Nossas duas opções: um mercado ou uma economia planejada centralmente

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Nas últimas semanas, estive discutindo uma série de pontos do livro Ação Humana e hoje proponho me concentrar em uma visão fundamental que é o tema principal do livro. Existem, diz Mises, apenas duas maneiras de organizar a produção em uma economia moderna complexa que produz muitos bens e serviços. Um é por meio da tomada de decisão centralizada e o outro é por meio do mercado livre.

Um olhar mais atento, porém, mostra que apenas uma dessas alternativas é genuína. Em uma economia complexa, os bens de produção geralmente podem ser usados para fazer uma série de bens de consumo diferentes. Em caso afirmativo, surge a pergunta: Como as escolhas para usar os bens dos produtores podem ser feitas da forma que melhor satisfaça os desejos dos consumidores?

O insight fundamental de Mises é que a tomada de decisão centralizada não pode responder a essa pergunta. Somente um sistema econômico com cálculo monetário pode fazer isso, e o cálculo monetário só pode ocorrer em um mercado livre. Sem um mercado, os planejadores socialistas poderiam apenas adivinhar a melhor maneira de tomar decisões de produção. O cálculo monetário não pode ser ignorado; não há medida de valor sem dinheiro.

Se isso for verdade, é evidente que o planejamento central deve ser apagado de nosso conjunto de opções. Isso, diz Mises, desmoronaria no caos. Resta apenas o mercado livre.

Pode-se objetar que, mesmo que nossas opções sejam limitadas dessa forma, isso não é exatamente um limite. Poucas pessoas hoje são a favor de uma economia totalmente centralizada. Mas isso não deixa em aberto várias combinações entre uma economia dirigida centralmente e uma economia de mercado? Mises nega isso. Não existe, diz ele, nenhum terceiro sistema intermediário entre o planejamento central e o mercado. Enquanto a maioria dos preços são preços de mercado, a economia ainda conta como uma economia de mercado, mesmo que seja prejudicada por regulamentações governamentais.

Acontece, porém, que isso limita nossas opções de forma drástica, de uma forma que não é imediatamente aparente. Muitas pessoas criticam o mercado livre pelo que consideram uma ênfase indevida em ganhar dinheiro. Mesmo se Mises estiver certo de que o mercado livre levará à prosperidade, não existem valores não monetários que também devem ser considerados?

De fato, existem valores não monetários, mas os críticos que apontam isso ignoram o insight principal de Mises. Para evitar o caos, uma economia moderna complexa deve usar cálculos monetários. E para usar o cálculo monetário, os empresários devem ser guiados pelo esforço para obter lucro. A eficácia do cálculo monetário para responder à questão do melhor uso dos bens de produção depende de os empresários serem capazes de direcionar recursos para empresas que geram lucros e longe de empresas que geram perdas. Se os empreendedores não forem guiados por esforços para maximizar os lucros, eles estão apenas tentando adivinhar o que deve ser produzido e não estão em melhor posição do que os planejadores centrais.

Como Mises coloca,

A única razão pela qual a economia de mercado pode funcionar, sem necessidade de ingerências ou ordens superiores que indiquem a cada um o que fazer e como fazê-lo, está no fato de não obrigar ninguém a desviar-se da linha de conduta que melhor serve aos seus próprios interesses. O que integra as ações individuais no sistema social de produção é o fato de cada um procurar atingir seus próprios objetivos. Ao condescender com a sua própria “avidez”, cada agente dê a sua contribuição para que as atividades produtoras sejam ordenadas da melhor maneira possível. Por isso, no âmbito da propriedade privada e das leis que a protegem das transgressões decorrentes de ação violenta ou fraudulenta, não há antagonismo entre os interesses dos indivíduos e os da sociedade.

A economia de mercado se converteria numa confusão caótica se essa prevalência da propriedade privada – que os reformistas denigrem como sendo fruto do egoísmo – fosse eliminada. Simplesmente porque não se poderia instaurar uma ordem social satisfatória e eficaz apenas incitando as pessoas a escutarem a voz da consciência e a substituírem a motivação pelo lucro por considerações atinentes ao bem-estar geral. Não bastaria instar um indivíduo a não comprar pelo menor preço e a não vender pelo maior preço. Não bastaria instar-lhe a não buscar lucros e a não evitar perdas. Seria preciso estabelecer, sem ambiguidade, as regras de conduta que fossem aplicáveis em cada caso concreto. (Ação Humana, pp. 825)

Não se segue disso que não haja lugar para a caridade em uma economia de mercado livre. Os empresários têm plena liberdade de doar sua renda pessoal aos pobres, se assim decidirem; e, embora se possa questionar se esse será o curso de ação de fato mais capaz de aliviar a condição dos pobres a longo prazo, isso não impede o cálculo do mercado. A questão-chave, mais uma vez, é que, em suas decisões de produção, os empreendedores devem buscar maximizar seus lucros.

Nesse sentido, um movimento moderno significativo, “altruísmo efetivo”, aceita a lógica do argumento de Mises, embora seja duvidoso que a maioria dos membros deste grupo tenha entendido isso dele. De acordo com os altruístas eficazes, muitas pessoas deveriam tentar ganhar o máximo de dinheiro possível e, então, usar sua renda para beneficiar os pobres. Will MacAskill, um importante altruísta eficaz, diz:

Muitas pessoas deveriam considerar seriamente “ganhar para dar”, o que é deliberadamente seguir uma carreira lucrativa para fazer o bem com suas doações, em vez de trabalhar deliberadamente em algum lugar onde você possa ter um impacto direto e imediato. Várias pessoas fizeram isso como um plano de carreira…. Obviamente, há alguma preocupação de que você se desconecte e perca seus valores, mas estou chegando à conclusão de que a taxa de fazer isso por meio de ganhar para dar não é pior do que a taxa de fazer isso por meio do impacto direto … Por outro lado, se você está ganhando para doar, você tem um estilo de vida confortável – está dando 50 por cento, mas ainda ganha um bom salário – trabalhando com pessoas muito inteligentes e sabe que o impacto em você está tendo é absolutamente grande porque você pode doar para essas instituições de caridade muito bem conhecidas. Eu estava preocupado com o esgotamento e a sustentabilidade para começar, e certamente ainda é uma preocupação na qual ficarei atento. Mas está se tornando menos urgente com o tempo, pois as pessoas estão realmente seguindo esse caminho.

Como tantas vezes acontece, Mises antecipou uma linha de pensamento que outros chegaram décadas depois.