Nada pode justificar essa destruição da vida das pessoas

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Países do mundo inteiro estão presos há meses em resposta à pandemia de coronavírus. Os custos dessa decisão política são enormes – em termos de vida, liberdade e economia. Mas valeu a pena para salvar vidas? Yoram Lass já foi diretor-geral do Ministério da Saúde de Israel. Lass é um crítico firme da política de quarentena/lockdown adotada em Israel, sua terra natal, e pelo mundo afora. Ele descreveu nossa resposta ao Covid-19 como uma forma de histeria. O jornal spiked o contatou para descobrir mais.

Spiked: Você descreveu a resposta global ao coronavírus como histeria. Você pode explicar isso?

Yoram Lass: É a primeira epidemia na história que é acompanhada por outra epidemia – o vírus das redes sociais. Essas novas mídias fizeram lavagem cerebral em populações inteiras. O que você obtém é medo e ansiedade, e uma incapacidade de analisar dados reais. E, portanto, você tem todos os ingredientes para uma histeria monstruosa.

É o que é conhecido na ciência como feedback positivo ou efeito bola de neve. O governo tem medo de seus eleitores. Portanto, implementa medidas draconianas. Os constituintes olham para as medidas draconianas e se tornam ainda mais histéricos. Eles se alimentam e a bola de neve se torna cada vez maior até chegar a um ponto irracional. Isso não passa de uma epidemia de gripe se você olhar para os números e os dados, mas as pessoas que estão em estado de ansiedade são cegas. Se eu estivesse tomando as decisões, tentaria dar às pessoas os números reais. E eu nunca destruiria meu país.

Spiked: O que os números nos dizem, na sua opinião?

Lass: A mortalidade por coronavírus é um número falso. A maioria das pessoas não está morrendo de coronavírus. Aqueles que atestam mortes simplesmente mudam o rótulo. Se os pacientes morriam de leucemia, câncer metastático, doença cardiovascular ou demência, eles colocavam o coronavírus. Além disso, o número de pessoas infectadas é falso, porque depende do número de testes. Quanto mais testes você realiza, mais pessoas infectadas recebe.

O único número real é o número total de mortes – por todas as causas de morte, não apenas o coronavírus. Se você olhar para esses números, verá que todo inverno recebemos o que chamamos de excesso de mortalidade. Ou seja, durante o inverno, mais pessoas morrem em comparação à média, devido a epidemias regulares de gripe sazonal, com as quais ninguém se importa. Se você observar a onda de coronavírus em um gráfico, verá que ela se parece com um pico. O coronavírus vem muito rápido, mas também desaparece muito rápido. A onda de influenza é superficial, pois leva três meses para passar, mas o coronavírus leva um mês. Se você contar o número de pessoas que morrem em termos de excesso de mortalidade – que é a área abaixo da curva – verá que durante a temporada de coronavírus, tivemos um excesso de mortalidade que é cerca de 15% maior que a epidemia de gripe em 2017.

Comparadas a esse aumento, as medidas draconianas são de proporções bíblicas. Centenas de milhões de pessoas estão sofrendo. Nos países em desenvolvimento, muitos morrerão de fome. Nos países desenvolvidos, muitos vão morrer de desemprego. Desemprego é mortalidade. Mais pessoas morrerão pelas medidas do que pelo vírus. E as pessoas que morrem com as medidas são os ganhadores de pão. Eles são mais jovens. Entre as pessoas que morrem de coronavírus, a idade mediana geralmente é superior à expectativa de vida da população. O que foi feito não é proporcional. Mas as pessoas têm medo. As pessoas sofrem lavagem cerebral. Eles não ouvem os dados. E isso inclui governos.

Spiked: O lockdown/quarentena têm algum efeito positivo na segurança das pessoas?

Lass: Qualquer especialista razoável – ou seja, qualquer pessoa, exceto o professor Ferguson, do Imperial College, que queria trancar todo mundo quando tivemos a gripe suína – lhe dirá que a quarentena não pode alterar o número final de pessoas infectadas. Só pode alterar a taxa de infecção. E as pessoas argumentam que, ao alterar a taxa de infecção e “achatar a curva“, evitamos o colapso dos hospitais. Eu mostrei os custos do lockdown, mas esse foi o argumento a favor. Mas olhe para a Suécia. Sem quarentena e sem colapso de hospitais. O argumento para o lockdown entra em colapso.

Spiked: Por que alguns países sofreram muito mais do que outros da Covid-19?

Lass: Por exemplo, você pode comparar a Itália com Israel. No Oriente Médio, esse vírus não está realmente pegando. Existem duas razões. Uma é que existe uma população muito jovem e a outra é que o clima é diferente. Na latitude de 50 graus, que é a Europa, e 40, que é o nordeste dos Estados Unidos, o vírus é muito mais viável. A Itália tem a população mais idosa do mundo, exceto o Japão. Os italianos também são fumantes inveterados e pessoas muito sociais – eles continuam se abraçando e se beijando. Se você olhar para os números, em 2017, 25.000 italianos morreram de complicações da gripe. Agora você tem cerca de 30.000 morrendo de coronavírus. Portanto, é um número comparável. Você não deve arruinar um país por números comparáveis.

Spiked: Como tem sido em Israel?

Lass: Em Israel, temos duas camadas de medo. A histeria é semelhante ao resto do mundo. No entanto, temos um primeiro ministro que foi ressuscitado pelo coronavírus adicionando outra camada de medo. Não acho que exista outro primeiro ministro que tenha falado sobre coronavírus em termos da peste negra medieval, do holocausto e do fim da humanidade dessa maneira. Boris Johnson mencionou a Peste Negra? Eu acho que não. Essa é a situação especial em Israel.

Spiked: Como o coronavírus se compara às pandemias passadas?

Lass: Se você olhar os anos 50, tivemos a gripe asiática. Na década de 1960, houve a gripe de Hong Kong. Estas foram piores do que essa pandemia. Além disso, veja a história da gripe suína em 2009, que começou exatamente da mesma forma que o coronavírus. Um novo vírus se originou no México. Não havia vacina, por isso foi muito assustador. Ele se espalhou por todo o mundo. Ele infectou um bilhão de pessoas. Um quarto de milhão de pessoas morreu. Mas não houve confinamento, nem Ferguson, nem nada, as pessoas estavam muito mais interessadas na crise econômica que ocorreu um ano antes em 2008. Elas não tiveram tempo de dar atenção a essa bobagem.

Spiked: A pandemia terminará em breve?

Lass: O vírus, como o vírus da gripe, está se despedindo da Europa Ocidental, com certeza. O mesmo no Oriente Médio. Nos Estados Unidos, ainda não sabemos, então devemos conversar daqui a um mês. Mas nada pode justificar essa destruição da vida das pessoas. É inacreditável.

Yoram Lass estava conversando com Fraser Myers.

 

Artigo original aqui.

Traduzido por Luis Felipe