30 fatos que você PRECISA saber sobre Covid

1
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

Vocês pediram, então nós fizemos. Uma coleção de todos os argumentos que você precisa, em uma lista para consulta rápida.

Recebemos muitos e-mails e mensagens privadas do tipo “você tem uma fonte para X?” ou “você pode me apontar para estudos de máscara?” ou “Eu sei que vi um gráfico de mortalidade, mas não consigo encontrar mais”. E nós entendemos, foram longos 18 meses, e existem tantas estatísticas e números para termos de cabeça.

Portanto, para lidar com todas essas solicitações, decidimos fazer uma lista com marcações e fontes para todos os pontos-chave. Uma loja Tudo-Aqui.

Aqui estão os principais fatos e fontes sobre a alegada “pandemia“, que irão ajudá-lo a entender o que aconteceu com o mundo desde janeiro de 2020 e ajudá-lo a abrir os olhos de qualquer um de seus amigos que possam ainda estar presos na névoa do Novo Normal.

*

PARTE I: “MORTES COVID” E MORTALIDADE

 

1. A taxa de sobrevivência de “Covid” é superior a 99%. Peritos médicos do governo do Reino Unido fizeram o possível para enfatizar, desde o início da pandemia, que a vasta maioria da população não corre nenhum perigo com a Covid.

Quase todos os estudos sobre a taxa de mortalidade por infecção de Covid retornaram resultados entre 0,04% e 0,5%. O que significa que a taxa de sobrevivência da Covid é de pelo menos 99,5%.

*

2. NÃO houve mortalidade excessiva incomum. A imprensa chamou 2020 de “o ano mais mortal do Reino Unido desde a segunda guerra mundial”, mas isso é enganoso porque ignora o aumento maciço da população desde então. Uma medida estatística mais razoável de mortalidade é a Taxa de mortalidade padronizada por idade (ASMR):

Por esta medida, 2020 não é nem mesmo o pior ano para a mortalidade desde 2000. Na verdade, desde 1943, apenas 9 anos foram melhores do que 2020.

Da mesma forma, nos EUA, o ASMR para 2020 está apenas nos níveis de 2004:

Para obter uma análise detalhada de como a Covid afetou a mortalidade na Europa Ocidental e nos EUA, clique aqui. O aumento na mortalidade que vimos pode ser atribuído a causas não Covid [veja abaixo os fatos 7, 9 e 19].

*

3. As contagens de “mortes covid” são aumentadas artificialmente. Países ao redor do mundo têm definido uma “morte Covid” como uma “morte por qualquer causa, 28, 30 ou 60 dias após um teste positivo”.

Funcionários de saúde da Itália, Alemanha, Reino Unido, EUA, Irlanda do Norte e outros admitiram esta prática:

Remover qualquer distinção entre morrer de Covid e morrer de outra coisa após o teste positivo para Covid naturalmente levará a uma contagem excessiva de “mortes de Covid”. O patologista britânico, Dr. John Lee, alertou sobre essa “estimativa excessiva” já na primavera passada. Outras fontes tradicionais também relataram isso.

Considerando a enorme porcentagem de infecções “assintomáticas” por Covid [fato 14 abaixo], a prevalência bem conhecida de comorbidades graves [fato 4] e o potencial para testes falso-positivos [fato 18], isso torna os números de mortalidade de Covid uma estatística extremamente duvidosa.

*

4. A grande maioria das mortes covid tem comorbidades graves. Em março de 2020, o governo italiano publicou estatísticas mostrando que 99,2% de suas “mortes de Covid” tinham pelo menos uma comorbidade séria.

Estas incluíram câncer, doenças cardíacas, demência, Alzheimer, insuficiência renal e diabetes (entre outros). Mais de 50% delas tinham três ou mais doenças pré-existentes graves.

Esse padrão se manteve em todos os outros países durante o curso da “pandemia”. Uma solicitação FOIA de outubro de 2020 ao ONS do Reino Unido revelou que menos de 10% da contagem oficial de “morte da Covid” na época tinha a Covid como a única causa de morte.

*

5. A idade média de “morte Covid” é maior do que a expectativa média de vida. A idade média de uma “morte Covid” no Reino Unido é 82,5 anos. Na Itália, é 86. Alemanha, 83. Suíça, 86. Canadá, 86. EUA, 78, Austrália, 82.

Em quase todos os casos, a idade média de uma “morte de Covid” é maior do que a expectativa de vida nacional.

Assim, para a maior parte do mundo, a “pandemia” teve pouco ou nenhum impacto na expectativa de vida. Compare isso com a gripe espanhola, que viu uma queda de 28% na expectativa de vida nos Estados Unidos em pouco mais de um ano. [fonte]

*

6. A mortalidade de Covid reflete exatamente a curva de mortalidade natural. Estudos estatísticos do Reino Unido e da Índia mostraram que a curva de “morte de Covid” segue quase exatamente a curva de mortalidade esperada:

O risco de morte “da Covid” segue, quase exatamente, seu risco ao fundo de morte em geral.

O pequeno aumento para algumas das faixas etárias mais velhas pode ser explicado por outros fatores. [Fatos 7, 9 e 19 abaixo]

*

7. Tem havido um grande aumento no uso de ONRs “ilegais”. Denunciantes e agências governamentais relataram grandes aumentos no uso de Ordens de Não Ressuscitar (ONRs) nos últimos vinte meses.

Nos EUA, os hospitais consideram “ONRs universais” para qualquer paciente com teste positivo de Covid, e enfermeiras denunciantes admitiram que o sistema de ONR foi abusado em Nova York.

No Reino Unido houve um aumento “sem precedentes” de ONRs “ilegais” para pessoas com deficiência, os médicos de clínica geral enviaram cartas a pacientes não terminais recomendando que assinassem ordens de não reanimar, enquanto outros médicos assinaram “ONRs em branco” para lares de idosos inteiros.

Um estudo feito pela Sheffield Univerisity descobriu que mais de um terço de todos os pacientes “suspeitos” de Covid tinham uma ONR anexada ao seu arquivo 24 horas após a admissão no hospital.

O uso generalizado de ordens de ONR coagidas ou ilegais pode ser responsável por qualquer aumento na mortalidade em 2020/21. [Fatos 2 e 6]

*

PARTE II: LOCKDOWNS

 

8. Os lockdowns não evitam a propagação de doenças. Há pouca ou nenhuma evidência que o lockdown tenha qualquer impacto na limitação das “mortes de Covid”. Se você comparar regiões que impuseram lockdown e quarentenas com regiões que não fizeram nada disso, não verá nenhum padrão.

“Mortes Covid” na Flórida (sem lockdown) vs Califórnia (com lockdown)

“Mortes Covid” na Suécia (sem lockdown) vs Reino Unido (com lockdown)

*

9. Os lockdowns matam pessoas. Há fortes evidências de que os lockdowns – por causarem danos sociais, econômicos e outros danos à saúde pública – são mais mortais do que o “vírus”.

O Dr. David Nabarro, representante especial da Organização Mundial da Saúde da Covid-19 descreveu os lockdowns como uma “catástrofe global” em outubro de 2020:

Nós, da Organização Mundial da Saúde, não defendemos os lockdowns como principal meio de controle do vírus […] parece que podemos ter uma duplicação da pobreza mundial no próximo ano. Podemos muito bem ter pelo menos o dobro da desnutrição infantil […] Esta é uma catástrofe global terrível e medonha”.

Um relatório da ONU de abril de 2020 alertou sobre 100.000 crianças sendo mortas pelo impacto econômico dos lockdowns, enquanto outras dezenas de milhões enfrentam possível pobreza e fome.

Desemprego, pobreza, suicídio, alcoolismo, uso de drogas e outras crises sociais/de saúde mental estão aumentando em todo o mundo. Enquanto as cirurgias e exames perdidos e atrasados ​​aumentem a mortalidade por doenças cardíacas, o câncer et al. no futuro próximo.

O impacto do lockdown seria responsável pelos pequenos aumentos no excesso de mortalidade [Fatos 2 e 6]

*

10. Os hospitais nunca foram incomumente sobrecarregados. O principal argumento usado para defender os lockdowns é que “achatar a curva” evitaria um rápido influxo de casos e protegeria os sistemas de saúde do colapso. Mas a maioria dos sistemas de saúde nunca esteve perto de entrar em colapso.

Em março de 2020, foi relatado que hospitais na Espanha e Itália estavam lotados de pacientes, mas isso acontece a cada temporada de gripe. Em 2017, os hospitais espanhóis estavam com 200% da capacidade e em 2015 teve pacientes dormindo em corredores. Um artigo do JAMA de março de 2020 descobriu que os hospitais italianos “normalmente funcionam com 85-90% da capacidade nos meses de inverno”.

No Reino Unido, o NHS é regularmente sobrecarregado até o ponto de esgotamento durante o inverno.

Como parte de sua política da Covid, o NHS anunciou na primavera de 2020 que iria “reorganizar a capacidade do hospital de novas maneiras para tratar pacientes Covid e não Covid separadamente” e que “como resultado, os hospitais terão sobre sua capacidade em geral as mais baixa taxas de ocupação do que teriam anteriormente.”

Isso significa que eles removeram milhares de leitos. Durante uma suposta pandemia mortal, eles reduziram a ocupação máxima dos hospitais. Apesar disso, o NHS nunca sofreu pressão além da temporada típica de gripe e, às vezes, tinha 4x mais leitos vazios do que o normal.

Tanto no Reino Unido quanto nos EUA, milhões foram gastos em hospitais de emergência temporários que nunca foram usados.

*

PARTE III: TESTES PCR

 

11. Os testes de PCR não foram elaborados para diagnosticar doenças. O teste de reação em cadeia da polimerase com transcriptase reversa (RT-PCR) é descrito na mídia como o “padrão ouro” para o diagnóstico de Covid. Mas o inventor vencedor do Prêmio Nobel do processo nunca pretendeu que fosse usado como uma ferramenta de diagnóstico, e disse isso publicamente:

    O PCR é apenas um processo que permite concluir muita coisa a partir de alguma coisa. Não quer dizer que você está doente, ou que a coisa que você acabou sendo diagnosticado ia te fazer mal ou qualquer coisa assim.”

*

12. Os testes PCR têm um histórico de serem imprecisos e não confiáveis. Os testes de PCR “padrão ouro” para Covid são conhecidos por produzir muitos resultados falso-positivos, reagindo a material de DNA que não é específico para Sars-Cov-2.

Um estudo chinês descobriu que o mesmo paciente poderia obter dois resultados diferentes com o mesmo teste no mesmo dia. Na Alemanha, sabe-se que os testes reagiram a vírus do resfriado comum. Um estudo de 2006 descobriu que testes de PCR para um vírus responderam a outros vírus também. Em 2007, a utilização de testes de PCR resultou em um “surto” de tosse convulsa que nunca existiu. Alguns testes nos EUA até reagiram à amostra de controle negativo.

O falecido Presidente da Tanzânia, John Magufuli, submeteu amostras de cabra, mamão e óleo de motor para teste de PCR, todas deram positivo para o vírus.

Já em fevereiro de 2020, os especialistas admitiam que o teste não era confiável. O Dr. Wang Cheng, presidente da Academia Chinesa de Ciências Médicas, disse à televisão estatal chinesa “A precisão dos testes é de apenas 30-50%”. O próprio website do governo australiano afirmava “Existem evidências limitadas disponíveis para avaliar a precisão e a utilidade clínica dos testes COVID-19 disponíveis.” E um tribunal português decidiu que os testes de PCR eram “incertos e não deviam ser utilizados para diagnóstico.

Você pode ler análises detalhadas das falhas dos testes de PCR aqui, aqui e aqui.

*

13. Os valores de CT dos testes de PCR são muito altos. Os testes de PCR são executados em ciclos, o número de ciclos que você usa para obter o resultado é conhecido como “limite de ciclo” ou valor de CT (Cycle Threshold). Kary Mullis disse: “Se você tiver que passar por mais de 40 ciclos […], há algo seriamente errado com o seu PCR”.

As diretrizes do PCR MIQE concordam, afirmando: “Os valores [CT] superiores a 40 são suspeitos por causa da baixa eficiência implícita e geralmente não devem ser relatados”, o próprio Dr. Fauci admitiu que qualquer coisa acima de 35 ciclos quase nunca pode ser cultivada.

A Dra. Juliet Morrison, virologista da Universidade da Califórnia, em Riverside, disse ao New York Times: “Qualquer teste com um limite de ciclo acima de 35 é muito sensível … Estou chocada que as pessoas pensem que 40 [ciclos] podem representar um resultado positivo … O corte mais razoável seria de 30 a 35″.

No mesmo artigo, o Dr. Michael Mina, da Harvard School of Public Health, disse que o limite deveria ser 30, e o autor continua apontando que a redução do CT de 40 para 30 teria reduzido os “casos covid” em alguns estados em até 90%.

Os próprios dados do CDC sugerem que nenhuma amostra em 33 ciclos pode ser cultivada, e o Instituto Robert Koch da Alemanha afirma que nada acima de 30 ciclos pode ser infeccioso.

Apesar disso, sabe-se que quase todos os laboratórios nos Estados Unidos estão executando seus testes de pelo menos 37 ciclos e às vezes até 45. O “procedimento operacional padrão” do NHS para as regras de testes de PCR define o limite em 40 ciclos.

Com base no que sabemos sobre os valores de CT, a maioria dos resultados do teste de PCR é, na melhor das hipóteses, questionável.

*

14. Os testes de PCR admitidos pela Organização Mundial da Saúde (duas vezes) produziram falsos positivos. Em dezembro de 2020, a OMS divulgou um memorando informativo sobre o processo de PCR, instruindo os laboratórios a serem cautelosos com valores altos de CT que causam resultados falsos positivos:

    quando as amostras retornam um alto valor de CT, isso significa que muitos ciclos foram necessários para detectar o vírus. Em algumas circunstâncias, a distinção entre o ruído de fundo e a presença real do vírus alvo é difícil de determinar.

Então, em janeiro de 2021, a OMS divulgou outro memorando, desta vez avisando que os testes de PCR positivos “assintomáticos” deveriam ser retestados porque podem ser falsos positivos:

    Quando os resultados do teste não corresponderem à apresentação clínica, uma nova amostra deve ser colhida e retestada usando a mesma ou diferente tecnologia NAT.

*

15. A base científica para os testes de Covid é questionável. O genoma do vírus Sars-Cov-2 foi supostamente sequenciado por cientistas chineses em dezembro de 2019 e publicado em 10 de janeiro de 2020. Menos de duas semanas depois, virologistas alemães (Christian Drosten et al.) Supostamente usaram o genoma para criar ensaios para testes de PCR.

Eles escreveram um artigo, Detecção de novos coronavírus 2019 (2019-nCoV) por RT-PCR em tempo real, que foi submetido para publicação em 21 de janeiro de 2020, e então aceito em 22 de janeiro. Significa que o artigo foi supostamente “revisado por pares” em menos de 24 horas. Um processo que normalmente leva semanas.

Desde então, um consórcio de mais de quarenta cientistas vitais requereu a retirada do artigo, escrevendo um longo relatório detalhando 10 erros principais na metodologia do artigo.

Eles também solicitaram a liberação do relatório de revisão por pares da revista, para provar que o artigo realmente passou pelo processo de revisão por pares. A revista ainda não cumpriu.

Os ensaios Corman-Drosten são a base de todos os testes PCR Covid no mundo. Se o estudo for questionável, todo teste PCR também é questionável.

*

PARTE IV: “INFECÇÃO ASSINTOMÁTICA”

 

16. A maioria das infecções por Covid são “assintomáticas”. Já em março de 2020, estudos feitos na Itália sugeriam que 50-75% dos testes de Covid positivos não apresentavam sintomas. Outro estudo do Reino Unido, de agosto de 2020, descobriu que 86% dos “pacientes Covid” não experimentaram nenhum sintoma viral.

É literalmente impossível dizer a diferença entre um “caso assintomático” e um resultado de teste falso-positivo.

*

17. Há muito poucas evidências que apoiem ​​o alegado perigo de “transmissão assintomática”. Em junho de 2020, a Dra. Maria Van Kerkhove, chefe da unidade de doenças emergentes e zoonoses da OMS, disse:

    “A partir dos dados que temos, ainda parece ser raro que uma pessoa assintomática realmente transmita para um indivíduo secundário,”

Uma meta-análise dos estudos da Covid, publicada pelo Journal of the American Medical Association (JAMA) em dezembro de 2020, descobriu que portadores assintomáticos tinham menos de 1% de chance de infectar pessoas em suas famílias. Outro estudo, feito sobre a gripe em 2009, encontrou:

    “… evidências limitadas para sugerir a importância da transmissão [assintomática]. O papel de indivíduos infectados por influenza assintomáticos ou pré-sintomáticos na transmissão de doenças pode ter sido superestimado …”

Dadas as falhas conhecidas dos testes de PCR, muitos “casos assintomáticos” podem ser falsos positivos. [Fato 14].

*

PARTE V: VENTILADORES

 

18. A ventilação NÃO é um tratamento para vírus respiratórios. A ventilação mecânica não é, e nunca foi, tratamento recomendado para infecções respiratórias de qualquer tipo. Nos primeiros dias da pandemia, muitos médicos questionaram o uso de ventiladores para tratar “Covid”.

Escrevendo no The Spectator, o Dr. Matt Strauss afirmou:

Ventiladores não curam doenças. Eles podem encher seus pulmões de ar quando você não conseguir fazer isso sozinho. Eles estão associados a doenças pulmonares na consciência do público, mas esta não é de fato sua aplicação mais comum ou mais apropriada.

O pneumologista alemão Dr. Thomas Voshaar, presidente da Association of Pneumatological Clinics disse:

Quando lemos os primeiros estudos e relatórios da China e da Itália, imediatamente nos perguntamos por que a intubação era tão comum ali. Isso contradiz nossa experiência clínica com pneumonia viral.

Apesar disso, a OMS, o CDC, o ECDC e o NHS “recomendaram” que os pacientes da Covid fossem ventilados em vez de usar métodos não invasivos.

Não se tratava de uma política médica destinada a tratar melhor os pacientes, mas sim para reduzir a disseminação hipotética de Covid, evitando que os pacientes exalassem gotículas de aerossol.

*

19. Ventiladores matam pessoas. Colocar um respirador em alguém que esteja sofrendo de gripe, pneumonia, doença pulmonar obstrutiva crônica ou qualquer outra condição que restrinja a respiração ou afete os pulmões não irá aliviar nenhum desses sintomas. Na verdade, é quase certo que piorará as coisas e matará muitos deles.

Os tubos de intubação são uma fonte potencial de infecção conhecida como “pneumonia associada ao ventilador”, que estudos mostram que afeta até 28% de todas as pessoas que usam ventiladores e mata 20-55% das infectadas.

A ventilação mecânica também é prejudicial à estrutura física dos pulmões, resultando em “lesão pulmonar induzida pelo ventilador”, que pode impactar drasticamente a qualidade de vida e até resultar em morte.

Os especialistas estimam que 40-50% dos pacientes ventilados morrem, independentemente de sua doença. Em todo o mundo, entre 66 e 86% de todos os “pacientes Covid” que usam ventiladores morreram.

De acordo com a “enfermeira infiltrada”, os ventiladores estavam sendo usados ​​de forma inadequada em Nova York, eles estavam destruindo os pulmões dos pacientes:

Essa política era uma negligência, na melhor das hipóteses, e potencialmente um assassinato deliberado, na pior. Este uso indevido de ventiladores pode ser responsável por qualquer aumento na mortalidade em 2020/21 [Fatos 2 e 6]

*

PARTE VI: MÁSCARAS

 

20. As máscaras não funcionam. Pelo menos uma dúzia de estudos científicos mostraram que as máscaras não fazem nada para impedir a propagação de vírus respiratórios.

Uma meta-análise publicada pelo CDC em maio de 2020 não encontrou “nenhuma redução significativa na transmissão da influenza com o uso de máscaras faciais”.

Outro estudo com mais de 8.000 indivíduos descobriu que as máscaras “não parecem ser eficazes contra infecções respiratórias virais confirmadas em laboratório, nem contra infecções respiratórias clínicas”.

Existem literalmente muitos para citá-los todos, mas você pode lê-los: [1][2][3][4][5][6][7][8][9][10] ou ler um resumo por SPR aqui.

Embora alguns estudos tenham sido feitos afirmando que a máscara funciona para a Covid, todos eles apresentam falhas graves. Um se baseou em pesquisas auto-relatadas como dados. Outro foi tão mal planejado que um painel de especialistas exige que seja retirado. Um terceiro foi retirado depois que suas previsões se revelaram totalmente incorretas.

A OMS encomendou sua própria meta-análise no Lancet, mas esse estudo analisou apenas as máscaras N95 e apenas em hospitais. [Para uma descrição completa dos dados incorretos neste estudo, clique aqui.]

Além das evidências científicas, há muitas evidências no mundo real de que as máscaras não fazem nada para impedir a propagação de doenças.

Por exemplo, Dakota do Norte e Dakota do Sul tiveram números de casos quase idênticos, apesar de um ter um mandato de máscara e o outro não:

No Kansas, os condados sem decretos mascarados, na verdade, tinham menos “casos” Covid do que os condados com decretos de máscara. E apesar das máscaras serem muito comuns no Japão, eles tiveram seu pior surto de gripe em décadas em 2019.

*

21. As máscaras fazem mal para sua saúde. Usar máscara por longos períodos, usar a mesma máscara mais de uma vez e outros aspectos das máscaras de pano podem ser prejudiciais à saúde. Um longo estudo sobre os efeitos prejudiciais do uso de máscara foi publicado recentemente pelo Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública.

O Dr. James Meehan relatou em agosto de 2020 que estava observando aumentos na pneumonia bacteriana, infecções fúngicas, erupções faciais.

As máscaras também contêm microfibras de plástico, que danificam os pulmões quando inaladas e podem ser potencialmente cancerígenas.

O uso de máscaras nas crianças estimula a respiração pela boca, o que resulta em deformidades faciais.

Pessoas ao redor do mundo desmaiaram devido ao envenenamento por CO2 enquanto usavam suas máscaras, e algumas crianças na China até sofreram uma parada cardíaca súbita.

*

22. Máscaras fazem mal para o planeta. Milhões e milhões de máscaras descartáveis ​​foram usadas por mês durante mais de um ano. Um relatório da ONU descobriu que a pandemia de Covid19 provavelmente resultará em mais que o dobro do lixo plástico nos próximos anos, e a grande maioria disso serão máscaras faciais.

O relatório avisa que essas máscaras (e outros resíduos médicos) vão entupir os sistemas de esgoto e irrigação, o que terá efeitos indiretos na saúde pública, na irrigação e na agricultura.

Um estudo da Universidade de Swansea descobriu que “metais pesados ​​e fibras plásticas foram liberados quando máscaras descartáveis ​​foram submersas na água”. Esses materiais são tóxicos para as pessoas e para a vida selvagem.

*

PARTE VII: VACINAS

 

23. As “vacinas” da Covid são totalmente sem precedentes. Antes de 2020, nenhuma vacina bem-sucedida contra um coronavírus humano havia sido desenvolvida. Desde então, supostamente fizemos 20 delas em 18 meses.

Os cientistas vêm tentando desenvolver uma vacina contra SARS e MERS há anos, com pouco sucesso. Algumas das vacinas contra a SARS que falharam realmente causaram hipersensibilidade ao vírus da SARS. O que significa que camundongos vacinados podem ter a doença potencialmente mais grave do que camundongos não vacinados. Outra tentativa causou danos ao fígado em furões.

Enquanto as vacinas tradicionais funcionem expondo o corpo a uma cepa enfraquecida do microrganismo responsável por causar a doença, essas novas vacinas Covid são vacinas de mRNA.

As vacinas de mRNA (ácido ribonucléico mensageiro) teoricamente funcionam injetando mRNA viral no corpo, onde ele se replica dentro de suas células e encoraja seu corpo a reconhecer e produzir antígenos para as “proteínas de pico” do vírus. Elas têm sido objeto de pesquisa desde a década de 1990, mas antes de 2020 nenhuma vacina de mRNA foi aprovada para uso.

*

24. As vacinas não conferem imunidade nem previnem a transmissão. É prontamente admitido que as “vacinas” da Covid não conferem imunidade à infecção e não impedem de transmitir a doença a outras pessoas. De fato, um artigo do British Medical Journal destacou que os estudos das vacinas não foram elaborados para nem mesmo tentar avaliar se as “vacinas” limitavam a transmissão.

Os próprios fabricantes de vacinas, ao liberar as terapias genéticas de mRNA não testadas, deixaram bastante claros que a “eficácia” de seu produto se baseava na “redução da gravidade dos sintomas“.

*

25. As vacinas foram feitas às pressas e têm efeitos desconhecidos a longo prazo. O desenvolvimento da vacina é um processo lento e trabalhoso. Normalmente, desde o desenvolvimento até o teste e, finalmente, a aprovação para uso público, leva muitos anos. As várias vacinas para a Covid foram todas desenvolvidas e aprovadas em menos de um ano. Obviamente, não pode haver dados de segurança de longo prazo sobre produtos químicos com menos de um ano.

A Pfizer até admite que isso é verdade no contrato de fornecimento que vazou entre a gigante farmacêutica e o governo da Albânia:

    “os efeitos a longo prazo e a eficácia da vacina não são conhecidos atualmente e pode haver efeitos adversos da vacina que não são atualmente conhecidos.”

Além disso, nenhuma das vacinas foi submetida a testes adequados. Muitas delas pularam totalmente os testes em estágio inicial, e os testes em humanos em estágio final não foram revisados ​​por pares, não divulgaram seus dados, não serão concluídos até 2023 ou foram abandonados após “efeitos adversos graves”.

*

26. Os fabricantes de vacinas receberam indenização legal caso causem danos. A Lei de Prontidão Pública e Preparação para Emergências (PREP) dos EUA concede imunidade até pelo menos 2024.

A lei de licenciamento de produtos da UE faz o mesmo, e há relatos de cláusulas de responsabilidade confidencial nos contratos que a UE assinou com os fabricantes de vacinas.

O Reino Unido foi ainda mais longe, concedendo indenização legal permanente ao governo, e a quaisquer funcionários dele, por qualquer dano causado quando um paciente está sendo tratado para a Covid19 ou “suspeita de Covid19”.

Mais uma vez, o contrato albanês que vazou sugere que a Pfizer, pelo menos, fez dessa indenização uma demanda padrão de fornecimento de vacinas para a Covid:

    “O Comprador concorda em indenizar, defender e isentar de responsabilidade a Pfizer […] de e contra todos e quaisquer processos, reivindicações, ações, demandas, perdas, danos, responsabilidades, acordos, penalidades, multas, custos e despesas.”

*

PARTE VIII: EMBUSTE E CONHECIMENTO PRÉVIO

 

27. A UE estava preparando “passaportes para vacinas” pelo menos um ANO antes do início da pandemia. As contramedidas propostas da COVID, apresentadas ao público como medidas de emergência improvisadas, existem desde antes do surgimento da doença.

Dois documentos da UE publicados em 2018, o “2018 State of Vaccine Confidence” e um relatório técnico intitulado “Desenhando e implementando um sistema de informação de imunização” discutiram a plausibilidade de um sistema de monitoramento de vacinação em toda a UE.

Esses documentos foram combinados no “Roteiro de Vacinação” de 2019, que (entre outras coisas) estabeleceu um “estudo de viabilidade” sobre passaportes de vacina para começar em 2019 e terminar em 2021:

As conclusões finais deste relatório foram divulgadas ao público em setembro de 2019, apenas um mês antes do Evento 201 (abaixo).

*

28. Um “exercício de treinamento” previu a pandemia apenas algumas semanas antes dela começar. Em outubro de 2019, o Fórum Econômico Mundial e a Universidade Johns Hopkins realizaram o Evento 201. Este foi um exercício de treinamento baseado em um coronavírus zoonótico que iniciou uma pandemia mundial. O exercício foi patrocinado pela Fundação Bill e Melinda Gates e pela aliança de vacinas GAVI.

O exercício publicou suas conclusões e recomendações em novembro de 2019 como um “apelo à ação”. Um mês depois, a China registrou seu primeiro caso de “Covid”.

*

29. Desde o início de 2020, a gripe “desapareceu”. Nos Estados Unidos, desde fevereiro de 2020, os casos de gripe supostamente caíram mais de 98%.

Não são apenas os EUA, globalmente a gripe aparentemente desapareceu quase completamente.

Enquanto isso, uma nova doença chamada “Covid”, que tem sintomas idênticos e taxa de mortalidade semelhante à da gripe, aparentemente está afetando todas as pessoas normalmente afetadas pela gripe.

*

30. A elite fez fortunas durante a pandemia. Desde o início do lockdown, as pessoas mais ricas se tornaram significativamente mais ricas. A Forbes informou que 40 novos bilionários foram criados “lutando contra o coronavírus”, sendo 9 deles fabricantes de vacinas.

O Business Insider informou que “os bilionários viram seu patrimônio líquido aumentar em meio trilhão de dólares” em outubro de 2020.

É claro que esse número será ainda maior agora.

*

Estes são os fatos vitais da pandemia, apresentados aqui como um recurso para ajudar a formular e apoiar seus argumentos com amigos ou estranhos. Obrigado a todos os pesquisadores que coletaram e agruparam essas informações nos últimos vinte meses, especialmente a Swiss Policy Research.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Eu fico impressionado como esse glorioso Instituto é bem informado.

    A sutileza de dois argumentos científicos contraditórios – máscaras funcionam/não funcionam, está em acreditar que, até que se prove o contrário, tudo o que o governo diz é mentira. A única coisa verdadeira do governo é o horário oficial, pois o sol confirma suas informações…

    Dessa forma, o típico negacionista ira considerar este surpreendente artigo como teoria da conspiração. Eu, que sou rothbardiano há alguns anos e desde sempre me socorro de informações confiáveis neste Instituto, fiquei chocado com alguns tópicos, imaginem o pobre coitado iludido pela mídia maistream acreditando nisso. Não tem como.

    Obrigado por publicar esta tradução.