A ida de Pelosi a Taiwan expõe a tolice do intervencionismo

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

A viagem “surpresa” da presidente da Câmara dos EUA Nancy Pelosi a Taiwan na semana passada deveria ser a “prova definitiva” de por que o intervencionismo é perigoso, mortal e burro. Embora ela afirme que sua visita obteve algum tipo de vitória para a democracia sobre a autocracia, ela não conseguiu nada disso. Foi um gesto inútil que aproximou os EUA de um conflito militar com zero benefícios.

Como disse o coronel Doug Macgregor sobre a viagem de Pelosi em um episódio recente de Tucker Carlson Tonight, “a liderança política envolve o avanço dos interesses americanos ao menor custo para o povo americano. Nada disso está em jogo aqui. … Exibicionismo não faz parte de ser um bom estadista.”

A viagem de Pelosi não foi atípica. Essa postura contraproducente é muito celebrada por ambas os lados em Washington. Os senadores neoconservadores Bob Menendez e Lindsey Graham ficaram entusiasmados com a parada de Pelosi em Taipei e a usaram como trampolim para pressionar por uma nova legislação que essencialmente declararia guerra à China, declarando Taiwan um “grande aliado não-OTAN”.

A política de “uma China” que, embora talvez não seja perfeita, manteve a paz por mais de 40 anos deve ser descartada e substituída por uma que certamente provocará uma guerra. Quem se beneficia?

Levar os EUA tolamente à beira da guerra com a Rússia sobre a Ucrânia evidentemente não é suficiente para a classe belicista bipartidária de Washington. Arriscar uma guerra nuclear em duas frentes, tanto com a Rússia quanto com a China, aparentemente é a única maneira de Washington mostrar ao resto do mundo que é sério.

O colunista neoconservador do Washington Post, Josh Rogin, capta com precisão a mentalidade em Washington DC com um artigo recente intitulado “Os céticos estão errados: os EUA podem confrontar a China e a Rússia”.

Para os “especialistas” em política externa de Washington, aqueles de nós que não acreditam que uma guerra com a Rússia e a China seja uma ótima ideia são considerados “céticos”. Inclua-me como um dos céticos!

Durante a Guerra Fria, houve momentos de tensão elevada, mas mesmo nos dias mais sombrios a ideia de que a guerra nuclear com a China e a União Soviética poderia ser uma solução era defendida apenas por alguns loucos. Agora, com as lutas ideológicas da Guerra Fria como uma memória de décadas atrás, tal argumento faz ainda menos sentido. No entanto, é isso que Washington está vendendo.

Os EUA travando uma guerra por procuração com a Rússia através da Ucrânia e Nancy Pelosi provocando a China quase ao ponto de uma guerra por Taiwan tem como objetivo mostrar ao mundo o quão durão somos. Na realidade, demonstra o contrário. O bêbado em um bar desafiando todos para uma briga não é durão. Ele é tolo. Ele não tem nada a ganhar e tudo a perder com sua exibição de bravura.

Isso é intervencionismo em sua essência: uma política tola que não provoca nada além de raiva no exterior, não beneficia ninguém nos EUA, exceto os interesses especiais, e deixa o resto de nós muito mais pobre e pior.

Pode haver muito o que criticar sobre o governo e as políticas da China. Eles estão longe de ser perfeitos, particularmente na proteção das liberdades civis. Mas já esquecemos que nosso próprio governo fechou o país por dois anos por causa de um vírus e depois forçou um grande número de americanos a tomar uma injeção experimental que está provando ser tão inútil quanto perigosa? Vamos olhar para o nosso próprio quintal antes de começarmos a lançar mísseis no exterior.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorO mito da esquerda como um movimento anti-establishment
Próximo artigoTomás de Aquino era um liberal?
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007).O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.