A narrativa Covid é insana e ilógica … e talvez não seja por acaso.

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Talvez forçar as pessoas a acreditar em suas mentiras, mesmo depois de admitir que está mentindo, é a forma mais pura de poder.

“Sua filosofia negava tacitamente não apenas a validez da experiência como a própria existência da realidade externa. O bom senso era a heresia das heresias.” – George Orwell, 1984

A narrativa da “pandemia de Covid” é insana. Isso está estabelecido há muito tempo, realmente não precisamos entrar em maiores detalhes aqui. Leia nosso catálogo anterior.

As regras não têm sentido e são arbitrárias, as mensagens são contraditórias, a própria premissa é absurda.

Todos os dias, uma nova insanidade é lançada ao mundo e, enquanto muitos de nós nos indignamos, nos revoltamos ou apenas rimos … muitos mais aceitam, acreditam, permitem que continue.

Vejamos a situação no Canadá agora, onde o governo impôs um decreto de vacina aos profissionais de saúde, o que significa que só na Colúmbia Britânica mais de 3.000 funcionários de hospitais foram afastados em 1º de novembro.

Como os governos locais responderam à falta de pessoal?

Eles estão pedindo aos funcionários vacinados com teste positivo Covid irem trabalhar.

Quer você acredite ou não que o teste tenha alguma validade, eles nocionalmente têm. Na realidade, eles tentam nos convencer todos os dias, o teste positivo significa que você é portador de uma doença perigosa.

Portanto, eles estão solicitando que pessoas supostamente portadoras de um “vírus mortal” trabalhem, em vez de permitir que pessoas não-vacinadas, perfeitamente saudáveis, simplesmente tenham seus empregos de volta.

Isto é loucura.

Mas poderia algo ilustrar mais perfeitamente as prioridades daqueles que dirigem o jogo?

Já sabemos que não é por causa de um vírus, não é para proteger o sistema de saúde e não é para salvar vidas. Todos os dias as pessoas que comandam a “pandemia” admitem isso através de suas ações e até mesmo através de suas palavras.

Em vez disso, parece ser sobre a aplicação de regras que fazem pouco ou nenhum sentido, exigindo conformidade ao preço da razão, traçando linhas arbitrárias na areia e exigindo que as pessoas as respeitem, fazendo as pessoas acreditarem em “fatos” que são comprovadamente falsos.

Mas por que? Por que a história de Covid é irracional e contraditória? Por que, por um lado, nos dizem para ter medo e, por outro lado, que não há nada a temer?

Por que a “pandemia” é tão completamente insana?

Você pode argumentar que é simples casualidade. O subproduto de uma narrativa em evolução multifocal, uma história sendo contada por mil autores ao mesmo tempo, cada um preocupado em cobrir seu próprio pequeno pedaço de agenda. Um carro com vários motoristas lutando por um único volante.

Provavelmente há alguma verdade nisso.

Mas também é verdade que o controle, o controle verdadeiro, só pode ser alcançado com uma mentira.

Na psicologia clínica, um dos sinais diagnósticos do psicopata é que ele conta mentiras elaboradas, compulsivamente. Muitas vezes eles vão contar uma mentira, mesmo que a verdade seja mais benéfica.

Ninguém sabe por que eles fazem isso, mas eu tenho uma teoria, e ela se aplica aos grupos de pequenas mentes de ratos correndo nos esgotos do poder tanto quanto a qualquer monstruosidade individual.

Se você quer controlar as pessoas, você precisa mentir para elas, essa é a única maneira de garantir que você tenha poder.

Se você está parado na estrada e eu grito “cuidado, um carro está vindo“, e você se move assim que um carro passa, nunca saberei se você se mexeu porque eu avisei, ou porque realmente havia um carro vindo.

Se meu interesse é garantir que você não se machuque, isso não importaria para mim de jeito nenhum.

Mas, e se meu único objetivo verdadeiro for a gratificação de ver você fazer o que eu digo, simplesmente porque eu disse isso?

… bem, então eu preciso gritar um aviso de um carro que não existe, e assistir você se esquivar de uma ameaça imaginária. Ou, de fato, dizer que não tem carro vindo e assistir você ser atropelado.

Só fazendo isso posso ver que minhas palavras significam mais para você do que a realidade perceptível, e só então eu sei que estou realmente no controle.

Você nunca pode controlar as pessoas com a verdade, porque a verdade tem uma existência fora de você que não pode ser alterada ou dirigida. Pode ser a própria verdade que controla as pessoas, não você.

Você nunca pode forçar as pessoas a obedecerem a regras que façam sentido, porque elas podem estar obedecendo à razão, não à sua força.

O verdadeiro poder consiste em fazer com que as pessoas tenham medo de algo que não existe e que abandonem a razão em nome de se protegerem da ameaça inventada.

Para garantir que você tenha controle, você deve fazer as pessoas verem coisas que não existem, fazer as pessoas viverem em uma realidade que você construiu em torno delas e forçar as pessoas a seguir regras arbitrárias e contraditórias que mudam dia a dia.

Para realmente testar sua lealdade, sua hipnose, você poderia até mesmo dizer a elas que não há mais nada a temer, mas elas precisam seguir as regras de qualquer maneira.

Talvez seja esse o ponto. Talvez a história não deva ser verossímil. Talvez as regras não tenham sido idealizadas para ter sentido, mas para ser obedecidas.

Talvez quanto mais contraditórios e ilógicos os regulamentos se tornem, mais a sua conformidade será valorizada.

Talvez, se você puder forçar uma pessoa a abandonar o julgamento dela em favor do seu, você terá controle total sobre a realidade dela.

Começamos com uma citação de Orwell, então vamos terminar com uma também:

     O poder está em despedaçar os cérebros humanos torna a juntá-los da forma que bem entender.

Não é isso que estamos vendo agora? O que temos visto desde o início?

As pessoas que têm a mente despedaçada e têm medo de algo que dizem não é assustador, seguir regras que dizem que não são necessárias, tomar “remédios” que dizem que não funcionam.

Talvez forçar as pessoas a acreditar em suas mentiras, mesmo quando você admite que está mentindo, seja a mais pura expressão de poder.

 

 

Artigo original aqui