A humanidade, tal como existe hoje, está ameaçada de extinção: uma ameaça inevitável

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

“O tirano, que para manter seu poder, suprime toda superioridade, acaba com os homens bons, proíbe a educação e a luz, controla todo movimento dos cidadãos e, mantendo-os sob uma servidão perpétua, quer que eles se acostumem à baixeza e covardia, tem seus espiões por toda parte para ouvir o que é dito nas reuniões, e espalha dissensão e calúnia entre os cidadãos e os empobrece, é obrigado a fazer a guerra a fim de manter seus súditos ocupados e impor-lhes a necessidade permanente de um chefe.” – Aristóteles

O que Aristóteles entendeu sobre tiranos e a fraqueza e a natureza patética do homem há mais de 2.400 anos, ainda é verdade hoje. O que isso significa é que com todo aquele tempo que passou, toda aquela história, todos os benefícios das mentes dos grandes pensadores ao longo de milhares de anos, a ‘educação’ moderna, a tecnologia moderna e todas as oportunidades para um despertar humano, o homem comum não avançou intelectualmente, nem teve sucesso em nenhuma busca para afirmar sua própria liberdade. A realidade sugere, de fato, que a humanidade não progrediu realmente, mas se rebaixou ainda mais para um estado de ignorância caótica.

Considerando este prolongado estado de coisas, como então qualquer indivíduo de pensamento crítico pode esperar que a humanidade como um todo mude repentinamente durante o atual ataque totalitário contra a liberdade individual? Ao longo da história, alguns países e algumas partes do mundo estiveram sob um domínio mais brutal e tirânico do que outros, mas alguma liberdade coletiva sempre existiu brevemente em certas sociedades. Isso sempre levou a uma “esperança” de que a possibilidade de liberdade estaria ao dobrar da esquina, ou pelo menos alcançável para aqueles que desejam lutar por ela. É claro que isso nunca foi garantido ou alcançado porque as populações dessas sociedades menos abusadas nunca estiveram dispostas a enfrentar a verdade, ou assumir total responsabilidade ou risco por seu próprio bem-estar. A liberdade real nunca poderá existir enquanto os governos continuarem a dominar os outros, independentemente da estrutura de governo existente, mas a percepção de que a liberdade permanece acessível para a multidão foi mantida viva. Isso foi intencional?

A principal diferença hoje é que essa tentativa de conquista fascista e comunista é um esforço global total, de modo que praticamente todos os países da terra estão sob o cerco das forças governantes do mal e daqueles que as controlam. Em outras palavras, há um esforço concertado da chamada classe dominante para assegurar uma conquista global da humanidade, sufocando assim todo e qualquer ideia de pensamento individual e liberdade entre as massas coletivas. Há apenas um santuário em um mundo como este, e esse santuário só pode existir na psique e na alma intelectualmente maduras de indivíduos independentes de pensamento livre. Se poucos podem governar muitos, por que então os bilhões não podem derrotar a cabala governante que tenta destruir a humanidade como ela existe hoje? A ameaça de destruição humana deveria ter sido reconhecida por quase todos como inevitável há muito tempo, considerando todos os relatos históricos de agressão totalitária, não apenas para aqueles poucos que tiveram a coragem de enfrentar a verdade.

A guerra tem sido usada há milhares de anos para subjugar e controlar as massas, tudo em nome da segurança. A ameaça de guerra continuará a ser uma flecha na aljava dos monstros governantes, assim como estamos testemunhando hoje com a postura agressiva dos EUA contra a Rússia, China e grande parte do resto do mundo. Mas a guerra convencional deixou de ser a principal ferramenta da tirania, pois agora a ameaça falsa de “vírus” e pragas inexistentes, divisão criada e ódio propositalmente alimentado se tornaram os métodos “modernos” de guerra. A guerra moderna não é mais uma guerra contra inimigos imaginários distantes usando armas e balas sob o pretexto de nacionalismo, mas uma guerra dirigida especificamente contra as populações domésticas em uma escala global. Essa tática não apenas permite o controle total sobre as sociedades, mas também permite o assassinato em massa pelo estado de seus próprios cidadãos, que é o democídio. Um dos benefícios mais desejados pelo estado dessa abordagem atroz para matar é que ela permite que os governantes visem indivíduos ou grupos específicos que são falsamente considerados uma ameaça ao governo e ao público. Todos aqueles que se dizem desfavorecidos pela classe dominante representam um perigo para o status quo, fazendo com que, ao mesmo tempo, devido à interminável propaganda, a assustada população em geral apoie a agressão aos corajosos o suficiente para se opor ao Estado.

As mesmas pessoas que poderiam salvar a humanidade serão as classes-alvo. Isso incluirá contadores da verdade, denunciantes, dissidentes, antivacinas corajosos, defensores da liberdade, manifestantes honestos contra o estado e todos os outros que não desejam ser tolos obedientes e se prostrar e se curvar à hedionda autoridade falsa. Estes são os salvadores da humanidade, mas serão considerados os inimigos do povo, quando na verdade são os defensores da liberdade e os inimigos da tirania.

O plano das alegadas ‘elites’ desumanas e seus asseclas no governo é despovoar esta terra, assassinar aqueles que desejam se defender e a outros contra esta tomada totalitária chamada “Grande Reinício”, monopolizar todos os sistemas monetários e criar um sistema global digitalizado para obter o controle de todo o dinheiro e propriedade, alterar o genoma humano de modo a criar uma sociedade ciborgue totalmente controlável sob gestão tecnocrática; tudo sob os auspícios desonestos de segurança e proteção da Terra de mudanças climáticas falsas causadas pelo homem. Isso pode ser feito com armas biológicas injetáveis ​​falsamente chamadas de “vacinas” e também com outras técnicas invasivas, mas até agora tem sido realizado principalmente por meio da cooperação totalmente voluntária das massas patéticas.

O que virá do homem moderno? Problemas humanos, medos, falta de coragem e convicção, desejo de escapar da responsabilidade, indiferença e confiança nos outros em vez de em si mesmo, causaram não apenas uma diminuição do intelecto, mas também expuseram o ponto fraco do miserável animal humano moderno. As quatro características mais evidentes do homem moderno são fraqueza, ignorância, dependência e medo, e todas essas características podem levar apenas a uma vida vazia de servidão.

Mas eu só estou brincando. Continue a fazer o que está fazendo, não se responsabilize por si mesmo, espere e deseje tempos melhores, esconda-se nas sombras, nunca desligue seu telefone, assista apenas ao noticiário, entregue seus vizinhos que não cumprem as ordens do estado, mostre seus documentos onde quer que vá, coloque suas máscaras, tome sua injeção de ‘Covid’ e todos os reforços e cante o hino nacional alto. Seu “novo normal” estará aqui antes que você perceba!

“Se você for fraco demais para determinar a si mesmo sua própria lei, então um tirano colocará seu jugo sobre você e dirá: ‘Obedeça! Cale a boca e obedeça!’ E todo o bem e todo o mal se afogarão em obediência a ele.” – Friedrich Nietzsche

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO