Só vamos sobreviver por causa do Bitcoin

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

[Este artigo é o prefácio do livro best-seller Bitcoin Red Pill, de Renado Amoedo e Alan Schramm] 

Bitcoin Red Pill é o primeiro livro sério escrito em português sobre o Bitcoin. Diferentemente dos outros, é um livro que tenta dizer não só que é o Bitcoin, mas sim o porquê do Bitcoin. Não explica o Bitcoin somente como uma ferramenta, ou seja, qual sua função e mecanismo, mas mostra o Bitcoin como nossa única possibilidade de renascimento moral, material e tecnológico.

Este livro que não quer convencer ninguém. Você discorda que estamos em uma guerra de extermínio e que Bitcoin é uma das únicas armas à disposição do cidadão comum? Ótimo, faça o que você achar melhor para você e para sua família, siga sua vida como bem entender. Renato Amoedo e Alan Schramm só escreveram este livro porque estavam cansados de explicar várias vezes as mesmas coisas e, por interesse próprio, decidiram economizar tempo para tentar salvar o máximo de pessoas aptas. Infelizmente poucas pessoas neste mundo estão aptas a serem salvas. Se você se dispôs a ler este livro, muito provavelmente está entre elas.

Bitcoin Red Pill foi um livro escrito na era da internet para o indivíduo soberano. Como um manual de instruções, traz conceitos, teses, autores e dados que orientam o leitor a ir correr atrás das informações. A internet foi uma invenção magnífica pois diminuiu imensamente o custo da informação, mas é fácil se sentir desnorteado em sua galáxia. Bitcoin Red Pill mostra vários caminhos que podem depois ser trilhados pelo leitor interessado, seja este caminho sobre os aspectos técnicos sobre o Bitcoin, sobre a Escola Austríaca ou sobre colapsos civilizacionais.

Bitcoin tem pouco mais de uma década de existência. Um aspecto curioso de sua história é a quantidade imensa de pessoas com conhecimentos extremamente avançados de criptografia e programação que entenderam o Bitcoin só como “mais uma ferramenta”.

O que não falta é argumento de autoridade para confirmar essa impressão. O próprio Satoshi Nakamoto no white paper diz de forma muito sóbria que o Bitcoin é um “sistema de dinheiro eletrônico ponto-a-ponto”. Parece ser só mais uma mera ferramenta, não é mesmo? Sempre muito lacônico em suas correspondências, Satoshi confessou em um e-mail ser melhor com código do que com palavras. Ainda bem: o Bitcoin funciona, isso basta.

No Bitcoin Red Pill, os autores buscam dizer o que Satoshi não diz: que tipo de sociedade humana o Bitcoin encontrou quando surgiu neste planeta e quais serão suas consequências mais profundas. Este é o primeiro livro brasileiro a navegar por essas águas e traz um diagnóstico com o qual eu concordo integralmente: o Bitcoin encontrou uma natureza humana extremamente falha e encontrou também uma sociedade, a brasileira, repleta de golpistas, inflacionistas, malandros, shitcoins e pirâmides financeiras.

A escassez digital criada por Satoshi encontrou também um Estado completamente falido moral e financeiramente, que gasta mais que arrecada e joga a conta nas costas do povo por meio do roubo institucionalizado dos impostos e da inflação. O livro explica com detalhes as distorções de uma economia que gira com base em juros negativos e como funciona o Bitcoin, moeda forte e inconfiscável, num mundo de moedas estatais fracas e confiscáveis.

“Lembre-se de que a única coisa que ofereço é a verdade, nada mais”, diz Morpheus. A pílula vermelha é a pílula mais difícil de engolir pois nos traz verdades que temos medo de admitir. Renato Amoedo e Alan Schramm, além de trazerem relatos saborosos da história do Bitcoin no Brasil e de explicarem para o público leigo o funcionamento desta tecnologia e do mercado, foram corajosos o suficiente para oferecer este remédio amargo ao povo brasileiro.

Nesta segunda edição, lançada há menos de um ano da primeira, já vemos atualizações importantes devido à pandemia do vírus Sars-Cov-2. Os estragos desta pandemia criada em laboratório e da resposta ditatorial dos governos que fingem combatê-lo ainda não foram bem compreendidos amplamente. O que se sabe até agora não pegou o leitor da primeira edição Bitcoin Red Pill de surpresa: impressão massiva de dinheiro como nunca antes e propostas de controles de capitais ainda mais opressores por meio das assim chamadas moedas virtuais dos bancos centrais. A primeira edição saiu em setembro de 2020. Em julho de 2021 podemos dizer que as tendências apontadas pelo livro apenas se tornaram exponenciais.

Não há escapatória. Como dizem por aí, você pode não estar interessado na guerra, mas a guerra está interessada em você. Cada gráfico e cada linha do livro é como um tapa na cara para acordar o brasileiro de um sono mortífero. Vai doer, mas valerá a pena.