Não há pandemia de coronavírus, então que tal uma dose de realidade?

4
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

“Ou você lida com o que é a realidade, ou pode ter certeza de que a realidade vai lidar com você.” – Alex Haley

Quando a verdade, a honestidade e os fatos são levados em conta, pode haver apenas uma realidade válida, mas não é assim que a “realidade” é entendida ou aceita pelo homem comum. Dada a terrível situação que enfrentamos hoje com esta pandemia fictícia, o conceito de realidade visto pelas massas é simplesmente percepção. Essa percepção, portanto, pode mudar a cada momento que passa, de modo que não é realidade, exceto no sentido do que é falsamente acreditado como verdade em qualquer período de tempo. Em outras palavras, cada indivíduo vê a realidade como o que pensa ou acredita no lampejo do presente, e essa crença se baseia principalmente no que convêm a seus próprios interesses. Portanto, cada pessoa percebe sua própria realidade, o que significa que ela tem pouco conhecimento da realidade.

Temos uma enorme quantidade de informações verdadeiras disponíveis sobre este pânico desse vírus falso, e muitos jornalistas investigativos extremamente qualificados têm exposto continuamente as mentiras vindas da grande mídia. A exposição das mentiras das autoproclamadas “elites” controladoras e de toda a classe política foram disponibilizadas, mas são ignoradas ou ocultadas por aqueles que buscam promover agendas muito nefastas. Pouca ou nenhuma dessas informações honestas chega ao público médio, já que a confiança nas notícias convencionais ainda é evidente entre a classe do proletariado. Isso é uma farsa, já que essa mesma corrente dominante é o braço capacitador do estado de propaganda. Há tantas informações disponíveis, mas muitas delas são conflitantes que deixam as massas educadas pela escola pública em tal estupor que procuram uma saída fácil que as alinhe com a maior multidão de pessoas que não pensam.

Por causa disso, é útil se concentrar em alguns fundamentos factuais que podem ser compreendidos por uma grande parte das pessoas neste país. Estou falando sobre mortalidade e as taxas totais de morte; dois termos que deixam pouco espaço para discussão ou especulação. Deixando de lado por um momento as mortes falsas alegadas serem estritamente causadas por um vírus que nunca foi identificado, os números reais de mortes no mundo contam uma história diferente.

Para os fins propostos aqui, tudo considerado será para este ano de 2020. Até o momento, de acordo com as tabelas da Expectativa de Vida Mundial, o total de mortes atingiu mais de 44 milhões em uma população total de 7,734 bilhões de pessoas. Se esse número for extrapolado para este ano, o total de mortes no mundo será de aproximadamente 58,7 milhões. A média de mortes por ano em todo o mundo atualmente em média é perto de 60 milhões de mortes por ano, portanto, este ano certamente não é anormal e, de fato, parece um pouco menos do que o normal. Como pode ser isso, visto que nos dizem que estamos no meio de um dos períodos de pandemia mais letais da história, tão mortal que o mundo foi fechado?

O total de mortes ‘reivindicadas’ devido ao chamado Covid-19 atingiu, de acordo com essas tabelas, cerca de 1,009 milhões até agora, o que inclui todas as mortes de Covid-19 em todo o mundo contadas desde o ano passado. Isso não leva em consideração que o CDC declarou que apenas 6% de todas as mortes da Covid nos EUA (e, portanto, muito provavelmente no mundo) são causadas apenas pela Covid. Usando o número atual de casos declarados de aproximadamente 34 milhões em todo o mundo, e mortes atuais declaradas de 1,009 milhão, isso equivale a uma taxa de mortalidade de 0,0297. Se apenas as mortes devido à Covid sem comorbidades múltiplas forem consideradas, essa taxa de mortalidade cai para 0,0018. De qualquer forma, não há pandemia!

Para expandir essa afirmação, considere as mortes devido a outros fatores que aparentemente não se qualificam como uma pandemia. Mais uma vez, usando o número mais alto e certamente impreciso de um milhão de mortes alegadas devido apenas à Covid-19, as mortes cardiovasculares neste mesmo ano são 12,854 milhões, ou quase 13 vezes mais do que a Covid. O câncer é 5,7 vezes maior, respiratório 3 vezes maior, perinatal 2,3 vezes maior, diorróico 1,6 vezes maior, digestivo 1,5 vezes maior e tuberculose 1,1 vezes maior. Para acentuar a natureza ridícula dessa farsa usando a taxa real de mortalidade de pacientes de Covid nos EUA do CDC em 6% do que é registrado, as únicas morbidades menos mortais que Covid são a dengue, uma doença transmitida por mosquitos, e as causas naturais. Então, por que isso está sendo chamado de Pandemia?

Até mesmo acidentes automobilísticos serão responsáveis ​​por aproximadamente o mesmo número de mortes que são declaradas como mortes de Covid este ano, (mortes de automóveis acontecem todos os anos), mas eu não vi os governos mundiais proibindo o uso de todos os veículos motorizados do planeta. Se alguma lógica entre a população mundial ainda existir, por favor, considere a estupidez desse evento de alarme falso de vírus destinado ao propósito único de um reinício global permitindo o controle de todo o planeta por poucos.

Os ataques à liberdade das populações globais e a campanha de propaganda perpetrada pelas forças de controle e seus executores no governo foram muito bem-sucedidos considerando a agenda do estado. A enorme quantidade de tirania que se abateu sobre os residentes do mundo nos últimos meses é impressionante, mas este foi apenas o começo do terror, pois para que o estado alcance total poder e controle, muito mais morte e destruição é planejado.

O próximo grande passo nesta tentativa de conquistar todos nós e, no processo, relegar o grosso da sociedade ao status de uma subclasse escrava para ser usada como capacho das elites declaradas, é uma estratégia de vacina que buscará depositar seu veneno em 7 bilhões de pessoas. Esta tentativa de controle populacional em massa será tentada primeiro, ganhando aceitação voluntária pela população em geral em todo o mundo. Isso exigirá muito mais fomento do medo, e o estado está pronto para assustar o povo o quanto for necessário para obter obediência em massa. Se isso não funcionar como planejado, a injeção obrigatória virá, pois a inoculação de venenos e vírus tóxicos, possíveis aditivos de esterilidade, monitoramento e rastreamento de agentes tecnológicos, nanopartículas que alteram genes e qualquer número de outros elementos que alteram a mente perigosa, serão almejados e forçados a níveis extremos. Essa é uma das razões pelas quais o atual governo aqui neste país convocou os militares para distribuir vacinas.

Acredito que o ponto crítico deste golpe horrendo destinado a subjugar a sociedade está diante de nós, e que esta próxima eleição será o ponto de virada que sinalizará o caráter definitivo de qualquer chance de revolta contra esta tirania se a apatia e indiferença continuarem consumindo o povo. Levante-se agora e lute contra os monstros que estão planejando nossa morte, ou nosso destino será selado na loucura totalitária.

“E como queimamos nos campos mais tarde, pensando: como teriam sido as coisas se cada agente da Segurança, quando saísse à noite para fazer uma prisão, não tivesse certeza se voltaria vivo e tivesse que dizer adeus a família dele? Ou se, durante períodos de prisões em massa, como por exemplo em Leningrado, quando prenderam um quarto de toda a cidade, as pessoas não tivessem simplesmente ficado sentadas em seus covis, empalidecendo de terror a cada batida na porta do andar de baixo e a cada passo na escada, mas entendessem que não tinham mais nada a perder e corajosamente armassem no corredor do térreo uma emboscada de meia dúzia de pessoas com machados, martelos, espetos ou o que mais estivesse à mão? … Os Órgãos muito rapidamente teriam sofrido uma escassez de oficiais e transporte e, apesar de toda a sede de Stálin, a maldita máquina teria parado! Se … se … Nós não amamos a liberdade o suficiente. E mais ainda – não tínhamos consciência da situação real…. Pura e simplesmente merecemos tudo o que aconteceu depois.” – Aleksandr I. Solzhenitsyn, “The Gulag Archipelago”

 

Artigo original aqui.

4 COMENTÁRIOS

  1. Eu sempre achei uma bobagem a frase: “carros matam muito e o governo não proibe os carros”… mas com esta fraudemia, ela adquiriu um contexto surpreendente. Pois de fato, por esta lógica, governos deveriam sim proibir os carros de circularem… a existência de mortes naturais – “pra morrer basta estar vivo”, ou seja, que são reflexo exclusivamente do que dá sentido a vida (andar de carro é divertido), prova que essa pandemia é a “farsa política de todos os tempos”. A vida não pode simplesmente parar, e se as máfias estatais conseguiram fazer isso, de maneira espantosamente fácil (hoje em dia é impossível algo como a Revolta das vacinas), é porque esse golpe já vinha sendo estudado há muito tempo.