3 — Problemas específicos: a alegada escassez de cientistas

0
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Temos agora à nossa disposição os princípios gerais com os quais abordar nossos problemas, podemos agora nos voltar para algumas aplicações específicas desses princípios.

Primeiro, vamos nos voltar para o problema amplamente proclamado de uma grave “escassez” de cientistas, pesquisadores, engenheiros, etc. É amplamente afirmado que o governo federal deve subsidiar a educação científica a fim de aliviar essa suposta “escassez”. Agora, vamos analisar esta questão mais de perto:

Em primeiro lugar, a “escassez” de cientistas é um problema geral, e não militar. Os militares podem adquirir os serviços de tantos cientistas existentes (como empregados diretos ou como empregados de contratados privados) quantos forem necessários; o fardo da escassez será então sentido pelo setor civil, e não pelo militar. Além disso, se realmente há escassez de cientistas, como remediar? Não pelo governo; o governo não pode fabricar um cientista; os cientistas devem entrar nessa profissão eles próprios.

Agora, existem duas fontes de abastecimento de cientistas: (a) de adultos que deixaram a profissão e podem ser induzidos a reingressar (por exemplo, ex-mulheres químicas que agora são donas de casa); e (b) jovens que estão ingressando na profissão pela primeira vez. A categoria (a) pode ser induzida a reingressar de apenas uma maneira: pagando-lhes salários mais altos e, portanto, atraindo um influxo. E a segunda categoria, em última análise, só pode ser estimulada da mesma forma: por salários mais altos. Os jovens entram no campo científico por uma mistura de dois motivos: o amor pelo trabalho e os salários esperados e as oportunidades de emprego. O primeiro não pode ser aumentado por ninguém, exceto o próprio jovem cientista (embora possa ser feito mais por meio de métodos educacionais para despertar seu interesse – veja abaixo); apenas o fator salário pode ser aumentado por outros. A maneira de aumentar a oferta de cientistas, então, é simplesmente aumentar os salários dos cientistas, em relação a outras ocupações (se todos os salários aumentarem, então, obviamente, haverá pouco ou nenhum incentivo adicional para entrar na ciência).

Já está se tornando evidente que a ajuda federal à educação científica, por exemplo, é um método impróprio e malsucedido de aliviar a escassez de cientistas. Vimos que qualquer escassez deve resultar do fato de que os salários científicos não são maiores do que outras ocupações. Suponha, então, que o governo federal gaste o dinheiro dos impostos para subsidiar estudantes de ciências. Quais são os efeitos? A única coisa que pode conseguir é criar mais estudantes de ciências, que então descobrirão que, por causa do aumento da oferta, os salários científicos não só não aumentaram – eles são ainda mais baixos se comparados a outras áreas. O resultado só pode ser levar mais e mais cientistas para fora do campo e para outros, e desencorajar qualquer outro estudante de aproveitar as vantagens do programa subsidiado. Em resumo, o resultado final dos subsídios federais ao estudo da ciência só pode ser agravar a escassez de cientistas, em vez de aliviá-la, pois o problema crucial: os salários pioram em vez de melhorar com essa intervenção. Este é um dos inúmeros exemplos de intervenção governamental, com o objetivo de resolver um determinado problema, acabando por não resolvê-lo, mas criando novos problemas que precisam de cura. O propósito original da intervenção é completamente frustrado. E, isto, se o governo então tentar assegurar o agravamento da escassez com doses ainda mais pesadas de ajuda federal a escassez só será agravada ainda mais.

A chave, então, são os salários científicos. E aí chegamos a outro ponto importante: não pode haver escassez duradoura de ocupação no livre-mercado, pois se houver escassez, isso se revelará rapidamente em salários mais altos, e esses salários farão tudo o que for humanamente possível para aliviar a escassez rapidamente atraindo novas pessoas para o campo (e trazendo de volta aqueles que deixaram o campo). Se mais cientistas forem necessários, os salários do livre mercado aumentarão e induzirão a uma oferta maior. Se forem necessários especificamente para os militares, os militares podem aumentar seus salários para cientistas diretamente, ou as empresas científicas privadas com contrato com o governo podem aumentar seus salários preferidos. Esse é o funcionamento do mercado. Nenhuma intervenção federal em particular pode fazer mais nada para aumentar o suprimento necessário de cientistas. Além disso, apenas o livre-mercado pode decidir quanto salários precisam ser aumentados para estimular uma oferta suficiente. Nenhuma forma de fixação de salários pelo governo pode fazer o trabalho (se os militares definem seu salário, eles podem usar o salário do livre-mercado como um guia).

Se, então, houver escassez de cientistas, os salários de mercado para cientistas aumentarão significativamente, em relação a outras ocupações. Mas, uma vez que eles não aumentaram tanto, há realmente uma escassez de cientistas? Essa questão foi investigada cientificamente apenas recentemente, depois de muitas especulações sobre o assunto, em um estudo altamente importante de Blank e Stigler, do National Bureau of Economic Research.[1]

Os autores descobriram, por exemplo, que, nos últimos oitenta anos, o número de químicos e engenheiros nos Estados Unidos cresceu consideravelmente mais de 17 vezes do que a força de trabalho total. Dificilmente parece uma escassez! Mas, mais importante, Blank e Stigler enfatizam o fato de que o próprio conceito de “escassez” faz pouco sentido, exceto em relação ao preço – neste caso, o preço dos serviços científicos. Uma escassez significa que a demanda pela mão-de-obra é maior do que sua oferta aos salários atuais, de modo que os salários tendem a aumentar. No entanto, ao investigar as tendências recentes de ganhos, Blank e Stigler descobriram que, desde 1939, os salários dos engenheiros relativos aos rendimentos dos médicos, dentistas e advogados diminuíram, e também diminuíram em relação aos assalariados da indústria.[2] Até mesmo os salários de clérigos, farmacêuticos e professores de escolas aumentaram em relação aos engenheiros neste período. Como, então, pode haver falta de engenheiros?

Tampouco se pode dizer que essa queda relativa dos salários se deva a algum tipo de “exploração” dos engenheiros por seus empregadores. Pois Blank e Stigler descobriram uma grande mobilidade entre empregos entre engenheiros-empregadores. Assim, devemos concluir que, nas últimas décadas, longe de ter havido um déficit, a oferta de engenheiros cresceu mais rapidamente do que a demanda por seus serviços. Mesmo nos anos desde 1950, quando a demanda por serviços científicos cresceu repentinamente devido à Guerra da Coreia, os aumentos nos salários científicos não foram maiores do que em outras ocupações e, na verdade, eles foram mais uma vez menores desde o fim do arroubo de demanda de Guerra em 1952.

Possivelmente, uma carência de engenheiros foi sentida nos últimos anos nas indústrias de trabalho militar. Um motivo típico: a Força Aérea insiste em uma revisão formal de todos os salários pagos por seus contratantes privados e na justificativa dada para todos os aumentos salariais. Essa pressão para baixo sobre os salários tendia a causar uma ligeira escassez de cientistas fazendo trabalhos de guerra. O remédio para isso é que o governo esteja disposto a ver os tecnólogos pagos em seu valor de mercado – caso contrário, isso só pode trazer dificuldades para a defesa nacional. Mas, novamente, isso não causou uma escassez geral de tecnólogos: apenas uma possível escassez nas indústrias de contratos para área de defesa.

Essas descobertas parecem ser contraditas pelo enorme crescimento nos anúncios de jornal para engenheiros, que parecem refletir uma grande escassez de engenheiros. Mas: (1) os anúncios em jornais têm crescido como método de recrutamento; e (2) nove décimos do espaço publicitário foram ocupados por empresas de defesa, e não civis. As possíveis razões são os salários mais baixos no trabalho de guerra e, em particular, o fato de os custos de recrutamento e publicidade serem, para as empresas militares contratadas, totalmente reembolsados ​​pelo governo.

Além de seus estudos cruciais de engenheiros e outros cientistas, Blank e Stigler também investigaram os campos da matemática e da física. Esses cientistas estão principalmente em faculdades e universidades: 87% dos matemáticos e quase 60% dos físicos trabalham em faculdades. Os autores descobriram que a tendência de rápido aumento de matrículas em faculdades, juntamente com a queda constante na proporção professor-aluno nessas disciplinas, garante uma demanda alta e em expansão por professores de física e matemática em um futuro distante. E, quanto à oferta, o aumento crescente do número relativo, assim como absoluto, de doutores em ciências atesta a expansão da oferta. Portanto, não há necessidade de temer uma escassez geral de matemáticos ou físicos.

Existe outra maneira pela qual o governo tende a criar sua própria escassez de cientistas trabalhando em projetos militares. Isso ocorre por meio de regulamentações onerosas de segurança e sigilo que tornam as condições de trabalho desagradáveis ​​e pouco atraentes para os cientistas. Com certeza, não queremos encorajar espiões russos a roubar nossos segredos militares. No entanto, devemos reconhecer que a invenção científica é a descoberta das leis naturais, e que essas leis podem ser encontradas por todos, sejam russos ou americanos. Ao longo da história, nenhuma nova invenção importante permaneceu em segredo por muito tempo, e a espionagem ou a descoberta independente acabaria por fornecer aos russos a mesma tecnologia. É muito mais importante, portanto, criar um clima de liberdade no qual os cientistas possam operar criativamente. E se os cientistas são naturalmente relutantes em trabalhar sob restrições onerosas, a única maneira de induzi-los a doar suas energias criativas para o trabalho militar é relaxando essas restrições. E deve-se reconhecer que, conhecendo a mente burocrática como conhecemos, muitas restrições militares simplesmente multiplicam a burocracia desnecessária, em vez de proteger segredos militares vitais.

Assim, investigações de segurança têm sido feitas de cientistas engajados em pesquisas básicas abertas, onde não havia dúvida de que material secreto estava sendo usado. Nesses casos, a National Science Foundation advertiu, “as investigações de lealdade ou de tipo de segurança são claramente indesejáveis ​​e improváveis ​​de servir a qualquer propósito útil.”[3] Os regulamentos de “segurança” suprimiram pesquisas médicas dedicadas inteiramente a problemas não militares como pressão alta e esclerose múltipla. O Dr. Fritz Zwicky, eminente professor de astrofísica do Instituto de Tecnologia da Califórnia, foi suspenso do trabalho com mísseis guiados simplesmente porque escolheu manter sua cidadania suíça. Esses procedimentos absurdos deveriam ser alterados.[4] O professor Alfred Bornemann escreveu: “[…]quer uma política de sigilo tenha ou não sido justificada, no passado, dificilmente pode ser justificada por razões de segurança. […] A liberdade de pensamento e iniciativa é essencial. […] O próprio sucesso militar sempre dependeu, no passado, dos efeitos ou produtos do pensamento livre e da iniciativa privada em períodos de entre guerras.”

E o professor Arnold Zurcher advertiu que uma política de sigilo governamental ameaça tornar ineficaz a própria base da democracia: uma opinião pública informada.[5]

O que, então, o governo deve fazer a respeito do suprimento de cientistas do país? Vimos que um programa de intervenção positiva no livre-mercado – como foi o caso da ajuda federal a mais de um quarto dos estudantes de graduação em ciências do país, totalizando $ 26 milhões em 1954 – apenas distorce as alocações da economia de livre iniciativa, e só pode ser autodestrutiva. Vimos que qualquer escassez que ocorra é curada de maneira mais rápida e eficaz pelo aumento dos salários para esses empregos escassos, que ocorre de forma rápida, embora não dramática, no livre-mercado. E vimos que o melhor que o governo pode fazer para evitar qualquer escassez de cientistas militares é estar disposto a pagar, ou ver seus contratantes privados pagarem, salários no valor de seu livre-mercado e remover restrições desnecessárias e burocracia na atividade científica. Em resumo: o governo é menos pior não pela intervenção direta na sociedade, mas ao repelir suas próprias restrições à atividade livre, ao aliviar os fardos que impõe à atividade científica ou, em verdade, a qualquer outro setor da sociedade.

Se o governo pode curar a escassez de cientistas militares por esses meios, deveria fazer alguma coisa para encorajar um aumento geral de cientistas, militares e civis? Vimos que ele só pode derrotar seus próprios objetivos e distorcer a economia por meio de intervenções efetivas. Mas pode fazer outras coisas úteis para estimular a ciência: atos que não são intervenção, mas uma revogação e afrouxamento de suas próprias políticas que têm dificultado o fornecimento de cientistas.

Assim, no campo crítico da educação, que é a fonte final dos cientistas, o governo pode remover suas próprias repressões sobre o ensino de ciências. Por exemplo, toda a filosofia da educação pública neste país precisa de uma revisão. Isso foi recentemente apontado com uma força cada vez maior, em bairros que vão do Almirante Rickover à Life Magazine. Em suma, devemos abandonar a filosofia paralisante de “ajuste de vida” de nossas escolas, que antes doutrina as crianças no “ajuste de grupo” do que equipá-las com as habilidades mentais e disciplinas da ciência ou qualquer outro assunto intelectual. Nossas escolas devem mais uma vez considerar sua função básica ensinar matérias, encorajar o rápido amadurecimento de mentes jovens e brilhantes. A estrutura educacional atual arrasta todos os alunos para o nível do denominador comum mais baixo, passa todos os alunos, ensina lixo em vez de disciplinas de ramos do saber e permite que os baderneiros ampliem sua “auto-expressão” atormentando e distraindo aqueles que estão ansiosos para aprender – tudo em nome da “democracia”. Nunca saberemos quantos jovens potencialmente brilhantes que poderiam ter sido capazes e até mesmo grandes cientistas, foram permanentemente paralisados ​​pela filosofia de educação “progressiva” dominante nas escolas públicas (os russos, digamos, abandonaram os absurdos da educação “progressiva” há muitos anos e, nessa medida, gozam de uma formação científica superior). As escolas públicas são responsabilidade dos governos estaduais e, portanto, cabe aos estados transformar suas escolas em “salas de aprendizagem”.[6]

Existem corolários de importância para essa tarefa dos estados em reformar suas próprias escolas públicas. Existe o problema dos jovens incapazes de serem educados – aqueles que são muito burros ou desinteressados ​​para se beneficiar da educação formal e que seriam muito mais felizes em um emprego ou comércio. Os estados devem considerar a redução da idade máxima de frequência obrigatória ou mesmo a revogação total da lei de frequência obrigatória. Outro problema importante é o recente alvoroço sobre os salários dos professores. Roger Freeman demonstrou conclusivamente, em um estudo definitivo, que não há escassez de professores, seja no presente ou no futuro.[7] Freeman mostra que os salários dos professores são totalmente adequados. Há, com certeza, uma escassez de professores de alta qualidade, que são expulsos da profissão pelas tabelas salariais absolutamente uniformes, exigidas pelos sindicatos de professores. Privados de incentivos ao mérito e frustrados pela burocracia e pelo serviço público e pelos absurdos da educação progressiva, os bons professores – aqueles mesmos que são necessários para educar os jovens adequadamente – partem para os melhores salários que podem obter em outro lugar. Isso é particularmente verdadeiro para os bons professores de ciências – pois a indústria e o governo têm mais oportunidades de emprego para ex-professores de ciências do que para outros professores. As escolas públicas, portanto, deveriam (1) pagar mais aos bons professores do que aos medíocres; e (2) deve pagar aos professores de ciências mais do que outros, para não perdê-los para outros empregos. Em suma, não os salários gerais, mas os salários diferenciados, precisam ser revistos – por funcionários que devem ter a coragem de lutar contra a burocracia entrincheirada do NEA e de outros sindicatos de professores. Embora esta seja uma responsabilidade estadual e local, o governo federal certamente deveria dar mais incentivo aos estados nesta reforma necessária.

Outra política importante estadual seria relaxar os regulamentos absurdos que os estados agora exigem para a contratação de professores. Essas regras jogam a favor dos educadores profissionais progressistas, exigindo uma miríade de cursos de “método” antes que um homem possa ensinar nas escolas, enquanto isso despreza o assunto tão importante. Nossos maiores físicos estão legalmente impedidos de lecionar nas escolas públicas porque não possuem as “qualificações” impostas pelas leis estaduais. Aqui, também, os estados restringem a oferta de professores, especialmente aqueles capazes que desejam enfatizar o conhecimento da matéria em vez da metodologia progressiva.

Em suma, o papel adequado do governo é limitar-se a remover os grilhões que impôs ao fornecimento e ao treinamento de cientistas. O governo federal poderia: parar de pagar salários inferiores aos do livre-mercado para cientistas que fazem trabalho militar e eliminar restrições desnecessárias à liberdade dos cientistas. Os governos estaduais e locais poderiam reformar o sistema de escolas públicas: transformando a educação progressiva em uma educação real; relaxar ou eliminar as leis de frequência obrigatória; substituir o pagamento dos professores uniformes por diferenciais de mérito e salários relativamente mais altos para professores de ciências; e eliminar as restrições à oferta de professores não doutrinados com metodologia educativa.

 

_______________________________

Notas

[1] David M. Blank e George J. Stigler, The Demand and Supply of Scientific Personnel (Nova York: National Bureau of Economic Research, 1957).

[2] Os engenheiros constituem a grande maioria das profissões tecnológicas. Em 1950, havia mais de 540.000 engenheiros e 82.000 químicos, com todo o resto dos cientistas: físicos, matemáticos, biólogos, geólogos, etc., (excluindo a medicina) totalizando menos do que o número de químicos.

[3] National Science Foundation, Quinto Relatório Anual, 1955.

[4] Veja Walter Gellhorn, Individual Freedom and Governmental Restraints (Baton Rouge: LSU Press, 1956), pp. 42-43, 168-68; Medical Research: A Mid-century Survey, vol. 1 (Boston: Little Brown, 1955): 185–89; John T. Edsall, “Government and the Freedom of Science”, Science 121 (1955): 615.

[5] Alfred Bornemann, “Atomic Energy and Enterprise Economics,” Land Economics (agosto de 1954): 202; Arnold J. Zurcher, “Democracy’s Declining Capacity to Govern,” Western Political Quarterly (dezembro de 1955): 536–37. Veja também Arthur A. Ekirch, Jr., The Civilian and the Military (Nova York: Oxford University Press, 1956), p. 276.

[6] Típico da massa recentemente crescente de literatura sobre este assunto são Admiral Hyman Rickover, Educação e Liberdade , Arthur Bestor, Restoration of Learning and Educational Wastelands , Augustin Rudd, Bending the Twig e publicações do Council of Basic Education, e muitos outros.

[7] Ver Roger A. Freeman, School Needs in the Decade Ahead (Washington, DC: The Institute for Social Science Research, 1958).