A concorrência no mercado é a melhor solução para o poder das Big Techs

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Os chamados monopólios das “Big Tech” estão unindo políticos e especialistas da mídia tanto de esquerda quanto de direita. Quer o argumento seja “muito poder”, quer seja “censura”, ambos os lados têm problemas com esses monopólios.

Os esquerdistas afirmam que o capitalismo de livre mercado leva a uma concentração de poder que leva à exploração dos consumidores. Eles também se opõem a subsídios e privilégios especiais para grandes corporações. No entanto, o que eles não percebem é que estão reclamando do clientelismo, não do capitalismo. Em um verdadeiro mercado livre, as empresas dependem de trocas voluntárias (não da exploração) e as corporações não recebem tratamento especial ou subsídios.

Aqueles da direita apoiam ruidosamente a “liberdade empresarial americana”; no entanto, eles querem mais intervenção governamental para controlar as empresas bem-sucedidas do Vale do Silício e alguns até pedem a dissolução dessas empresas. Isso, obviamente, é inconsistente com a filosofia da livre iniciativa, que celebra o sucesso. Os da direita argumentam que as grandes empresas de tecnologia censuram e reprimem as vozes conservadoras. Isso pode ser verdade, mas é uma violação dos direitos de liberdade de expressão quando uma entidade privada está envolvida?

Em 29 de junho, um juiz federal em Washington decidiu que o Facebook não é um monopólio e rejeitou dois processos movidos pela Federal Trade Commission (FTC). De acordo com o jornal The Washington Post, “O juiz distrital dos Estados Unidos James E. Boasberg disse que a Federal Trade Commission não ofereceu fatos suficientes em sua ação para provar sua afirmação de que o Facebook controlava 60 por cento do mercado de mídia social.” Isso levanta a questão de por que 60% é o número mágico para provar que o Facebook tem controle demais? Além disso, controle é um termo impróprio, uma vez que uma empresa privada não pode forçar os consumidores a comprar ou usar seu produto ou serviço, ao contrário do governo. Por que existe um FTC (ou o resto da sopa de letrinhas das burocracias) em primeiro lugar é outra coisa que não pode ser justificada por aqueles que apoiam um verdadeiro mercado livre.

O apresentador do canal de televisão Fox News, Will Cain, entrevistou recentemente o congressista republicano Jim Jordan e o congressista democrata Ro Khanna sobre os seis projetos de lei na Câmara sobre as Big Techs. Um deles, a Lei de Modernização da Taxa de Registro de Fusões, alocaria US$ 670 milhões adicionais para as divisões antitruste do Departamento de Justiça (DOJ) e da FTC, outro exemplo de desperdício de gastos governamentais. Também extorquia empresas pelo privilégio de fusão. Outro projeto de lei criaria um “Agência para os Mercados Digitais” para fazer cumprir as novas regulamentações – mais uma agência criada para nos “proteger”.

De acordo com outro projeto de lei proposto, o “Ato para Acabar com os Monopólios das Plataformas”, seria ilegal para uma plataforma dominante criar sua própria linha de negócios para esmagar concorrentes menos maduros ou potenciais. Tentar “matar” a competição não é a própria essência da competição? No entanto, esta terminologia não é correta. A única razão pela qual a Apple ou a Amazon se tornaram dominantes é porque os consumidores permitiram. Na verdade, são os consumidores, por meio de ações voluntárias, que estão “matando” a concorrência. Agora, se o governo evitasse que novas empresas entrassem no mercado ou obrigasse indivíduos a comprar produtos ou serviços de uma determinada empresa, a história seria diferente.

O “Ato Americano para a Inovação e Escolha Online” (American Innovation and Choice Online Act) proibiria as plataformas de tecnologia de pré-instalar softwares. Esta é sem dúvida uma prática coercitiva e manipuladora. Como consumidor, gosto de ter software pré-instalado em meus produtos. No entanto, o iPhone é propriedade da Apple e eles devem ser livres para pré-instalar o que quiserem, assim como a Microsoft deve ser livre para pré-instalar quaisquer programas que eles quiserem em seu sistema operacional Windows. Novamente, essas empresas privadas não podem nos forçar a comprar seus produtos. Para ser claro, mesmo que, por exemplo, a Apple ou a Microsoft, tornasse impossível desinstalar um dos programas pré-instalados em seu produto ou proibisse os consumidores de adicionar um produto de um concorrente ao seu iPhone ou computador com Windows, isso não seria uma prática anti concorrencial. Na verdade, esses são exemplos de comportamento concorrencial.

Quando grandes empresas compram empresas menores (por exemplo, o Facebook adquirindo o WhatsApp e o Instagram), elas são acusadas de monopolizar o mercado. As empresas maiores são criticadas quando não permitem que outra empresa use ou venda seus produtos em sua plataforma (por exemplo, a Apple negando acesso a Parler na App Store), enquanto outras são punidas por manipular mecanismos de buscas em seu favor (por exemplo, Google). No entanto, todos esses são exemplos de comportamento competitivo. Tentar prejudicar a concorrência ou negar uma plataforma a um concorrente é perfeitamente legítimo. Isso é análogo a um proprietário de uma casa não permitir que alguém entre em sua casa e, em seguida, esse alguém sair alegando danos. Para prejudicar alguém, você deve violar seus direitos ou negar-lhes algo a que têm direito.

Apple, Google e Facebook não nos devem seus produtos e serviços. Eu não tenho uma conta no Twitter e tudo bem! – minha vida está bem. A vida também está bem sem o Facebook; Conheço muitos que não usam o Facebook e estão vivendo uma vida maravilhosa e plena. Não existia o Google décadas atrás e a vida era ótima. Agora que essas empresas existem, é interessante ouvir a tagarelice de ter direito a coisas ou ter certos direitos negados. Novamente, as empresas privadas não nos devem seus produtos e serviços, não podem nos forçar a comprar seus produtos ou serviços e não temos que usar seus produtos ou serviços.

A razão pela qual essas empresas são dominantes é o valor que criaram para os consumidores que usam voluntariamente seus produtos e serviços. Os consumidores espontaneamente transformaram as pequenas empresas iniciantes nas grandes empresas de tecnologia que conhecemos hoje.

Os conservadores dizem que apoiam a liberdade de expressão, mas devem perceber que não existe o direito de ter um imóvel digital na propriedade privada de outra pessoa. Não é “censura” quando digo às pessoas o que elas podem e não podem dizer dentro de minha própria casa. Afinal, entrar em minha casa é um privilégio, não um direito. Se meus convidados não concordarem com as regras da minha casa, eles estão livres para sair ou hospedar um evento em sua própria casa. O Google pode esconder sites ou personalidades conservadoras de seu mecanismo de busca; O Twitter pode muito bem estar tentando extinguir vozes que vão contra a agenda esquerdista. Somente o governo pode violar a liberdade de expressão; se o governo ordenasse às grandes empresas de tecnologia que filtrassem sites conservadores ou bloqueassem vozes conservadoras, isso seria uma violação da liberdade de expressão.

O que há de errado em uma empresa privada tentar se dar todas as vantagens possíveis? Quando se tornou anticapitalista ou anti-livre iniciativa para uma empresa privada não permitir que outros usem sua propriedade privada? O que muitos parecem não entender é que em um verdadeiro mercado livre ou sistema capitalista, uma empresa privada não pode forçar os consumidores a comprar seus produtos: consumidores voluntariamente tornaram as Big Techs grandes.

A competição é um processo de rivalidade que pode levar a várias empresas ou a uma apenas a permanecer de pé. No entanto, nada garante que ser o número um hoje signifique ser o número um para sempre. Não é anticompetitivo impedir um concorrente de usar sua propriedade; não temos o direito de postar nossas opiniões na propriedade privada de terceiros. O único monopólio real é o próprio governo ou uma empresa que receba um privilégio especial do governo. O governo é a única entidade que pode legalmente usar a força e é o Governo Grande que é a verdadeira ameaça à liberdade.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO