um exemplo dado sobre as diferentes preferências temporais entre diferentes grupos de pessoas ilustra perfeitamente essa coragem.[10]

Nosso mundo ficou louco, mas há esperança. Hans Hoppe e suas obras são uma parte essencial dessa esperança.

 

____________________________

Notas

[1] Hans-Hermann Hoppe, “On Time Preference, Government, and the Process of De-Civilization — From Monarchy to Democracy,” em Democracy: The God that Failed: The Economics and Politics of Monarchy, Democracy, and Natural Order (New Brunswick, NJ: Transaction Publishers, 2001) (publicado anteriormente no Journal des Economistes et des Etudes Humaines 5 no. 2 (1994)).

[2] Hoppe, Democracy, p. 99.

[3] Hoppe, Democracy, cap. 1 e passe.; idem, “How is Fiat Money possible? —or, The Devolution of Money and Credit,” Review of Austrian Economics 7 no. 2 (1994): 49–74; Hans-Hermann Hoppe, Jörg Guido Hülsmann e Walter Block, “Against Fiduciary Media,” Quarterly Journal of Austrian Economics 1 no. 1 (1998): 19–50.

[4] Hans-Hermann Hoppe, A Theory of Socialism and Capitalism: Economics, Politics, and Ethics (Boston: Kluwer Academic Publishers, 1989), caps. 2 e 7; idem, A Economia e Ética da Propriedade Privada: Estudos em Economia Política e Filosofia, 2ª ed. (Auburn, Ala.: Mises Institute, 2006 [1993]), caps. 11–13, 15 e “Apêndice: Quatro Respostas Críticas”.

[5] Hoppe, Democracy.

[6] Hans-Hermann Hoppe, “Governo e a Produção Privada de Defesa,” em idem, ed., O Mito da Defesa Nacional: Ensaios sobre a Teoria e História da Produção de Segurança (Auburn, Ala.: Mises Institute, 2003).

[7] Sobre imigração, ver Hans-Hermann Hoppe, “The Case for Free Trade and Restricted Immigration,” Journal of Libertarian Studies 13 no. 2 (verão 1998): 221–33; idem, “Ordem Natural, o Estado e o Problema da Imigração”, Journal of Libertarian Studies 16 no. 1 (Winter 2002): 75–97.

[8] Idem, “On Time Preference, Government, and the Process of Des-Civilization,” p. 24 n. 25.

[9] Cf. A discussão de Hoppe sobre os “argumentos, conjecturas, quebra-cabeças, contra-exemplos, experimentos, paradoxos, reviravoltas surpreendentes, flashes intelectuais e confusão filosófica” de Robert Nozick, em “Murray N. Rothbard e a Ética da Liberdade,” Introdução a Murray N. Rothbard, The Ethics of Liberty, 2ª ed. (Nova York e Londres: New York University Press, 1998), pp. Xxiv.

[10] Stephan Kinsella & Jeffrey Tucker, “The Ordeal of Hoppe,” The Free Market 26, no. 4 (abril de 2005).