A absurdidade dos “casos” de Covid

2
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

As manchetes de hoje anunciaram que Donald e Melania Trump “testaram positivo” para covid-19. Outra manchete afirma que 19 mil trabalhadores da Amazon “pegaram” covid-19 no emprego. Ambas as pseudo-histórias certamente irão acender outro frenesi absurdo na mídia.

Como sempre, a história continua mudando: lembre-se dos respiradores, achatar a curva, as próximas duas semanas são cruciais, etc.? Lembra-se de Nancy Pelosi no bairro chinês em fevereiro, pedindo a todos que o visitassem? Lembra de Fauci descartando o uso de máscaras por serem inúteis? Por que devemos acreditar em qualquer coisa que o complexo política/mídia nos diz agora?

Então, o que essas manchetes realmente significam? O que exatamente é um “caso” de Covid?

Desde o início do surto de coronavírus, a maioria dos meios de comunicação dos Estados Unidos tem sido extremamente crédula e cúmplice em suas reportagens. Os jornalistas promovem quase uniformemente o que podemos chamar de narrativa do “pro-quarentena”, que é exagerar descontroladamente os riscos do covid-19 para servir a uma agenda política. A motivação deles pode ser prejudicar Trump politicamente, para promover um “novo normal” mais socialista ou simplesmente para gerar mais cliques e visualizações. Más notícias vendem. Mas o preconceito é claro e inegável.

Isso explica por que os meios de comunicação usam os termos “caso” e “infecção” de maneira tão vaga, a ponto de desinformar ativamente o público. Toda a conversa interminável sobre teste, teste, e mais teste serviu para obscurecer dois fatos importantes. Primeiro, os próprios testes são extremante não confiáveis ​​na produção de falsos positivos e negativos. E qual é o ponto? Vamos testar as pessoas de novo e de novo, toda vez que elas vão ao supermercado ou encontram um vizinho? Em segundo lugar, a detecção de partículas ou gotículas de vírus no trato respiratório humano nos diz muito pouco. Certamente não nos diz que eles estão doentes, ou transmitindo doenças a alguém.

Pegue uma pessoa perfeitamente saudável sem sintomas específicos e esfregue a parte interna do nariz. Se a cultura mostrar a presença de estafilococos aureus, afirmamos que ela tenha uma infecção estafilocócica? Quando alguém dirige para o trabalho sem incidentes ou acidentes, criamos estatísticas sobre sua exposição ao tráfego?

Um vírus não é uma doença. Apenas uma porcentagem muito pequena daqueles expostos ao próprio vírus – SARS-CoV-2 – apresenta algum tipo de sintoma respiratório agudo, ou o que podemos chamar de “doença coronavírus”.

As únicas estatísticas significativas mostram a incidência de doenças graves, hospitalizações e mortes. A estatística mais importante entre essas é a taxa de mortalidade por infecção (TMI). Os dados coletados até julho mostram que o TMI para menores de 45 anos é, na verdade, menor do que o da gripe comum. A TMI covid-19 aumenta para aqueles com mais de cinquenta anos, mas dificilmente é uma sentença de morte. E os dados não separam aqueles com problemas de saúde preexistentes causados ​​por obesidade, diabetes e doenças cardíacas. Se pudéssemos ver os dados apenas de pessoas razoavelmente saudáveis ​​com menos de 50 anos, os números seriam ainda mais tranquilizadores.

Casos de Covid leves ou assintomáticos são efetivamente sem sentido. O mundo está cheio de bactérias e vírus, e às vezes eles nos deixam um pouco doentes por alguns dias. Existem milhões de bactérias e vírus no mundo ao nosso redor, em nossa pele, em nosso nariz e trato respiratório, em nossos órgãos. Devemos viver com eles, e é por isso que todos nós temos sistemas imunológicos projetados para nos ajudar a coexistir e nos adaptar a organismos em constante mudança. Desenvolvemos anticorpos naturalmente ou tentamos estimulá-los por meio de vacinas, mas, em última análise, nosso próprio sistema imunológico tem que lidar com o covid-19. O vírus sempre estará lá fora, esperando, do outro lado de qualquer quarentena ou máscara – então podemos muito bem nos dar com ele.

Desde o primeiro dia, o foco deveria ser o aumento da imunidade por meio de exercícios, ar fresco, luz solar, suplementação dietética adequada e promoção do bem-estar geral. Em vez disso, nossos políticos, burocratas e mídia insistiram no fechamento de negócios, fechamento de escolas, distanciamento, isolamento, máscaras e a miragem de uma vacina rápida e eficaz. Como quase tudo na vida, a intervenção do Estado piorou a situação. Só podemos esperar que muitos governadores sejam destituídos do cargo, seja por impeachment ou nas próximas eleições. Vários, incluindo Andrew Cuomo em Nova York e Gretchen Whitmer no Michigan, deveriam enfrentar acusações criminais por seus decretos fora da lei. Não há exceção de devido processo para “saúde pública”.

As quarentenas nunca foram justificadas, seja em termos do risco covid-19 ou dos estarrecedores trade-offs econômicos, que serão sentidos por décadas. Elas certamente não são justificadas agora, considerando sete meses de dados adicionais mostrando que a transmissão e letalidade do covid-19 não são particularmente piores do que a anterior SARS, a gripe suína ou pandemias de Ebola. Ainda não sabemos quantas das duzentas mil mortes por covid-19 nos Estados Unidos foram realmente causadas pela doença respiratória SARS-CoV-2, ou simplesmente refletem pessoas que morreram de outras causas após a exposição ao covid-19. Sabemos que os danos causados pelos lockdowns superam em muito os danos causados pelo vírus covid-19.

Quase oito meses de vida e liberdade foram roubados de nós por políticos e seus cúmplices promotores de histeria na mídia. Quanto mais vamos aceitar?

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS