O Anarquista Relutante

3
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

Minha chegada (muito recentemente) ao anarquismo filosófico perturbou alguns de meus amigos conservadores e cristãos. Na verdade, isso surpreendeu a mim mesmo, indo contra minhas próprias inclinações.

Quando criança, adquiri um profundo respeito pela autoridade e um horror ao caos. No meu caso, as duas coisas foram misturadas pela incerteza da minha existência depois que meus pais se divorciaram e eu fiquei pulando de uma casa para outra por vários anos, muitas vezes morando com estranhos. Uma autoridade estável era algo que eu ansiava.

Enquanto isso, minha educação em escola pública me imbuiu do tipo de patriotismo encorajado em todas as crianças naquela época. Cresci sentindo que se havia uma coisa em que eu podia confiar e me apoiar era no meu governo. Eu sabia que era ele forte e benigno, mesmo que não soubesse muito mais sobre ele. A ideia de que algumas pessoas – comunistas, por exemplo – podiam querer derrubar o governo me deixou apavorado.

GK Chesterton, com sua habitual audácia gentil, certa vez criticou Rudyard Kipling por sua “falta de patriotismo”. Como Kipling era conhecido por glorificar o Império Britânico, isso pode ter parecido um dos “paradoxos” de Chesterton; mas não era isso, exceto no sentido de que negava o que a maioria dos leitores pensava ser óbvio e incontestável.

Chesterton, ele próprio um “pequeno inglês” e oponente do império, explicou o que havia de errado com a visão de Kipling: “Ele admira a Inglaterra, mas não a ama; pois admiramos as coisas com razões, mas as amamos sem razão. Ele admira a Inglaterra porque ela é forte, não porque ela é inglesa”. O que implica que não haveria motivo para amá-la se ela fosse fraca.

Claro que Chesterton estava certo. Você ama seu país como ama sua mãe – simplesmente porque é seu, não por causa de sua superioridade sobre os outros, particularmente superioridade de poder.

Isso parece axiomático para mim agora, mas me assustou quando o li pela primeira vez. Afinal, eu era americano, e o patriotismo americano normalmente se expressa em superlativos. Os Estados Unidos é o mais livre, o mais poderoso, o mais rico, em suma, o maior país do mundo, com a maior forma de governo – o mais democrático. Talvez os pobres finlandeses ou peruanos também amem seus países, mas sabe-se lá Deus por quê – eles têm tão pouco do que se orgulhar, tão poucos “motivos”. Os Estados Unidos da  América também é o país mais invejado do mundo. Todas as pessoas não desejam secretamente ser americanas?

Esse foi o tipo de patriotismo incutido em mim quando menino, e eu era bastante típico a esse respeito. Era o patriotismo da supremacia. Por um lado, os Estados Unidos nunca haviam perdido uma guerra – eu estava até orgulhoso de que os EUA tivessem criado a bomba atômica (providencialmente, parecia, bem a tempo de esmagar os japoneses) – e é por isso que a guerra do Vietnã foi tão amargamente frustrante. Não os mortos, mas a derrota! O fim da grande sequência de vitórias da história!

À medida que fui amadurecendo, meu patriotismo começou a tomar outra forma, que demorei muito para perceber que estava em conflito com o patriotismo do poder. Tornei-me um conservador filosófico, com uma forte veia libertária. Eu acreditava em governo, mas tinha que ser um governo “limitado” – confinado a alguns propósitos legítimos, como defesa no exterior e policiamento dentro de suas fronteiras. Essas funções, e quase nenhuma outra, eu aceitei, sob a influência de escritores como Ayn ​​Rand e Henry Hazlitt, cujos livros li em meus anos de faculdade.

Embora eu não gostasse do ateísmo de Rand (na época, eu era irreligioso, mas não antirreligioso), ela exercia um estranho apelo sobre meu catolicismo residual. Eu tinha lido Aquino o suficiente para responder aos seus mantras aristotélicos. Tudo tinha que ter sua própria natureza e limitações, inclusive o estado; a ideia de um estado crescendo continuamente, sem conhecer fronteiras, sempre aumentando suas reivindicações sobre o cidadão, me ofendeu e me assustou. Isso só poderia terminar em tirania.

Também fui fortemente atraído por Bill Buckley, um católico explícito, que tocou na mesma nota aristotélica. Durante sua campanha para prefeito de Nova York em 1965, ele fez uma promessa sublime ao eleitor: ele ofereceu “a compostura interna que vem de saber que há limites racionais para a política”. Esta pode ter sido a promessa de campanha mais fútil de todos os tempos, mas teria conquistado meu voto!

Foi realmente esse senso aristotélico de “limites racionais”, ao invés de qualquer doutrina particular, que me tornou um conservador. Fiquei feliz em encontrá-lo em certos autores ingleses que estavam distantes do conservadorismo americano – Chesterton, é claro, Samuel Johnson, Edmund Burke, George Orwell, CS Lewis, Michael Oakeshott.

Na verdade, eu preferia um conservadorismo literário e contemplativo ao tipo ativista que se preocupava com questões políticas imediatas. Durante os anos de Reagan, que eu esperava achar emocionantes, me senti entediado até a morte com a economia do lado da oferta, zonas empresariais, programas de bem-estar “privatizantes” e truques semelhantes para fugir de princípios. Não consegui ver que os conservadores do “movimento” estavam menos interessados ​​em princípios do que nas vitórias republicanas. Na medida em que o vi, não consegui entender o que significava.

Ainda assim, a última coisa que eu esperava me tornar era um anarquista. Por muitos anos eu nem sabia que existiam anarquistas filosóficos sérios. Nunca tinha ouvido falar de Lysander Spooner ou Murray Rothbard. Como a sociedade poderia sobreviver sem um estado?

Então comecei a criticar o governo dos Estados Unidos, embora não muito. Vi que o estado de bem-estar social, principalmente o legado do New Deal de Franklin Roosevelt, violava os princípios do governo limitado e acabaria tendo que desaparecer. Mas concordei com outros conservadores que, enquanto isso, a urgente ameaça global do comunismo tinha de ser interrompida. Visto que eu via a “defesa” como uma das tarefas próprias do governo, eu pensava na Guerra Fria como uma necessidade, a sobrecarga, por assim dizer, da liberdade. Se a ameaça soviética cessasse (a perspectiva parecia remota), poderíamos cortar o orçamento militar e voltar ao trabalho de desmantelar o estado de bem-estar social.

Em algum lugar, no final do arco-íris, os EUA retornariam aos seus princípios fundadores. O Governo Federal seria encolhido, as leis seriam poucas, os impostos mínimos. Isso era o que eu achava. O que eu esperava, de qualquer maneira.

Li avidamente literatura conservadora e de livre mercado durante aqueles anos com a sensação de que estava, como uma espécie de convertido tardio, alcançando o movimento conservador. Presumi que outros conservadores já haviam lido os mesmos livros e os levado a sério. Certamente todos nós queríamos as mesmas coisas! No fundo, compartilhávamos do conhecimento de que havia limites racionais para a política. O bom e velho Aristóteles. Na época, parecia um pequeno pulo de Aristóteles a Barry Goldwater.

Como é bastante conhecido agora, fui trabalhar quando jovem para Buckley na National Review e mais tarde me tornei um colunista sindicalizado. Encontrei meu nicho no jornalismo conservador como crítico das distorções progressistas da Constituição dos Estados Unidos, particularmente nas decisões da Suprema Corte sobre aborto, pornografia e “liberdade de expressão”.

Gradualmente, percebi que o desafio conservador à jurisprudência do progressismo de “interpretação ampla” era muito lmitado. Quase tudo que os progressistas queriam que o governo federal fizesse era inconstitucional. A chave para tudo isso, pensei, era a Décima Emenda, que proíbe o Governo Federal de exercer quaisquer poderes não especificamente atribuídos a ele na Constituição. Mas a Décima Emenda estava em coma desde o New Deal, quando a Corte de Roosevelt praticamente a eliminou.

Isso significava que quase toda a legislação federal, do New Deal à Great Society e além, era inconstitucional. Em vez de lutar contra os programas progressistas aos poucos, os conservadores poderiam minar todos eles revivendo o verdadeiro (e, realmente, óbvio) significado da Constituição. O progressismo dependia de uma longa série de usurpações de poder.

Na época da indicação amargamente contestada (e derrotada) do juiz Robert Bork para a Suprema Corte dos Estados Unidos, os conservadores gastaram muita energia argumentando que a “intenção original” da Constituição deve ser conclusiva. Mas eles aplicaram esse princípio apenas a algumas frases e passagens ambíguas que tratavam de questões polêmicas específicas da época — a pena de morte, por exemplo. Sobre o significado geral da Constituição não poderia haver, pensei, qualquer dúvida. O princípio dominante é que tudo o que o Governo Federal não está autorizado a fazer, está proibido de fazer.

Isso por si só invalidaria o estado de bem-estar social federal e, de fato, quase toda a legislação progressista. Mas achei difícil persuadir a maioria dos conservadores disso. O próprio Bork considerou que a Décima Emenda era inaplicável. Se ele estivesse certo, então toda a Constituição teria sido em vão desde o início.

Nunca pensei que um renascimento constitucional seria fácil, mas pensei que poderia desempenhar um papel indispensável na subversão da legitimidade do progressismo. Os conservadores do movimento ouviram educadamente meus argumentos, mas sem muito entusiasmo. Eles consideravam os apelos à Constituição um tanto pedantes e, na prática, fúteis – não ajudavam muito na luta política. A maioria dos americanos nem se lembrava mais do que significava usurpação. Os próprios conservadores mal sabiam.

Claro que eles estavam certos, em um sentido óbvio. Mesmo os tribunais conservadores (se pudessem ser capturados) não seriam ousados ​​o suficiente para jogar fora todo o legado progressista de uma vez. Mas permaneci convencido de que o movimento conservador tinha de atacar o progressismo em sua raiz constitucional.

De certa forma, transferi meu patriotismo dos EUA de então para os EUA de quando ainda honrava a Constituição. E quando esta linha foi cruzada? A princípio, pensei que a grande corrupção havia ocorrido quando Franklin Roosevelt subverteu o judiciário federal; mais tarde, vim a ver que o evento decisivo foi a Guerra Civil, que efetivamente destruiu o direito dos estados se separarem da União. Mas essa era uma opinião muito minoritária entre os conservadores, particularmente na National Review, onde eu era o único que a defendia.

Já escrevi mais do que o suficiente sobre minha carreira na revista, então vou me limitar a dizer que foi apenas no final de mais de duas décadas felizes que comecei a perceber que nem todos queríamos o mesmo afinal de contas. Quando isso aconteceu, foi como saber, depois de um longo e plácido casamento, que seu cônjuge está apaixonado por outra pessoa, e sempre esteve.

Não que eu tenha sido traído. Eu estava apenas cego. Eu não tenho ninguém para culpar, exceto eu. A turma de Buckley e o movimento conservador em geral tentaram me enganar tanto quanto eu tentei enganá-los. Todos nós assumimos que estávamos do mesmo lado, quando não estávamos. Se há alguma culpa por esse mal-entendido, ela é minha.

No final dos anos 1980, comecei a me misturar com os libertários rothbardianos – eles se autodenominavam pelo rótulo nada atraente de “anarcocapitalistas” – e até conheci o próprio Rothbard. Eles eram um bando brilhante e combativo, cheio de ideias desafiadoras e argumentos surpreendentes. O próprio Rothbard combinou uma profunda inteligência teórica com um profundo conhecimento da história. Sua magnum opus, Homem, Economia e Estado, recebeu os elogios mais irrestritos do normalmente reservado Henry Hazlitt — na National Review!

Só posso dizer de Murray o que muitos outros disseram: nunca em minha vida encontrei uma mente tão original e vigorosa. Um judeu nova-iorquino baixo e atarracado com uma gargalhada explosiva, ele sempre foi uma companhia excitante e alegre. Despejando dezenas de grandes livros e centenas de artigos, ele também encontrou tempo, Deus sabe como, para escrever (na velha máquina de escrever elétrica que ele usou até o fim) inúmeras cartas longas, em espaçamento simples e bem fundamentadas para todos os tipos de pessoas.

A visão de política de Murray era chocantemente direta: o estado não passava de uma gangue criminosa em grande escala. Por mais que eu concordasse com ele em geral, e por mais fascinantes que achasse seus argumentos, resisti a essa conclusão. Eu ainda queria acreditar no governo constitucional.

Murray não aceitaria nada disso. Ele insistiu que a convenção da Filadélfia na qual a Constituição havia sido redigida não passava de um “golpe de estado”, centralizando o poder e destruindo os arranjos muito mais toleráveis ​​dos Artigos da Confederação. Esta foi uma negação direta de tudo o que me foi ensinado. Nunca ouvi ninguém sugerir que os Artigos fossem preferíveis à Constituição! Mas Murray não se importava com o que os outros pensavam – ou com o que todos pensavam. (Ele tinha sido muito radical para Ayn Rand.)

Murray e eu tínhamos uma paixão por filmes de gângsteres, e certa vez ele argumentou comigo que a Máfia era preferível ao estado, porque ela sobrevivia fornecendo os serviços que as pessoas realmente queriam. Respondi que a Máfia se comportava como o estado, extorquindo seus próprios “impostos” em esquemas extorsivos de proteção dirigidas aos lojistas; seu mercado estava longe de ser “livre”. Ele admitiu que eu tinha razão. Fiquei orgulhoso de ter ganho uma concessão dele.

Murray morreu há alguns anos sem ter feito de mim um anarquista. Coube a seu brilhante discípulo, Hans-Hermann Hoppe, terminar minha conversão. Hans argumentou que nenhuma constituição poderia restringir o estado. Uma vez legitimado o seu monopólio da força, os limites constitucionais tornaram-se meras ficções que podiam desconsiderar; ninguém poderia ter autoridade legal para impor esses limites. O próprio estado decidiria, pela força, o que a constituição “significava”, governando constantemente em seu próprio favor e aumentando seu próprio poder. Isso era verdade a priori, e a história americana confirmou isso.

E se o Governo Federal violasse grosseiramente a Constituição? Os estados podem se retirar da União? Lincoln disse que não. A União era “indissolúvel” a menos que todos os estados concordassem em dissolvê-la. Na prática, a Guerra Civil resolveu isso. Os Estados Unidos, no plural, eram realmente um único e enorme estado, como testemunha o novo hábito de falar “ele” em vez de “eles”.

Portanto, o povo é obrigado a obedecer ao governo mesmo quando os governantes traem seu juramento de defender a Constituição. A porta para escapar está trancada. Lincoln, de fato, afirmou que não são nossos direitos que são “inalienáveis”, mas que é o estado que é “inalienável”. E ele conseguiu sustentar isso pela força das armas. Nenhuma transgressão da Constituição pode prejudicar a legitimidade herdada da União. Uma vez estabelecido em termos específicos e limitados, o governo dos EUA é para sempre, mesmo que se recuse a cumprir esses termos.

Como Hoppe argumenta, esta é a falha em pensar que o estado pode ser controlado por uma constituição. Uma vez concedido, o poder estatal torna-se naturalmente absoluto. A obediência é uma via de mão única. Teoricamente, “Nós, o Povo” criamos um governo e especificamos os poderes que ele pode exercer sobre nós; nossos governantes juram diante de Deus que respeitarão os limites que lhes impusermos; mas quando eles atropelam esses limites, nosso dever de obedecê-los permanece.

No entanto, mesmo depois da Guerra Civil, alguns escrúpulos sobreviveram por algum tempo. Os americanos ainda concordavam em princípio que o governo federal poderia adquirir novos poderes apenas por emenda constitucional. Portanto, as emendas do pós-guerra incluíam as palavras “O Congresso terá poder para” promulgar tal e tal legislação.

Mas, na época do New Deal, esses escrúpulos estavam praticamente extintos. Franklin Roosevelt e sua Suprema Corte interpretaram a Cláusula do Comércio de forma tão ampla que autoriza praticamente qualquer reivindicação federal, e a Décima Emenda de forma tão restrita que a privou de qualquer força inibidora. Hoje essas heresias estão tão firmemente entrincheiradas que o Congresso raramente se pergunta se uma lei proposta é autorizada ou proibida pela Constituição.

Em suma, a Constituição dos Estados Unidos é letra morta. Foi mortalmente ferida em 1865. O cadáver não pode ser revivido. Isso permaneceu difícil para mim admitir, e mesmo agora me dói dizê-lo.

Outras coisas ajudaram a mudar minha mente. RJ Rummel, da Universidade do Havaí, calcula que, apenas no século XX, os estados assassinaram cerca de 162 milhões de seus próprios súditos. Este número não inclui as dezenas de milhões de estrangeiros que eles mataram na guerra. Como, então, podemos falar de estados “protegendo” seu povo? Nenhuma quantidade de crime privado poderia ter cobrado tal preço. Quanto à guerra, o livro Wartime, de Paul Fussell, retrata a batalha com uma nitidez tão horripilante que, embora não fosse essa a intenção, cheguei a duvidar que qualquer guerra pudesse ser justificada.

Meus irmãos cristãos têm argumentado que a autoridade do estado é dada por Deus. Eles citam a injunção de Cristo “Dai a César o que é de César” e as palavras de São Paulo “Os poderes constituídos são ordenados por Deus”. Mas Cristo não disse quais coisas — se é que alguma — pertencem a César; suas palavras ambíguas estão longe de ser uma ordem para dar a César tudo o que ele reivindica. E é notável que Cristo nunca disse a seus discípulos para estabelecer um estado ou se envolver na política. Eles deveriam pregar o Evangelho e, se rejeitados, seguir em frente. Ele parece nunca ter imaginado o estado como algo que eles poderiam ou deveriam alistar ao seu lado.

À primeira vista, São Paulo parece ser mais positivo ao afirmar a autoridade do estado. Mas ele próprio, como os outros mártires, morreu por desafiar o estado, e nós o honramos por isso; ao que podemos acrescentar que ele também foi um fugitivo em uma ocasião. Evidentemente, a passagem em Romanos foi mal interpretada. Provavelmente foi escrita durante o reinado de Nero, não o mais edificante dos governantes; mas Paulo também aconselhou os escravos a obedecerem a seus senhores, e ninguém interpreta isso como um endosso à escravidão. Ele pode ter querido dizer que o estado e a escravidão estariam aqui em um futuro previsível, e que os cristãos deveriam suportá-los em prol da paz. Ele nunca diz que ele estará aqui para sempre.

Santo Agostinho tinha uma visão obscura do estado, como uma punição pelo pecado. Ele disse que um estado sem justiça nada mais é do que uma gangue de ladrões em grande escala, deixando dúvidas de que qualquer estado poderia ser diferente. São Tomás de Aquino teve uma visão mais benigna, argumentando que o estado seria necessário mesmo se o homem nunca tivesse caído em desgraça; mas ele concordou com Agostinho que uma lei injusta não é lei alguma, uma doutrina que diminuiria severamente qualquer estado conhecido.

A essência do estado é seu monopólio legal da força. Mas a força é subumana; em palavras que cito incessantemente, Simone Weil o definiu como “aquilo que transforma uma pessoa em uma coisa – seja cadáver ou escravo”. Às vezes pode ser um mal necessário, em legítima defesa ou defesa do inocente, mas ninguém pode ter de direito o que o estado reivindica: um privilégio exclusivo de usá-lo.

É perfeitamente possível que os estados – força organizada – sempre governem este mundo e que, na melhor das hipóteses, tenhamos uma escolha entre os males. E alguns estados são piores do que outros em aspectos importantes: qualquer pessoa em sã consciência preferiria viver nos Estados Unidos a viver sob um Stalin. Mas dizer que uma coisa é inevitável, ou menos onerosa do que outra, não é dizer que seja boa.

Para a maioria das pessoas, anarquia é uma palavra perturbadora, sugerindo caos, violência, antinomianismo – coisas que elas esperam que o estado possa controlar ou prevenir. O termo estado, apesar de sua história sangrenta, não os perturba. No entanto, é o estado que é verdadeiramente caótico, porque significa o domínio dos fortes e astutos. Eles imaginam que a anarquia terminaria naturalmente no governo dos bandidos. Mas meros bandidos não podem afirmar um direito plausível de governar. Só o estado, com seu aparato de propaganda, pode fazer isso. Isso é o que significa legitimidade. Anarquistas obviamente precisam de um rótulo mais sedutor.

“Mas com o que você substituiria o estado?” A pergunta revela uma incapacidade de imaginar a sociedade humana sem o estado. No entanto, parece que uma instituição que pode tirar 200 milhões de vidas em um século dificilmente precisa ser “substituída”.

Os cristãos, e especialmente os americanos, há muito tempo são enganados sobre tudo isso por sua boa sorte. Desde a conversão de Roma, a maioria dos governantes ocidentais tem sido mais ou menos inibida pela moralidade cristã (embora, com bastante frequência, não seja assim que você notaria), e até mesmo a guerra tornou-se um tanto civilizada por séculos; e isso gerou a suposição de que o estado não é necessariamente um mal. Mas à medida que essa moralidade perde seu domínio cultural, como está acontecendo rapidamente, essa confusão se dissipará. Cada vez mais podemos esperar que o estado mostre sua natureza abertamente.

Para mim, isso é tudo menos uma conclusão feliz. Sinto falta da serenidade de acreditar que vivi sob um bom governo, sabiamente planejado e benevolente em sua operação. Mas, como diz São Paulo, chega a hora de deixar de lado as coisas infantis.

 

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS

  1. O princípio do estado é o fim dos direitos indivíduais e da propriedade privada. Um estado só se faz aonde, anteriormente, alguém tenha produzido qualquer riqueza que possa ser confiscada à força. O estado é a materialização da ganância, da inveja e da condescendência conveniente com muitas imoralidades potenciais (às quais incentiva) do ser humano. Se precisamos de leis para que a justiça se reestabeleça (leis não impedem injustiças), jamais será pelo estado que a reestabeleceremos.

  2. A concepção de “Estado” de São Tomás de Aquino em seu Tratado sobre a Lei na Suma Teológica é bem diferente da “moderna”: o Aquinate define o poder secular sob o critério da lei Divina, ou seja, a legislação e o rei são justos se fundamentados na razão superior da Revelação e injustos quando agem por razões mundanas. Obviamente, o Estado Moderno é criminoso, como é qualquer ser humano que se fundamente em razões erradas. Não podemos cair no erro Esquerdista que a “sociedade” (ou o Estado) corrompe, quando a verdade é que pessoas se corrompem e contribuem para a corrupção de outras na sociedade. Tem razão os anarquistas (no sentido dado neste site, que é bem próximo do definido por Mário Ferreira dos Santos em sua “Análise Dialética do Marxismo”) quando veem o Estado como inimigo, mas devemos lembrar que o Estado é formado por indivíduos e como o próprio São Tomás ensinava: o ato da liberdade é sempre voluntário e individual. E o seu contrário também…