A bomba de Hiroshima: o crime e o encobrimento

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Como se encobre uma bomba atômica? Da mesma forma que você encobre qualquer outra coisa: você não permite que as pessoas saibam o que realmente aconteceu. Claro, a magnitude e o poder de uma nuvem em forma de cogumelo são inconfundíveis. No entanto, os efeitos dessa bomba podem ser ocultados e ofuscados da população em geral.

Por mais de um ano após a destruição nuclear de Hiroshima e Nagasaki, toda a extensão do poder mortal da bomba foi mantida em segredo do mundo. Embora pouco conhecida hoje, a verdade só foi revelada devido às ações de um único correspondente de guerra e às histórias de seis indivíduos que ficaram marcados para sempre com o que viram.

Em 6 de agosto de 1945, uma arma nuclear foi usada em uma guerra pela primeira vez na história contra a cidade de Hiroshima. Poucas horas após o bombardeio de Hiroshima, o presidente Harry Truman fez uma transmissão de rádio para o mundo, anunciando tanto o destino da cidade quanto a posse de bombas atômicas pelos Estados Unidos. Truman enfatizou o poder dessas novas armas, afirmando que elas tinham o poder explosivo de “vinte mil toneladas de TNT”.

Em 9 de agosto, a cidade de Nagasaki foi alvo do segundo – e até agora último – uso de armas nucleares na história. Seis dias depois, os japoneses se renderam.

Logo após o fim formal da guerra, quatro equipes oficiais de investigação foram enviadas a ambas as cidades para fornecer um relatório detalhado sobre o impacto e as consequências dos bombardeios. Quando chegaram, o que descobriram os chocou: mesmo meses depois que as bombas foram lançadas, as pessoas nas cidades ainda morriam. Enquanto os médicos japoneses tratavam esses pacientes após os bombardeios, eles identificaram seus sintomas como consistentes com envenenamento por radiação. A superexposição à radiação não era um conceito novo na área médica, mas a ideia de que a radiação da bomba seria uma causa significativa de morte nunca foi considerada pelos americanos.

Os cientistas do Projeto Manhattan — que desenvolveram a bomba — presumiram que a explosão inicial mataria todo mundo e que não sobraria ninguém vivo para ser afetado pela radiação. Enquanto milhares foram mortos nas explosões em Hiroshima e Nagasaki, outros milhares morreriam de queimaduras de radiação nos dias seguintes, e outros milhares de envenenamento por radiação nas próximas semanas, meses e anos.

Por fim, os efeitos angustiantes da radiação nas populações de Hiroshima e Nagasaki foram minimizados nos relatórios oficiais. Isso provavelmente foi feito por motivos de relações públicas. Os Estados Unidos estavam entrando rapidamente em uma “guerra fria” com a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), e queriam desesperadamente se retratar como um cruzado moral contra os comunistas malignos e ímpios. Se a terrível verdade sobre o efeito das armas nucleares em Hiroshima e Nagasaki fosse tornada pública, outras nações – especialmente o Japão – poderiam não ser tão amigáveis ​​com a esfera de influência americana. Embora houvesse alguns, especialmente nos escalões superiores da liderança militar e política, que estavam cientes do verdadeiro escopo da morte que as bombas haviam causado, foi considerado extremamente proibido discutir ou mencionar isso.

Por mais de um ano após os bombardeios, qualquer informação sobre Hiroshima e Nagasaki foi fortemente censurada. Embora o Gabinete de Censura tenha sido fechado no final da guerra, o Departamento de Guerra divulgou uma declaração oficial sobre as bombas dizendo: “É dever de todo cidadão, no interesse da segurança nacional, manter todas as discussões sobre este assunto. assunto dentro dos limites das informações divulgadas em comunicados oficiais”.

Pouco depois de Douglas MacArthur estabelecer seu governo interino no Japão, ambas as cidades foram isoladas e qualquer acesso a elas foi estritamente limitado. Mesmo a maioria dos cidadãos japoneses desconhecia todo o escopo dos efeitos da bomba, já que o governo japonês admitiu pouco mais do que a destruição de ambas as cidades por uma arma nova e poderosa. A grande maioria dos americanos presumiu que a explosão matou todo mundo em uma fração de segundo, e foi isso. A alusão de Truman ao poder explosivo das bombas certamente deu essa impressão, mesmo que apenas implicitamente.

No início de 1946, um correspondente de guerra chamado John Hersey foi enviado a Hiroshima em missão especial para o New Yorker. Ele começou sua carreira no jornalismo escrevendo para a revista Time em 1937 e passou os anos de guerra reportando nas frentes europeia e asiática. Durante sua estada em Hiroshima, ele entrevistou vários hibakushas — o termo japonês para os sobreviventes da bomba atômica. Ele ficou chocado com o que ouviu e sabia que o mundo também precisava ouvir.

Quando voltou aos Estados Unidos, compilou as histórias que ouviu em um ensaio de trinta mil palavras descrevendo o bombardeio de Hiroshima e suas consequências da perspectiva de seis sobreviventes diferentes. O plano original era que o ensaio fosse serializado, mas os editores da New Yorker decidiram publicá-lo na íntegra, dedicando toda a edição de 31 de agosto de 1946 ao trabalho de Hersey – a primeira e única vez que o New Yorker publicou como uma única história. O nome do ensaio era simples, mas logo estaria nas mãos de leitores de todo o mundo: “Hiroshima”.

Hersey não se esquivou da realidade gráfica do bombardeio, bem como das consequências caóticas para aqueles que ainda estavam vivos. Um relato particularmente angustiante vem da perspectiva do reverendo Kiyoshi Tanimoto, pastor da Igreja Metodista de Hiroshima. Depois de sobreviver à explosão e encontrar sua família nos escombros da cidade, ele tentou socorrer os feridos ao seu redor em um barco para levar a um posto de socorro:

     O Sr. Tanimoto encontrou cerca de vinte homens e mulheres na restinga. Ele navegou o barco para a margem e os instou a subir a bordo. Eles não se mexeram e ele percebeu que estavam fracos demais para se erguer. Ele se abaixou e pegou uma mulher pelas mãos, mas a pele dela escorregou em pedaços enormes, como luvas. Ele ficou tão enojado com isso que teve que se sentar por um momento. Então ele pulou na água e, embora fosse um homem pequeno, colocou vários dos homens e mulheres, que estavam nus, em seu barco. Suas costas e seios estavam úmidos, e ele se lembrava inquieto de como eram as grandes queimaduras que vira durante o dia: amarelas no início, depois vermelhas e inchadas, com a pele descamada e, finalmente, à noite, supuradas e fedorentas. Com a maré alta, sua vara de bambu ficou muito curta e ele teve que remar a maior parte do caminho com ela. Do outro lado, em uma restinga mais alto, ele ergueu os corpos vivos e viscosos e os carregou encosta acima, longe da maré. Ele teve que repetir conscientemente para si mesmo: “Estes são seres humanos”. Levou três viagens para atravessar o rio. Quando terminou, decidiu que precisava descansar e voltou ao parque.

Todos os trezentos mil exemplares da edição de 31 de agosto de 1946 da New Yorker esgotaram instantaneamente. Pessoas de todo o mundo ficaram chocadas com o que leram. As experiências desses seis indivíduos, embora apenas uma pequena parcela da população da cidade, permitiram que um mundo desavisado experimentasse apenas uma fração do sofrimento causado pela bomba. Antes de “Hiroshima”, o mundo estava em um estado de feliz ignorância sobre as realidades das armas nucleares. Esse véu foi agora arrancado à força e irrevogavelmente de seus olhos.

Logo após sua publicação, “Hiroshima” se transformaria em livro com o mesmo título e instantaneamente se tornaria um best-seller. Surpreendentemente, o governo MacArthur no Japão proibiu a impressão de “Hiroshima” no país. Somente três anos depois, em 1949, quando o artigo foi traduzido para o japonês, o governo permitiu sua publicação. O artigo foi a primeira vez que muitos japoneses aprenderam a verdade sobre os sofrimentos que seus compatriotas passaram.

O legado de “Hiroshima” de Hersey é duplo. Primeiro, demonstrou o verdadeiro perigo das armas nucleares. Os famosos testes do Atol de Bikini ocorreram apenas dois meses antes da publicação de Hersey, e o povo americano estava agora — pela primeira vez — totalmente ciente das implicações de entrar na Era Atômica. Em apenas alguns anos, a URSS estaria de posse de suas próprias armas nucleares, resultando inevitavelmente em uma corrida armamentista nuclear entre as duas potências. O estado teórico de “destruição mutuamente assegurada” tornou-se uma realidade muito presente.

Isso representava o poder da pena contra a censura do estado. “Hiroshima” foi uma das primeiras vezes na história americana em que o governo foi exposto como desonesto, na melhor das hipóteses, e mentiroso, na pior. Como Randolph Bourne disse certa vez: “A guerra é a saúde do estado”.

O estado tem mais poder para fazer a guerra quando ofusca a verdade e impede que a população em geral entenda as consequências de suas ações. Quando essa verdade é exposta, no entanto, os crimes do estado podem ser trazidos à luz para todos verem. O que a história de John Hersey ilustra claramente é que um aparato de censura, não importa quão difundido e poderoso, pode ser derrubado por apenas uma pessoa disposta a expor mentiras e proclamar o que é verdade.

 

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Este não é o primeiro artigo sobre esse episódio da historia. Acho que um artigo que fizesse o contraponto seria muito interessante para formarmos uma posição mais arazoada.
    Em ambos os artigos que li aqui, existe um forte apelo emocional para o efeito devastador instantâneo da(s) bomba(s). Não posso deixar de me perguntar, se o mesmo número de pessoas morressem em conflito direto com as tropas russas e americanas, por tiro, baionetas e bombas convencionais, a tragédia seria menor?
    A meu ver, naquele momento, a “solução” empregada para fazer o Japão se render foi a que paradoxalmente, mais salvou vidas. A discussão que isso enseja me parece, é opinativa.
    Mas a discussão relevante implícita e atualíssima é, O PODER DO ESTADO. Este sim, deve ser analisado à luz dos setenta milhões de mortos na segunda guerra, dos sessenta milhões mortos na China, quarenta milhões na Rússia… até os milhões que morreram, e que ainda vão morrer por causa da COVID, das políticas de ESG, e da revogação dos direitos individuais no mundo.
    A riqueza ocidental do pós guerra nos deu a impressão de que vivíamos em sistemas majoritáriamente democráticos. Hoje vemos todos os dias que isso é uma ilusão, que nem nos EUA é, ou foi, verdadeira. Somos todos peças descartáveis no jogo do poder. Sempre fomos, desde que o mundo é mundo. A tecnologia evoluiu, riquezas extraordinárias foram criadas, mas a natureza humana continua exatamente a mesma. O homem comum, mesmo em união com seus pares, nunca teve poder suficiente para se defender do Estado e dos oligarcas que o controlam.
    A chave está aí, eu acho.

    • Ora, o homem comum naturalmente não é capaz de se defender contra uma força feita para estorqui-lo e elimina-lo no menor sinal de desobediência civil exposta. Além do mais, o engano está justamente na crença de que o Estado moderno pode ser mantido estável ou até contraído quando necessário; o Estado sempre busca o próprio crescimento, e às excessões só surgem quando há uma crise grave, como hiperinflação, que o leve à se reestruturar, muitos países livres e prósperos hoje só existem porquê o Estado entrou em alguma crise profunda e foi substituído ou reestruturado para um que respeite às liberdades individuais. Logo, à solução está no quesito de que o indivíduo deve se libertar mentalmente e buscar à maior liberdade individual que puder contra o Estado. O bitcoin foi criado teoricamente para isso, e qualquer nova iniciativa é bem vinda.

      Quanto às bombas, você também não apresentou qualquer argumento, e simplesmente voltou para à justificativa clássica: de que elas foram soltadas para impedir mortes, algo totalmente enganoso, considerando que o objetivo dos americanos desde o início foi à rendição incondicional do Japão para com os objetivos imperialistas dos EUA. À União Soviética teria feito à mesmíssima coisa caso tivesse às bombas em mãos primeiro. Logo, o objetivo dessa série de artigos, que na verdade são três até onde eu saiba, é desmoralizar essa tomada de decisões, e desconstruir à narrativa. Se você quer uma opinismo contrário e completo à esses argumentos, deveria buscar em outro lugar, se é que eles existem, pois aqui o objetivo é meramente descontruir às falácias da justificativa oficial sobre à guerra. Como eu citei anteriormente, existe um terceiro artigo que acho que você não leu muito completo nesse instituto que fala de forma mais elaboradas sobre às circunstâncias, ele dá um resumo geral do conteúdo do livro “The Decision to Use the Atomic Bomb” de Gar Alperovitz, que, apesar de não possuir muitas provas sobre o Japão ter ou não ter planejado se render antes da bomba, fornece um insight sobre às decisões políticas americanas. Eis o link do artigo: https://rothbardbrasil.com/o-mito-hiroshima/