A guerra da Ucrânia é uma fraude

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

“A guerra é uma fraude, escreveu o general americano Smedley Butler em 1935. Ele explicou: “Uma fraude é melhor descrita, acredito, como algo que não é o que parece para a maioria das pessoas. Apenas um pequeno grupo “interno” sabe do que se trata. É conduzida para o benefício de muito poucos, às custas de muitos. Através da guerra, algumas pessoas fazem grandes fortunas.”

A observação do general Butler descreve perfeitamente a resposta dos EUA/OTAN à guerra na Ucrânia.

A propaganda continua a retratar a guerra na Ucrânia como a de um Golias que não foi provocado resolveu dizimar um inocente Davi, a menos que nós, os EUA e a OTAN, contribuamos com enormes quantidades de equipamento militar para a Ucrânia para derrotar a Rússia. Como sempre acontece com a propaganda, essa versão dos eventos é manipulada para trazer uma resposta emocional em benefício de interesses especiais.

Um grupo de interesses especiais que lucra maciçamente com a guerra é o complexo industrial militar dos EUA. O CEO da Raytheon, Greg Hayes, disse recentemente em uma reunião de acionistas que: “Tudo o que está sendo enviado para a Ucrânia hoje, é claro, está saindo dos estoques, seja do Departamento de Defesa americano ou de nossos aliados da OTAN, e isso é uma ótima notícia. Eventualmente, teremos que reabastecê-los e veremos um benefício para o negócio.”

Ele não estava mentindo. A Raytheon, juntamente com a Lockheed Martin e inúmeros outros fabricantes de armas, estão desfrutando de um lucro inesperado que não viam há anos. Os EUA comprometeram mais de três bilhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia. Eles chamam isso de ajuda, mas na verdade é bem-estar social corporativo: Washington enviando bilhões para fabricantes de armas pelas armas enviadas ao exterior.

De acordo com muitos relatos, esses carregamentos de armas como o míssil antitanque Javelin (fabricado em conjunto pela Raytheon e Lockheed Martin) estão sendo atacados e explodidos assim que chegam à Ucrânia. Isso não incomoda a Raytheon. Quanto mais armas explodidas pela Rússia na Ucrânia, mais novos pedidos vêm do Pentágono.

Os ex-países do Pacto de Varsóvia, agora membros da OTAN, também estão envolvidos no golpe. Eles descobriram como descartar suas armas de 30 anos de fabricação soviética e receber substituições modernas dos EUA e de outros países ocidentais da OTAN.

Enquanto muitos simpatizantes da Ucrânia estão aplaudindo, este pacote de armas multibilionário fará pouca diferença. Como o ex-oficial de inteligência da Marinha dos EUA Scott Ritter disse no Ron Paul Liberty Report na semana passada: “Posso dizer com absoluta certeza que, mesmo que essa ajuda chegue ao campo de batalha, não terá impacto na batalha. E Joe Biden sabe disso.”

O que vemos é que os russos estão capturando toneladas de armas modernas dos EUA e da OTAN e até mesmo as usando para matar mais ucranianos. Que ironia. Além disso, que tipo de oportunidades serão oferecidas aos terroristas, com milhares de toneladas de armas mortais de alta tecnologia flutuando pela Europa? Washington admitiu que não tem como rastrear as armas que está enviando para a Ucrânia e não tem como mantê-las fora das mãos dos bandidos.

A guerra é uma fraude, com certeza. Os EUA estão se intrometendo na Ucrânia desde o fim da Guerra Fria, chegando ao ponto de derrubar o governo em 2014 e plantar as sementes da guerra que estamos testemunhando hoje. A única maneira de sair de um buraco é parar de cavar. Não espere isso tão cedo. A guerra é muito lucrativa.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorO homem coletivo e a síndrome da adoração pela autoridade
Próximo artigoA violência explícita da Democracia
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

2 COMENTÁRIOS

  1. Excelente!

    O canal visão libertária é que é ua fraude. No início eu também acreditei na lógica única de russos malvadões e ucranianos campeões da liberdade. Até porque estão com a Otan e fica difícil de acreditar. Dizem com quem andas… mas graças aos artigos aqui do Instituto Rothbard eu abri meus olhas de uma maneira visceral, coisa que aquele canal com um pé na social-democracia. Não é falta de referência…

    “É conduzida para o benefício de muito poucos, às custas de muitos. Através da guerra, algumas pessoas fazem grandes fortunas”

    Os liberalecos do estado mínimo e miniarquistas em geral são ignorantes em história, o que os torna intelectualmente precários ou mal-intencionados, se eventualmente sabem alguma coisa de história – tem muitos liberalecos metidos a intelectuais, principalmente a máfia randiana. Os primeiros casos de corrupção nas monarquias do antigo regime estavam relacionados ás intendências militares, já que roubar o El Rei construindo estradas ou escolas era pouco provável. O complexo militar industrial é uma sombra antiga sobre a humanidade.

    Grande Ron Paul.