A classe política irá pagar pelo que fez?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

As quarentenas e proibições decretadas politicamente destruíram recentemente dezenas de milhões de empregos no país. Os políticos reivindicaram efetivamente o direito de infligir danos econômicos ilimitados em busca de zero contágio no COVID-19. Os incentivos perversos que regem a política multiplicaram o dano muito além do perigo original.

Quase 40% das famílias que ganham menos de US$ 40.000 por ano têm alguém que perdeu o emprego nos últimos meses, segundo o Federal Reserve. A Linha Direta de Socorro em Desastres, uma linha direta de crise federal, recebeu quase 900% mais ligações em março em comparação com um ano atrás. Uma análise recente da JAMA Psychiatry alertou que as ordens de permanência em casa e o aumento do desemprego são uma “tempestade perfeita” para maiores taxas de suicídio. Uma organização de saúde da Califórnia estimou recentemente que até 75.000 pessoas poderiam morrer de “desespero” como resultado do desemprego pandêmico e das restrições do governo.

Em nome de salvar vidas, os políticos têm o direito de destruir um número ilimitado de meios de subsistência. Políticos em muitos estados responderam ao COVID-19 descartando o equivalente a uma bomba de nêutrons reversa – algo que destrói a economia e supostamente deixa os seres humanos ilesos. Mas a única maneira de supor que as pessoas não foram feridas é acreditar que sua existência é totalmente desapegada de seus empregos, contas bancárias e pagamentos de contas e aluguéis.

Os políticos se vacinaram contra qualquer culpa pela carnificina econômica, divulgando especialistas que disseram que tudo era necessário. Nos últimos 90 dias, os burocratas do governo se tornaram um novo sacerdócio que pode santificar sacrifícios ilimitados em nome da saúde pública.

Os formuladores de políticas públicas da COVID escreveram para si mesmos a mesma carta que o cardeal Richelieu, estadista francês do século XVII, supostamente deu a seus agentes: “O portador desta carta agiu sob minhas ordens e para o bem do Estado”. Essa carte blanche foi suficiente para colocar assassinatos e outros crimes acima da lei e de reprovações na França. Na América contemporânea, a mesma exoneração é alcançada invocando “ciência” e “dados”. A governadora do Oregon, Kate Brown, proibiu os moradores de deixar suas casas, exceto trabalho essencial, compra de alimentos e outras isenções limitadas, e também proibiu todas as viagens de lazer. Seis condados de Oregon têm apenas um caso confirmado de COVID, e a maior parte do estado tem infecções mínimas. Mas escolas, empresas e outras atividades foram fechadas por comando do governo.

A governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, impôs algumas das restrições mais severas, proibindo qualquer pessoa de sair de casa para visitar familiares ou amigos. As infecções por COVID estavam concentradas na área metropolitana de Detroit, mas Whitmer fechou todo o estado – incluindo municípios do norte com infecções quase zero e zero mortes, aumentando o desemprego para 24% em todo o estado. Sua repressão provocou protestos ferozes, e Whitmer respondeu afirmando que seus decretos salvaram 3.500 vidas. Whitmer exonerou-se com uma fórmula estatística dolorosamente etérea em comparação com a devastação física estrondosa em Michigan.

A ordem de fechamento do governador de Kentucky, Andy Beshear, resultou na maior taxa de desemprego do país – 33%. Mas, de acordo com o senador Rand Paul, o impacto do COVID no Kentucky “não foi pior que uma temporada média de gripe“. Mas isso não impediu Beshear de proibir as pessoas de comparecerem aos cultos da igreja e de enviar a Polícia Estadual do Kentucky para colocar avisos aos pára-brisas dos carros, ordenando que os participantes se auto-colocassem em quarentena por 14 dias e relatando-os aos departamentos de saúde locais.

Fechar estados inteiros, incluindo vastas áreas rurais não infectadas, é o equivalente econômico de queimar bruxas ou sacrificar virgens para apaziguar deuses virais raivosos. Como os políticos não se responsabilizam pelos danos econômicos que causam, não têm incentivo para minimizar as interrupções que decretam. Trilhões de dólares em novos gastos com déficit vão atormentar os trabalhadores por muitos anos.

O estado do Missouri processou o governo da China, alegando que é responsável pelas perdas infligidas pelo vírus que aparentemente se originou em Wuhan, na China. A maioria dos observadores prevê que o processo não vai dar em nada. Mas, graças à imunidade política, seria ainda mais impossível para os cidadãos processar os políticos pelos danos que suas ordens de paralizações infligiram aos seus negócios, salários e vidas.

A imunidade política cria uma sociedade de dois níveis: aqueles acima da lei e aqueles abaixo dela; aqueles a quem a lei falha em vincular e aqueles a quem a lei falha em proteger. Essa doutrina legal quase garante que nenhum político enfrentará qualquer responsabilidade pessoal por sua quarentena.

Mesmo o governador de Nova York, Andrew Cuomo, que obrigou asilos a aceitar pacientes do COVID, não terá culpa legal por uma política que contribuiu para mais de 5.000 mortes em casas de repouso em seu estado. A czar de saúde da Pensilvânia, Rachel Levine, emitiu uma ordem semelhante, contribuindo para milhares de mortes em casas de repouso e depois removeu sua própria mãe de 95 anos de uma casa de repouso para mantê-la segura.

Os políticos presumem que não têm culpa por destruir empregos, desde que as vítimas recebam um seguro desemprego temporário. Na verdade, é pior do que isso: os políticos reivindicam o direito de apreender uma fatia dos salários das pessoas que ainda trabalham para recompensar as pessoas cujos empregos destruíram. Uma empresa privada seria capaz de escapar do castigo por quebrar as pernas das pessoas, dando muletas gratuitas às vítimas?

“Melhor prevenir do que remediar” é arriscado quando os políticos não se responsabilizam pelo que devastam. Não há como os políticos compensarem os cidadãos por todo o dano que infligiram nessa pandemia. Essa catástrofe de quarentena do COVID deve ser uma marca negra permanente contra a classe política e os especialistas que santificaram todo e qualquer sacrifício.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO