A balela da “transmissão assintomática” refutada pela ciência

5
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A frase “névoa de guerra” é atribuída a Carl von Clausewitz. Passou a se referir à confusão e incerteza sentidas por todos no meio do conflito. Muitas vezes não está claro quem está tomando decisões e por que, e quais são as relações entre as estratégias e os objetivos. Até mesmo o fundamento lógico pode se tornar ilusório à medida que a frustração e desorientação substituem a clareza e a racionalidade.

Em 2020, experimentamos a névoa da mitigação de doenças.

A rodada inicial de quarentenas não visava suprimir o vírus, mas retardá-lo por um motivo: preservar a capacidade hospitalar. Se e em que medida a “curva” foi realmente achatada provavelmente será debatido por anos, mas naquela época não se considerava extinguir o vírus. O volume das curvas, altas e rápidas ou curtas e longas, era o mesmo de qualquer maneira. As pessoas pegariam o vírus até que ele se extinguisse (imunidade do rebanho).

Gradualmente, e às vezes de forma quase imperceptível, a justificativa para as quarentenas mudou. O achatamento da curva tornou-se um fim em si mesmo, além da capacidade hospitalar. Talvez seja porque o problema de lotação de hospitais foi extremamente localizado, enquanto hospitais em todo o país esvaziavam devido a pacientes que não compareciam: 350 hospitais dispensaram funcionários.

Esse erro foi muito constrangedor, dados os custos excessivos. As escolas fecharam, os direitos comerciais foram aniquilados, as ordens de isolamento em casa de tempos de guerra foram impostas, as viagens quase pararam, todos os grandes eventos foram cancelados e assim por diante. Obviamente, deveria haver uma razão boa, sólida e baseada na ciência para explicar por que os políticos e seus conselheiros haviam, por conta própria, decidido retirar muito do que antes considerávamos direitos humanos.

Este papo começou em março, mas sumiu. Em algum momento no meio do ano, a ideia de transmissão assintomática começou a ficar em voga, pouco a pouco. Finalmente houve uma explosão de busca pelo termo na primeira semana de junho e diminuiu.

A transmissão assintomática foi a resposta dada à grande pergunta: eu não estou doente, então por que deveria ser trancado? Por que estamos colocando os saudáveis ​​em quarentena? E o que poderia significar, em qualquer caso, estar doente sem sintomas? Por que metade dos testes PCR-positivos são atribuídos a pessoas que, de outra forma, parecem estar perfeitamente bem?

Todas essas questões válidas foram respondidas por esta frase: transmissão assintomática. Você pode não se sentir doente. Você pode nunca ter sintomas de SARS-CoV-2. Ainda assim, você poderia ser um super propagador ainda pior sem saber, infectando pessoas ao seu redor que transmitirão o vírus a pessoas que morrerão da doença. Este foi também o momento em que, de maneira sutil e imperceptível, nos pediram que pensássemos em nossos concidadãos não como seres humanos com dignidade e direitos, mas como vetores de doenças transmissoras de patógenos. Tínhamos que estar mascarados, todos nós, porque somos secretamente imundos e impuros: não podemos respirar perto dos outros, portanto, mesmo com uma máscara, devemos ficar a 2 metros de distância.

(Enquanto digito essas palavras, tenho certeza de que se alguém as ler em dez anos, o leitor vai presumir que estou escrevendo ficção ou envolvido em uma hipérbole selvagem. Para o leitor do futuro: tudo isso é verdade.)

Em 7 de junho, a Dra. Maria Van Kerkhove, chefe da unidade de doenças emergentes e zoonoses da OMS, disse em uma coletiva de imprensa que, pela pesquisa conhecida, a disseminação assintomática era “muito rara”. “Pelos dados que temos, ainda parece ser raro que uma pessoa assintomática realmente transmita para um indivíduo secundário.” Ela acrescentou para dar ênfase: “É muito raro”.

Houve uma compreensível explosão de fúria por todos os lados. Pessoas contra as quarentenas gritavam por todo o Twitter que, se isso for verdade, a razão para as quarentenas praticamente desaparece. Podemos voltar às nossas vidas normais. Podemos abrir tudo de novo!

Escrevi na época:

    O que isso sugere, é claro, é que não há nada misteriosamente mágico ou insidioso sobre esse novo vírus. Ele se comporta como os vírus que os cientistas vêm estudando há cem anos. O que fazemos com um vírus normal é ter cuidado com outras pessoas quando temos sintomas. Não tossimos nem espirramos nas pessoas e geralmente ficamos em casa se estivermos doentes. Sempre foi assim. Você não precisa de quarentenas impostas para isso; você apenas segue com a vida normalmente, tratando os doentes e, de outra forma, não perturbando a vida.

Se for esse o caso com este vírus, tudo o que fizemos ao longo dos meses – usar máscara, o distanciamento social para não estar ao lado das pessoas, o cancelamento de tudo, a paranoia maluca e as confusões pré-modernas – foi uma perda de tempo, energia e dinheiro calamitosa e destrutiva.

Por outro lado, havia a previsivelmente pró-quarentena mídia mainstream que denunciou sua heresia. O grito foi tão alto que a OMS imediatamente começou a retroceder na afirmação, principalmente com dicas e sugestões que diziam coisas falsas, mas também não repudiavam a afirmação inicial: “Há muito a ser respondido sobre isso. Há muito que se desconhece. É claro que tanto sintomático quanto assintomáticos fazem parte do ciclo de transmissão. A questão é qual é a contribuição relativa de cada grupo para o número geral de casos.”

Depois disso, a questão pareceu desaparecer. Voltamos a supor que potencialmente todo mundo tinha uma doença, permitindo que nossos concidadãos se tornassem virtuosos impositores do uso de máscaras, do fica em casa e do distanciamento, gritando e berrando com os outros por não obedecerem. A ciência sobre a questão era incerta, nos disseram, então vamos voltar a destruir a vida como a conhecemos.

A névoa da mitigação de doenças, de fato. Mas, como acontece com a maior parte da “ciência” ao longo dessa provação, eventualmente veio a ser revelado que o bom senso e a racionalidade prevaleceriam sobre afirmações e previsões implausíveis que levaram a experimentos de controle social sem qualquer precedente.

Nesse caso, o portador da racionalidade é um gigantesco estudo realizado em Wuhan, na China, com 10 milhões de pessoas. O artigo foi publicado na Nature, publicado em 20 de novembro de 2020.

A conclusão não é que a disseminação assintomática seja rara ou que a ciência seja incerta. O estudo revelou algo que dificilmente acontece nesse tipo de estudo. Não houve nenhum caso documentado. Esqueça o raro. Esqueça até mesmo a sugestão anterior de Fauci de que a transmissão assintomática existe, mas não impulsiona a propagação. Substitua tudo isso por: nunca. Pelo menos não neste estudo com 10.000.000.

    Medidas estritas de controle COVID-19 foram impostas em Wuhan entre 23 de janeiro e 8 de abril de 2020. As estimativas da prevalência da infecção após a liberação das restrições podem informar o gerenciamento da pandemia pós-lockdown. Aqui, descrevemos um programa de triagem de ácido nucleico de SARS-CoV-2 em toda a cidade entre 14 de maio e 1º de junho de 2020 em Wuhan. Todos os residentes da cidade com seis anos ou mais eram elegíveis e participaram 9.899.828 (92,9%). Não foram identificados novos casos sintomáticos e 300 casos assintomáticos (taxa de detecção 0,303 / 10.000, IC 95% 0,270–0,339 / 10.000). Não houve testes positivos entre 1.174 contatos próximos de casos assintomáticos. 107 de 34.424 pacientes com COVID-19 previamente recuperados testaram positivo novamente (taxa re-positiva de 0,31%, IC de 95% 0,423–0,574%). A prevalência de infecção por SARS-CoV-2 em Wuhan foi, portanto, muito baixa cinco a oito semanas após o final do lockdown.

Pode-se supor que isso seja uma grande notícia. Isso nos permitiria abrir tudo imediatamente. Com toda a base para as quarentenas pós achatamento de curva desmoronada, poderíamos voltar a viver uma vida normal. O medo pode evaporar. Podemos ficar tranquilos com nossa intuição normal de que pessoas saudáveis ​​podem sair de casa sem risco para os outros. Podemos tirar nossas máscaras. Podemos ir ao cinema e eventos esportivos.

Pelo que posso dizer, houve apenas uma notícia publicada sobre isso. Foi no Russia Today. Eu não consegui encontrar outra. Pessoas que não seguem as contas certas no Twitter nem saberiam nada sobre isso.

Continuamos ouvindo sobre como devemos seguir a ciência. A frase já cansou. Nós sabemos o que realmente está acontecendo. O lobby da quarentena ignora tudo o que contradiz sua narrativa, preferindo anedotas não verificadas a um estudo científico real de 10 milhões de residentes no que foi o primeiro grande ponto crítico do mundo para a doença que estamos tentando controlar. Você esperaria que este estudo fosse uma grande notícia internacional. Pelo que posso dizer, está sendo ignorado.

Com evidências sólidas de que a propagação assintomática é um absurdo, temos que perguntar: quem está tomando decisões e por quê? Novamente, isso me traz de volta à metáfora da névoa. Todos nós estamos experimentando confusão e incerteza sobre a relação precisa entre as estratégias e os objetivos da panóplia de regulamentos e restrições ao nosso redor. Até mesmo o fundamento lógico se tornou evasivo – até mesmo refutado – à medida que a frustração e a desorientação deslocaram o que vagamente lembramos como clareza e racionalidade da vida diária.

 

Artigo original aqui.

5 COMENTÁRIOS

  1. Tem uma gangue de liberais randianos, os mais perversos estatistas que existem, que propôs aqui no sul, o fim da quarentena. O parabéns vai até a página 5 do livro, quando se descobre que o líder da seita objetivista, o intragável Rachewski, queria segregar todos os portadores de vírus, inclusive os assintomáticos. Ou seja, não teríamos quarentena, mas uma polícia do vírus… #liberalnemégente