A catástrofe Reagan

5
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

[Lee esto en Español]

A presidência de Ronald Wilson Reagan foi um desastre para o libertarianismo nos Estados Unidos, e ainda pode vir a ser catastrófica para a raça humana. Reagan chegou ao poder em 1981 como o principal porta-voz político do Movimento Conservador, um movimento que tomou sua forma moderna essencial em 1955, com a fundação da National Review. Reagan tem sido o principal político conservador desde que “O Discurso”, proferido pela TV nacional durante a campanha de Goldwater em 1964, o estabeleceu como o “Grande Comunicador” da direita.

O Movimento Conservador dos tempos modernos teve três princípios básicos e mutuamente contraditórios:

  1. “Tirar o estado inchado das nossas costas”, revertendo o estatismo e estabelecendo uma economia de mercado livre;
  2. esmagar as liberdades civis sempre que o crime, a “segurança nacional” ou a “moralidade” forem ameaçados, ou seja, sempre que as liberdades civis se tornarem importantes;
  3. buscar um confronto político e militar total com o “comunismo mundial ateu”, em particular seu quartel-general satânico no Kremlin, e incluindo até um confronto nuclear.

É evidente que os itens 2 e 3 são, no mínimo, inconsistentes com 1. Por um lado, como alguém “tira o estado inchado de nossas costas econômicas”, ao mesmo tempo em que espalha “estado inchado” em nossos quartos, e em nossas correspondências privadas e telefonemas? Como garantir o direito ao livre comércio e à livre iniciativa enquanto se proíbe a pornografia e todo o comércio com o bloco soviético? E como preservar o direito à vida pessoal e à propriedade enquanto se envolve no assassinato em massa de civis exigido pela guerra moderna? Sempre que o Movimento Conservador tomou conhecimento de tais inconsistências (por exemplo, sobre o livre comércio com pecadores, ou ajuda externa para nossos “aliados”, ou orçamentos militares cada vez maiores), optou sem hesitação pelos itens 2 e 3 em vez do 1. Para os conservadores, o Estado como Teocrata e Executor Moral e o Estado como Assassino em Massa sempre tiveram precedência sobre os fracos objetivos da liberdade e do livre mercado.

Em um artigo recente (“The American Conservatives”, Harper’s January 1984), o estudioso John Lukacs toma nota de algumas dessas contradições internas (Lukacs é um espécime interessante e único: um tradicionalista antilibertário húngaro-americano Trad – que também é pró-paz). Lukacs escreve:

      “Os conservadores argumentavam contra um governo grande, mas favoreciam o mais monstruoso dos projetos governamentais: guerra com armas laser, guerra biológica, superbombas nucleares. Eles eram contra o estado policial, mas estavam ansiosos para estender os poderes do FBI e da CIA. Eles eram contra a regulamentação governamental da “livre” iniciativa, mas às vezes apoiavam o apoio ou o resgate de grandes corporações pelo governo.”

Há quase trinta anos, o Movimento Conservador floresce mantendo essas contradições. Como eles conseguiram fazer isso? Uma explicação é que eles são burros e não veem as contradições. Certamente, esse fato desempenha um papel. O que Lawrence Dennis costumava chamar de “burro” e Macaulay chamava de “partido estúpido” ainda existe nos Estados Unidos. Mas, afinal, nem todos os conservadores são burros, e agora há um bom número de estudiosos e intelectuais de direita. Não, grande parte da explicação é mais sinistra do que pura estupidez. Os conservadores sabem que o vingador americano, embora pouco entusiasta das liberdades civis, não gosta que o FBI (ou, mais ainda, a Receita Federal) bisbilhote seus documentos privados, e não gosta da ideia de o governo acabar com o pecado em seu quintal. E enquanto o americano médio aplaudiu a invasão americana de Granada, apreciando fanaticamente a visão dos EUA fechando uma pequena ilha desprovida até mesmo de um exército regular, ele tem uma visão bem diferente quando se trata dele ficar atolado em algum buraco do inferno em uma guerra perpétua e perdida, ou de ser incinerado em um holocausto nuclear.

O americano médio, em suma, possui aquele “complexo de exaltação e medo” que Garet Garrett observou como a marca registrada dos cidadãos do Império. De um lado, a identificação emocional com o “seu” Estado-nação e o desejo de que ele intimide e domine o mundo inteiro. De outro, o pânico histérico diante das maquinações de um ou outro Inimigo satânico, um Inimigo monolítico, onicompetente e malévolo, e que só pode ser enfrentado com contínuas demonstrações de força, a única coisa que ele pode “entender”. Na medida em que ele é não-intervencionista, o americano não está interessado em justiça, mas com medo do impasse, medo da humilhação, medo de não conseguir mostrar que sua nação é a melhor e maior ao conquistar uma vitória relativamente rápida.

Em sua magnífica explosão contra “O Anglo-Saxão”, Mencken a colocou de forma perceptiva e hilária há quatro décadas. Falando da “covardia hereditária” do anglo-saxão, Mencken escreveu:

     “Acusar de covardia uma corrida tão empreendedora e bem-sucedida, é claro, é arriscar o escárnio imediato, no entanto, acredito que um exame justo de sua história me confirmará. Nove décimos dos grandes feitos de coragem que seus filhotes são ensinados a venerar na escola… têm faltado até mesmo a galhardia mais elementar. Considere, por exemplo, os eventos que assistem à extensão dos dois grandes impérios, o inglês e o americano. Qualquer um dos movimentos suscitou alguma coragem e resolução genuínas? A resposta é claramente não. Ambos os impérios foram construídos principalmente por enganar e massacrar selvagens desarmados, e depois por roubar nações fracas e sem amigos. [N]ão expuseram as pessoas em casa a qualquer perigo sério de represália… Além disso, nem o grande empreendimento custou qualquer quantidade apreciável de sangue; nenhum dos dois apresentava riscos graves e terríveis; nem expôs o conquistador ao menor perigo de ser feito o conquistado. Os britânicos ganharam a maioria de seus vastos domínios sem ter que se levantar em uma única batalha contra um inimigo civilizado e formidável, e os americanos ganharam seu continente às custas de algumas dezenas de escaramuças pueris com selvagens.

“As guerras mexicana e espanhola eu ignoro considerando-as talvez obscenamente pouco galantes demais para serem discutidas; das primeiras, U.S. Grant, que lutou nela, disse que foi “a guerra mais injusta já travada por uma nação mais forte contra uma nação mais fraca”. Quem se lembra que, durante a Guerra de Espanha, toda a Costa Atlântica tremeu de medo da débil frota dos espanhóis, que toda a Nova Inglaterra tinha histeria cada vez que uma barcaça estranha de carvão era avistada no horizonte, que os cofres de Boston eram esvaziados e seu conteúdo transferido para Worcester, e que a Marinha tinha que organizar uma patrulha para salvar as cidades costeiras do despovoamento? Talvez se lembrem também os vermelhos, ateus e pró-alemães que se lembram também de que, durante a Primeira Guerra Mundial, todo o país enlouqueceu com medo de um inimigo que, sem a ajuda da intervenção divina, obviamente não poderia desferir-lhe um golpe, e que a grande vitória moral foi finalmente obtida com a ajuda de vinte e um aliados e com chances de oito para um.

“O caso da Segunda Guerra Mundial foi ainda mais marcante. Os dois inimigos que os Estados Unidos enfrentaram foram suavizados por anos de uma dura luta com inimigos desesperados, e esses inimigos continuaram a lutar. Nenhum inimigo conseguiu reunir nem um décimo dos materiais de que as forças americanas dispunham. E no final ambos foram superados em número de homens por diferenças verdadeiramente enormes.” (em A Mencken Chrestomathy, Nova York: Knopf, 1949, pp. 173-175)

Por causa de sua relutância em aceitar enormes perdas americanas ou em se envolver em um confronto nuclear com a Rússia, o americano médio tem que ser engolido pelos ideólogos do Movimento Conservador com a retórica da liberdade e do “tirar o estado inchado das nossas costas”. A verdadeira mensagem orientadora do Movimento Conservador foi enunciada claramente em um comício público anticomunista anos atrás pelo sincero e inflamado I. Brent Bozell: “Para acabar com o comunismo mundial, eu estaria disposto a destruir todo o universo, até a estrela mais distante.” Não é preciso um libertário radical para não querer chegar às últimas consequências, dançar a dança completa, com Brent Bozell e o Movimento Conservador, cujo tema não é “melhor morrer do que ser comunista”, mas “melhor você e você – e você – e você morrerem do que ser comunista”.

Em uma busca pelo poder, muitas vezes a primeira coisa a sofrer é a franqueza, e não é surpresa que, à medida que os conservadores se tornaram mais respeitáveis e se aproximaram da vitória, eles se livraram como se se livrassem fardos embaraçosos de todos aqueles elementos que cada um, à sua maneira, eram francos, íntegros e consistentes: o próprio Bozell, os bircherianos, os randianos.

Reaganomia

Toda revolução ideológica tem que se preocupar em não se perverter ao alcançar o poder, em abrir mão dos princípios diante da sedução do pragmatismo, da respeitabilidade, da aclamação do establishment e do “centro vital” da política do país. Todos os reaganistas gostavam de se referir à sua ascensão ao poder como uma “revolução”. Mas, para que tal revolução tenha sucesso em seus objetivos, ela deve ser dura e vigilante, deve ter doutrinado seus membros – seus “quadros” – a resistir às benesses do pragmático. A Revolução Reagan, ao contrário, se esgotou antes mesmo de começar. A denúncia veio na convenção republicana de 1980, quando Reagan se rendeu ao inimigo republicano progressista depois de tê-los derrotado decisivamente na disputa da nomeação presidencial. Não foi apenas o fato de ter feito do derrotado George Bush vice-presidente; este tipo de concessão à unidade partidária é tradicional na política americana e geralmente significa pouco. Pois Reagan também se livrou sumariamente de quase todos os seus conselheiros ideológicos hardcore, e trouxe de volta para comandar sua campanha, e depois seu governo, os próprios pragmáticos e adeptos da Comissão Trilateral contra os quais ele havia lutado fortemente anteriormente.

A traição de Reagan foi a mais profunda e completa na “Plataforma Política 1” – a parte do livre mercado – da tríade conservadora. Compreensivelmente: já que os conservadores realmente não se importam com o livre mercado, pois se preocupam com a moralidade compulsória e, especialmente, com a guerra contra o comunismo. A traição do mercado livre é brutal e enorme. Um rápido resumo será suficiente. A Reaganomia, como enunciado pelo próprio Reagan antes da convenção e pelos conservadores em geral, prometeu o seguinte programa: um corte acentuado no orçamento federal, um corte drástico nos impostos de renda, um orçamento equilibrado até 1984, desregulamentação da economia e retorno a um padrão-ouro. Reagan conseguiu convencer tanto conservadores quanto progressistas, e o público americano, de que ele conseguiu o primeiro e o segundo pontos dessa lista. Durante um ou dois anos, quase não era possível assistir a notícias na TV sem assistir a algum palhaço lamentando sobre como ele e o resto do mundo estavam prestes a chegar ao fundo do poço porque o Tio Patinhas havia cortado seu orçamento ou sua subvenção. Os conservadores compraram esse mito porque queriam ver Reagan realizar o que ele havia dito que faria; os progressistas estavam felizes em adotá-lo para que pudessem lamentar sobre como Reagan estava causando miséria e fome incalculáveis por seus cortes drásticos. Na verdade, o orçamento nunca foi cortado; ele sempre disparou sob Reagan. Reagan é, de longe, o maior gastador da história americana. Ele também é o maior cobrador de impostos. Os impostos nunca foram cortados. O tão propalado e tão divulgado corte no Imposto de Renda sempre foi, desde o início, mais do que compensado pelos aumentos programados de impostos da Previdência Social, auxiliados pelo aumento dos impostos por consequência da subida de salários geradas pela inflação, aquele sistema sinistro pelo qual o governo federal imprime mais dinheiro, causando inflação, e também empurrando todos para uma faixa de imposto mais alta, quando o governo completa a dobradinha tributando uma proporção maior de sua renda.

Nos primeiros anos do governo Reagan, fui acusado por alguns conservadores-libertários de não “dar uma chance a Reagan” e de não olhar para os gastos e a tributação em termos reais, ou em termos de taxas de crescimento, ou em termos de porcentagem do PIB. Então, agora Ronnie teve sua “chance” (como se eu pudesse tê-lo privado disso!), e ele é sofrível sob todos os parâmetros imagináveis. Não importa como você veja isso, Reagan é um gastador e cobrador de impostos muito pior do que seu antecessor, “grande gastador” e muito vilipendiado, Jimmy Carter.

Todos sabem dos défices. O déficit de Reagan é enorme, astronômico, independentemente de como você o veja, e promete se tornar permanente. Qual foi a resposta dos republicanos conservadores que denunciaram déficits malignos a vida toda? Adotar a atitude insolente do keynesianismo progressista: a quem interessa o déficit, afinal? O poder, de fato, tende a corromper.

O padrão-ouro foi enterrado por uma Comissão “imparcial” abarrotada de keynesianos e friedmanianos amargamente anti-ouro. Quanto à desregulamentação, ela nunca chegou a lugar algum, exceto por aqueles programas que o governo Carter já havia lançado: desregulamentação das comunicações, companhias aéreas e transporte rodoviário. As manutenções artificial de preços agrícolas são ainda piores do que antes, com o governo Reagan “criativamente tendo a ideia de o governo devolver aos agricultores o seu próprio trigo e milho armazenados durante anos ociosamente em armazéns, em troca de os agricultores concordarem em reduzir um pouco mais a sua área de cultivo. Reagan, que obscenamente se autodenomina o discípulo intelectual de Bastiat e Mises, aumentou tarifas e impôs cotas de importação como louco, inclusive forçando os japoneses a cortar “voluntariamente” sua exportação de automóveis, impondo uma cota para a importação de alfinetes (presumivelmente vitais para a segurança nacional) e aumentando sumariamente a tarifa de importação de motocicletas potentes em 1000%, a fim de salvar a pele da Harley-Davidson.

A ajuda externa, às custas do contribuinte norte-americano, continua a abundar em qualquer lugar e em todos os lugares, subsidiando as empresas exportadoras dos EUA e atando as mãos de vários estados estrangeiros (principalmente ditaduras) nas costas de seus infelizes súditos. Além disso, o governo Reagan, ostensivamente anticomunista, socorre o governo polonês em benefício do Chase Manhattan Bank e de outros credores bancários, e ajuda a reprogramar tais empréstimos para continuar sustentando o hediondo regime polonês.

Liberdades civis e “questões sociais”

Como os conservadores estão menos interessados no livre mercado do que em suprimir as liberdades civis, o governo Reagan tem sido previsivelmente mais diligente em perseguir o item 2 do que o item 1 da agenda conservadora. A visão libertária é que o governo não deve ter o direito de penetrar na vida de seus cidadãos, enquanto os membros do governo não têm o direito de conduzir suas maquinações de poder em segredo, longe do conhecimento público. O governo Reagan prosseguiu a agenda conservadora diametralmente oposta. O FBI e a CIA foram liberados mais uma vez para fazer seu trabalho sujo, e uma lei foi aprovada tão restritiva à liberdade de imprensa que a publicação até mesmo de documentos publicamente disponíveis embaraçosos para o governo pode ser considerada ilegal. De acordo com a lei reaganista, a publicação dos Documentos do Pentágono pela imprensa agora seria ilegal. Reagan está agora tentando impor uma ordem de censura vitalícia a todos os membros do governo, para que eles não possam, após seu retorno à vida privada, publicar memórias embaraçosas para o regime de Reagan. A capacidade dos cidadãos de descobrir arquivos sobre si mesmos secretamente coletados por bisbilhoteiros do governo sob a Lei de Liberdade de Informação agora foi severamente restringida.

De interesse particularmente vital para os libertários, o registro obrigatório foi continuado, e jovens que resistiram foram jogados na prisão. Os poderes de bisbilhotar e assediar da infame Receita Federal foram reforçados, e os ativistas anti-impostos foram presos. Um dos ativistas anti-impostos, Gordon Kahl, condenado a cinco anos de liberdade condicional, violou a liberdade condicional ao ousar participar de uma reunião pacífica contra impostos em Dakota do Norte. Por ousar fazê-lo, foi emboscado por um grupo de xerifes e agentes fortemente armados; Kabl resistiu à prisão pelo grave crime de participar de uma reunião anti-impostos, e atirou e matou vários dos policiais que o emboscaram. Intensamente caçado, esse perigoso cidadão foi finalmente alvejado por tiros e queimado até a morte pelos polizei. Outra vitória para a liberdade havia sido alcançada pelo governo Reagan.

Reagan tem estado tão preocupado com as liberdades civis dos residentes estrangeiros como com a dos cidadãos. Ele se esforçou para aprovar a lei Simpson-Mazzoli, que reprimiria os estrangeiros sem documentos e, eventualmente, forçaria todos os trabalhadores a portar uma carteira de identidade, para que os empregadores pudessem distinguir entre trabalhadores legais (bons) e ilegais (maus). O governo Reagan tem sido muito mais duro do que o de Carter em permitir que estrangeiros entrem ou permaneçam na Terra dos Livres. Um dos ressentimentos persistentes contra Fidel Castro, por exemplo, é que ele enviou milhares de dissidentes e outros “criminosos” para os EUA, e os EUA têm tentado desesperadamente fazer com que Fidel os leve de volta. A mais recente atrocidade de Reagan é que ele agora está reprimindo os pedidos de imigrantes poloneses e membros do Solidariedade para entrar ou permanecer nos EUA. Nada menos que 85% dos pedidos de asilo político poloneses nos EUA foram rejeitados recentemente, e medidas estão em andamento para deportar esses opositores do regime stalinista Jaruzelski de volta à Polônia. Em um belo toque orwelliano apropriado a 1984, Verne Jervis, porta-voz chefe do Serviço de Imigração dos EUA, anunciou que essa onda de rejeições de asilo não representa “nenhuma mudança de política para ser mais dura”. “Não”, acrescentou, “estamos tentando reduzir o atraso acelerando a tramitação dos casos”. De fato… Talvez nunca tenha entrado na cabeça do Sr. Jervis que há outra forma de “processamento acelerado”: ou seja, deixar esses pobres bastardos entrarem e conceder-lhes asilo.

A forma como Reagan tem lidado com a Questão Polaca é um bom resumo do seu modus operandi geral: toneladas de retórica anticomunista apaixonada e especialmente antissoviética, acompanhada pela realidade de salvar o governo comunista polaco em conjunto com os bancos de Wall Street, e barrar e deportar de volta os membros do Solidariedade polaco que gostariam da oportunidade de saborear a liberdade de que estamos sempre falando.

Apesar desse histórico de sucesso do seu ponto de vista, os conservadores têm ficado descontentes com o pragmatismo de Reagan em questões “sociais”. Ele tem apenas falado da boca pra fora sobre seus estimados objetivos de proibir o aborto e colocar a oração de volta nas escolas públicas. E embora seus outros objetivos de acabar com a pornografia, a prostituição e a homossexualidade sejam questões estaduais e não federais, Reagan não usou seu “púlpito valentão” da Presidência para assumir a liderança nesses itens de sua agenda teocrática.

Guerra

Uma vez que os conservadores estão mais interessados na plataforma política de guerra contra o comunismo e a Rússia, é compreensível, embora lamentável, que Ronald Reagan tenha cedido minimamente ao pragmatismo na arena da política externa. Um problema é que os “pragmáticos” republicanos não são muito pacifistas. Não só os grandes e velhos isolacionistas republicanos da era pré-1955 estão extintos como um dodô, mas também não há nenhum realista pacifista do establishment da variedade Cyrus Vance ou George Ball, muito menos grandes velhos como George Kennan. A batalha é entre os incitadores de guerras e os ultra-incitadores de guerras. Do lado meramente incitador estão o criminoso de guerra do Vietnã Henry Kissinger e seus muitos seguidores que, no entanto, querem parar à beira de um holocausto nuclear. Esse “pragmatismo” maligno é desprezado pelos ultras, os Kirkpatricks, os Van Cleaves, os Aliens, os Pipeses, todos eles que querem explodir o universo até a estrela mais distante.

No início do governo Reagan, eu estava tentando explicar a postura de política externa do governo aos meus colegas acadêmicos, que não estão familiarizados com nenhum movimento político à direita de John Kenneth Galbraith. “Olha”, eu disse, “você conhece o louco Al Haig” (então secretário de Estado e protegido de Kissinger). “Sim, ” eles assentiram, estremecendo. “Bem, amigos”, eu continuei, “odeio ter que dizer isso, mas o louco ‘estou no comando’ Al é a última melhor esperança de se manter a paz mundial.”

Nos dois primeiros anos de seu governo, pouco foi feito em política externa, exceto, é claro, o envolvimento em aumentos gigantescos nos gastos militares para que os russkis possam ser dizimados 30 em vez de 20 vezes (ou o que quer que seja). Em outro belo toque orwelliano, Reagan apelidou o mais recente míssil americano de destruição em massa de “O Pacificador”. Mas em seus dois primeiros anos, Ronnie estava se concentrando na política doméstica e em se vender totalmente para os estatistas do establishment. Cumprida essa missão, ele infelizmente voltou sua atenção para a política externa e a ameaça Russki, e é melhor o mundo ficar em alerta, pelo menos até que Ronnie seja deposto em janeiro de 1985.

Porque ultimamente tem sido bomba atrás de bomba, e sabe Deus onde isso vai parar. Provocado por um carro-bomba xiita contra os militares americanos em Beirute, Ronnie retaliou invadindo a pequena Granada, uma terra de 100 mil habitantes. Como disse um amigo meu, “Ronnie estava ansioso para obter uma vitória para o time da casa, e então ele escolheu um país que ele poderia – provavelmente – vencer”. Mesmo agora, as forças dos EUA, que supostamente obteriam uma vitória rápida em uma semana, só estão saindo depois de três meses, e 300 soldados estão lá permanentemente, metade deles armados até os dentes, mas chamados de “não-combatentes” para fins políticos orwellianos. Toda a operação foi marcada por mentiras flagrantes divulgadas por Reagan e sua equipe, tanto que até Margaret Thatcher se tornou uma pacifista estarrecida nesta ocasião. O oficial norte-americano encarregado colocou o adormecido governador-geral britânico, Sir Paul Scoon, como o pequeno ditador da ilha, e a democracia, ao que tudo indica, ficará por muito tempo em Granada. O único consolo para os granadinos é que, como a terra em O Rato que Ruge, os EUA estarão despejando muitos milhões de dólares naquela pequena ilha apertada por muitos anos.

Os incitadores de guerra pragmáticos eram todos a favor da invasão granadiana. Que diabos, não havia perigo para os EUA nisso. O Líbano é um pouco mais complicado, mas mesmo lá o secretário de Estado Shultz, desprezado pelos ultras conservadores como um pacifista, tem se esforçado para escalar a situação. Infelizmente, não só os republicanos, mas os democratas – a partir dos últimos dois anos do governo Carter, quando o incitador de guerras Brzezinski venceu o pacifista Vance – acreditaram na bobagem DeBorchgrave-Sterling-Moss de que todo “terrorista” que bombardeia qualquer coisa em qualquer lugar é controlado por uma poderosa cadeia que leva ao Irã de Khomeini (que parece ter superado o coronel Khaddafy, o anterior bicho-papão da direita), e de alguma forma passando por Khaddafy-Khomeini para as figuras satânicas que comandam o Kremlin. Como resultado, na doentia mente americana, qualquer um que pareça ser um “louco” e também seja “anti-Ocidente” deve ser uma ferramenta de Moscou. (Seria instrutivo se os incitadores de guerras dos EUA recebessem parte do tratamento que Khomeini dá aos comunistas ou seus camaradas no Irã.)

E assim os EUA enviam os fuzileiros navais, como um touro em uma loja de porcelanas, para o Líbano, sem conhecer ou se importar com nenhuma das dezenas de grupos étnicos e religiosos que estiveram lá, e têm se odiado e lutado uns contra os outros (muitas vezes com boas razões) por literalmente centenas de anos. Aterrissamos lá, e de repente há essas pessoas desagradáveis com fuzis, chamando-se drusos, ou xiitas, ou sunitas. Um bando de árabes, sem dúvida todos ferramentas de Moscou. E assim, quando a embaixada ou o quartel-general militar dos EUA é bombardeado, os EUA chegam à conclusão de que quem fez isso são “xiitas pró-Irã”. Sem conseguir encontrar os responsáveis, os EUA se envolvem em uma espiral nazista de atribuição de culpa coletiva. Se estes são “xiitas pró-Irã”, isso deve significar que o governo iraniano está por trás dos bombardeios, e por Deus, já que está, isso significa que continuaremos bombardeando posições sírias no Líbano. Tente resolver esse pepino!

E depois há outras escaladas bacanas, na tentativa de derrubar “secretamente” o regime nicaraguense e no desembarque de muitas tropas em nossa nova base em Honduras. Em suma, há muitos pontos críticos que podem se transformar em uma grande guerra, e em todos os quais os incitadores e os ultra-incitadores de guerras estão disputando uns contra os outros para ver quem pode ser mais militarista. Apenas o medo covarde, mas saudável, de outro Vietnã ou de um holocausto nuclear entre o Congresso e o país está restringindo o governo Reagan de seus instintos de cachorro louco em direção à guerra total.

É impossível dizer neste momento qual força vai vencer. Alguém disse uma vez que “a Providência cuida dos tolos e dos Estados Unidos”, e talvez os religiosos entre nós possam impulsionar nossa causa com alguma oração fervorosa. Vamos precisar disso.

Reagan: Retórica versus Realidade

Como Reagan pode se safar da traição sistemática da agenda conservadora na política interna? Ou, como os conservadores podem engolir a retórica do livre mercado enquanto ignoram as ações anti-livre mercado de Reagan? Uma resposta é que os conservadores se preocupam mais com a política externa, e a invasão opressora da pequena Granada provavelmente levou todos os conservadores dissidentes de volta ao campo de Reagan. Pouco antes da invasão, o semanário conservador Human Events implorava de maneira deplorável a Reagan que “por favor, Sr. Presidente, nos dê algo em sua política que possamos comemorar”. Bem, eles têm Granada.

Mas, além disso, Reagan tem sido um mestre em criar uma enorme lacuna entre sua retórica e a realidade de suas ações. Todos os políticos, é claro, têm essa lacuna, mas em Reagan ela é cósmica, maciça, tão larga quanto o Oceano Pacífico. Sua voz suave e ensaboada parece perfeitamente sincera enquanto ele jorra a retórica que ele viola dia a dia. Afinal, ele é um ator, treinado para ler suas falas com brio e sinceridade. Talvez seja por isso que, como Alexander Cockburn escreveu recentemente, enquanto Nixon sabia que estava mentindo e parecia desconfortável ao fazê-lo, Reagan não sabe dizer qual é a diferença entre a verdade e a mentira. Também podemos notar a visão esclarecedora do velho e astuto congressista republicano Barber Conable (N.Y.).

Em 1982, quando os conservadores ficaram chocados com Reagan argumentando com igual fervor moral por impostos mais altos como ele não havia muito antes feito por impostos mais baixos, Conable os ensinou sobre os fatos da vida. (Reagan, no entanto, não admitiu que eram impostos mais altos: apenas “fechar as brechas” e “aumentar a receita” – um belo toque de semântica orwelliana criativa.) Reagan, ele apontou admiradamente, tem a incrível capacidade de manter sua mente em segmentos hermeticamente fechados: Retórica, onde fala em se livrar do estado inchado; e a realidade, onde ele faz exatamente o contrário. Os conservadores simplesmente não parecem entender isso.

Por mais astuto que seja o ponto de Conable, ele não vai longe o suficiente. Pois a pergunta seguinte é: se a retórica na política não tem relação com a realidade, por que Ronnie, ou qualquer outro político, se incomoda com a retórica? Por que não jogar o habitual jogo estatista sem todas as mentiras? A razão, claro, é que é a retórica que suga as massas conservadoras para votar em Ronald Reagan. E assim Reagan montou habilmente uma coalizão de trabalho para a vitória republicana: a retórica quase libertária, pela qual ele suga as massas conservadoras de eleitores, e a realidade estatista, pela qual ele preserva o poder dos grupos de interesse especial do establishment centrista.

Mas Reagan é um fenômeno ainda mais curioso. Pois ele tem a espantosa capacidade, não apenas de continuar a velha retórica, mas de levitar acima da ação, de agir como se não estivesse sentado no Salão Oval, mas de alguma forma ainda está por aí dando suas pequenas homilias semilibertárias e semibelicistas, usando suas anotações com todas as pequenas anedotas falsas que ele coletou de fontes ao longo das décadas. E, de alguma forma, ele é capaz de convencer o público de que não está realmente na Casa Branca, fazendo coisas monstruosas como chefe do mais poderoso aparato de Estado do mundo; mas que ele ainda está fora do Estado, um cidadão privado que protesta com veemência e lidera uma cruzada contra o estado inchado.

E assim vai – uma combinação vencedora que só pode ser desvendada no caso improvável de as massas conservadoras perceberem que foram atingidas e “entrarem em greve” e pararem de votar em Reagan. E o próprio homem? O que o explica? Há apenas duas explicações lógicas para o fenômeno Reagan. Ou ele é um cretino total, um idiota que realmente acredita em suas próprias mentiras e contradições. Ou, ele é um político perfeito e conivente, o mais astuto manipulador da opinião pública desde seu herói FDR. Ou ele é uma combinação sutil de ambos? De qualquer forma, Reagan continua a gozar de enorme popularidade pessoal, o cara legal e a voz calma completado por aquele sorriso verdadeiramente odioso de autossatisfação, aquele sorriso que diz que ele é objetivamente amável e que a adulação pública é apenas algo que lhe é devido.

Enquanto isso, o que temos que nos preocupar é com uma questão muito mais séria do que desvendar a intrigante personalidade Reagan. Não apenas como libertários, mas ainda mais como seres humanos e membros da raça humana, temos que nos fazer a pergunta: Há Vida Depois de Reagan? O júri ainda não se pronunciou.

 

 

 

Artigo original aqui

5 COMENTÁRIOS

  1. “Reagan é, de longe, o maior gastador da história americana. Ele também é o maior cobrador de impostos. Os impostos nunca foram cortados. O tão propalado e tão divulgado corte no Imposto de Renda sempre foi, desde o início, mais do que compensado pelos aumentos programados de impostos da Previdência Social, auxiliados pelo aumento dos impostos por consequência da subida de salários geradas pela inflação, aquele sistema sinistro pelo qual o governo federal imprime mais dinheiro, causando inflação, e também empurrando todos para uma faixa de imposto mais alta, quando o governo completa a dobradinha tributando uma proporção maior de sua renda.”

    Pois é, mas parece que no Brasil a quantidade assustadora de idiotas que não conhecem nada de História estão prontos a engolir toda baboseira que é dita sobre a “era Reagan”, principalmente por jornalistas tontos que se declaram “liberais”. O mesmo se pode dizer a respeito da Margareth Thatcher. São figuras que são vendidas como grandes lendas do livre mercado e da diminuição do Estado, quando na verdade foram o extremo oposto, estatistas belicistas e protecionistas, grandes interventores na liberdade civil dos cidadãos e velhacos sem vergonha. Há uma paralisia cognitiva generalizada quando se trata das pessoas fanatizadas neste ou naquele político. O fenômeno do “bolsonarismo” e do “trumpismo” demonstram muito bem essa tragédia política e decadência intelectual. Os valores são deixados de lado e até mesmo atropelados. Se trata apenas de levar adiante os instintos de uma rebanho em uma verdadeira seita que se posiciona contra a esquerda apenas no que tange a aspectos moralistas.

  2. Espetáculo!
    É impossível encontrar uma análise política cotidiana como esta nos dias de hoje, a não ser de libertários – como Ron Paul ou Lew Rockwell -, mas não todos.
    Um fato curioso é respeito dos Drusos citados no texto. Eles são árabes que professam uma espécie de islamismo, mas são pró-Israel e muitos lutam no exército sionista. E mais curioso, um druso ê facilmente identificado por eles estão sempre com uma bomba de chimarrão na mão, ja que muitos vieram para o Rio Grande do Sul e quando voltaram levaram esse hábito.

    Bravissimo Muray Fucnking Rothbard !

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui