Quando os libertários devem se vincular a causas políticas?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Em um 2020 hiperpolitizado, o apoio libertário a Trump nesta eleição foi provavelmente o maior para um candidato republicano, exceto, claro, Ron Paul. Pode não ser por admiração por Trump, mas sim para votar contra o socialismo e a violência caracterizados pela esquerda moderna americana. A direita pelo menos acredita em algum grau de direitos de propriedade e que o governo não tem as respostas para todos os nossos problemas, mas Trump e seus seguidores são tão melhores a ponto de precisarmos nos aliar a eles?

Em 2006, Lew Rockwell escreveu que

O problema com o conservadorismo americano é que ele odeia a esquerda mais do que odeia o estado, ama o passado mais do que a liberdade, sente um apego maior ao nacionalismo do que à ideia de autodeterminação, acredita que a força bruta é a resposta para todos os problemas sociais e pensa que é melhor impor a verdade do que arriscar perder a alma para a heresia. Nunca entendeu a ideia de liberdade como um princípio de auto-ordenação da sociedade. Nunca viu o Estado como inimigo daquilo que os conservadores defendem. Sempre considerou o poder presidencial a graça salvadora do que é certo e verdadeiro nos EUA.

Este resumo está, infelizmente, se encaixando a um número cada vez maior de libertários, e se nos apegarmos ao movimento conservador e nos concentrarmos em odiar a esquerda mais do que o estado, iremos falhar como eles falharam em perder terreno para a esquerda, e o estado continuará a crescer.

Quer Trump nunca tenha realmente pretendido ou foi incapaz de fazer muito progresso contra o deep state, as promessas que os libertários poderiam apoiar não foram cumpridas. As tropas dos EUA ainda estão espalhadas pelo globo e as guerras continuam. O pântano não foi drenado. Os direitos de armas não melhoraram. Bump stocks, uma novidade em armas de fogo, foram proibidos pelo ATF sob seu governo (algo que nem mesmo Obama fez). Não nos esqueçamos também de que o socialismo se expandiu sob Trump no ano anterior por meio do aumento dos benefícios ao desemprego e auxílios governamentais.[1] Não há evidência de que mais quatro anos de Trump produziriam resultados diferentes.

Certamente, houve alguns pontos brilhantes durante a era Trump que deveriam ser defendidos, como uma série de indultos e comutações para infratores não violentos da legislação antidrogas, cortes de impostos no início de sua presidência e a eliminação do Obamacare, mas essas são gotas em um balde.

Talvez o apoio a um segundo mandato não seja por causa do que foi mencionado acima, mas por estar do lado certo da guerra cultural, mas votar com a multidão de Trump faz avançar a causa libertária? Com o “Deus, armas e família” vem muita bagagem. Olhe para qualquer comício ou “carreata de barcos” de Trump e eles estarão repletas de bandeiras thin blue line, um símbolo que deve fazer estremecer qualquer um que conheça os males do estado. São pessoas que apoiam descaradamente o braço forte do estado, os capangas que impõem uma série de leis inconstitucionais e imorais. Eles não querem deixar de ter mestres; eles só querem um mestre melhor.

Isso não quer dizer que não devamos nos alinhar com a direita quando aplicável, mas nosso foco não pode se transformar em uma guerra contra a esquerda como os conservadores erraram ao fazer. Lutar contra a esquerda e seu caminho para a destruição da civilização ocidental é absolutamente necessário, mas ainda é apenas um meio. O fim é a restauração dos direitos de propriedade absolutos por meio da abolição do estado. Participar do processo democrático e, portanto, legitimar o governo da turba não ajuda nesse processo.

Enquanto escrevo, a mídia declarou a eleição presidencial de 2020 para Joe Biden, apesar das evidências de fraude eleitoral em massa. Biden pode muito bem ser colocado no poder ilegitimamente. Isso é ultrajante, é claro, já que as pretensões de justiça estão sendo abandonadas, mas a verdade é que todas as eleições são ilegítimas. Nenhum homem tem o direito de governar sobre outro, não importa quantos marquem um X ao lado de seu nome. Este deve ser o foco. Em vez disso, muitos libertários decidiram usar uma ferramenta sagrada do estado para apoiar uma causa que não é a liberdade.

Então, o que pode ser feito? Infelizmente, não há solução imediata para deter a expansão do Estado, mas as batalhas ideológicas são travadas jogando-se o jogo longo. A esquerda ganhou imenso poder, mas levou décadas para doutrinar a juventude.

Devemos encontrar maneiras de divulgar nossas ideias. Se a educação é fundamental, retirar nossos filhos das escolas públicas é fundamental. Devemos também encorajar aqueles com mentes questionadoras a explorar as obras libertárias. O Mises Institute está oferecendo atualmente cópias gratuitas de Economia Numa Única Lição de Hazlitt para fazer exatamente isso. Este livro pode não questionar a legitimidade do Estado, mas leva o leitor a pensar sobre custos econômicos invisíveis – algo tão básico e ainda esquecido pelo mainstream. Este pode ser o primeiro dominó a cair para muitos que o leem.

Devemos também estar preparados para responder à violência que o Estado nos dirige, seja da esquerda ou da direita. Isso significa estar bem armado e bem treinado. Mais do que tudo, não devemos esquecer que o problema é o estado. A esquerda é um problema por causa de sua adoração ao Estado e sua disposição de usar a violência para garantir que seus fins sejam alcançados. A direita é problemática pelas mesmas razões, apenas diluídas. O perigo pode ser iminente e é atraente escolher o melhor dos dois lados. Mas se perdermos de vista qual é realmente o problema, falharemos com os muitos grandes homens antes de nós que encorajaram tantos de nós a ser inimigos do Estado.

 

Artigo original aqui.

 

[1] Isso não quer dizer que seja errado pegar de volta o dinheiro que foi roubado de você, mas esse não foi o motivo pelo qual o dinheiro foi distribuído.

1 COMENTÁRIO

  1. Artigo muito interessante. Alguns libertários caem em algumas contradições quando entram no vasto e podre mundo do circo estatal. Mas no geral, a posição do camarada Paulo Kogos é a mais apropriada: rejeitar teorica (o mais sofisticado método de escravidão jamais inventado) e formalmente a democracia (não comparecer na urna), mas eventualmente dizer algumas palavras de apoio quando algum político acerta. Em alguns casos extremos de violência estatal, como demonstrados agora durante a fraudemia, ele disse: “eu não sou Bolsonaro, mas apoio o Bolsonaro”. E ele está certo. Nunca vamos saber o quanto do impacto positivo sobre a população a frase “é apenas uma gripizinha” é responsável por manter a economia subterrânea funcionando – o que salvou milhões de vidas, enquanto a mídia e o resto da máfia estatal tentavam impor a sua agenda globalista 24 horas por dia.