A Imposição do Banco Central: Manipulando um Movimento, 1897-1902

0
Tempo estimado de leitura: 15 minutos

Por volta de 1900, dois poderosos grupos econômico-industriais, cada um se mantendo através de bancos de investimento, bancos comerciais e recursos industriais, enfrentaram-se, geralmente com hostilidade, na área financeira e, mais importante, na área política. Estas coalizões eram (1) os interesses agrupados em torno do banco Morgan; e (2) uma aliança dos interesses de -Harriman, Kuhn-Loeb. Tornou-se muito mais fácil para essas elites financeiras influenciar e controlar políticos e questões políticas depois de 1900 do que antes. Pois o “Third Party System”, que existiu na América de 1856 a 1896, era composto de partidos políticos, cada um dos quais era altamente ideológico e em intenso conflito com o lado opositor. Enquanto cada partido político, neste caso o democrata, o republicano e vários partidos menores, consistia em uma coalizão de interesses e forças, cada um era dominado por uma ideologia firme com a qual estava fortemente comprometido. Como resultado, os cidadãos frequentemente sentiam lealdade partidária vitalícia, eram socializados em um partido quando cresciam, eram educados em princípios partidários, e em então tinham medidas rígidas para qualquer candidato do partido que tenha renunciado ou traído a causa. Em particular, o Partido Democrata não existia mais, após a aquisição de Bryan em 1896, como um partido comprometido com o laissez-faire e dinheiro sólido. A partir de então, ambos os partidos rapidamente se tornaram Progressistas e moderadamente estatistas.[1]

Como a importância dos partidos políticos diminuiu depois de 1900, e as restrições ideológicas do laissez-faire feitas à intervenção governamental foram gravemente enfraquecidas, o poder daqueles que financiam o governo e estão dentro dele aumentou acentuadamente. Ademais, o Congresso — a arena dos partidos políticos — tornou-se menos importante. Um vácuo de poder desenvolvido pelos intelectuais e especialistas tecnocratas para preencher a burocracia executiva e para dirigir e planejar a vida econômica nacional relativamente incontrolada.

A Casa de Morgan tinha começado, nas décadas de 1860 e 1870, como um banco de investimento financiando e controlando ferrovias, e então, em décadas posteriores, passou a atuar no setor de manufatura e bancos comerciais. Na coalizão oposta, os começaram no setor de petróleo e passaram para a banca comercial; Harriman tinha ganho suas credenciais como um brilhante investidor ferroviário e empresário em concorrência com os Morgan; Kuhn-Loeb começaram na indústria de investimento bancário e financiamento de manufaturas. Desde a década de 1890 até a , grande parte da história política Americana, de programas e conflitos, pode ser interpretada não tanto como “Democrata” versus “Republicano”, mas como a interação ou conflito entre os Morgan e seus aliados de um lado, e a aliança Rockefeller-Harriman-Kuhn-Loeb, do outro.

Assim, Grover Cleveland passou sua vida profissional aliado aos Morgan, e seu gabinete e políticas eram fortemente orientados pelos Morgan; William McKinley, por outro lado, um republicano do estado natal de Rockefeller, Ohio, estava completamente no campo Rockefeller. Em contraste, o vice-presidente de McKinley, que subitamente assumiu a presidência quando McKinley foi assassinado, era Theodore Roosevelt, cuja vida inteira foi passada no âmbito dos Morgan. Quando Roosevelt repentinamente anunciou o Sherman Antitrust Act, antes inefetivo, para tentar destruir a Rockefeller’s Standard Oil, bem como o controle da Northern Pacific Railroad pelos Harriman, isso levou a uma luta titânica entre os dois poderosos grupos financeiros. O presidente Taft, um republicano de Ohio que era próximo aos Rockefeller, revidou ao tentar destruir os dois principais trustes da United States Steel e a International Harvester, dos Morgan. Enfurecidos, os Morgan criaram o novo Partido Progressista em 1912, liderado pelo sócio de Morgan, George W. Perkins, e induziram o popular ex-presidente Roosevelt a concorrer a um terceiro mandato na chapa do Partido Progressista. O objetivo, e o resultado, era destruir as chances de reeleição de Taft, e eleger o primeiro presidente democrata em vinte anos, Woodrow Wilson.[2]

Mas enquanto os dois grupos financeiros se enfrentaram em muitas questões e personalidades, em alguns assuntos eles concordaram e puderam trabalhar em conjunto. Assim, ambos os grupos favoreceram a nova tendência de cartelização em nome do Progressismo e da repressão do suposto monopólio das Grandes Empresas, e ambos os grupos, liderados pelos Morgan, ficaram felizes em colaborar com a National Civic Federation.

Sobre os bancos e sobre a suposta necessidade de um banco central, os dois grupos concordaram de bom grado uma vez mais. E enquanto mais tarde na história do Banco Central haveria uma poderosa luta pelo controle entre as facções, para fundar o Banco Central eles puderam trabalhar em harmonia e mesmo tacitamente concordaram que o Morgan Bank assumiria a liderança e desempenharia o papel de primeiro entre iguais.[3]

O movimento de reforma bancária, patrocinado pelas forças de Morgan e Rockefeller, começou assim que a eleição de McKinley como presidente em 1896 foi assegurada, e a ameaça populista Bryan foi rebatida. Os reformadores decidiram não chocar as pessoas clamando imediatamente por um banco central, mas avançar em direção a ele lentamente, levantando primeiro o ponto geral de que a oferta de dinheiro deve ser curada de sua “inelasticidade”. Os banqueiros decidiram empregar as técnicas que haviam utilizado com sucesso na geração de um movimento pró-padrão ouro em massa em 1895 e 1896. O ponto crucial foi evitar a aparência prejudicial do destaque e controle de Wall Street no novo movimento, criando um movimento “popular” espúrio de empresários não-banqueiros, centrado no nobre coração da América do Meio Oeste, longe do ambiente pecaminoso de Wall Street. Era importante para os banqueiros, a fortiori banqueiros de Wall Street, ocupar um lugar discreto no movimento de reforma, que consistia em ser formado aparentemente por empresários, acadêmicos e outros especialistas supostamente desinteressados.

O movimento de reforma foi oficialmente lançado logo após as eleições de 1896 por Hugh Henry Hanna, presidente da Atlas Engine Works de Indianápolis, que havia participado ativamente do movimento pró-ouro no início do ano; Hanna enviou um memorando à Junta de Comércio de Indianápolis instalando um estado central como Indiana a assumir a liderança na reforma monetária.[4] Os reformadores responderam com notável rapidez. Atendendo ao chamado da Indianapolis Board of Trade, os delegados da Boards of Trade de doze cidades do meio oeste se reuniram em Indianápolis no início de dezembro, e pediram uma grande convenção monetária de empresários de 26 estados, que se reuniu rapidamente em Indianápolis em 12 de janeiro. Esta Convenção Monetária de Indianápolis (CMI) resolveu: (a) incitar o Presidente McKinley a continuar com o padrão ouro; e (b) incitar o presidente a criar um novo sistema de crédito bancário “elástico”, nomeando uma Comissão Monetária para preparar a legislação para um sistema monetário revisado. O CMI nomeou Hugh Hanna como presidente de um comitê executivo permanente que ele indicaria para executar essas políticas.

A influente saudou o CMI por desviar da oposição, apresentando-se como uma reunião de empresários e não de banqueiros. Mas para aqueles que sabem, ficou claro que os principais membros do comitê executivo eram importantes financiadores no âmbito dos Morgan. Dois membros executivos particularmente poderosos foram Alexander E. Orr, banqueiro da cidade de Nova York com orientação de Morgan, comerciante de grãos, diretor de ferrovias e diretor da J. P. Morgan, que possuía a editora Harper Brothers; e o magnata de Milwaukee Henry C. Payne, um líder Republicano, chefe da Wisconsin Telephone Company dominada por Morgan, e diretor de longa data da North American Company, uma gigantesca empresa de reserva de utilidades públicas. Tão perto estava North American Company dos interesses de Morgan que seu conselho incluía dois financiadores dos Morgan; Edmund C. Converse, presidente do Liberty National Bank of New York e em breve presidente fundador da Morgan’s Bankers Trust Company; e Robert Bacon, sócio da J. P. Morgan & Company, e um dos amigos mais próximos de Theodore Roosevelt.[5]

Um terceiro membro do comitê executivo do CMI foi um secretário ainda mais poderoso do comitê e estava ainda mais próximo do império Morgan. Ele era George Hoster Peabody. Toda a família Peabody de Boston Brahmins estava há muito tempo associada pessoal e financeiramente com os Morgan. George Peabody tinha estabelecido uma empresa bancária internacional da qual o pai de J. P. Morgan, Junius, havia sido sócio sênior. Um membro do clã Peabody tinha servido como padrinho no casamento de J. P. Morgan em 1865. George Foster Peabody era um eminente banqueiro de investimento, politicamente liberal de esquerda, de New York, que deveria ajudar os Morgans a reorganizar uma de suas principais empresas industriais, a General Electric, e a quem mais tarde foi oferecido o cargo de Secretário do Tesouro na Administração Wilson. Embora tenha recusado o cargo oficial, Peabody funcionou durante todo o regime Wilson como um conselheiro próximo e “estadista sem portfólio”.

O Presidente McKinley foi altamente favorável ao CMI, e em seu Primeiro Discurso Inaugural, ele endossou a ideia de “alguma revisão” do sistema bancário. Ele prosseguiu no final de julho de 1897 com uma mensagem especial ao Congresso, propondo a criação de uma comissão monetária especial. Um projeto de lei para uma comissão foi aprovado na Câmara, mas falhou no Senado.

Decepcionado, mas imperturbável, o comitê executivo do CMI decidiu em agosto selecionar sua própria Comissão Monetária de Indianápolis. O papel principal na nomeação da nova Comissão foi desempenhado por George Foster Peabody. A Comissão consistia em vários destaques industriais, quase todos ligados às ferrovias Morgan ou, em um caso, à General Electric Company controlada pelos Morgan.[6] O chefe de trabalho da Comissão Monetária foi o economista J. Laurence Laughlin, professor-chefe de Economia Política na University of Chicago, e editor do prestigioso Journal of Political Economy da universidade. Laughlin supervisionou as operações do pessoal da Comissão e os escritos de seus relatórios; o pessoal era composto por dois dos estudantes graduados de Laughlin em Chicago.

A então impressionante soma de $50.000 foi levantada em toda a comunidade bancária e corporativa do país para financiar o trabalho da Comissão Monetária de Indianápolis. A grande cota da cidade de Nova York foi aumentada pelos banqueiros de Morgan Peabody e Orr, e uma grande contribuição veio do próprio J. P. Morgan.

Instalando-se em Washington em meados de setembro, o pessoal da Comissão foi pioneiro em técnicas persuasivas de relações públicas para difundir os relatórios da Comissão de forma ampla e abrangente. Em primeiro lugar, eles enviaram um questionário monetário detalhando as várias centenas de especialistas “imparciais” selecionados, que com certeza responderam às perguntas da maneira desejada. Essas respostas ao questionário foram então obscurecidas como as opiniões recebidas da comunidade empresarial do país. O presidente do CMI Hugh Hanna fez a inspirada escolha de contratar como assistente da Comissão em Washington o jornalista financeiro Charles A. Conant, que havia escrito recentemente A History of Modern Banks of Issue. A Comissão Monetária deveria emitir seu relatório preliminar em meados de dezembro; no início de dezembro, Conant estava batendo os tambores pelas recomendações da Comissão, liderando uma linha avançada do relatório em uma edição da revista Sound Currency, e reforçando as propostas da Comissão com relatórios frequentes de respostas inéditas ao questionário da Comissão. Conant e seus colegas induziram jornais de todo o país a imprimir resumos dessas respostas ao questionário, e dessa forma, como relatou o secretário da Comissão, por “manipulação cuidadosa”, conseguiram que parte ou todo o relatório preliminar da Comissão fosse impresso em quase 7.500 jornais, grandes e pequenos, de todo o país. Assim, muito antes dos dias da correspondência direta computadorizada, Conant e os outros membros do pessoal desenvolveram um sistema de distribuição ou transmissão de quase 100.000 correspondentes “dedicados à promulgação do plano da comissão para a reforma bancária e monetária”.[7]

A ênfase principal do relatório preliminar da Comissão foi completar a vitória de McKinley codificando o único padrão-ouro existente de facto. Mais importante a longo prazo foi um apelo à reforma bancária fundamental para permitir maior “elasticidade”, de modo que o crédito bancário pudesse ser aumentado durante as recessões. Até o momento, havia poucas especificidades para uma transformação tão longa.

O comitê executivo decidiu agora organizar a segunda e última reunião da Convenção Monetária de Indianápolis, que se reuniu naquela cidade em janeiro de 1898. A segunda convenção foi um evento muito mais grandioso do que a primeira, reunindo quase 500 delegados de 31 estados. Além disso, a reunião foi uma amostra dos principais líderes corporativos dos Estados Unidos. O objetivo desta segunda convenção, como o antigo Secretário do Tesouro Fairchild explicou francamente à reunião, era mobilizar os principais empresários do país para um poderoso e influente movimento de reforma bancária. Como ele disse, “Se os homens de negócios derem séria atenção e estudarem esses assuntos, eles concordarão substancialmente com a legislação e, assim, concordando, sua influência prevalecerá”. O presidente da convenção, Leslie M. Shaw, Governador de Iowa, foi, no entanto, um pouco desonesto quando ele disse à reunião: “Os senhores hoje não representam os bancos, pois há poucos banqueiros nesse andar. Os senhores representam as indústrias de negócios e os interesses financeiros do país”. Pois lá também havia muitos banqueiros. O próprio Shaw, que posteriormente foi Secretário do Tesouro sob Theodore Roosevelt, foi um banqueiro de uma pequena cidade de Iowa, presidente do Bank of Denison, que não viu nada de errado em continuar neste cargo durante todo o seu mandato como governador. Mais importante para a carreira de Shaw foi o fato de que ele foi um membro líder de longa data da Des Moines Regency, a máquina Republicana de Iowa liderada pelo poderoso senador William Boyd Allison. Allison, que mais tarde iria obter o posto no Tesouro para Shaw, estava por sua vez intimamente ligado a Charles E. Perkins, um aliado próximo de Morgan, presidente da Chicago, Burlington and Quincy Railroad, e parente do altamente influente grupo financeiro Forbes, de Boston, há muito ligado aos interesses dos Morgan.

Também serviram como delegados a essa convenção vários economistas eminentes que, entretanto, intrinsecamente vieram não como observadores acadêmicos, mas francamente como representantes de setores da comunidade empresarial. Assim o Professor Jeremiah W. Jenks, da Universidade de Cornell, um dos principais defensores do cartelização do governo e da aplicação dos trustes, logo se tornou amigo e conselheiro de Theodore Roosevelt como governador de Nova York, veio como delegado da Ithaca Business Men’s Association. Frank W. Taussig de Harvard representou a Cambridge Merchant’s Association; Arthur Twining Hadley, de Yale, em breve presidente da Yale University, veio como representante da New Haven Chamber of Commerce; e Fred M. Taylor da University of Michigan veio representando a Ann Arbor Business Men’s Association. Cada um desses homens ocupava cargos poderosos na profissão de economia organizada, Jenks, Taussig e Taylor servindo no Currency Committee of the American Economic Association. Hadley, um importante economista ferroviário, também serviu no conselho de administração de duas importantes ferrovias dos Morgan: a de Nova York, New Haven e Hartford, e a de Atchison, Topeka e Santa Fe.

Tanto Taussig quanto Taylor foram teóricos monetários que insistiram na reforma para tornar a oferta de dinheiro mais elástica. Taussig queria uma expansão das notas bancárias nacionais, para inflacionar em resposta às “necessidades dos negócios”, para que a moeda “crescesse sem obstáculos como as necessidades da comunidade espontaneamente pedem para aumentar”. Taylor, também, insistiu numa modificação do padrão ouro para “um controle consciente do movimento do dinheiro” por parte do governo “a fim de manter a estabilidade do sistema de crédito”. Taylor chegou ao ponto de justificar a suspensão do pagamento de espécies pelo governo a fim de “proteger a reserva de ouro”.[8]

No final de janeiro, a Convenção endossou devidamente o relatório preliminar com unanimidade virtual, após o que foi atribuída ao Professor Laughlin a tarefa de redigir um Relatório Final mais elaborado da Comissão, que foi publicado e distribuído alguns meses depois. Com o endosso da augusta adesão à Convenção assegurada, o Relatório Final de Laughlin finalmente colocou os pingos nos is: pois o relatório não apenas resultou num grande aumento da emissão de notas bancárias nacionais, mas também pediu explicitamente um Banco Central que gozaria do monopólio da emissão de notas bancárias.[9]

Os delegados da Convenção prontamente levaram o evangelho da reforma bancária e de um banco central para as comunidades corporativas e financeiras a cabo. Assim, em abril de 1898, A. Barton Hepburn, historiador monetário e presidente do Chase National Bank of New York, naquela época o principal banco comercial para os interesses dos Morgan, e um homem que desempenharia um papel de liderança no esforço para estabelecer um banco central, convidou o Comissário Monetário Robert S. Taylor a se dirigir à Associação de Banqueiros do Estado de Nova York sobre a questão da moeda, já que “os banqueiros, como outras pessoas, precisam de instruções sobre esse assunto”. Todos os Comissários Monetários, especialmente Taylor, estiveram ativos durante este período, exortando grupos de empresários em todo o país em nome da reforma bancária.[10]

Enquanto isso, a equipe de lobby de Hanna e Conant foi extremamente ativa em Washington. Um projeto de lei que incorpora as propostas da Comissão Monetária de Indianápolis foi introduzido na Câmara pelo congressista de Indiana, Jesse Overstreet, em janeiro, e foi relatado pelo Comitê de Moeda e Serviços Bancários Domésticos em maio. Enquanto isso, Conant também se reuniu continuamente com os membros do Banking Committee, enquanto Hanna enviou repetidamente cartas circulares aos delegados da Convenção e ao público, pedindo um abaixo assinado em apoio ao projeto de lei em cada etapa do processo do Congresso.

Em meio a essa agitação, o Secretário do Tesouto de McKinley, Lyman J. Gage, trabalhou de perto com Hanna, Conant e seu pessoal. Ele patrocinou vários projetos de lei seguindo as mesmas linhas. Gage, um amigo de vários Comissários Monetários, foi um dos principais líderes dos interesses dos no campo bancário. Sua nomeação como Secretário do Tesouro havia sido assegurada para ele por Mark Hanna, de Ohio, articulador político e financiador do Presidente McKinley, velho amigo de colégio, e sócio de negócios, do Sr. John D. Rockefeller. Antes de sua nomeação para o Gabinete, Gage havia sido presidente do poderoso First National Bank of Chicago, um dos principais bancos comerciais no âmbito dos Rockefeller. Durante seu mandato, Gage tentou operar o Departamento do Tesouro como um banco central, bombeando dinheiro durante as recessões, comprando títulos do governo no mercado aberto e depositando grandes fundos em bancos comerciais fantoches.

Em 1900, Gage clamou em vão pelo estabelecimento de bancos centrais regionais. Finalmente, em seu último relatório anual como Secretário do Tesouro em 1901, Lyman Gage apelou diretamente por um banco central governamental. Sem tal banco central, ele declarou em alarme: “bancos individuais ficam isolados e separados, unidades separadas, sem nenhum vínculo de reciprocidade entre eles”. A menos que um banco central pudesse estabelecer tais laços, ele advertiu que o pânico de 1893 se repetiria.

Qualquer legislação de reforma, entretanto, teve de esperar até que as forças do ouro pudessem assegurar o controle do Congresso nas eleições de 1898. No outono, o comitê executivo permanente da Convenção Monetária de Indianápolis mobilizou suas forças, convocando 97.000 correspondentes em todo o país, aos quais havia distribuído seu relatório preliminar. O comitê executivo exortou seus leitores a eleger um Congresso de padrão ouro, uma tarefa que foi realizada em novembro.

Como resultado, a administração McKinley poderia agora apresentar seu projeto de lei para codificar o padrão ouro único, que o Congresso aprovou como o Gold Standard Act de março de 1900. A Primeira Fase da tarefa dos reformadores havia sido realizada: o ouro era o padrão único, e a ameaça da prata havia sido esmagada. Menos conhecidas são as cláusulas do Gold Standard Act que iniciaram a marcha em direção a uma moeda mais “elástica”. As exigências de capital para os bancos nacionais em pequenas cidades e áreas rurais foram agora flexibilizadas e foi facilitada a emissão de notas pelos bancos nacionais. O objetivo era atender a uma demanda popular por “mais dinheiro” nas áreas rurais na época da rotação de colheita.

Mas os reformadores consideraram o Gold Standard Act como apenas o primeiro passo para uma reforma bancária fundamental. Assim, Frank Taussig, no jornal econômico de Harvard, enalteceu o Gold Standard Act, e ficou particularmente gratificado por ser o resultado de um novo alinhamento social e ideológico, desencadeado pela “forte pressão da comunidade empresarial” através da Convenção Monetária de Indianápolis. Mas Taussig advertiu que mais reformas eram necessárias para permitir uma maior expansão do dinheiro e do crédito bancário.[11]

Mais detalhado ao pedir reformas em seu comentário sobre o Gold Standard Act foi Joseph French Johnson, Professor de Finanças na Wharton School of Business, na Universidade da Pensilvânia. Johnson lamentou o sistema bancário dos EUA como o pior do mundo, e apontou o contraste com os gloriosos sistemas bancários centrais existentes na Grã-Bretanha e na França. Nos Estados Unidos, porém, infelizmente, “não há uma única instituição comercial, e nenhum grupo de grandes instituições, nas quais o interesse próprio, a responsabilidade e o poder se unem e conspiram naturalmente para a proteção do sistema monetário contra reviravoltas e tensões”. Em resumo, havia liberdade e descentralização demais no sistema bancário, de modo que a estrutura de crédito de depósito “treme” quando a expansão do crédito leva a demandas por dinheiro ou ouro.[12] Johnson havia sido um mentor e amigo próximo, no Chicago Tribune, de ambos, Lyman Gage e Frank A. Vanderlip, o qual deveria desempenhar um papel particularmente importante na movimentação por um banco central. Quando Gage foi para Washington como Secretário do Tesouro, ele trouxe Vanderlip como seu Secretário Assistente. Com a adesão de Roosevelt à Presidência, Gage deixou o Gabinete no início de 1902, e Gage, Vanderlip e Conant deixaram o Gabinete para ocupar as primeiras posições bancárias em Nova York.[13]

A pressão política pela reforma depois de 1900 foi exercida pelos grandes banqueiros. A. Barton Hepburn, chefe do Chase National Bank, dos Morgan, elaborou um projeto de lei como chefe de uma comissão da Associação Americana de Banqueiros, e o projeto foi apresentado ao Congresso no final de 1901 pelo Deputado Charles N. Fowler de Nova Jersey, presidente do Comitê de Moeda e Serviços Bancários Domésticos. O projeto de lei Hepburn-Fowler foi relatado fora do comitê no mês de abril seguinte. O Projeto de Lei Fowler permitiu uma maior expansão das notas bancárias nacionais; também permitiu que os bancos nacionais estabelecessem agências no país e no exterior, uma medida que havia sido ilegal (e ainda era ilegal até muito recentemente) devido à oposição feroz de banqueiros de pequenos países. Em terceiro lugar, o Projeto de Lei Fowler propôs a criação de um conselho de controle de três membros de dentro do Departamento do Tesouro para supervisionar novas notas bancárias e para estabelecer centros de compensação. Isso teria sido um passo em direção a um banco central. Mas, neste ponto, a oposição feroz dos banqueiros do país conseguiu matar o Projeto de Lei Fowler no plenário da Câmara em 1902, apesar da agitação a seu favor por parte do comitê executivo e do pessoal da Convenção Monetária de Indianápolis.

Assim, a oposição dos banqueiros de pequenos países conseguiu parar o esforço de reforma no Congresso. Tentando outro caminho, Leslie Shaw, o secretário do Tesouro de Theodore Roosevelt, procurou continuar e expandir as experiências de Lyman Gage para fazer o Tesouro Americano funcionar como um banco central. Em particular, Shaw fez compras no mercado aberto em recessões e violou os estatutos do Tesouro Independente, que restringiam os fundos do Tesouro aos seus próprios cofres, ao depositar fundos do Tesouro em grandes bancos nacionais favorecidos. Em seu último relatório anual de 1906, o Secretário Shaw insistiu que lhe fosse dado poder total para regular todos os bancos do país. Mas, a essa altura, todos os reformadores haviam classificado esses esforços como um fracasso; um banco central em si era considerado claramente necessário.

 

__________________________

Notas

[1]     Cf., entre outros, Paul Kleppner, The Third Electoral System, 1853-1892: Parties, Voters, and Political Cultures (Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1979).

[2]     Em seguida, Cf. Philip H. Burch, Jr., Elites in American History, Vol.2: From the Civil War to the New Deal (Nova Iorque: Holmes & Meier, 1981).

[3]     O gosto de J. P. Morgan por um banco central foi acentuado pela memória de que o banco do qual seu pai Junius era sócio júnior — a firma londrina George Peabody and Company — foi salvo da falência no Pânico de 1857 por um crédito de emergência do Banco da Inglaterra. O idoso Morgan assumiu a firma quando Peabody se aposentou, e seu nome foi mudado para J. S. Morgan and Company. Cf. Ron Chernow, The House of Morgan (Nova Iorque: Atlantic Monthly Press, 1990), pp. 11-12.

[4]     Para o memorando, veja de longe o melhor livro sobre o movimento que culmina no Sistema do Banco Central, James Livingston, Origins of the Federal Reserve System: Money, Class, and Corporate Capitalism, 1890-1913 (Ithaca, N.Y.: Cornell University Press, 1986).

[5]     Quando Theodore Roosevelt se tornou presidente ele fez de Bacon Secretário de Estado Adjunto, enquanto Henry Payne assumiu o cargo de chefe político dos Correios-Gerais dos Estados Unidos.

[6]     Alguns exemplos: Ex-secretário do Tesouro (sob o comando de Cleveland) Charles S. Fairchild, um importante banqueiro de Nova York, ex-sócio do Boston Brahmin, empresa bancária de investimentos de Lee, Higginson & Company, orientada por Morgan. O pai de Fairchild, Sidney T., foi um dos principais promotore da New York Central Railroad, controlada pelos Morgan. Outro membro da Comissão era Stuyvesant Fish, herdeiro de duas velhas famílias aristocráticas de Nova York, parceira do banco ce investimento de Morton, Bliss & Company em Nova York, dominado pelos Morgan, e presidente da Illinois Central Railroad. Um terceiro membro era William B. Dean, mercador de St. Paul, Minnesota, e o diretor da rodovia transcontinental sediada em St. Paul, Great Northern, que era de James J. Hill, um poderoso aliado dos Morgan em sua batalha titânica com os Harriman, Rockefeller e Kuhn-Loeb pelo controle da Northern Pacific Railroad.

[7]Livingston, Origins, pp. 109-10.

[8]     Joseph Dorfman, The Economic Mind in American Civilization (Nova Iorque: Viking Press, 1949), vol. 3, pp. xxxviii, 269,392-93.

[9]     O Relatório Final, incluindo a recomendação para um Banco Central, foi aclamado pelo delegado da Convenção F. M. Taylor na revista econômica de Laughlin, o Journal of Political Economy. Taylor também exultou que a Convenção tinha sido “um dos momentos mais notáveis de nosso tempo — o primeiro movimento organizado minuciosamente das classes empresariais em todo o país voltado para a realização de uma mudança radical na legislação nacional. F. M. Taylor, “The Final Report to the Indianapolis Monetary Commission”, Journal of Political Economy (6 de junho de 1898): 322.

[10]   Taylor foi advogado da General Electric Company em Indiana.

[11]   Frank W. Taussig, “The Currency Act of 1900”, Quarterly Journal of Economics 14 (Maio de 1900): 415.

[12]   Joseph French Johnson, “The Currency Act of March 14, 1900” Political Science Quarterly 15 (1900): 482-507.

[13]Gage tornou-se presidente da U.S. Trust Company, controlada pelos Rockefeller; Vanderlip tornou-se vice-presidente do principal banco comercial dos interesses de Rockefeller, o National City Bank of New York; e Conant tornou-se tesoureiro da Morton Trust Company, controlada por Morgan.