Tomás de Aquino era um liberal?

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

O Estado está de volta. À esquerda e à direita, um número significativo de pensadores e eleitores nas democracias ocidentais espera que o governo resolva nossos problemas, reais e imaginários. Sejam mudanças climáticas, desafios econômicos ou aumentos repentinos de migrantes através das fronteiras soberanas, a demanda por ação do Estado é alta.

Um efeito colateral dessa mudança das visões mais céticas da intervenção governamental que prevaleceram aproximadamente entre 1980 e a crise financeira de 2008 foi uma discussão revigorada sobre a natureza e o escopo da autoridade governamental. As concepções liberais do Estado têm sido confrontadas por uma onda de alternativas vindas de todo o espectro político. Se há algo que a esquerda woke tem em comum com a direita que quer “punir os inimigos e recompensar os amigos”, é o ceticismo em relação ao constitucionalismo liberal que começou a tomar forma decisiva no final do século XVII.

Frequentemente ausente desse relato está a consciência de que as raízes do constitucionalismo liberal vão além da luta do século XVII contra o absolutismo monárquico nas Ilhas Britânicas e os vários Iluminismos do século XVIII. O historiador Lord Acton certa vez sugeriu que alguns princípios básicos de uma teoria Whig do Estado remontam a Tomás de Aquino.

Este julgamento foi afirmado, embora com ressalvas, por alguns teóricos contemporâneos do direito natural. John Finnis argumenta, por exemplo, que é possível designar Tomás de Aquino como “um liberal porque, embora defendesse corretamente instituições e práticas com base no fato de serem exigidas ou autorizadas por certas verdades, ele ao mesmo tempo insistia que as funções apropriadas das leis e governantes do Estado não incluem tornar as pessoas moralmente boas, exigindo compulsoriamente que elas se abstenham da imoralidade”. Em vez disso, Finnis sustenta: “O papel do governo estatal e da lei . . . . é defender a justiça e a paz: as exigências impostas, supervisionadas e impostas pelo governo estatal e pela lei dizem respeito apenas às escolhas e ações que são externas e afetam outras pessoas”.

Outros pensadores da lei natural argumentam que essa era a posição de Tomás de Aquino. Ao procurar determinar a posição de Tomás de Aquino, os estudiosos geralmente se concentraram em sua Summa Theologiae (especialmente o Tratado sobre o Direito), bem como em sua Sententia Libri Ethicorum e Sententia Libri Politicorum .

O lugar da única obra política independente de Tomás de Aquino, De Regno (c. 1267), nesses debates tem sido um ponto de discórdia. Isso se deve em parte a disputas de longa data sobre quanto de De Regno foi escrito por Aquino e quanto teria sido escrito por alguns de seus alunos, particularmente Ptolomeu de Lucca. O que está claro é que De Regno foi escrito para um governante real (o rei normando de Chipre), e seu objetivo imediato era ajudá-lo a navegar pelas demandas práticas da política cotidiana. Sendo um texto menos teórico, De Regno é frequentemente tratado como uma exceção aos escritos teológicos e filosóficos primários de Tomás de Aquino.

Temporário e atemporal

Mas De Regno atípico? Essa é uma questão explorada por William McCormick, SJ em seu livro The Christian Structure of Politics: On the De Regno of Thomas Aquinas (2022). É a primeira análise sistemática de De Regno a ser escrita em várias décadas. Só por isso, vale a nossa atenção.

McCormick não trata De Regno como uma curiosidade medieval. Certamente, diz McCormick, é “um texto peculiar escrito para um público específico”. No entanto, McCormick sustenta que a “visão da política em De Regno” pode nos ajudar a determinar a relação adequada entre religião e política hoje. Grande parte deste projeto é realizado via McCormick examinando De Regno através de lentes aristotélicas e agostinianas – os pontos de referência filosóficos e teológicos dominantes do tempo de Tomás de Aquino.

O primeiro capítulo de McCormick mostra como De Regno incorporam uma visão aristotélica da política, mais notavelmente a ideia “de que a política é natural ao homem, que o melhor regime é racional e cumpre os fins humanos, e que a monarquia é o melhor regime.” Este tema é mais explorado no capítulo 2, onde McCormick volta a atenção para os pensamentos de Tomás de Aquino sobre a tirania. A ênfase de Tomás de Aquino, afirma McCormick, é menos sobre a tirania per se do que sobre a indispensabilidade dos políticos que vivem vidas virtuosas e a necessidade de expectativas moderadas sobre o que a política pode alcançar.

Essa visão mais agostiniana da política está em tensão com a de Aristóteles, e McCormick dedica seu terceiro capítulo a mostrar como De Regno resolve essas diferenças. Isso ocorre, ele sugere, por meio de Tomás de Aquino enfatizando que os fins próprios da ação humana nunca podem ser cumpridos através da política. Pois o fim último do homem é a bem-aventurança, e nenhum regime pode realizar isso para aqueles sujeitos à sua autoridade.

É verdade, observa McCormick, que Tomás de Aquino traça um paralelo entre Deus e o rei. Essa metáfora comum no pensamento medieval influenciou mais tarde o absolutismo moderno. Mas, de acordo com McCormick, Tomás de Aquino sustenta que “o rei terreno é Deus-em-seu-reino apenas em um sentido limitado”. Sim, o papel do governante é governar a política. Mas nenhum regime pode criar a ordem pré-política desejada por Deus e que infunde a humanidade e o mundo com a própria razão. Essa percepção, afirma McCormick, permite que Tomás de Aquino dessacralize “a realeza de uma forma altamente exclusiva para seu tempo”.

Racionalismo Liberal e Pluralismo Liberal

Deste ponto em diante, McCormick desloca sua análise de De Regno para seu significado para o nosso tempo. De Regno, argumenta ele, facilita uma melhor apreciação da ideia, associada ao Papa Gelásio I e posteriormente desenvolvida por pensadores cristãos, de que duas autoridades governam os assuntos humanos: a autoridade espiritual da Igreja e a autoridade temporal do governo secular. O primeiro é considerado superior ao segundo por causa da preocupação da Igreja com o fim último da humanidade.

Alguns podem sugerir que essa teoria da política constitui a essência do integralismo e, portanto, impede qualquer envolvimento significativo com ideias modernas como o liberalismo. Não é assim, de acordo com McCormick. Embora não apresente Tomás de Aquino como um liberal, McCormick afirma que De Regno combina bem com algumas expressões do liberalismo e menos com outras.

De Regno, aponta McCormick, está decididamente em desacordo com o racionalismo liberal. Com isso, ele quer dizer um Estado liberal que vê grupos intermediários como ameaças potenciais à capacidade do indivíduo de buscar a auto-realização, muitas vezes acima e contra a autoridade concorrente de costumes e tradições aos quais muitos grupos, especialmente entidades religiosas, estão ligados. Logo, o Estado liberal deve ser forte o suficiente para subordinar esses grupos à sua vontade. Neste mundo, a liberdade religiosa se reduz ao governo defender a consciência individual contra a pressão do grupo. Essa compreensão da liberdade religiosa é diferente daquela articulada pela Dignitatis Humanae. Ela baseou a liberdade religiosa no dever de indivíduos e grupos de buscar o conhecimento da verdade e então viver suas vidas como indivíduos e comunidades de acordo com essas verdades, sem restrições por formas irracionais de coerção estatal.

Para McCormick, no entanto, esse não é o fim da história. Na medida em que o liberalismo trata do pluralismo, entendido como pessoas livres vivendo como indivíduos e grupos em uma determinada sociedade, ele implica grandes limites ao poder estatal. De Regno sobre o dualismo Gelasiano, postula McCormick, pode ser visto como precursor dessa compreensão do pluralismo. Obviamente, o alcance do pluralismo no mundo da cristandade medieval é diferente daquele do Ocidente do século XXI. Também podemos nos perguntar o que, na ausência de um amplo compromisso com certas reivindicações religiosas e filosóficas, impedirá que o pluralismo liberal desmorone em um tribalismo agressivo.

Dito isso, tanto o pluralismo moderno quanto o De Regno rejeitam não apenas a ideia de um Estado onipotente, mas também a religião civil (o Estado usurpando a autoridade religiosa e comandando a religião para seus próprios propósitos) e a teocracia (funcionários religiosos assumindo autoridade política). Além disso, o pluralismo fornece, diz McCormick, “um relato fundamentalmente mais modesto e humilde da política e da sociedade” do que o racionalismo, especialmente devido ao reconhecimento do pluralismo de que os grupos “têm vida antes do Estado” e, pelo menos no caso da Igreja, “depois da Estado” também. A mesma modéstia sobre a competência do Estado é parte integrante da teoria da política de De Regno.

Cuidado com a lacuna

Essa forma de pluralismo se encaixa bem com a ênfase cristã no que McCormick chama de lacuna entre o mundo em que os humanos vivem e o mundo que está por vir. Teólogos e filósofos há muito lutam com o significado dessa fissura para viver uma vida cristã e suas implicações para a política.

Agostinho explorou o tema por meio de sua ideia das Duas Cidades. Em contraste, afirma McCormick, Rousseau considerou essa lacuna como uma criadora de desculpas para não agir por meio da política para criar um mundo melhor. Os teólogos da libertação, pode-se acrescentar, buscaram uma solução imanentizando o escaton por meio de sua adoção da análise marxista. Ao fazer isso, eles desmoronaram a fé na política e reduziram a Igreja a apenas mais uma organização política vendendo ilusões do céu na terra. O dano subsequente ainda marca o catolicismo latino-americano hoje. Tampouco é difícil detectar uma grande quantidade de imanentismo entre os cristãos e judeus contemporâneos para quem a fé religiosa é principalmente sobre justiça social – e pouco mais do que isso.

De Regno, de acordo com McCormick, procura ajudar os governantes a administrar essa tensão, evitando a apatia, o utopismo ou colocando muita fé na política. É aí que reside a praticidade de De Regno. Não se trata de ser pragmático, muito menos um praticante de realpolitik. Em vez disso, De Regno encoraja os governantes a buscar fins nobres, mas não promete aos governantes que eles alcançarão seus objetivos. Em vez disso, o rei é encorajado a ser alguém que promove a paz e a justiça de uma maneira que o orienta e seus súditos para – mas sem que ele procure instanciar – “a bem-aventurança mediada pela Igreja”, algo que exclui pensar que é possível fazer o mal para alcançar o bem. Para McCormick, o caminho traçado por De Regno para o governante é aquele que lhe permite “crescer em virtude e servir seu povo não apesar da lacuna, mas por causa dela”.

Isso se soma a uma delicada ideia de política que reflete a cuidadosa integração de Tomás de Aquino da ética aristotélica e da teologia política agostiniana com o conhecimento dos horizontes últimos para os quais o Apocalipse aponta. Na verdade, pode ser um projeto político muito frágil. Pois a maneira de fazer política descrita em De Regno depende de governantes, cidadãos e clérigos que mantêm distinções sutis em suas mentes sobre quem deve dizer e fazer o quê e quando. Essa é uma pergunta difícil na melhor das hipóteses, como ilustrado pelo grande número de legisladores e clérigos hoje e no passado inclinados a interminavelmente se pronunciar sobre coisas que eles não têm responsabilidade nem proficiência para abordar.

Se, no entanto, quisermos evitar as armadilhas do estatismo integralista ou progressista, De Regno tem muito a nos ensinar. Descrever Tomás de Aquino como um liberal sempre gerará polêmica. No entanto, McCormick ilustra que o De Regno nos fornece uma política que leva a sério a liberdade e a virtude – mas sempre juntos e nunca separados. E isso deveria importar para qualquer um, religioso ou não, que recuse tanto o niilismo quanto o coletivismo.

 

 

Artigo original aqui