A farsa do “Massacre da Praça da Paz Celestial”

32
Tempo estimado de leitura: 23 minutos

Assim como Auschwitz e o Holocausto marcaram permanentemente a Alemanha com uma marca de Caim e o Estupro de Nanquim em 1937 também enegreceu a reputação do Japão, a China sofrerá por muito tempo as consequências políticas internacionais do Massacre da Praça da Paz Celestial de 1989, pelo menos enquanto seu Partido Comunista permanecer no poder.

Todo dia 4 de junho o Massacre da Praça da Paz Celestial evoca uma onda anual de duras condenações nas páginas de notícias e opiniões dos principais jornais ocidentais. Eu nunca tinha duvidado desses fatos, mas há um ou dois anos me deparei com um pequeno artigo do jornalista Jay Matthews intitulado “O Mito de Tiananmen” que alterou completamente essa aparente realidade.

De acordo com Matthews, o infame massacre provavelmente nunca aconteceu, mas foi apenas um artefato de mídia produzido por repórteres ocidentais confusos e propaganda desonesta, uma crença equivocada que rapidamente se tornou incorporada em nosso enredo padrão de mídia, repetida infinitamente por tantos jornalistas ignorantes que todos eles acabaram acreditando ser verdade. Em vez disso, o que é o mais próximo possível de ser determinado, é que os estudantes que protestavam haviam deixado a Praça da Paz Celestial pacificamente, da maneira que o governo chinês sempre declarou. De fato, jornais importantes como o New York Times e o Washington Post ocasionalmente reconheceram esses fatos ao longo dos anos, mas geralmente enterraram essas escassas admissões tão profundas em suas histórias que poucos haviam notado. Enquanto isso, a maior parte da grande mídia havia caído em uma aparente farsa.

O próprio Matthews havia sido o chefe do escritório de Pequim do Washington Post, cobrindo pessoalmente os protestos na época, e seu artigo apareceu na Columbia Journalism Review, nosso local mais prestigiado para a crítica da mídia. Esta análise fidedigna contendo conclusões tão explosivas foi publicada pela primeira vez em 1998, e acho difícil acreditar que muitos repórteres ou editores que cobrem a China tenham permanecido ignorantes sobre essas informações, mas o impacto foi absolutamente nulo. Por mais de vinte anos, praticamente todos os relatos da mídia tradicional que li continuaram a promover o Boato do Massacre da Praça da Paz Celestial, geralmente implicitamente, mas às vezes explicitamente.

Um ponto importante é que o jornalista do Washington Post Jay Matthews não foi o único a afirmar que todos os manifestantes estudantis haviam deixado pacificamente a Praça da Paz Celestial, do modo que o governo chinês afirmou na época. Nicholas Kristof, chefe do escritório de Pequim do New York Times, também vinha cobrindo esses eventos históricos e, em um artigo do Times publicado cerca de uma semana depois, ele havia dito a mesma coisa, citando várias testemunhas oculares confiáveis nesse sentido. Ele também desmentiu fortemente outros relatos anônimos de um massacre que já haviam aparecido em seu próprio jornal. Alguns meses depois, Kristof publicou um longo artigo de 5.400 palavras na New York Times Sunday Magazine, fornecendo uma cronologia muito detalhada, bem como uma análise das circunstâncias políticas em torno da repressão, e no final do artigo ele afirmou categoricamente que “não [houve] massacre na Praça da Paz Celestial”.

Observadores experientes certamente logo reconheceram os fatos. Steven Mosher é um pesquisador conservador da China que publicou uma longa série de livros intensamente críticos ao governo comunista do país. Um dos primeiros deles foi China Misperceived, publicado em 1990, e logo na primeira página do texto ele explicou que o desenlace dos protestos de Tiananmen ocorreu no momento em que ele estava escrevendo seus capítulos finais. Então, no final de seu livro, ele descreveu os contos macabros que foram amplamente divulgados na mídia ocidental e acabaram se incorporando à narrativa permanente:

      “A melhor ilustração dessa súbita ânsia de acreditar no pior de Pequim foi a ampla circulação recebida por um relatório infundado de um massacre de estudantes na Praça da Paz Celestial propriamente dita. Durante a fase final do ataque à praça, dizia o boato, o exército cercou milhares de estudantes acampados perto do Monumento dos Heróis Revolucionários e os fuzilou com tiros de metralhadora. Tanques correram de um lado para o outro sobre suas barracas para garantir que não houvesse sobreviventes. Os cadáveres foram então empilhados em montes e queimados sob a cobertura da escuridão para destruir evidências da matança. Histórias nesse sentido foram publicadas em vários grandes jornais americanos, incluindo o Washington Post. Os correspondentes continuaram a referir-se a este episódio no ar e na imprensa, mesmo depois de ter sido publicamente contestado por testemunhas oculares ocidentais, como Robin Munro, da Asia Watch. Era uma demonstração demasiado perfeita daquilo que agora se acreditava que Pequim era capaz de fazer para ser descartada.”

Em uma nota de rodapé, ele expandiu sobre o que pareciam ter sido os fatos verdadeiros:

     “Robin Munro foi um dos ocidentais com o grupo final de vários milhares de estudantes ocupando a praça. Ele relata que eles evacuaram a Praça pouco antes da madrugada de 5 de junho, sem perda de vidas. No dia 8, ele se juntou a uma equipe de filmagem da BBC como intérprete e ficou surpreso ao ouvir o correspondente da BBC se referir ao massacre desses estudantes durante uma transmissão como se fosse um fato estabelecido. – Robin Munro, comunicação pessoal com o autor, 18 de fevereiro de 1990.”

Em 1993, o próprio Munro se juntou ao veterano jornalista de política externa George Black para publicar Black Hands of Beijing, um relato muito detalhado de 400 páginas daqueles protestos de 1989 que apoiava fortemente os estudantes e criticava fortemente o governo chinês e sua repressão, com seu livro brilhantemente elogiado por vários estudiosos da China. Eles também declararam com muita firmeza que tal massacre jamais havia ocorrido, abrindo o capítulo 15 com a seguinte explicação, digna de citação extensa:

      “A frase “massacre da Praça da Paz Celestial” está agora firmemente fixada no vocabulário político do final do século XX. No entanto, é imprecisa. Não houve massacre na Praça da Paz Celestial na noite de 3 de junho…

Mas a maioria dos repórteres que permaneceram perto da praça depois da uma hora da manhã, quando as primeiras unidades do exército chegaram lá, saíram às pressas e por medo legítimo de sua segurança.

A falta de testemunhas oculares foi o primeiro problema para estabelecer o que aconteceu naquela noite temível em Pequim. Mas havia outras questões mais profundas sobre como a mídia estrangeira via seu papel na Primavera de Pequim. O idealismo pacifista dos jovens estudantes desencadeou memórias dos anos 1960 e do movimento pelos direitos civis dos Estados Unidos, e o uso dos estudantes de símbolos ocidentais, como faixas na cabeça inscritas com “Give me liberty, or give me death”, de Patrick Henry, atraiu a atenção ocidental sobre os estudantes…

Havia mais: alguma predisposição, talvez, para acreditar no massacre na praça, mesmo que ninguém o visse. Acontecendo ou não na realidade, foi a consumação necessária de uma alegoria de inocência, sacrifício e redenção…

A imaginação preencheu as lacunas. No vácuo corriam os contos mais lúgubres do suposto desenlace na praça… Um relato de testemunha ocular amplamente reportado, supostamente de um estudante da Universidade de Qinghua, falou sobre os estudantes no Monumento sendo abatidos à queima-roupa por metralhadoras às quatro da manhã. Os sobreviventes tinham então sido perseguidos através da praça por tanques e esmagados, ou espancados até a morte por soldados de infantaria. Mas foi tudo pura invenção.

Quando os historiadores começaram a corrigir o registro, o episódio estava consagrado no mito: centenas, talvez milhares, de estudantes haviam morrido em um massacre na Praça da Paz Celestial.”

Com o tempo, outros jornalistas tradicionais altamente confiáveis que estiveram presentes na Praça da Paz Celestial se apresentaram e relataram esses mesmos fatos. Eu recomendo um longo post de 2019 de Chris Kanthan que convenientemente compilou e vinculou grande parte desse material, juntamente com uma riqueza de imagens e vídeos que eu me baseei abaixo.

Em 2009, o site CBS News publicou uma pequena coluna de Richard Roth, que havia sido seu correspondente cobrindo os protestos de Tiananmen, apropriadamente intitulada “Não houve ‘Massacre da Praça da Paz Celestial'”.

Naquele mesmo ano, a BBC publicou um artigo de James Miles, seu próprio correspondente, dizendo a mesma coisa:

    “O primeiro rascunho da história pode ser tosco… Fui um dos jornalistas estrangeiros que presenciou os acontecimentos daquela noite… Não houve massacre na Praça da Paz Celestial.”

Alguns anos depois, o ex-diplomata australiano Gregory Clark publicou um artigo no Japan Times tomando essa posição, bem como um artigo muito semelhante no International Business Times intitulado “”Massacre da Praça Tiananmen é um mito, tudo o que ‘lembramos’ são mentiras britânicas” que abriu com os seguintes parágrafos:

    “O dia 4 de junho de 2014 marcará para muitos o 25º aniversário do massacre da Praça da Paz Celestial. Na verdade, o que a data deveria assinalar é o aniversário de uma das mais espectaculares operações de informação negra do Reino Unido – quase a par das míticas armas iraquianas de destruição em massa.

A história original de tropas chinesas na noite de 3 e 4 de junho de 1989 metralhando centenas de manifestantes estudantes inocentes na icônica Praça da Paz Celestial de Pequim foi completamente desacreditada pelas muitas testemunhas na época – entre elas uma equipe de televisão espanhola da TVE, um correspondente da Reuters e os próprios manifestantes, que dizem que nada aconteceu além de uma unidade militar entrar e pedir a várias centenas dos que restaram que deixassem a praça tarde naquela noite.”

Em 2011, o Wikileaks divulgou uma série de telegramas secretos americanos e estes incluíam vários enviados da Embaixada dos EUA em Pequim relatando os eventos de 4 de junho e confirmando totalmente essa mesma realidade. Além disso, esses telegramas demonstraram que, nos 22 anos anteriores, o governo americano estava deliberadamente enganando seu público sobre o que havia acontecido em 1989, mas essa história explosiva foi totalmente ignorada pelo New York Times, Washington Post, Wall Street Journal e quase todos os outros meios de comunicação tradicionais da anglósfera, então muito poucos ouviram falar sobre isso.

A única exceção a esse silêncio vergonhoso foi o conservador britânico Daily Telegraph, que publicou um artigo no aniversário de 4 de junho intitulado “Wikileaks: nenhum derramamento de sangue dentro da Praça da Paz Celestial, afirmam telegramas”. O subtítulo era ainda mais contundente: “Telegramas secretos da embaixada dos Estados Unidos em Pequim mostraram que não houve derramamento de sangue dentro da Praça da Paz Celestial quando a China reprimiu manifestações estudantis pró-democracia há 22 anos”. Uma barra lateral da mesma publicação citava o texto de alguns desses explosivos telegramas secretos:

  1. De 89BEIJING18828 – 7 de julho de 1989. Um diplomata chileno fornece um relato de testemunha ocular dos soldados que entraram na Praça da Paz Celestial: ELE VIU OS MILITARES ENTRAREM NA PRAÇA E NÃO OBSERVOU NENHUM DISPARO EM MASSA DE ARMAS CONTRA A MULTIDÃO, EMBORA TIROS ESPORÁDICOS TENHAM SIDO OUVIDOS. ELE DISSE QUE A MAIORIA DAS TROPAS QUE ENTRARAM NA PRAÇA ESTAVAM REALMENTE ARMADAS APENAS COM EQUIPAMENTOS ANTIMOTIM – CASSETETES E BASTÕES DE MADEIRA; ELES FORAM APOIADOS POR SOLDADOS ARMADOS.
  2. De 89BEIJING18828 – 7 de julho de 1989. Um diplomata chileno fornece um relato de testemunha ocular dos soldados que entraram na Praça da Paz Celestial: EMBORA OS TIROS PUDESSEM SER OUVIDOS, ELE DISSE QUE, ALÉM DE ALGUNS ESPANCAMENTOS DE ESTUDANTES, NÃO HOUVE DISPAROS EM MASSA CONTRA A MULTIDÃO DE ESTUDANTES NO MONUMENTO.

Em circunstâncias normais, eu teria sido relutante em insistir no ponto, citando tantas testemunhas oculares diferentes e analistas confiáveis, todos essencialmente dizendo a mesma coisa sobre aqueles eventos de 1989. Mas por mais de três décadas, talvez 99% de toda a cobertura da mídia ocidental tenha assumido e endossado a “Farsa do Massacre da Praça da Paz Celestial” e, como consequência, suspeito que 99% dos ocidentais, incluindo jornalistas e autores influentes, hoje provavelmente acreditam na realidade daquele evento fictício. Essa narrativa completamente falsa contaminou severamente as percepções públicas e da elite sobre o governo chinês em todos os tipos de outros assuntos importantes. Portanto, senti que era necessário demonstrar o enorme peso das evidências do outro lado.

Embora a Wikipédia seja uma fonte inestimável de informações básicas, ela é notoriamente distorcida e não confiável em assuntos controversos, e eu naturalmente presumi que esse seria o caso quando li seu artigo de 26.000 palavras intitulado “Protestos e massacre da Praça da Paz Celestial de 1989”. Mas, para minha considerável surpresa, o artigo foi muito mais imparcial e objetivo do que eu esperava, presumivelmente porque as evidências factuais eram tão esmagadoramente contra a história do “Massacre da Praça da Paz Celestial” promovida em nossa grande mídia.

Para entender melhor como a lenda do Massacre da Praça da Paz Celestial se tornou tão profundamente incorporada em nossa narrativa da grande mídia, apesar de evidências tão fortes em contrário, devemos considerar o que realmente aconteceu em Pequim em 4 de junho de 1989. Partes da cidade, incluindo algumas das avenidas que levavam para a praça, viram ataques violentos contra as forças militares em avanço, nos quais um número considerável de militares chineses foi morto. Como o Wall Street Journal noticiou na época:

      “À medida que colunas de tanques e dezenas de milhares de soldados se aproximavam de Tiananmen, muitas tropas foram atacadas por multidões enfurecidas que gritavam “fascistas”. Dezenas de soldados foram retirados de caminhões, severamente espancados e deixados para morrer. Em um cruzamento a oeste da praça, o corpo de um jovem soldado, que havia sido espancado até a morte, foi despido e pendurado na lateral de um ônibus. O cadáver de outro soldado foi amarrado em um cruzamento a leste da praça.”

Muitos desses soldados não portavam armas de fogo, e muitas vezes até não tinham capacetes ou qualquer arma para se defender quando os desordeiros atacavam seus veículos, incendiando-os. De acordo com o Washington Post, os manifestantes usaram bombas incendiárias e coquetéis molotov para incendiar um comboio militar inteiro de mais de 100 caminhões e veículos blindados, enquanto um fotógrafo da CBS News relatou ter testemunhado a multidão espancando até a morte alguns dos soldados que estavam dentro. Obviamente, em tais circunstâncias, não é surpreendente que as tropas armadas tenham respondido com força letal.

Um vídeo da televisão chinesa mostra os veículos militares em chamas e o caos geral em partes de Pequim.

Com base em minha pesquisa limitada, acho que o número exato de vítimas em ambos os lados permanece obscuro até hoje, bem como qual lado iniciou a violência, e o último pode ter variado em diferentes partes da cidade. O relatório oficial do governo chinês aparentemente afirmou que mais de 1.000 veículos militares e policiais foram queimados por manifestantes e mais de 200 soldados e policiais foram mortos, mas isso pode ser um exagero considerável, e eles podem ter igualmente subnotificado o número de civis mortos, que eles estimam em cerca de 300. De acordo com o WSJ, algumas organizações de notícias que ligam para hospitais locais estimaram 500 mortes de civis, enquanto outras fontes acreditavam que o total era muito maior.

Independentemente desses números de vítimas contestados, por 35 anos nossa narrativa da grande mídia confundiu incorretamente o destino dos muitos manifestantes violentos que morreram em outros lugares de Pequim com o dos manifestantes estudantis pacíficos na Praça da Paz Celestial, nenhum dos quais foi morto ou ferido.

Uma das imagens icônicas daqueles dias foi a do “Rebelde Desconhecido“, um civil chinês solitário que bloqueou uma coluna de tanques, mas acho que as implicações desse incidente foram exatamente contrárias à nossa narrativa padrão. Em vez de atirar ou esmagar aquele manifestante teimoso, a coluna de tanques parou e tentou, sem sucesso, dirigir ao seu redor, até que alguns outros civis finalmente intervieram e o puxaram para um local seguro.

Um aspecto interessante da filmagem é que a versão do YouTube, que foi vista cerca de 11 milhões de vezes, truncou o vídeo antes que pudéssemos ver o manifestante chinês se afastando em segurança. Suspeito que isso possa ter sido feito para induzir os espectadores a acreditar que ele acabou sendo esmagado até a morte pelos tanques, já que, embora eu tenha passado alguns minutos caçando, não tive sorte de localizar o vídeo completo em qualquer lugar no YouTube.

Em muitos outros países ao redor do mundo, um civil desarmado que tentasse bloquear uma coluna militar de tanques estaria enfrentando a morte certa. De fato, quando a ativista americana Rachel Corrie tentou impedir que um trator israelense blindado demolisse a casa de uma família palestina em 2003, o motorista deliberadamente a esmagou até a morte, e houve relatos recentes de tanques israelenses esmagando prisioneiros palestinos amarrados em Gaza, com imagens de seus restos mortais terríveis disponíveis na Internet.

Em seu auge, mais de um milhão de manifestantes furiosos ocuparam as ruas da capital da China, e esses protestos continuaram por muitas semanas durante 1989, com a maioria dos observadores acreditando razoavelmente que o governo de quatro décadas do Partido Comunista do país estava cambaleando. Embora essa insatisfação popular estivesse provavelmente mais focada em questões mundanas como a corrupção no governo e a inflação – que havia disparado para 26% no ano anterior – do que no liberalismo político, a existência de tal insatisfação generalizada era certamente real.

Como jornalistas ocidentais haviam relatado na época e livros de Black/Munro e outros mais tarde confirmaram, a principal liderança política da China estava profundamente conflituosa sobre como responder a essa ameaça pública sem precedentes ao seu governo contínuo. O mais alto órgão de governo do país, o Comitê Permanente do Politburo, ficou num impasse devido à repressão, e o secretário-geral Zhao Ziyang acabou se alinhando aos manifestantes, na esperança de usar seu movimento popular para superar seus rivais políticos.

Assim, o mundo inteiro assistiu maravilhado como uma revolta popular maciça e inesperada parecia prestes a derrubar o outrora aparentemente inabalável regime comunista da nação mais populosa do mundo.

Nas décadas que se seguiram, protestos e levantes populares semelhantes, geralmente alinhados aos interesses americanos ou apoiadores da ideologia ocidental, tornaram-se bastante comuns em todo o mundo, tanto que receberam o nome genérico de “Revoluções Coloridas”, com os governos do Leste Europeu ou dos Estados sucessores soviéticos sendo os alvos mais típicos, incluindo os da Sérvia, Ucrânia e Geórgia. Portanto, com o benefício da retrospectiva, alguns autores e ativistas antiamericanos argumentaram que, embora sem sucesso, o levante de 1989 em Pequim foi na verdade a primeira delas, tendo sido orquestrada ou manipulada por elementos do governo americano e seus grupos aliados. O longo post de Kantham em 2019 assume essa posição, assim como um longo artigo publicado no mesmo ano pelo jornalista Max Parry.

Tais indivíduos observaram que, em 1986, o Open Society Institute de George Soros forneceu um milhão de dólares em financiamento para apoiar as forças pró-democracia emergentes da China nos anos seguintes, e depois que as manifestações massivas começaram, muitos milhões de dólares adicionais foram despejados no país para apoiar os manifestantes, que também foram rapidamente elevados como heróis internacionais pela mídia ocidental globalmente dominante. Mas nada disso parece estranho ou surpreendente, e há uma enorme diferença entre o Ocidente oportunisticamente sair em forte apoio a um movimento populista antigoverno totalmente orgânico e a crença de que este último foi realmente criado ou fortemente instigado por tais forças externas.

Portanto, embora um papel oculto, mas central, ocidental não possa ser descartado, não vi nenhuma evidência forte apoiando tal análise conspiratória dos protestos de 1989, e até onde posso dizer a análise convencional fornecida pelo livro Black/Munro parece perfeitamente plausível.

Enquanto isso, eu apontaria para um fator muito mais óbvio por trás dos protestos de Pequim de 1989, que havia sido completamente excluído de todas essas diferentes análises, sejam elas tradicionais ou alterativas, pró-China ou anti-China. Vários meses antes do início dos protestos em Pequim, a importante cidade chinesa de Nanjing havia sido abalada por manifestações contra a presença de estudantes africanos naquela cidade, com distúrbios antiafricanos semelhantes se espalhando mais tarde para outras grandes cidades, incluindo Xangai e Pequim. Embora o governo tenha declarado os protestos ilegais e os suprimido, suas demandas populares foram amplamente atendidas, com a maioria dos africanos deixando o país e novas restrições impostas às atividades daqueles que permaneceram.

Manifestações públicas tão grandes já haviam sido extremamente raras na China, e a ampla cobertura midiática dos manifestantes de Nanjing e seu considerável sucesso em alcançar seus objetivos certamente devem ter inspirado aqueles que começaram as manifestações de Tiananmen três meses depois. De fato, alguns dos últimos manifestantes ainda carregavam cartazes denunciando estudantes africanos, ressaltando a estreita ligação entre os dois movimentos.

A história do Massacre da Praça da Paz Celestial que nunca aconteceu dificilmente representa o único caso em que informações incorretas ou deliberadamente enganosas foram teimosamente mantidas por décadas por nossa desonesta grande mídia.

Há poucos dias, o líder chinês Xi Jinping iniciou uma viagem à Europa e seu itinerário incluiu a Sérvia, com sua visita fortemente coberta pelo New York Times. Um artigo de 7 de maio continha os seguintes parágrafos, juntamente com uma foto da embaixada chinesa destruída:

“A chegada de Xi à Sérvia na terça-feira coincidiu com o 25º aniversário de um ataque equivocado de aviões de guerra da OTAN contra a embaixada chinesa em Belgrado durante a campanha de bombardeios de 1999. Três jornalistas chineses foram mortos.

Esse incidente, que muitos na China acreditam não ter sido um acidente, criou um “forte vínculo emocional entre sérvios e chineses”, disse Aleksandar Mitic, do Instituto de Política e Economia Internacional de Belgrado.”

O artigo muito mais longo do Times de 8 de maio foi ainda mais contundente ao declarar que o ataque americano à embaixada havia sido acidental, com o subtítulo dizendo:

“Em visita a líderes amigos no Leste Europeu, o presidente chinês comemorou o 25º aniversário de um ataque aéreo mal direcionado dos EUA que destruiu a embaixada da China em Belgrado.”

Os dois primeiros parágrafos diziam:

“A China e a Sérvia proclamaram esta quarta-feira uma “amizade férrea” e um “futuro partilhado” durante uma visita a Belgrado do Presidente chinês, Xi Jinping, sublinhando os estreitos laços políticos e econômicos entre dois países que partilham uma cautela em relação aos Estados Unidos.

Xi chegou à Sérvia na noite de terça-feira, no 25º aniversário de um ataque aéreo equivocado de 1999 envolvendo a Força Aérea dos EUA durante a guerra do Kosovo que destruiu a embaixada chinesa em Belgrado, capital sérvia. Três jornalistas chineses foram mortos no ataque.”

E o artigo continuou dizendo:

“O 25º aniversário do bombardeio da OTAN ocorre em um momento em que o governo de Xi tenta manter relações estáveis com os Estados Unidos e a Europa Ocidental. Esperava-se que ele visitasse o local da embaixada bombardeada, que visitou em sua última viagem à Sérvia em 2016 e geralmente é uma parada obrigatória para as autoridades chinesas que visitam Belgrado. Mas ele não havia aparecido lá antes de deixar Belgrado na noite de quarta-feira para sua próxima parada, a capital húngara de Budapeste, a única outra capital confiável da Europa.

Sua decisão de pular o antigo local da embaixada, agora um centro cultural chinês que apresenta uma tábua de mármore preta em forma de lápide lamentando “mártires” chineses e sérvios, sugeriu um desejo de evitar reacender paixões antiamericanas que, na época do atentado em 1999, levaram a protestos furiosos de dezenas de milhares de chineses em torno da embaixada dos EUA em Pequim. alguns jogando garrafas e pedras.

Ele não ignorou totalmente o bombardeio, mas evitou bombardeios antiocidentais.

“Isso nunca devemos esquecer”, disse Xi em um comunicado publicado na terça-feira pelo jornal sérvio Politika, lembrando que “há 25 anos, a OTAN bombardeou flagrantemente a embaixada chinesa”. Ele disse que a amizade da China com a Sérvia foi “forjada com o sangue de nossos compatriotas” e “permanecerá na memória compartilhada dos povos chinês e sérvio”.

“O povo chinês nunca esquecerá esta atrocidade bárbara cometida pela OTAN e nunca aceitará que uma história tão trágica se repita”, disse Lin Jian, porta-voz do ministério, a repórteres em Pequim na terça-feira.

Este longo artigo do Times enfatizou que o atentado americano à embaixada chinesa em Belgrado havia sido um trágico acidente, sugerindo que a reação chinesa raivosa foi injustificada e até irracional, e por vinte e cinco anos este tem sido o retrato absolutamente uniforme por todos os meios de comunicação tradicionais americanos. Mas no mesmo artigo de 2020 em que eu havia discutido a verdadeira história dos eventos de 1989 na Praça da Paz Celestial, eu também havia explicado o que realmente havia acontecido em Belgrado de 1999.

“Embora nossa limitada campanha de bombardeios parecesse bastante bem-sucedida e logo forçasse os sérvios à mesa de negociações, a curta guerra incluiu um percalço muito embaraçoso. O uso de mapas antigos levou a um erro de mira que fez com que uma de nossas bombas inteligentes atingisse acidentalmente a embaixada chinesa em Belgrado, matando três membros de sua delegação e ferindo dezenas de outros. Os chineses ficaram indignados com este incidente, e seus órgãos de propaganda começaram a afirmar que o ataque havia sido deliberado, uma acusação imprudente que obviamente não fazia sentido lógico.

Naqueles dias, eu assistia ao PBS Newshour todas as noites e fiquei chocado ao ver seu embaixador dos EUA levantar essas acusações absurdas com o apresentador Jim Lehrer, cuja descrença coincidia com a minha. Mas quando considerei que o governo chinês ainda estava teimosamente negando a realidade de seu massacre dos estudantes que protestavam na Praça da Paz Celestial uma década antes, concluí que um comportamento irracional das autoridades da RPC era apenas esperado. De fato, houve até alguma especulação de que a China estava cinicamente explorando o infeliz acidente por razões domésticas, na esperança de alimentar o tipo de antiamericanismo jingoísta entre o povo chinês que finalmente ajudaria a curar as feridas sociais daquele ultraje passado de 1989.

Ainda mais notáveis foram as descobertas que fiz sobre nosso suposto bombardeio acidental à embaixada chinesa em 1999. Não muito tempo depois de lançar este site, adicionei o ex-colaborador do Asia Times Peter Lee como colunista, incorporando seus arquivos do blog China Matters que se estenderam por uma década. Ele logo publicou um artigo de 7.000 palavras sobre o atentado à embaixada de Belgrado, representando uma compilação de material já contido em meia dúzia de artigos anteriores que ele havia escrito sobre esse assunto de 2007 em diante. Para minha grande surpresa, ele forneceu uma grande quantidade de provas persuasivas de que o ataque americano à embaixada chinesa tinha sido de fato deliberado, assim como a China sempre sustentou.

De acordo com Lee, Pequim permitiu que sua embaixada fosse usada como um local para instalações seguras de transmissão de rádio pelos militares sérvios, cuja própria rede de comunicações foi um dos principais alvos de ataques aéreos da OTAN. Enquanto isso, as defesas aéreas sérvias haviam abatido um avançado caça americano F-117A, cuja tecnologia furtiva ultrassecreta era um segredo militar crucial dos EUA. Partes desses destroços extremamente valiosos foram cuidadosamente recolhidas pelos sérvios agradecidos, que entregaram o material aos chineses para armazenamento temporário em sua embaixada antes do transporte de volta para casa. Essa aquisição tecnológica vital permitiu que a China implantasse seu próprio caça furtivo J20 no início de 2011, muitos anos antes do que os analistas militares americanos acreditavam ser possível.

Com base nessa análise, Lee argumentou que a embaixada chinesa foi atacada para destruir as instalações de retransmissão sérvias localizadas lá, enquanto punia os chineses por permitir tal uso. Também havia rumores generalizados na China de que outro motivo havia sido uma tentativa frustrada de destruir os destroços furtivos armazenados dentro. Depoimentos posteriores do Congresso revelaram que, entre todas as centenas de ataques aéreos da OTAN, o ataque à embaixada chinesa foi o único ordenado diretamente pela CIA, um detalhe altamente suspeito.

Embora a mídia americana domine o mundo de língua inglesa, muitas publicações britânicas também possuem uma forte reputação global e, como muitas vezes são muito menos afeitas ao nosso próprio estado de segurança nacional, às vezes cobriram histórias importantes que foram ignoradas aqui. E, neste caso, o Sunday Observer publicou uma exposição notável em outubro de 1999, citando várias fontes militares e de inteligência da OTAN que confirmaram totalmente a natureza deliberada do bombardeio americano à embaixada chinesa, com um coronel dos EUA até mesmo se gabando de que sua bomba inteligente havia atingido a sala exata pretendida.

Esta importante história foi imediatamente resumida no Guardian, uma publicação irmã, e também coberta pelo rival Times of London e muitas das outras publicações mais prestigiadas do mundo, mas encontrou um muro absoluto de silêncio em nosso próprio país. Uma divergência tão bizarra sobre uma história de importância estratégica global – um ataque deliberado e mortal dos EUA contra o território diplomático chinês – chamou a atenção da FAIR, um importante grupo de vigilância da mídia americana, que publicou uma crítica inicial e um acompanhamento subsequente. Essas duas peças totalizaram cerca de 3.000 palavras e efetivamente resumiram tanto a evidência esmagadora dos fatos quanto a pesada cobertura internacional, enquanto relatavam as fracas desculpas feitas pelos principais editores americanos para explicar seu silêncio contínuo. Com base nesses artigos, considero a questão resolvida.

Por coincidência, o mês passado também marcou outro importante aniversário histórico. Em 7 de abril de 2024, a primeira página do Times trazia a manchete “Trinta anos depois de um genocídio em Ruanda, memórias dolorosas são profundas”, com um parágrafo inicial resumindo esses eventos horríveis:

“A agonia desses dias angustiantes pairou para muitos no domingo, quando Ruanda marcou o 30º aniversário do genocídio em que extremistas da maioria étnica hutu do país mataram cerca de 800.000 pessoas – a maioria de etnia tutsis – usando facões, cassetetes e armas.”

Durante décadas, li este relato absolutamente uniforme do massacre étnico de Ruanda em 1994 em todas as minhas fontes de mídia confiáveis, nunca duvidando que a história estava correta. Mas há algumas semanas investiguei-o mais de perto e cheguei a conclusões diametralmente opostas com base na análise persuasiva de vários acadêmicos e jornalistas altamente confiáveis. Fiquei particularmente impressionado com o trabalho do falecido Prof. Edward Herman, da Universidade da Pensilvânia, como expliquei em meu artigo:

“Eu desconhecia Herman, mas daí em diante levei suas opiniões muito a sério, e descobri recentemente que em 2014 ele havia publicado Enduring Lies, uma pequena obra em coautoria com o jornalista independente David Peterson que desafiava fortemente a narrativa padrão de Ruanda, então comprei e li.

Seu pequeno volume trazia uma citação de capa do conceituado jornalista John Pilger saudando sua “investigação histórica”, e também foi elogiado por muitos outros, incluindo os autores de dois livros diferentes sobre o desastre de Ruanda, enquanto meu próprio veredicto foi o mesmo. Herman era um estudioso sério e seu livro forneceu uma refutação devastadora e muito convincente do que os autores chamam de “o modelo padrão” dos eventos em Ruanda.

Para a maioria das pessoas razoáveis, qualquer conversa sobre “genocídio” deve se concentrar nos números, e os autores argumentaram que eles foram completamente ofuscados no caso de Ruanda de 1994. Ninguém jamais negou que um grande número de civis tutsis inocentes havia sido morto, muitas vezes de maneiras muito macabras, mas baseando-se na pesquisa quantitativa de alguns acadêmicos da Universidade de Michigan, os autores argumentaram que os números e porcentagens casualmente mencionados por Gourevitch e tantos outros eram exagerados. Este último alegou que muitas centenas de milhares de tutsis foram mortos, representando uma grande maioria de sua população total, mas em vez disso, provavelmente apenas 100.000 a 200.000 haviam morrido, enquanto o número de vítimas hutus era um múltiplo disso, talvez até muitos, muitas vezes maior.

Um ponto importante levantado pelos autores é que o tribunal internacional mais tarde estabelecido para julgar os responsáveis pelo genocídio ruandês deliberadamente evitou incluir qualquer cobertura de vítimas hutus ou perpetradores tutsis, com Kagame e seus companheiros totalmente protegidos de qualquer investigação legal ou sanção, removendo assim uma grande maioria de todos os crimes de qualquer consideração. Ignorar completamente a maioria dos assassinatos e a maioria das vítimas pode parecer absurdo, mas refletiu o apoio político muito forte que os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e outros países forneceram ao recém-estabelecido regime tutsi, e quaisquer promotores que tentaram ampliar esse mandato foram anulados ou mesmo removidos de seus cargos.

Um tema absolutamente central de toda a cobertura da grande mídia e dos livros tinha sido a natureza planejada do genocídio, mas Herman e Peterson observaram que todos os líderes hutus julgados por essas acusações foram absolvidos ou tiveram suas condenações revertidas em apelação, demonstrando assim que esse elemento da história tinha pouca base em evidências ou realidade. Um de seus apêndices argumentava em detalhes que o principal fax de alerta precoce supostamente enviado à ONU vários meses antes do início dos assassinatos era uma falsificação flagrante, e os veredictos do tribunal pareciam apoiar fortemente essa conclusão. Eles também resumiram as evidências muito convincentes de que Kagame, em vez de qualquer líder hutu extremista sombrio, havia sido responsável pelo assassinato do presidente hutu de Ruanda, o evento que desencadeou a eclosão da violência.

De acordo com suas contas, o número total de civis hutus mortos em Ruanda durante 1994 foi quase certamente na casa das centenas de milhares e pode facilmente ter chegado a um milhão ou mais, enquanto um número ainda maior de refugiados hutus foi massacrado no Congo durante a invasão subsequente de Kagame, que ele afirmou ter sido lançada para erradicar “criminosos de guerra genocidas”. Essa invasão levou à Primeira e Segunda Guerras do Congo, que até mesmo a Wikipédia estritamente establishment admitiu ter custado mais de cinco milhões de vidas civis, uma contagem de corpos que superou totalmente o número de mortos em Ruanda em 1994.

No entanto, nenhum desses horrendos derramamentos de sangue jamais provocou protestos ocidentais sérios ou mesmo uma cobertura substancial da mídia, muito menos gritos de “genocídio” e tribunais internacionais. Em vez disso, Kagame, o arquiteto central desses eventos, permaneceu um grande herói na maioria de nossa mídia ocidental. Herman e Peterson encerraram seu último capítulo observando a extrema ironia de que, embora Kagame tenha sido amplamente celebrado como “o Abraham Lincoln” da África por Gourevitch e muitos dos jornalistas que seguiram seu exemplo, o atual líder ruandês “é muito possivelmente o maior assassino em massa vivo hoje”.

Os autores argumentaram que essa inversão total da realidade histórica vinha sendo mantida desde 1994 pelo acesso extremamente seletivo à mídia. Eles produziram uma lista dos vinte principais defensores do “modelo padrão” e dos vinte principais dissidentes, e verificando o banco de dados Factiva determinaram que o primeiro tinha quase totalmente monopolizado o acesso à mídia, especialmente se pequenas publicações em língua francesa fossem excluídas. Quando apenas um lado de uma história é contado, o público pode ser facilmente persuadido a aceitar quase tudo. Eu certamente posso endossar essas descobertas, pois apesar de minhas leituras muito extensas até alguns anos atrás, eu nunca havia percebido que existia qualquer dissidência significativa da narrativa padrão de Ruanda, muito menos que os dissidentes incluíam estudiosos altamente confiáveis.”

Logo descobri que, duas décadas após a enorme onda de assassinatos étnicos em Ruanda, a BBC havia produzido um longo documentário que confirmava totalmente a análise controversa de Herman, e discuti isso em partes de um artigo de acompanhamento no final do mesmo mês:

“O ano de 2014 marcou o vigésimo aniversário dos assassinatos, e Herman, Peterson e Black não foram os únicos interessados em reexaminar os fatos. Naquele mesmo ano, a BBC produziu e transmitiu um documentário de uma hora de duração sobre o genocídio de Ruanda que chegou quase exatamente às mesmas conclusões que esses autores. Alguns dos ex-principais comandantes militares de Kagame foram entrevistados diante das câmeras, revelando que ele havia sido responsável pelo assassinato do presidente hutu de Ruanda, e depois usou esse crime para dar cobertura à sua nova invasão do país e ao massacre de sua população hutu. Houve também entrevistas com acadêmicos americanos cujo cuidadoso trabalho de campo quantitativo contradisse a narrativa amplamente difundida dos eventos e, em vez disso, confirmou que a esmagadora maioria das vítimas havia sido civis hutu, que morreram nas mãos das forças tutsis de Kagame, com entrevistas de alguns sobreviventes hutu. Nos anos seguintes, Kagame havia solidificado seu controle através de um reinado de terror, e qualquer ruandês que desafiasse sua versão oficial enfrentava prisão ou morte como “Negacionistas do Genocídio”. Seu regime chegou a fazer esforços para rastrear e assassinar desertores ou dissidentes políticos que haviam fugido do país.

Embora eu tenha achado os fatos e entrevistas apresentados no documentário da BBC importantes e persuasivos, ainda mais chocante para mim foi que ele não recebeu praticamente nenhuma cobertura no resto da mídia ocidental na década desde que foi lançado, deixando-me completamente inconsciente de sua existência. Por gerações, a BBC foi considerada como uma das fontes de informação noticiosa mais prestigiadas e respeitáveis do mundo, mas nenhum dos nossos outros meios de comunicação tomou conhecimento de um grande documentário que derrubou completamente a narrativa existente em Ruanda.”

Hoje em dia, as relações dos EUA com a China são as piores de muitas décadas, no memento em que estamos no 35.º aniversário do Incidente de 4 de Junho. Com base na experiência passada, espero plenamente que a grande mídia dê mais uma vez uma cobertura muito pesada ao horrível massacre de 1989 dos pacíficos manifestantes estudantis pró-democracia da China na Praça da Paz Celestial, que se tornou um divisor de águas da história moderna da China e de suas relações com o Ocidente, apesar de ser totalmente fictício.

Há alguns dias, a mídia também se concentrou no 25º aniversário do verdadeiro atentado americano à embaixada chinesa em Belgrado, mas o declarou firmemente “acidental”, outra falsidade absurda. E no mês anterior, histórias de alto nível haviam notado o 25º aniversário do genocídio ruandês, uniformemente descrito pela mídia como uma campanha deliberada planejada de extermínio travada pelos hutus do país contra seus rivais étnicos tutsis, embora pareça haver evidências muito fortes de que a realidade real era o contrário.

Tudo isso traz à mente uma pequena passagem de um dos meus artigos de 2016 que citei com frequência:

“Ingenuamente, tendemos a supor que nossa mídia reflete com precisão os eventos de nosso mundo e sua história, mas, em vez disso, o que vemos com muita frequência são apenas as imagens tremendamente distorcidas de um espelho de circo, com pequenos itens às vezes transformados em grandes e grandes em pequenos. Os contornos da realidade histórica podem ser distorcidos em formas quase irreconhecíveis, com alguns elementos importantes desaparecendo completamente do registro e outros aparecendo do nada. Muitas vezes sugeri que a mídia cria nossa realidade, mas dadas essas omissões e distorções gritantes, a realidade produzida é muitas vezes em grande parte ficcional. Nossas histórias padrão sempre criticaram a ridícula propaganda soviética durante o auge dos expurgos de Stalin ou da fome ucraniana, mas, à sua maneira, nossos próprios órgãos de mídia às vezes parecem tão desonestos e absurdos em suas próprias reportagens. E até o surgimento da Internet, era difícil para a maioria de nós reconhecer a enormidade desse problema.”

Se a classe política descobrisse o que realmente aconteceu em Pequim de 1989, Ruanda em 1994 e Belgrado em 1999, isso poderia ter um impacto na política mundial e nas relações com a China e Ruanda. Mas não acho que o impacto seria grande, nem mudaria nada sobre as questões políticas que atualmente afligem a sociedade. No entanto, a descoberta de outros fatos históricos importantes, mas há muito ocultos, pode fazer a diferença.

 

 

 

Artigo original aqui

Leia também o dossiê abrangente da farsa do Massacre da Praça Tiananmen

32 COMENTÁRIOS

  1. Esse artigo propagador das visões de Jay Mathews (ocupou cargos chefe do Bureau em locais como Pequim), demonstra mais uma vez o que ocorreu com o site, dominação gramsciana completa. Além disso o site tem o mal de atrair “anarco-anarquistas”, defensores da Rússia, defensores do Hamas, e outros usuários relacionados, além disso o site está sendo totalmente infiltrado por anarcomunistas.

    A começo, Wikipédia obviamente não é uma fonte de informações, ou se quer de informações confiáveis que não tenham alterações, ele classifica marxismo cultural como “teoria da conspiração”, e outros já conhecidos. Disseminando falsas informações, e outras minimamente manipuladas pelo esquerdismo no Establishment do próprio site, pedindo doações assim que o Elon musk disse que encontraria (após possivelmente comprar) a mesma coisa que encontrou com X após o comprar
    https://imgur.com/a/qYo0ZbF
    https://imgur.com/a/45bUUBj
    https://imgur.com/a/LLPxHfw

    Todavia isso não significa que tudo que esteja fora do Wikipedia esteja certo, o fato do Wikipedia estar apresentando suas desinformações tradicionais presentes junto das informações reais, não significa que as informações contidas sejam totalmente falsas ou totalmente verdadeiras (porém ele sim contém esquerdismo). O TNYT, The intercept todas fraudes completas do início até o final, 100%, são de esquerda.

    Quem é Jay Matthews? um comunista…
    https://imgur.com/a/5nklASh

    O que realmente aconteceu nesse dia? Primeiramente, o massacre não foi na cena do tanque supostamente passando por cima do estudante, na madrugada de 3 para 4 de junho de 1989, o Exército de Libertação Popular foi enviado para dispersar os manifestantes que ocupavam a praça central de Pequim.
    https://imgur.com/a/fUsP7NB

    Soldados não estavam armados nesse dia? Seria muita ingenuidade do leitor acreditar realmente que a China, iria realmente trazer soldados desarmados, houve conflito entre os Estudantes e militares, por isso tanques queimados e militares mortos.
    https://youtu.be/PZM9KOH7DjA?t=354

    Testemunha OCULAR? Bem, todos os jornais foram obrigados no dia 4 a parar de transmitir eventos, mas um jornal (TVE) conseguiu transmitir e evidenciar o que ocorreu (O contrário do que diz o comunsita citado, Soldados bem armados, tanques e blindados destruindo o acampamento da manifestação por completo, e outros).
    https://www.rtve.es/noticias/20140603/tiananmen-plaza-estremecio-regimen-chino/947880.shtml

  2. Excelente artigo. Obrigado por informar a Verdade, embasando tão bem no relato de tantos jornalistas que tiveram a coragem de relatarbobqie viram pessoalmente: que mão houve massacre na Lraça da Paz Celestial em 4/06/1989.

    Este é mais um dos episódios históricos que mostram como a mídia tradicional é capaz de perpetuar mentiras

          • Pare de ofensas gratuítas, pois é assim que tu quer convencer os outros? Parecendo adolescente birrento,…um marmanjo que agora virou chinês desde criança? Daqui a pouco vaI falar que o presidente Xi é um pacifista e o Brasil será a maior potência do planeta por estar seguindo a liderança chinesa?!

          • E quem falou que eu quero convencer um débil mental que nem você de algo? Com esse monte de baboseira sem sentido que você digitou aqui já mostrou que não tem a menor capacidade de entender nada. Eu quero só te mandar a merda mesmo.

          • E fi quando Moisés levou os hebreus a terra prometida a Abraão e seus filhos e a Bíblia tanto a e Jerusalém, a Católica( tu parece um fanático papista e sem ofensas.) e a Protestante diz “abençoarei os que te abençoam e amaldiçoarei os que te amaldiçoam,”Deus fez esta afirmativa( Vai agora contestar o texto sagrado?) a Abraão e continuando teve lutas e batalhas com outros povos que ocupavam aquelas terras antes de Abraão, ou seja a terra prometida sempre foi disputada antes, durante a ocupação por parte dos hebreus e só parou a disputa por parte deles quando foram expulsos pelos romanos e a China( Sua nova coqueluche)apoia o Irã inimigo de Israel que hoje em dia patrocina o extermínio e expulsão dos judeus da terra prometida com a desculpa de sataniza-los de sinagoga do capeta, Israel é a menina dos olhos de Deus na terra e não será o Irã que irá destrui-los e viva Israel e viva o povo palestino.

        • Pelo amor de Deus Mauricinho, esse papo de papista é tão démodé. Essa é algum tipo de onda neoheresiarca? O pai da mentira Lutero fugiu do inferno?

          Fi, deixa eu te esclarecer uma coisa. Não existem mais judaísmo desde antes de Cristo. A religião dos profetas já tinha acabado quando Cristo veio para instaurar o seu Reino cujos sucessores são os cristãos. Os católicos obviamente. Ou seja, não existe mais direito hebreu a terra prometida. Não existe mais a seita judaica desde o ano 70. Se alguém deveria mandar na Terra Santa é Roma. Enquanto isso não acontecer o conflito será eterno.

          E a propósito: a Escritura Sagrada é uma só e quem escreveu, compilou e divulgou foi a Igreja Católica Apostólica Romana. Para a honra e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo.

          • Quem escreveu os textos bíblicos foram os católicos? Kkkkk Fi fica esperto inventa outra.

  3. As mentiras do globalismo vão caindo todos os dias: a farsa da democracia sionista já era. Não que democracia seja grande coisa, mas no caso da Sinagoga rebelde engana ateus é aquela turma que desfila pelas ruas com a bandeira da estrela de 5 pontas. Agora é a tentativa de golpe americana desmascarada…

  4. Fernando Chioca o espantador de leitores, mas fi eu tenho paciência para dialogar com crianças iguais a tu, como que pode um sujeito espantar leitores iguais a este, parecendo petista raivoso, detesto politicamente correto, mas educacão nunca é demais.

    • Vixe, vc é mais retardado do que eu pensava.
      Como eu vou espantar alguém que já anunciou que já tinha sido espantado pelo revisionismo histórico e iria só se informar pelo site que defendeu vacina e máscara??

      Mongolóide

  5. Fi o público está vendo sua estupidez, acorda…Estou tentando te ajudar ou tu está querendo fazer esta seção de comentários um circo, prefiro o bom senso do seu irmão o outro Chioca, esse sim sabe dialogar e convencer e tu só sabe dar patada e grosserias tentando ser o machão dos teclados,enfim cresça e apareça aprenda com seu irmão a ser um divulgador da maravilhosa filosofia libertária e da escola austríaca de economia que não é perfeita, mas mostra a realidade como ela. E ao contrário das outras que complicam o óbvio, pare de parecer um fanático papista medieval contra o estado de Israel e ser um devoto da China sua nova coqueluche de aborrecente né fi?

    • Se eu estou parecendo um papista medieval, estou no caminho certo, pois não há nada mais bravo, digno e honrado do que isto. Este foi o ápice da hombridade na história. Obrigado pelas dicas, vou continuar do mesmo jeito, porque pelo seu depoimento, estou indo muito bem.

  6. Cadê meu comentário criticando a China, o Irã e o Hamas? Sim o Irã e o Hamas que satanizam o estado de Israel e a China aliada do Irã.E os refugiados palestinos que nunca aceitaram a democracia israelense e daí foram expulsos e hoje em dia nem os palestinos não-refugiados tem de tolerar esta turba e seus terroristas e o que falar dos israelenses muçulmanos que desde 1948 aceitaram viver sob o estado de Israel? Viva Israel e o povo palestino do bem.

  7. Lembrando que sou um ardoroso defensor da filosofia libetária e da escola austríaca de economia e detesto o estado, esta instituição terrível e que nos empobrece todos os dias, o estado de Israel nào defendo-o, mas sim defendo os israelenses e os palestinos do bem, só acho a democracia israelense menos pior do que o autoritarismo dos terroristas palestinos, enfim entre um estado democrático e um estado autoritário prefiro um estado democratico até que um dia o ideal libertário seja aplicado no mundo todo( Utopia).Irmãos Chioca Tmj apesar das divergências de opiniões e caneladas da vida.

      • Boa pergunta. O Instituto Rothbard Brasil é o único lugar em toda a Internet que eu conheço que não tem censura. Mas poderia, qual o problema? A seção de comentarios no resto somente uma mistura de interesses difusos. De toda a forma, Herr Hoppe é a favor de censura, mesmo que a pessoa esteja exercendo a liberdade de pensamento em sua própria propriedade – remoção física de comunistas, psicopatas de má influência. Nada do que a gangue estatal já não faça hoje em dia, já que padres podem ser assassinados por causa do sermão proferido na Igreja.

      • A sessão de comentários não é aberta, é moderada.
        Quando vem um troll poluindo a sessão, repetindo asneiras, sem argumentar pontos dos artigos, sempre deletamos. Vc é só um desses asnos que começou a poluir demais aqui e foi deletado.

        • Eu poluir? Você está de brincadeira, estou promovendo o contraditório sem agredir ninguém, estou sendo ridicularizado o tempo todo por vocês e essa é a resposta? Melhorem o nível, passem a aceitar o contraditório no alto nível, pois sabemos que não vamos mudar o mundo, mas pelo menos podemos ajudar as pessoas a enxergarem o mal que é a demagogia dos políticos mundo-afora e que o estado é uma gang de malfeitores prontos a nos assaltar sem dó e nem piedade com a desculpa que é para o bem comum, portanto radicalismos é perda de tempo.

          • Ué, está aqui ainda?? Não disse que ia parar de acessar aqui?? Pensei q vc já tava de máscara na fila da décima quarta dose de reforço da vacina. Kkkk
            Vc quer ajudar? Cala a boca, pois já poluiu demais aqui. Vou voltar a deletar

  8. Agora eu entendi lendo o artigo do mestre Rothbard sobre o revisionismo histórico, lendo a sabedoria do mestre posso deduzir que o instituto não chinezou, apenas está tentando mostrar os fatos de uma outra perspectiva, ou seja se amanhã o estado palestino( Povo amado) fosse criado e cometesse genocídio contra os israelenses( Povo amado) você criticariam do mesmo jeito, agora ficou mais claro a questão fi.

  9. “Um aspecto interessante da filmagem é que a versão do YouTube, que foi vista cerca de 11 milhões de vezes, truncou o vídeo antes que pudéssemos ver o manifestante chinês se afastando em segurança. Suspeito que isso possa ter sido feito para induzir os espectadores a acreditar que ele acabou sendo esmagado até a morte pelos tanques, já que, embora eu tenha passado alguns minutos caçando, não tive sorte de localizar o vídeo completo em qualquer lugar no YouTube.”
    O autor poderia ter procurado melhor (mas creio que “encontrar” o vídeo inteiro não era a intenção dele, de todo modo). O desfecho do vídeo com o manifestante indo embora é facilmente encontrado no “Youtube” ou onde quer que um pesquisador honesto queira encontrá-lo. Há um documentário televisivo inteiro produzido sobre tal personagem em questão (The Tank Man, de 2006) em que o episódio é exaustivamente comentado e, pasmem, não há nenhum “corte” obscuro com a finalidade de dar ao desfecho uma conotação falsa.