A longa história de comércio e mercados da África

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

As reformas de mercado na África podem ser frustradas por causa da propaganda que afirma que os mercados são uma importação ocidental. Não obstante a atualidade dessa crença, ela é evidentemente absurda. Os mercados floresceram na África antes do colonialismo e, onde quer que sejam reprimidos, o resultado é a miséria social, como aponta o economista William Hutt em seu estudo pioneiro, The Economics of the Color Bar. Os comerciantes na África pré-colonial organizaram redes comerciais em grande escala que abrangiam várias regiões.

De acordo com Alberta O. Akrong (2019), a diversidade do comércio africano realizado em terra e vias navegáveis ​​aumentou a acessibilidade do continente a recursos estratégicos. Como em outros lugares, na África pré-colonial, os africanos criaram mecanismos para permitir o comércio. Gareth Austin em sua pesquisa documenta uma litania dessas instituições, incluindo linhas de crédito rotativas e sociedades secretas. Cronografando a primazia dos mercados na África Ocidental pré-colonial, ele oferece um relato cativante de redes comerciais:

    Entre as diásporas Hausa que conduziam a maior parte do comércio de longa distância da metade oriental da África Ocidental, as caravanas comerciais se moviam entre os mercados, nos quais os itinerantes ficavam com proprietários de terras do mesmo grupo étnico, que os apresentavam ao comércio local parceiros e geralmente os auxiliavam a fazer contratos. Os créditos também estariam disponíveis entre membros da mesma diáspora: o “risco moral” sendo reduzido pela adesão comum. Foi reduzido também pela religião comum, que no caso das diásporas Hausa … era o Islã.

Etnicidade e religião figuravam com destaque como alavancas de comércio na África pré-colonial. Por exemplo, ao contrário dos Hausas, que professavam o Islã, a comunidade Aro empregava a religião indígena como uma ferramenta para legitimar o comércio. Inegavelmente, os mercados eram cruciais na África pré-colonial, mas admitimos prontamente que eles não eram sustentados por uma confiança impessoal. Os arranjos na África pré-colonial refletem o que os economistas descrevem como “confiança limitada”. Devido à baixa confiança do grupo externo, expandir o comércio entre as redes era uma empreitada realizável, mas difícil.

Normalmente, o comércio intertribal requer a supervisão dos chefes tribais para garantir a probidade nas transações. No entanto, em média, o comércio na África pré-colonial era descentralizado. Sócrates Majune e Davis Kimuli Mwania no artigo “Sobre o pensamento econômico das práticas e políticas comerciais no Quênia” capturam de forma aguda a disposição liberal do comércio no Quênia pré-colonial: “No Quênia, durante os séculos XVIII e XIX, além do comércio de escambo entre as comunidades, o comércio de longa distância era praticado entre os Mijikenda, Kamba, Taita e Waata com os Swahili, árabes e Waata através da linha costeira do Oceano Índico. Nenhuma política formal existia na época devido à descentralização das comunidades e à falta de uma regra soberana que pudesse impor uma política geral.”

Na verdade, pode surpreender a muitos que na África pré-colonial a interferência do Estado na economia era mínima, como Peter Wickens postula em seu texto definitivo Uma História Econômica da África. Fomos informados por Birgit Muller que os Igbos careciam de uma autoridade central para disseminar as moedas: “Como as moedas Igbo não eram emitidas por uma autoridade central, a estabilidade de seu valor dependia apenas de seu fornecimento restrito…. A escassez de moedas metálicas foi garantida durante séculos pelo fato de que elas deveriam ser produzidas em um processo muito complicado ou importadas de comerciantes europeus distantes.”

No entanto, embora o comércio descentralizado fosse a norma, Grietjie Verhoef, no ensaio “África pré-colonial: Diversidade na organização e gestão da economia e da sociedade”, opina que havia amplas oportunidades para mercadores poderosos monopolizarem as rotas comerciais. Um caso em questão é que em alguns territórios, como a África Ocidental, os governantes permitiam a gestão descentralizada do empreendimento privado, enquanto na África Oriental os comerciantes muçulmanos monopolizavam as rotas comerciais. A pesquisa também desmentiu o argumento de que, durante a era pré-colonial, o estado Asante, na África Ocidental, era o ator predominante na economia. Gareth Austin rejeita essa proposição, argumentando que o setor privado constituiu uma força potente na economia de exportação, permitindo assim que os plebeus obtivessem riqueza por meio do comércio e da produção para os mercados interno e internacional.

Além de enriquecer os plebeus, o comércio era parte integrante da promoção da paz nas comunidades africanas. Emmanuel Akyeampong, em uma visão geral do comércio na África, observa que, devido à sua importância no estímulo à riqueza, o comércio tornou a conquista proibitiva. “Na verdade, a sobrevivência e a prosperidade das comunidades africanas estavam tão interligadas com os benefícios mútuos do comércio, que estudiosos do contato pré-europeu notaram que no meio da bacia do Níger na África Ocidental e no Oceano Índico a conquista externa era contraproducente e os sistemas regionais surgiram baseados em heterarquia e não hierarquia.”

Uma vez que estabelecemos a relevância cultural dos mercados na história da África, podemos agora ilustrar os efeitos lucrativos dos mercados na África contemporânea. Examinando a literatura para os ingredientes para o sucesso econômico, Germinal Van conclui que a proteção dos direitos de propriedade aumenta o crescimento econômico ao estimular a liberdade econômica. Aplicando suas descobertas à África, Van escreve: “A capacidade de possuir propriedade é um passo importante para a criação de valor econômico…. Para que os atores das economias africanas criem valor econômico dentro do continente, eles devem ser capazes de possuir propriedade e usar essa propriedade para criar trocas. É a troca que ocorre sob o conceito de direitos de propriedade que aumenta a liberdade econômica de um país.”

Um exemplo brilhante dos efeitos positivos de uma maior liberdade econômica é Ruanda. No Índice de Liberdade Econômica de 2020, a Ruanda fez a transição da categoria “moderadamente livre” para a categoria majoritariamente livre. As reformas de livre mercado impulsionaram o PIB per capita de Ruanda para mais de US$2.000 em 2019, vindo de apenas US$700 em 1995. Da mesma forma, a análise econômica indica que a liberdade econômica está ainda associada ao crescimento inclusivo na África subsaariana, desacreditando assim a alegação de que a liberdade econômica gera grave desigualdades.

A suposição de que os mercados na África são um resíduo do colonialismo ocidental é um mito. Os mercados livres são fundamentais para melhorar as condições de vida na África. Os africanos devem libertar suas mentes das amarras da propaganda pós-colonial e abraçar a liberdade econômica para colher os benefícios da prosperidade.

 

 

Artigo original aqui