Os defensores da quarentena não frearam o vírus; mas conseguiram jogar mais 100 milhões de pessoas na extrema pobreza

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

As consequências econômicas das quarentenas forçadas do COVID-19 foram bem noticiadas.

Nos EUA, mais de 100.000 empresas foram exterminadas. Mais de 40 milhões de empregos se foram. A dívida federal subiu para US$ 26,3 trilhões.

São números assustadores e problemas sérios. Mas, de certa forma, eles não são a pior parte da história. Afinal, os Estados Unidos são uma nação incrivelmente rica. A grande maioria dos mais pobres entre eles ainda está relativamente bem de um ponto de vista material, com acesso a moradia, água encanada, comida e outras comodidades e formas de assistência. É um fato geralmente não divulgado que os municípios mais pobres dos EUA lutam contra a obesidade.

A obesidade é um assunto sério, mas muitas partes do mundo lutam com uma forma mais grave de desnutrição: a fome. Infelizmente, muitas das partes mais deprimidas economicamente do mundo assistem a dezenas de milhões de pessoas caírem em extrema pobreza, diz um novo estudo do Banco Mundial.

“As projeções de pobreza sugerem que os impactos sociais e econômicos da crise provavelmente serão bastante significativos”, afirma o relatório. “As estimativas baseadas nas projeções de crescimento do relatório Global Economic Prospects de junho de 2020 mostram que, quando comparado às previsões pré-crise, o COVID-19 poderia levar 71 milhões de pessoas à extrema pobreza em 2020 no cenário base e 100 milhões no pior cenário.”

A maior parte do aumento ocorrerá em lugares que já sofrem com alta pobreza e fome. As projeções mostram que aproximadamente metade das pessoas que caem em extrema pobreza – que o Banco Mundial define como “vivendo com US$ 1,25 ou menos por dia” – vive no sul da Ásia, enquanto mais de um terço vem da África Subsaariana.

O sul da Ásia e a África Subsaariana já são as regiões mais pobres do mundo. De fato, um relatório separado do Banco Mundial mostra que os cinco países mais populosos nessas regiões – Índia, Nigéria, República Democrática do Congo, Etiópia e Bangladesh – são responsáveis ​​por metade dos extremamente pobres do mundo.

Os novos números são ainda piores do que uma análise anterior do Banco Mundial, publicada em abril, que projetava que a crise do COVID-19 levaria cerca de 50 milhões de pessoas à extrema pobreza.

Se o total acabar em 50 ou 100 milhões, o aumento da pobreza global extrema seria o primeiro aumento desde 1998.

Alguns podem argumentar que 100 milhões de pessoas empurradas para a pobreza extrema são simplesmente danos colaterais na grande guerra contra o COVID-19. No entanto, pandemias não são guerras. Elas não podem ser derrotadas, apenas enfrentadas e, na melhor das hipóteses, mitigadas.

O Banco Mundial tem o cuidado de dizer que as consequências econômicas decorrem da “crise COVID”, mas isso é um pouco eufemístico. As consequências econômicas decorrem principalmente da reação global ao COVID – fechamentos econômicos em massa – e não do próprio vírus.

Sabemos disso porque podemos comparar a carnificina econômica com as pandemias passadas. Ryan McMaken relatou neste artigo que:

Especificamente, podemos olhar para a pandemia de 1957-1958, que foi mais mortal do que a pandemia do COVID-19 até agora. Também podemos olhar para a pandemia de 1918 a 1919. No entanto, veremos que nenhuma das duas produziu danos econômicos em uma escala que agora vemos como resultado das quarentenas exigidas pelo governo.

Isso destrói completamente as alegações de que as quarentenas/lockdowns são apenas um fator menor na destruição econômica e que o próprio vírus é o verdadeiro culpado.

O CDC estima que, em 18 de maio deste ano, aproximadamente noventa mil americanos morreram de COVID-19. Ajustado pelo tamanho da população, chega a uma taxa de mortalidade de 272 por milhão. Isso é (até agora) menos da metade da taxa de mortalidade da pandemia de gripe de 1957 a 1958. Nessa pandemia, estima-se que 116.000 americanos tenham morrido. No entanto, a população dos EUA era muito menor, totalizando apenas 175 milhões. Ajustada pelo tamanho da população, a mortalidade como resultado da pandemia da “gripe asiática” de 1957 a 1958 foi superior a 660 por milhão.

Isso é o equivalente a 220.000 mortes nos Estados Unidos hoje.

No entanto, em 1957, os americanos não reagiram fechando o comércio, forçando as pessoas a “quarentenar” ou elevando o desemprego aos níveis da era da Depressão. De fato, os relatórios mostram que os americanos fizeram pouco além das medidas usuais envolvidas na tentativa de retardar a propagação da doença: lavar as mãos, ficar em casa quando doente, etc.

A pandemia de 1957 foi ainda mais mortal que o coronavírus de 2020, mas seu impacto econômico parece ter sido leve. D.A. Henderson et al. em “Saúde pública e respostas médicas à pandemia de influenza de 1957 a 1958” diz:

Apesar do grande número de casos, o surto de 1957 não pareceu ter um impacto significativo na economia dos EUA. Por exemplo, uma estimativa do Escritório de Orçamento do Congresso descobriu que uma pandemia na escala que ocorreu em 1957 reduziria o PIB real em aproximadamente 1%, ‘mas provavelmente não causaria uma recessão e pode não ser distinguível da variação normal da atividade econômica’.

A gripe espanhola oferece um cenário semelhante. A pandemia mais mortal do século XX “quase não deixou marca discernível na economia agregada dos EUA”, escrevem os economistas Efraim Benmelech e Carola Frydman. “Segundo algumas estimativas, o produto nacional bruto real na verdade cresceu em 1919.”

Os custos econômicos das quarentenas obrigatórias são relevantes, considerando que há uma ampla discussão sobre se os EUA devem fechar novamente sua economia à luz dos recentes aumentos de casos de COVID, mesmo que as mortes continuem a declinar e as evidências sugíram que o COVID-19 está enfraquecendo.

Os defensores das quarentenas/lockdowns dizem que são motivados pela proteção de vidas, o que sem dúvida é verdade. No entanto, as evidências sugerem que as quarentenas não são particularmente eficazes para conter a propagação do COVID-19. De fato, nos Estados Unidos, os estados com os mais rigorosos lockdowns têm as mais altas taxas de mortalidade.

Certamente há espaço para debater a eficácia das quarentenas, mas, ao fazê-lo, não devemos ignorar os custos das quarentenas – econômicos e psicológicos, ambos com fortes consequências para os seres humanos.

“Um dos grandes erros é julgar políticas e programas por suas intenções, e não por seus resultados”, disse o economista Milton Friedman.

Se a primeira rodada de quarentenas acabou levando 100 milhões de pessoas à pobreza extrema, é um custo muito alto para ignorar – quaisquer que sejam as intenções daqueles que as aplicam.

 

Artigo original aqui.

Veja também:

Decretos governamentais contra o coronavírus são muito mais letais que o coronavírus

Doenças são ruins, confinamentos forçados pelo governo são ainda piores

A quarentena também está matando pessoas

Desemprego mata: quanto mais durar a quarentena, pior será

Ouvir os ‘especialistas’ do coronavírus levou à morte e ao desespero

Em tempos de crise, precisamos de liberdade mais do que nunca

Novamente, quais foram os benefícios das quarentenas?