A necessidade inevitável de julgar

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

As pessoas, ao que parece, estão cada vez mais incapazes de suportar a presença no mesmo ambiente de alguém que tem opiniões políticas diferentes das suas. Agora temos a mania de avaliar o teor geral dos pontos de vista de qualquer reunião e participar, se esses pontos de vista coincidirem com os nossos, ou ficar em silêncio se não coincidirem. Além disso, as opiniões de uma pessoa são agora o principal critério que as pessoas usam para avaliar a bondade ou maldade de seu caráter; seu comportamento real é muito menos importante para eles.

O único outro critério que tem muita importância na avaliação de caráter hoje em dia é o gosto da pessoa. Ser acusado de não ter gosto, ou mau gosto, é extremamente doloroso. O gosto é um dos meios pelos quais categorizamos as pessoas, e relutamos em ser vistos em público com pessoas de mau gosto, pois seu mau gosto também se reflete em nós. Julgamos pelas aparências e, muitas vezes, não há mais nada para se basear. Nossos gostos em arte, música, leitura, comida, decoração, entretenimento e assim por diante ajudam a nos colocar em categorias. Tendemos a desprezar outras categorias que não as nossas.

Há 27 anos existia uma peça brilhante intitulada Art da dramaturga francesa Yasmina Reza, sobre uma questão de gosto. Três amigos discutem uma pintura comprada por um deles por um preço considerável. A pintura em questão é uma tela pintada apenas de branco, com uma borda branca e algumas linhas visíveis na pintura. O comprador da pintura é um dermatologista chamado Serge, próspero, mas não rico; um de seus amigos, Marc, um engenheiro aeronáutico, é obviamente inteligente, mas não é um conhecedor de arte; o terceiro personagem da peça, Yvan, é um fracassado sem rumo em sua vida.

Marc, o homem simples e inartístico e inteligente, não vê nada na imagem (se é que pode ser chamada de imagem), e até chama isso de merda. Ele acha que é um golpe: afinal, qualquer um poderia pegar um pedaço de tela e cobri-lo com tinta branca. Mas o fato de que qualquer um poderia ter feito tal coisa não significa que alguém o tivesse feito, pelo menos não antes que este artista em particular, aparentemente conhecido e, por isso, o alto preço de seu trabalho, o fizesse. Quanto a Yvan, ele vê, ou finge ver, algo de valor na pintura.

Serge, o comprador e proprietário da pintura, acha que Marc, seu detrator, carece da educação e do interesse necessários para julgar a pintura. Marc, ao contrário, pensa que Serge é vítima do esnobismo intelectual e estético. Em pouco tempo, o desacordo revela outras fissuras em sua amizade. Yvan tenta mediar entre Serge e Marc, mas os outros dois se voltam contra ele. O desacordo sobre uma pintura semeou uma verdadeira discórdia entre eles.

As questões de gosto são realmente capazes de semear desavenças e até ódio. Tal como acontece com as opiniões políticas, cada vez mais tenho que morder a língua. Quando as pessoas expressam apreço por algo que considero uma abominação estética, mudo de assunto – se valorizo ​​as boas relações com a pessoa mais do que o alívio temporário de sentimentos que expressar minha opinião me proporcionaria.

A veemência da condenação, em qualquer caso, muitas vezes esconde ou disfarça uma dúvida sobre o fundamento final da condenação. E se a acusação de Serge a Marc – de que ele não é suficientemente educado em arte para apreciar a pintura, de que o problema é que ele não consegue ver mérito ou significado na pintura, e não que a pintura não possua mérito ou significado – se aplicar aos meus próprios julgamentos adversos de arte ou arquitetura? Quando alguém vê beleza em algo em que vejo apenas feiura, como resolver nossa divergência, quem ou o que será o árbitro final entre nós?

O julgamento, como Hipócrates disse há muito tempo com respeito à medicina, é incerto; e ainda assim devemos exercê-lo, pois a vida é julgamento. Aqueles que afirmam não fazer julgamentos estão sempre fazendo um meta-julgamento autocongratulatório, por assim dizer: que é uma coisa superior e gloriosa, indicativa de grandeza de coração, não julgar. Mas devemos julgar, pois sempre temos que escolher entre alternativas. Existe um famoso romance de Luke Rhinehart (pseudônimo de George Cockcroft), publicado em 1971, The Dice Man, no qual o protagonista tenta viver jogando dados, eliminando assim a escolha consciente de sua vida, mas é claro que esse método de vida não faz tal coisa. Em primeiro lugar, o protagonista escolheu tentar viver desta forma e, em segundo lugar, as alternativas entre as quais o lançamento dos dados “escolhe” ao acaso em nome do protagonista são elas próprias escolhidas, havendo sempre uma infinidade de possibilidades. Então, é claro, ele tem que escolher se deseja ou não cumprir os supostos ditames dos dados. Portanto, por mais que às vezes gostaríamos de escapar das responsabilidades da escolha, não podemos – a não ser por conta de uma doença cerebral – fazê-lo. O romance tornou-se muito popular porque parecia superficialmente oferecer a possibilidade de um mundo livre da necessidade onerosa de julgamento moral. É claro que não havia essa possibilidade, embora ela possa ter promovido julgamentos morais ruins.

A necessidade inevitável de fazer julgamentos, tanto morais quanto estéticos, cria uma consciência pesada e incômoda porque não temos certeza da justificativa final para qualquer um deles. Isso dá origem a uma tensão geralmente aliviada pela veemência. Quando duas pessoas veementes se encontram, mas em sentidos opostos, é provável que surja um conflito. Pode permanecer no plano puramente intelectual, mas frequentemente tais conflitos são sobre questões práticas que requerem uma decisão a ser tomada; e por mais que possamos reconhecer as incertezas filosóficas dos julgamentos como tais, estamos psicologicamente certos de que os nossos estão corretos. Quando digo que x é feio, não quero dizer apenas que eu acho que x é feio, quero dizer que x, falando objetivamente, é feio. Consequentemente, relutamos em acreditar que qualquer um que discorde de nossos julgamentos seja honesto ou sincero, e então começamos a procurar explicações – como interesse econômico – para sua rejeição desonesta ou falsa de nossos julgamentos.

Gosto não se discute, diz o velho provérbio um latim. Ao contrário, não há nada que se discuta mais do que gosto.

 

 

Artigo original aqui