A incoerência intelectual do Conservadorismo

3
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

O conservadorismo moderno, nos Estados Unidos e na Europa, é confuso e distorcido. Sob a influência da democracia representativa e com a transformação dos EUA e da Europa em democracias de massa a partir da Primeira Guerra Mundial, o conservadorismo foi transformado de uma força ideológica anti-igualitária, aristocrática e antiestatista em um movimento de estatistas culturalmente conservadores: a direita dos socialistas e social-democratas.

A maioria dos autoproclamados conservadores contemporâneos está preocupada, como deveriam estar, com a decadência das famílias, divórcio, ilegitimidade, perda de autoridade, multiculturalismo, desintegração social, libertinagem sexual e crime. Todos esses fenômenos eles consideram anomalias e desvios da ordem natural, ou o que podemos chamar de normalidade.

No entanto, a maioria dos conservadores contemporâneos (pelo menos a maioria dos porta-vozes do establishment conservador) não reconhece que seu objetivo de restaurar a normalidade requer as mais drásticas, até mesmo revolucionárias, mudanças sociais antiestatistas, ou (se eles sabem disso) eles estão engajados em trair internamente a agenda cultural do conservadorismo para promover uma agenda totalmente diferente.

O fato de isso ser amplamente verdadeiro para os chamados neoconservadores não requer mais explicações aqui. Na verdade, no que diz respeito a seus líderes, suspeita-se que a maioria deles seja do último tipo. Eles não estão realmente preocupados com questões culturais, mas reconhecem que devem jogar a carta do conservadorismo cultural para não perder o poder e promover seu objetivo totalmente diferente de social-democracia global.[1] O caráter fundamentalmente estatista do neoconservadorismo americano é melhor resumido por uma declaração de um de seus principais defensores intelectuais, Irving Kristol:

“[O] princípio básico por trás de um estado de bem-estar social conservador deve ser simples: sempre que possível, as pessoas devem ter permissão para ficar com seu próprio dinheiro – em vez de transferi-lo (por meio de impostos para o estado) – contanto que o dinheiro seja destinado para certos usos definidos.” [Two Cheers for Capitalism, Nova York: Basic Books, 1978, p. 119].

Esta visão é essencialmente idêntica à sustentada pelos modernos sociais-democratas pós-marxistas europeus. Assim, o Partido Social-democrata da Alemanha (SPD), por exemplo, em seu Programa Godesberg de 1959, adotou como lema central o slogan “tanto mercado quanto possível, tanto estado quanto necessário”.

Um segundo ramo, um pouco mais antigo, mas atualmente quase indistinguível do conservadorismo americano contemporâneo, é representado pelo novo (pós-Segunda Guerra Mundial) conservadorismo lançado e promovido, com o auxílio da CIA, por William Buckley e sua National Review. Enquanto o antigo conservadorismo americano (pré-Segunda Guerra Mundial) havia sido caracterizado por visões de política externa decididamente anti-intervencionistas, a marca registrada do novo conservadorismo de Buckley tem sido seu militarismo raivoso e política externa intervencionista.

Em um artigo, “A Young Republican’s View”, publicado no Commonweal em 25 de janeiro de 1952, três anos antes do lançamento de sua National Review, Buckley resumiu o que se tornaria o novo credo conservador: À luz da ameaça representada pelo União Soviética, “nós [os novos conservadores] temos que aceitar o Grande Governo enquanto durar – pois nem uma guerra ofensiva nem defensiva pode ser travada … exceto por meio do instrumento de uma burocracia totalitária dentro de nossas fronteiras.”

Os conservadores, escreveu Buckley, tinham o dever de promover “as extensas e produtivas leis tributárias necessárias para apoiar uma vigorosa política externa anticomunista”, bem como os “grandes exércitos e forças aéreas, energia atômica, inteligência central, conselhos de produção de guerra e a consequente centralização do poder em Washington.”

Não é de surpreender que, desde o colapso da União Soviética no final da década de 1980, essencialmente nada nessa filosofia tenha mudado. Hoje, a continuação e preservação do estado americano de guerra do bem-estar social é simplesmente desculpada e promovida por novos e neoconservadores com referência a outros inimigos e perigos estrangeiros: China, fundamentalismo islâmico, Saddam Hussein, “estados rebeldes” e a ameaça de “terrorismo global”.

No entanto, também é verdade que muitos conservadores estão genuinamente preocupados com a desintegração ou disfunção familiar e o declínio cultural. Estou pensando aqui em particular no conservadorismo representado por Patrick Buchanan e seu movimento. O conservadorismo de Buchanan não é de forma alguma tão diferente daquele do partido republicano conservador como ele e seus seguidores imaginam. Em um aspecto decisivo, seu tipo de conservadorismo está em total acordo com o do establishment conservador: ambos são estatistas. Eles divergem sobre o que exatamente precisa ser feito para restaurar a normalidade nos EUA, mas concordam que isso deve ser feito pelo estado. Não há nenhum traço de antiestatismo de princípio em nenhum dos dois.

Deixe-me ilustrar citando Samuel Francis, que foi um dos principais teóricos esrategistas do movimento buchananista. Depois de deplorar a propaganda “anti-brancos” e “anti-ocidental”, “secularismo militante, egoísmo aquisitivo, globalismo econômico e político, inundação demográfica e centralismo de estado desenfreado”, ele expõe um novo espírito de “EUA em primeiro lugar”, que ” implica não apenas colocar os interesses nacionais acima dos de outras nações e abstrações como ‘liderança mundial’, ‘harmonia global’ e a ‘Nova Ordem Mundial’, mas também dar prioridade à nação sobre a satisfação de interesses individuais e subnacionais.”

Como ele propõe resolver o problema da degeneração moral e do declínio cultural? Não há reconhecimento de que a ordem natural na educação significa que o estado não tem nada a ver com isso. A educação é um assunto inteiramente familiar e deve ser produzida e distribuída em acordos cooperativos dentro da estrutura da economia de mercado.

Além disso, não há reconhecimento de que a degeneração moral e o declínio cultural têm causas mais profundas e não podem simplesmente ser curados por mudanças curriculares impostas pelo estado ou exortações e declamações. Ao contrário, Francis propõe que a reviravolta cultural – a restauração da normalidade – pode ser alcançada sem uma mudança fundamental na estrutura do moderno Estado de bem-estar social. Na verdade, Buchanan e seus ideólogos defendem explicitamente as três instituições centrais do estado de bem-estar social: previdência social, assistência médica e subsídio de desemprego. Eles querem até expandir as responsabilidades “sociais” do Estado, atribuindo a ele a tarefa de “proteger”, por meio de restrições nacionais de importação e exportação, empregos americanos, especialmente em indústrias de interesse nacional, e “proteger os salários dos trabalhadores americanos de trabalhadores estrangeiros que têm que trabalhar por US$ 1 por hora ou menos.”

Na verdade, os buchananitas admitem abertamente que são estatistas. Eles detestam e ridicularizam o capitalismo, o laissez-faire, o livre mercado e o comércio, a riqueza, as elites e a nobreza; e eles defendem um novo conservadorismo populista – na verdade proletário – que amalgama conservadorismo social e cultural e economia socialista. Assim, continua Francis,

embora a esquerda pudesse conquistar os americanos médios por meio de suas medidas econômicas, ela os perdeu por meio de seu radicalismo social e cultural, e enquanto a direita poderia atrair os americanos médios por meio de apelos à lei e à ordem e à defesa da normalidade sexual, moral convencional e religião, instituições sociais tradicionais e invocações de nacionalismo e patriotismo, perdeu os americanos médios quando as combinou com suas velhas fórmulas econômicas burguesas.

Portanto, é necessário combinar as políticas econômicas da esquerda e o nacionalismo e conservadorismo cultural da direita, para criar “uma nova identidade que sintetize os interesses econômicos e as lealdades culturais e nacionais da classe média proletarizada em um movimento político separado e unificado.”[2] Por razões óbvias, essa doutrina não tem esse nome, mas há um termo para esse tipo de conservadorismo: é chamado de nacionalismo social ou nacional-socialismo.

(Quanto à maioria dos líderes da chamada direita cristã e da “maioria moral”, eles simplesmente desejam a substituição da atual elite liberal de esquerda encarregada da educação nacional por outra, isto é, eles próprios. “De Burke em diante, “Robert Nisbet criticou essa postura”, tem sido um preceito conservador e um princípio sociológico desde Auguste Comte que a maneira mais segura de enfraquecer a família, ou qualquer grupo social vital, é o governo assumir, e então monopolizar, funções históricas da família.”Em contraste, grande parte da direita americana contemporânea “está menos interessada nas imunidades burkeanas do poder governamental do que em colocar o máximo do poder governamental nas mãos daqueles em quem podemos confiar. É o controle do poder, não diminuição de poder, que é mais valorizado.”)

Não vou me preocupar aqui com a questão de se o conservadorismo de Buchanan tem ou não apelo de massa e se seu diagnóstico da política americana é ou não sociologicamente correto. Duvido que seja esse o caso, e certamente o resultado de Buchanan durante as primárias presidenciais republicanas de 1995 e 2000 não indica o contrário. Em vez disso, quero abordar as questões mais fundamentais: presumindo que tenha tal apelo; isto é, assumindo que o conservadorismo cultural e a economia socialista podem ser combinados psicologicamente (isto é, que as pessoas podem sustentar ambas as visões simultaneamente sem dissonância cognitiva), eles também podem ser eficaz e praticamente (econômica e praxeologicamente) combinados? É possível manter o atual nível de socialismo econômico (previdência social, etc.) e alcançar o objetivo de restaurar a normalidade cultural (famílias naturais e regras normais de conduta)?

Buchanan e seus teóricos não sentem necessidade de levantar essa questão, pois acreditam que a política é apenas uma questão de vontade e poder. Eles não acreditam em coisas como leis econômicas. Se as pessoas desejam suficientemente algo, e recebem o poder de implementar a sua vontade, tudo pode ser alcançado. O “economista austríaco morto” Ludwig von Mises, a quem Buchanan se referiu com desprezo durante suas campanhas presidenciais, caracterizou essa crença como “historicismo”, a postura intelectual dos Kathedersozialisten alemães, os acadêmicos Socialistas da Cátedra, que justificavam toda e qualquer medida estatista.

Mas o desprezo historicista e a ignorância da economia não alteram o fato de que existem leis econômicas inexoráveis. Você não pode comer seu bolo e continuar a tê-lo, por exemplo. Ou o que você consome agora não pode ser consumido novamente no futuro. Ou produzir mais de um bem requer produzir menos de outro. Nenhum pensamento positivo pode fazer essas leis desaparecerem. Acreditar de outra forma só pode resultar em fracasso prático. “Na verdade”, observou Mises, “a história econômica é um longo histórico de políticas governamentais que falharam porque foram elaboradas com um ousado desprezo pelas leis da economia”.[3]

À luz das leis econômicas elementares e imutáveis, o programa buchananista de nacionalismo social é apenas mais um sonho audacioso, mas impossível. Nenhum pensamento positivo pode alterar o fato de que manter as instituições centrais do estado de bem-estar social atual e querer retornar às famílias, normas, conduta e cultura tradicionais são objetivos incompatíveis. Você pode ter um – socialismo (bem-estar social) – ou o outro – moral tradicional – mas você não pode ter ambos, para a economia social-nacionalista, o pilar do atual sistema de estado de bem-estar social que Buchanan quer deixar intocado, é a própria causa das anomalias culturais e sociais.

Para esclarecer isso, é necessário apenas lembrar uma das leis mais fundamentais da economia que diz que toda riqueza ou redistribuição de renda compulsória, independentemente dos critérios em que se baseia, envolve tirar de alguns – os possuidores de algo – e dar a outros – os não possuidores de algo. Consequentemente, o incentivo para ser um possuidor é reduzido e o incentivo para ser um não-possuidor é aumentado. O que o possuidor tem é caracteristicamente algo considerado “bom”, e o que o não-possuidor não tem é algo “ruim” ou uma deficiência. Na verdade, esta é a própria ideia subjacente a qualquer redistribuição: alguns têm muitas coisas boas e outros não o suficiente. O resultado de toda redistribuição é que, com isso, se produzirá menos bem e cada vez mais mal, menos perfeição e mais deficiências. Ao subsidiar com fundos de impostos (com fundos tirados de terceiros) pessoas que são pobres, mais pobreza (ruim) será criada. Ao subsidiar pessoas porque estão desempregadas, mais desemprego (ruim) será criado. Ao subsidiar mães solteiras, haverá mais mães solteiras e mais nascimentos ilegítimos (ruins), etc.

Obviamente, esse insight básico se aplica a todo o sistema da chamada seguridade social que foi implementada na Europa Ocidental (da década de 1880 em diante) e nos Estados Unidos (desde a década de 1930): de “seguro” governamental obrigatório contra velhice, doença, acidentes de trabalho, desemprego, indigência, etc. Em conjunto com o ainda mais antigo sistema obrigatório de educação pública, essas instituições e práticas constituem um ataque maciço à instituição da família e à responsabilidade pessoal.

Ao liberar os indivíduos da obrigação de prover sua própria renda, saúde, segurança, velhice e educação dos filhos, o alcance e o horizonte temporal da provisão privada são reduzidos, e o valor do casamento, família, filhos e relações de parentesco é reduzido. A irresponsabilidade, a visão de curto prazo, a negligência, a doença e até o destruidorismo (males) são promovidos, e a responsabilidade, a clarividência, o zelo, a saúde e o conservadorismo (bens) são penalizados.

O sistema de seguro obrigatório de velhice em particular, pelo qual os aposentados (os idosos) são subsidiados por impostos cobrados sobre os atuais assalariados (os jovens), enfraqueceu sistematicamente o vínculo natural intergeracional entre pais, avós e filhos. Os idosos não precisam mais contar com a ajuda de seus filhos se não tomarem providências para sua própria velhice; e os jovens (normalmente com menos riqueza acumulada) devem sustentar os velhos (normalmente com mais riqueza acumulada), e não o contrário, como é típico nas famílias.

Consequentemente, não apenas as pessoas querem ter menos filhos – e de fato, as taxas de natalidade caíram pela metade desde o início das políticas modernas de seguridade social (bem-estar social) – mas também o respeito que os jovens tradicionalmente concedem aos mais velhos é reduzido, e todos os indicadores de desintegração e mau funcionamento da família, como taxas de divórcio, ilegitimidade, abuso infantil, abuso dos pais, abuso do cônjuge, mãe solteira, pai solteiro, estilos de vida alternativos e aborto, aumentaram.

Além disso, com a socialização do sistema de saúde por meio de instituições como Medicaid e Medicare e a regulamentação da indústria de seguros (ao restringir o direito de recusa da seguradora: excluir qualquer risco individual como não segurável e discriminar livremente, de acordo com métodos atuariais, entre diferentes grupos de risco) uma máquina monstruosa de redistribuição de riqueza e renda às custas de indivíduos responsáveis ​​e grupos de baixo risco em favor de pessoas irresponsáveis ​​e grupos de alto risco foi colocada em movimento. Os subsídios para os doentes, insalubres e deficientes geram doenças, enfermidades e deficiências e enfraquecem o desejo de trabalhar para viver e levar uma vida saudável. Não se pode fazer melhor do que citar o “economista austríaco morto” Ludwig von Mises mais uma vez:

estar doente não é um fenômeno independente da vontade consciente. . . . A eficiência de um homem não é meramente resultado de sua condição física; depende muito de sua mente e vontade. . . . O aspecto destrucionista dos seguros de acidentes e de saúde reside sobretudo no fato de tais instituições promoverem acidentes e doenças, dificultar a recuperação e, muitas vezes, criar, ou pelo menos intensificar e prolongar, as perturbações funcionais que se seguem à doença ou ao acidente. . . . Sentir-se saudável é muito diferente de ser saudável no sentido médico. . . . Ao enfraquecer ou destruir completamente a vontade de estar bem e capaz de trabalhar, o seguro social cria doenças e incapacidades para o trabalho; produz o hábito de reclamar – o que em si é uma neurose – e neuroses de outros tipos. . . . Como instituição social, torna as pessoas doentes física e mentalmente ou, pelo menos, ajuda a multiplicar, alongar e intensificar as doenças. . . . O seguro social, portanto, tornou a neurose do segurado uma doença pública perigosa. Caso a instituição seja ampliada e desenvolvida, a doença se espalhará. Nenhuma reforma pode ajudar em nada. Não podemos enfraquecer ou destruir a vontade de saúde sem produzir doenças.[4]

Não desejo explicar aqui o absurdo econômico da ideia ainda mais abrangente de Buchanan e de seus teóricos de políticas protecionistas (de proteger os salários americanos). Se estivessem certos, seu argumento a favor da proteção econômica equivaleria a uma condenação de todo o comércio e a uma defesa da tese de que cada família estaria melhor se nunca negociasse com outra pessoa. Certamente, nesse caso ninguém jamais poderia perder o emprego, e o desemprego devido à concorrência “desleal” seria reduzido a zero.

No entanto, essa sociedade de pleno emprego não seria próspera e forte; seria composta por pessoas (famílias) que, apesar de trabalharem do amanhecer ao anoitecer, estariam condenadas à pobreza e à fome. O protecionismo internacional de Buchanan, embora menos destrutivo do que uma política de protecionismo interpessoal ou inter-regional, teria exatamente o mesmo efeito. Isso não é conservadorismo (os conservadores querem que as famílias sejam prósperas e fortes). Isso é destrucionismo econômico.

De qualquer maneira, o que deveria estar claro agora é que a maior parte, senão toda a degeneração moral e declínio cultural – os sinais da descivilização – ao nosso redor são os resultados inescapáveis ​​e inevitáveis ​​do estado de bem-estar social e suas instituições centrais. Os conservadores clássicos e antiquados sabiam disso e se opunham vigorosamente à educação pública e à seguridade social. Eles sabiam que os estados em todos os lugares tinham a intenção de separar e, em última análise, destruir famílias e as instituições e camadas e hierarquias de autoridade que são o resultado natural de comunidades baseadas na família, a fim de aumentar e fortalecer seu próprio poder. Eles sabiam que, para isso, os estados deveriam aproveitar a rebelião natural do adolescente (jovem) contra a autoridade dos pais. E sabiam que a educação socializada e a responsabilidade socializada eram os meios para concretizar esse objetivo.

A educação social e a seguridade social fornecem uma abertura para o jovem rebelde escapar da autoridade dos pais (para escapar impune de seu mau comportamento contínuo). Os antigos conservadores sabiam que essas políticas emancipariam o indivíduo da disciplina imposta pela família e pela vida comunitária apenas para submetê-lo ao controle direto e imediato do Estado.

Além disso, eles sabiam, ou pelo menos tinham um palpite, que isso levaria a uma infantilização sistemática da sociedade – uma regressão, emocional e mentalmente, da idade adulta para a adolescência ou infância.

Em contraste, o conservadorismo populista-proletário de Buchanan – o nacionalismo social – mostra total ignorância de tudo isso. Combinar conservadorismo cultural e estatismo do bem-estar social é impossível e, portanto, um absurdo econômico. O estatismo do bem-estar social – seguridade social de qualquer maneira, tipo ou forma – gera declínio e degeneração moral e cultural. Assim, se alguém está realmente preocupado com a decadência moral do país e deseja restaurar a normalidade da sociedade e da cultura, deve se opor a todos os aspectos do estado moderno de bem-estar social. O retorno à normalidade requer nada menos do que a eliminação completa do atual sistema de seguridade social: de seguro-desemprego, previdência social, sistema público de saúde, educação pública, etc. – e, portanto, a quase completa dissolução e desconstrução do atual aparato de estado e poder do governo. Para restaurar a normalidade, os fundos e o poder do governo devem diminuir para seus níveis do século XIX ou mesmo cair abaixo destes níveis. Consequentemente, os verdadeiros conservadores devem ser libertários linha-dura (antiestatistas). O conservadorismo de Buchanan é falso: ele quer um retorno à moralidade tradicional, mas ao mesmo tempo defende a manutenção das próprias instituições responsáveis pela destruição da moral tradicional.

A maioria dos conservadores contemporâneos, então, especialmente entre os queridinhos da mídia, não são conservadores, mas socialistas – seja do tipo internacionalista (os novos e neoconservadores estatistas da guerra do bem-estar social e social-democratas globais) ou da variedade nacionalista (os populistas buchananitas). Os conservadores genuínos devem se opor a ambos. Para restaurar as normas sociais e culturais, os verdadeiros conservadores só podem ser libertários radicais e devem exigir a demolição – como uma distorção moral e econômica – de toda a estrutura do estado intervencionista.

 

Artigo original aqui.

___________________________________________________________

Notas

[1] Sobre o conservadorismo Americano modern veja em particular Paul Gottfried, The Conservative Movement, rev. ed. (New York: Twayne Publishers, 1993); George H. Nash, The Conservative Intellectual Movement in America (New York: Basic Books, 1976) Justin Raimondo, Reclaiming the American Right: The Lost Legacy of the Conservative Movement (Burlingame, Calif.: Center for Libertarian Studies, 1993); veja adicionalmente também cap. 11.

[2] Samuel T. Francis, “From Household to Nation: The Middle American populism of Pat Buchanan,” Chronicles (March 1996): 12-16; veja também idem, Beautiful Losers:Essays on the Failure of American Conservatism (Columbia: University of Missouri Press, 1993); idem, Revolution from the Middle (Raleigh, N.C.: Middle American Press, 1997).

[3] Ludwig von Mises, Human Action: A Treatise on Economics, Scholar’s Edition (Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 1998), p. 67. “Príncipes e maiorias democráticas”, escreve Mises, “estão embriagados de poder. Eles devem relutantemente admitir que estão sujeitos às leis da natureza. Mas eles rejeitam a própria noção de lei econômica. Eles não são os legisladores supremos? Eles não têm o poder de esmagar todos os oponentes? Nenhum senhor da guerra está propenso a reconhecer quaisquer limites além daqueles impostos a ele por uma força armada superior. Autores servis estão sempre prontos para promover tal complacência expondo as doutrinas apropriadas. Eles chamam suas presunções distorcidas de “economia histórica”.

[4] Ludwig von Mises, Socialism: An Economic and Sociological Analysis (Indianapolis, md.: Liberty Fund, 1981), pp. 43 1-32.

3 COMENTÁRIOS

  1. Tive um conhecido que se soubesse, se identifucaria como buchananista. Ele se diz conservador (fez filosofia, lê livros conservadores), porém tudo que faz é exaltar e pedir por mais estado, além de nunca criticar o ditadoria, se dizendo uma pessoa preocupada com o próximo e com o social. Isso diz tudo sobre esse movimento conservador que temos atualmente e que lembra até aquele defendido por outros como o terça livre. O único conservador de verdade é o anarcocapitalista, por ser anti estatista, pró livre mercado e individualista, que não quer impor sua vontade ou visão de mundo aos outros usando a política como meio.

  2. Excelente artigo.

    Bem estar social nos levou para estados coletivistas fascistas e socialistas porque a demanda é infinita e os recursos são escassos.

    Na tentativa de atender essa demanda infinita, estados maximizam sua busca por recursos, inevitavelmente invadindo e pilhando estruturas sagradas como a familia.

    Conservadores buscam poder para o individuo. Qualquer um que busque poder para o estado não é de fato um conservador.