A Guerra Civil Americana foi uma “Guerra Civil”?

1
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

É um equívoco se referir à Guerra Civil Americana como uma “guerra civil”?

O que é uma “Guerra Civil”?

Observe a distinção entre a maiúscula “Guerra Civil”, referindo-se ao nome próprio do conflito entre os Estados Unidos e os Estados Confederados da América de 1861 a 1865, e a minúscula “guerra civil” referindo-se a uma categoria geral de guerra civil sem nenhum conflito específico referenciado. Uma “guerra civil” no sentido geral é uma guerra que se encaixa em uma categoria tecnicamente definida, e é aí que a questão de saber se a Guerra Civil Americana é ou não um nome impróprio sempre deve começar a ser analisada.

A definição que encontramos para o termo geral “guerra civil” pode variar um pouco. O Dictionary.com oferece a seguinte definição: “uma guerra entre facções políticas ou regiões dentro do mesmo país”. O dicionário Merriam-webster oferece uma definição semelhante, mas ligeiramente distinta: “uma guerra entre grupos opostos de cidadãos do mesmo país”.

Na primeira definição, há o qualificador adicional de “regiões”, em vez de apenas “facções políticas” ou “grupos opostos de cidadãos”. Mas ambos os dicionários nos fornecem a distinção qualificadora da guerra ocorrendo “dentro do mesmo país”.

Nos episódios do podcast Controvérsias Históricas sobre os Filibusters na Nicarágua, falo sobre a guerra civil na Nicarágua. Durante este conflito, havia duas facções políticas – os Democratas e os Legitimistas – lutando pelo controle do mesmo governo com jurisdição sobre o mesmo território unificado. Não houve contestação sobre as fronteiras territoriais. Não houve reivindicação de independência em uma região da Nicarágua para formar um governo territorialmente distinto a fim de estabelecer um país diferente. Não houve secessão.

A guerra civil na Nicarágua, como todas as guerras civis técnicas, foi travada entre duas facções que disputavam o controle do mesmo governo para governar o mesmo território.

Este não foi o caso da Guerra Civil Americana (eu uso o qualificador “Americana” em vez de “Estados Unidos” porque chamá-la de “Guerra Civil dos Estados Unidos” assume tacitamente que foi uma guerra civil técnica travada pelo controle de um país: Os Estados Unidos). A Guerra Civil Americana foi travada porque uma região do país declarou independência política. Em vez de alegar ter autoridade legítima sobre os territórios de todos os Estados Unidos, o governo confederado alegou apenas ter autoridade legítima sobre os estados separatistas. Era um governo alternativo, adicional, estabelecendo-se como um país completamente separado.

Estes são os fatos simples e pedantes da história. É verdade que o governo Lincoln se recusou a reconhecer a legitimidade da secessão e, portanto, elaborou argumentos jurídicos destinados a tratar os estados secessionistas como ainda submissos ao governo dos Estados Unidos, mas mesmo que se acredite que essa seja a posição constitucional correta, isso não muda o fato de que os Estados Confederados não fizeram essa reivindicação. Eles não estavam lutando pelo controle político de Ohio, por exemplo, ou da Califórnia. A guerra travada entre o governo centralizado da União e o governo centralizado dos Confederados foi travada pela questão da independência versus união e pela questão de duas fronteiras nacionais alternativas.

E quanto aos Estados e Territórios Individuais?

Há um argumento a ser feito de que a “Bleeding Kansas” – a guerra territorial sobre a legitimidade dos dois governos concorrentes durante a década de 1850 – foi uma verdadeira guerra civil. A disputa no Kansas certamente se encaixa na definição de “guerra civil”. Ninguém estava contestando as fronteiras, competindo por divisão territorial ou independência, e cada governo reivindicou a legitimidade exclusiva. Na medida em que a Bleeding Kansas era uma guerra, certamente era uma guerra civil.

Mas é claro que, mesmo que essa disputa territorial tenha sido precursora da Guerra Civil Americana, certamente não pode definir os termos do conflito muito maior entre os dois governos centrais da década de 1860. O mesmo valeria para as disputas estaduais que foram travadas no contexto da Guerra Civil Americana.

A guerra de guerrilhas no Missouri, por exemplo, foi em muitos aspectos uma extensão da Bleeding Kansas, mas nisso as facções disputavam o controle do governo estadual. Não mudou, no entanto, o contexto da controvérsia nacional.

O mesmo pode ser dito durante a disputa em Maryland, quando os cidadãos de Baltimore lutaram pelo controle da cidade que, a certa altura, recorreu à secessão de fato em resposta às tropas da União que passavam por Baltimore. Outros estados fronteiriços viram disputas que poderiam se qualificar como guerras civis em nível estadual, incluindo Kentucky, Tennessee e Virgínia. Mas, no máximo, essas disputas eram campanhas dentro do contexto mais amplo da Guerra Civil Americana, e seria difícil encontrar um historiador que argumentasse que essas guerras teriam sido travadas sem a guerra nacional. Tudo isso se aplicaria da mesma forma às disputas que ocorreram nos territórios ocidentais durante a guerra.

Mas, a menos que estejamos olhando para as disputas específicas e isoladas que ocorrem nesses territórios ou estados, seria totalmente incorreto aplicar o contexto de disputas locais à disputa nacional. A Guerra Civil Americana ainda é um equívoco em termos técnicos.

Nomes alternativos

Mesmo se aceitarmos que a Guerra Civil Americana é um nome impróprio, isso não significa imediatamente que devemos aceitar as alternativas oferecidas que comumente encontramos. Cada uma destas merece pelo menos algum exame, também.

A Guerra entre os Estados – A alternativa mais comum ao título “Guerra Civil” é a “Guerra entre os Estados”. Esta é uma alternativa popular porque reconhece o equívoco de “guerra civil” sem ser aparentemente tendencioso em relação a um lado ou outro.

Mas, infelizmente, também não se sustenta. Chamar a Guerra Civil Americana de “Guerra entre os Estados” falha em grande parte pelos mesmos motivos técnicos – ou seja, negligencia o importante fato de que esta foi uma guerra entre dois governos nacionais distintos. Não foi uma guerra travada entre Ohio e Geórgia e Nova York e Flórida (e assim por diante). Foi uma guerra travada entre os Estados Unidos e os Estados Confederados; foi uma guerra entre dois governos centrais agindo em nome de seus estados membros.

A Guerra da Agressão do Norte – Esta é outra alternativa comum, geralmente oferecida por pessoas menos tímidas sobre suas opiniões pessoais sobre o culpado. A Guerra da Agressão do Norte originou-se durante a própria guerra (ou mesmo antes, já que a “Agressão do Norte” era o espectro comumente apregoado entre os políticos do sul do pré-guerra).

Mas, para que este termo seja preciso, não se deve apenas ter um domínio preciso dos fatos históricos que são relevantes para a questão do crime de guerra, mas também deve-se subscrever uma filosofia ética específica que defina a agressão de uma forma que o Norte, de acordo com os fatos históricos, seria culpado de “agressão”. A questão filosófica da agressão legítima é, creio eu, importante. Mas não é historicamente importante; é uma questão filosófica.

Relevante para a questão da culpa de guerra na Guerra Civil Americana é a questão da legitimidade da ameaça de agressão. A maioria das pessoas concordará que a ameaça de agressão, eticamente, qualifica-se como agressão per se. No entanto, isso levanta a questão, à luz dos fatos históricos, se o governo da União era culpado de ameaças legítimas ou não. Não pretendo abordar esta questão no presente artigo. Gostaria apenas de salientar que, embora a maioria das pessoas concorde que ameaças legítimas se qualificam como agressão, requer mais do que apenas o sentimento subjetivo de ser ameaçado para se qualificar como “ameaça legítima”. Assim, esta é uma questão complicada que só pode ser resolvida estabelecendo primeiro critérios muito rígidos (e difíceis de definir) para uma “ameaça legítima” e só então um exame dos fatos históricos relevantes pode ser trazido para o debate.

Em suma, minha rejeição deste termo não se baseia na questão da exatidão histórica, mas no reconhecimento do fato de que quase certamente nunca haverá um consenso geral sobre o que constitui uma ameaça legítima, e tal questão só pode ser abordada caso a caso. Esta é uma questão para um juiz, não para um historiador, e termos carregados de valor como “a Guerra da Agressão do Norte” – mesmo que você pessoalmente concorde com os julgamentos de valor implícitos neles – não têm lugar na análise histórica.

A Guerra pela Independência do Sul – Esta última alternativa comum à “Guerra Civil Americana” é, à primeira vista, também tida como um título pró-sul, tendencioso. Mas, diferentemente de “agressão”, é possível definir estritamente “independência” em um sentido político. A definição relevante fornecida novamente pelo dicionário Merriam-webster define independência como “a qualidade ou estado de não estar sob o controle, dependente ou conectado com alguém ou alguma outra coisa”. Esta definição aplica-se inequivocamente aos Estados Confederados da América.

A razão pela qual as pessoas têm uma reação instintiva ao termo “Guerra pela Independência do Sul” como sendo um termo tendencioso pró-sul é porque as pessoas, especialmente os americanos, têm uma tendência natural de atribuir um valor positivo à ideia de independência política. Mas o fato de as pessoas terem essa tendência não diminui o fato de que “independência” é um termo estritamente definível, independentemente do valor que atribuímos à ideia, e a definição certamente aplica-se à Guerra Civil Americana.

Se você insistir em um termo alternativo para o termo impróprio “guerra civil”, “Guerra pela Independência do Sul” é o que eu recomendo como sendo o mais preciso.

“Guerra Civil” foi um termo de propaganda?

Um dos maiores equívocos sobre o equívoco “Guerra Civil Americana” é que ele foi elaborado como parte de uma narrativa de propaganda por unionistas. Ao chamar isso de “Guerra Civil”, eles estavam negando a legitimidade da secessão e justificando a ação militar do Norte. Independentemente de o termo ter ou não esse efeito, não parece ser essa a razão pela qual o título foi adotado.

Como mencionei no episódio de Controvérsias Históricas sobre a Resistência em Christiana, o conflito que se antecipava como resultado da controvérsia sobre a escravidão já estava sendo chamado de “guerra civil” já em 1851. Independentemente de sua percepção estar ou não equivocada, o fato permanecia que as pessoas na década de 1850 previam uma guerra e supunham que seria uma guerra “civil”. Que elas estivessem incorretas (pelo menos, de acordo com a semântica técnica) é irrelevante. A questão é que chamar a guerra de “guerra civil” já fazia parte do léxico americano quando os primeiros tiros foram disparados em 1861.

No entanto, havia um título de propaganda que a União vendia para obter apoio para seu esforço de guerra. Eles a chamaram de “Guerra de Rebelião”, que fazia parte do argumento legal de que a secessão era inconstitucional e os estados do sul estavam engajados em rebelião, o que significava que o Congresso tomava medidas que a Constituição permitia apenas em casos de rebelião, como a suspensão de habeas corpus (embora mesmo admitindo o argumento da “rebelião”, há um argumento constitucional que pode ser feito contra a decisão executiva de Lincoln de suspender o habeas corpus por se tratar de um poder delegado ao Congresso).

Claro, o argumento de que a secessão do Sul foi um ato de rebelião é espúrio, e até mesmo a decisão da Suprema Corte julgando os Prize Cases sobre a legalidade do bloqueio naval do Norte sustentou, falsamente, que os Estados Confederados eram simultaneamente uma potência estrangeira e um grupo rebelde de cidadãos (um bloqueio contra estados que não fossem uma potência estrangeira teria sido inconstitucional).

É claro que os sulistas adotaram o rótulo de “rebelde” com orgulho, e seu grito de guerra ficou conhecido como “grito rebelde”. Mas esta resposta ao título da União de “Guerra de Rebelião” dificilmente é suficiente para afirmar que a secessão foi meramente um ato de rebelião. O ponto mais importante para o presente artigo, no entanto, é que o equívoco “Guerra Civil” não parece ter sido um termo de propaganda.

Por que chamar isso de Guerra Civil?

O ponto final que vale a pena abordar é a questão da minha decisão pessoal de me referir à Guerra Civil Americana por seu equívoco comum. Eu reconheço que o termo está incorreto, mas para qualquer pessoa familiarizada com meus artigos e podcast, você saberá que eu nunca me refiro a ele como o nome mais tecnicamente preciso “Guerra pela Independência do Sul”.

Minha resposta é simples: a Guerra Civil é como a população em geral a conhece. O propósito de um título de nome próprio para qualquer guerra é designar a qual conflito específico na história global estamos nos referindo. Antes da Segunda Guerra Mundial, chamávamos a Primeira Guerra Mundial de “Grande Guerra”. A mudança de nome tornou-se uma questão de clareza, não de precisão. Pode-se argumentar que chamar qualquer guerra de “Guerra Mundial” seria impreciso, já que a grande maioria dos países do mundo não participou. Mas qual seria o sentido de tal disputa semântica?

Há um propósito pedagógico em discutir o equívoco em chamar a Guerra Civil Americana de “guerra civil”, como forma de ilustrar as particularidades do próprio conflito. No entanto, permanece o fato de que, quando nos comunicamos com qualquer pessoa nos Estados Unidos, podemos ter certeza de que eles saberão a que conflito estamos nos referindo com o título “Guerra Civil”, mesmo que estejam cientes das imprecisões técnicas do rótulo.

Além disso, embora eu esteja feliz em defender a maior precisão do título “Guerra pela Independência do Sul”, também estou ciente de que usar tal frase é uma maneira muito eficaz de alienar uma parcela da população para que eles percam todo o interesse por qualquer explicação histórica que eu possa dar. Eu posso concordar que isso é falha deles, não minha, mas se meu objetivo é uma comunicação eficaz da história, seria uma tática estranha para mim usar teimosamente um termo que eu sei que terá esse efeito, mesmo que eu acredite que deveria não ter tal efeito.

Embora haja algum propósito em abordar o equívoco do rótulo “Guerra Civil Americana”, eu encorajaria todos os interessados ​​nesta história a tentar manter em vista a questão mais importante da própria história e as lições substantivas que podemos extrair do aprendizado da história. Brigar sobre rótulos, não importa quão corretas nossas objeções possam ser, tem uma tendência maior de prejudicar as verdadeiras lições da história. Quer gostemos ou não, o título de nome próprio que foi historicamente aceito e está universalmente enraizado na mente da população americana não vai a lugar nenhum.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente artigo! Desde que eu assisti um documentário épico chamado “Civil War” do diretor Ken Burns, eu fico com a versão exposta aqui: guerra de agressão do norte contra o sul. Mas evidentemente que o título de independência do sul está correto.

    Neste documentário uma coisa fica bastante evidente: tudo o que os yankees fizeram no sul foi muito pior do que eles fizeram a partir de todas as guerras desde. A guerra civil americana foi um ensaio amrgo e doloroso. Inclusive o norte teve dois nazistas: Lincoln e o general Shermam. Este foi um dos maiores psicopatas que já passou pelo exército americano. Não vejo diferença entre a queima de Atlanta e a dstruição de Varsóvia. O genocida Sherman virou herói. E no final, só houve uma condenação por crimes de guerra: um guarda alemão de um campo de prisioneiros chamado Andersonville.

    Os canalhas do estatismo esconden-se das lei, exatamente como os canalhas liberais. A secessão era permitida pela constituição americana que o Adolf “Lincoln” Hitler. É por conta destes episódios históricos que os libertários dvem abrir seus horizontes para além das elegantes teorias austríacas e o seu corpo jurídico. O estatismo coopta mentes subvertendo a história. Existem vários esqueletos neste armários…