A importância de se combater a esquerda

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

[Análise do livro Contra a esquerda, de Lew Rockwell, disponibilizado para compra aqui.]

Desde a eleição de Barack Obama para a presidência dos EUA em 2008, o Partido Democrata, assim como o progressismo em geral, tem se movido cada vez mais para a esquerda. A eleição de Donald Trump para a presidência em 2016 acelerou e intensificou esse movimento para a esquerda.

Os ideais socialistas e estatistas dos democratas, esquerdistas e progressistas são bem conhecidos: coletivismo, paternalismo, aborto (às custas do contribuinte para mulheres de baixa renda), movimento transgênero, feminismo, justiça social, igualitarismo econômico, governo maior e mais intrusivo, sindicalismo, aumento da regulamentação governamental da economia e da sociedade, educação pública, benefícios trabalhistas obrigatórios, ambientalismo, mudança climática, um salário mínimo cada vez maior, leis antidiscriminação, ação afirmativa, bem-estar social, impostos mais altos sobre “o ricos ”, programas de transferência de renda, esquemas de redistribuição de riqueza e a defesa de cada estilo de vida alternativo conhecido pelo homem.

Logo, damos graças a Deus pela recente publicação de um antídoto para os males da ideologia de esquerda: Este pode muito bem ser o livro mais radical e politicamente incorreto que você lerá este ano – ou talvez que já tenha lido.

Llewellyn “Lew” Rockwell é um notável escritor libertário, blogueiro prolífico, comentarista político astuto e orador articulado; o fundador e presidente do Ludwig von Mises Institute em Auburn, Alabama; o fundador e editor do site diário de notícias e opinião LewRockwell.com; e o ex-chefe de gabinete do Congresso de Ron Paul, o eterno amigo dos contribuintes quando ele estava na Câmara dos Representantes dos EUA.

Contra a esquerda é um livro pequeno, mas poderoso. Ele contém uma breve introdução e conclusão e seis capítulos, intitulados “O ataque à família”, “‘Direitos civis’ e deficiências”, “Imigração”, “Ambientalismo”, “Igualitarismo econômico” e “Libertarismo de esquerda”. O longo prefácio do livro foi escrito por Hans-Hermann Hoppe, o famoso economista e teórico político. Não há notas de rodapé ou bibliografia, mas Contra a esquerda foi escrito para o público em geral, e livros importantes para leitura adicional são recomendados em toda parte. Muito do conteúdo de cada um dos capítulos do livro foi retirado de artigos publicados anteriormente. Este conteúdo foi, em sua maior parte, perfeitamente integrado. Os insights dos economistas e teóricos políticos Ludwig von Mises e Murray Rothbard são “básicos” para o livro, e Rockwell os cita com frequência.

O capítulo mais longo de Contra a esquerda é o primeiro, sobre o ataque à família. Isso não é surpresa, já que “um tema central” do livro “é a importância da família tradicional para preservar nossa liberdade e civilização”. Rockwell afirma que “o ataque moderno à família origina-se do socialismo”. Embora seja um libertário, Rockwell também é assumidamente um tradicionalista: “Para manter uma sociedade livre, é essencial preservar a família tradicional, ou seja, a união de um homem e uma mulher no casamento, na maioria dos casos para constituir uma família.” Ele acredita que “a ameaça fundamental à liberdade vem de programas esquerdistas para promover a igualdade absoluta”. Ele explica como “a igualdade legal não abole as diferenças biológicas”. O “fracasso de todos os esquerdistas” é “ignorar este ponto”. Neste capítulo, Rockwell aborda o “casamento” do mesmo sexo, homossexuais nas forças armadas, feminismo e a farsa de que as mulheres ganham menos, em média, do que os homens.

No capítulo dois, Rockwell discute discriminação, “direitos” civis, racismo, a legislação para deficientes, a lei de benefícios aos veteranos, e “a maior de todas as vacas sagradas: a decisão Brown.” Ele afirma que “a lei de discriminação limita a liberdade dos proprietários de usar seu dinheiro como bem entenderem”. Ele explica como “em nome de provar que você não está discriminando um grupo específico, sua única proteção é discriminar em favor desse grupo”. Rockwell considera “o pressuposto implícito” por trás das leis de discriminação como “a ideia de que juízes e burocratas podem descobrir a verdadeira motivação por trás de cada decisão de contratação, demissão ou gestão de mão de obra”. Em uma sociedade livre, “os empregadores podem contratar ou demitir por qualquer motivo que desejarem”. Eles “podem ser tendenciosos, preconceituosos ou ter mau julgamento”, mas esse é seu “julgamento”. Rockwell acredita que “a extensão do racismo na sociedade americana é exagerada”. O estado usa o “esquema do racismo” para silenciar seus críticos e justificar “sua extensão adicional de poder sobre educação, emprego, redistribuição de riqueza e muito mais.” Rockwell também explica como o estado está realmente dizendo aos deficientes: “Sua falta de habilidade em uma área específica lhe dá direito à propriedade dos outros.”

O capítulo três é dedicado a um assunto controverso entre os libertários: a imigração. Rockwell acredita que é impossível que “os EUA ou a Europa sejam um lugar mais livre após várias décadas de imigração em massa ininterrupta.” Ele explica por que a posição de “imigração livre” não é análoga ao livre comércio, “como alguns libertários erroneamente alegaram”. Sua solução para o problema da imigração é a “privatização total” de tudo. Com todas as propriedades privadas, a imigração “caberia a cada proprietário individual”. Nesse ínterim, porque neste momento “as decisões de imigração são tomadas por uma autoridade central, com os desejos dos proprietários completamente desconsiderados”, a forma correta de proceder “é descentralizar a tomada de decisões sobre imigração para o nível mais baixo possível, para nos aproximar cada vez mais da posição libertária adequada, em que os proprietários individuais consentem com os vários deslocamentos das pessoas.”

O quarto capítulo, sobre ambientalismo, é o mais radical do livro. Rockwell não recicla ou conserva “exceto quando vale a pena fazer isso.” Ele prefere ar-condicionado, ambientes fechados sem insetos e desenvolvimento em vez de pântanos, matagais e selvas. A inteligência dos golfinhos, macacos e abelhas “não lhes dá direitos” sobre os humanos. “Seu único valor real vem do que eles podem fazer pelo homem.” Sua “seção favorita da loja de materiais de construção é a que tem inseticidas, herbicidas, armadilhas para bichos e venenos de todos os tipos”. A natureza deve ser domesticada, cortada, restringida e controlada para o benefício da humanidade. Pântanos “devem ser drenados” e as florestas tropicais “voltadas para a agricultura produtiva”. Rockwell se opõe ao “planejamento central mundial para controlar o clima e proteger a terra sagrada dos efeitos da industrialização”, ao mesmo tempo que defende a alta civilização, o capitalismo, os direitos de propriedade e os mercados.

Neste capítulo, Rockwell também aborda o assunto das regulamentações governamentais de alimentos – “outra área cara ao coração dos ambientalistas”. Ele explica que “quando as pessoas dizem que o governo deve fazer x, y e z, elas estão realmente dizendo que essas pessoas” – uma “classe de interesses especiais vaidosos, mesquinhos e gananciosos, todos entusiasmados com o que farão com o seu dinheiro assim que obtiverem ou mantiverem o poder”— “pessoas devem receber o poder de nomear outras pessoas para posições permanentes de poder para dizer a você e aos seus o que podem e não podem fazer com suas vidas e propriedades, e ainda saírem com alguma compensação pelo incômodo.” Aqui Rockwell faz uma pergunta legítima para os esquerdistas: “Devemos nossa saúde e segurança às regulamentações governamentais ou à capacidade de resposta da economia de mercado bem capitalizada às nossas preferências e necessidades?” Ele explica que a maioria das pessoas “está muito disposta a dar crédito ao governo por tudo o que é bom no mundo e igualmente inclinada a ignorar a liberdade de mercado como uma fonte de tudo o que chamamos de progresso civilizacional”. Rockwell conclui: “O estado desde o mundo antigo até o presente não criou nada. Só tomou. O mercado, por outro lado, faz mais milagres todos os dias do que podemos contar.”

Rockwell assume o nebuloso termo igualdade no quinto capítulo. Os defensores da igualdade “fazem muito pouco esforço para nos revelar exatamente o que têm em mente”. Ele acredita que a “obsessão” com a igualdade “mina todos os indicadores de saúde que podemos procurar em uma civilização”. É no decorrer do trabalho em prol da igualdade que “o estado expande seu poder às custas de outras formas de associação humana, incluindo a própria família”. Rockwell acredita na capacidade do mercado de “incorporar praticamente qualquer pessoa à divisão do trabalho”. E “mesmo que uma pessoa seja melhor do que outra em absolutamente tudo, a pessoa menos capaz ainda pode florescer no mercado livre”. Neste capítulo, Rockwell também explica como “a luta pela liberdade” não deve ser confundida com feminismo e zomba da ideia de que o uso de pronomes tradicionais é “opressor para pessoas que não se identificam com o gênero que lhes foi atribuído no nascimento.’”

O último capítulo, sobre o libertarianismo de esquerda, é o mais curto do livro, mas importante para os libertários. Aqui Rockwell explica como o esquerdismo fez incursões em certos elementos do libertarianismo. Ele vê as “brigas internas” – que não são exclusivas do libertarianismo – como úteis. Afinal, “uma troca de ideias respeitosa é como uma escola de pensamento se desenvolve”. Ele se opõe aos libertários “grossos” – maculados por ideias esquerdistas sobre justiça social e igualitarismo – que buscam transformar o “elegante sistema moral e social” do libertarianismo ao complementar seu princípio fundamental de não-agressão e seu compromisso resoluto com os direitos de propriedade.

Contra a esquerda é uma ótima introdução aos males do esquerdismo e às ideias de Ludwig von Mises e Murray Rothbard.

 

 

 

Artigo original aqui