A nossa economia ultra-regulamentada defendida pela esquerda é uma vitória do nazi-fascismo

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Era comum a esquerda insinuar que George W. Bush era como Hitler, uma observação que faria o pessoal da National Review enlouquecer, mas que não achei totalmente ultrajante. O principal método de governo de Bush era fomentar o medo dos inimigos estrangeiros e instigar uma espécie de histeria nacionalista sobre a necessidade de travar a guerra e abrir mão da liberdade pela segurança.

Hitler é o paralelo mais famoso aqui, mas dificilmente é o único. Muitos estadistas na história mundial usaram as mesmas táticas, que remontam aos tempos antigos. Maquiavel escreveu em seu conselho sobre a A Arte da Guerra ao governante:

    Saber como reconhecer uma oportunidade na guerra e aproveitá-la beneficia você mais do que qualquer outra coisa.

Mas de que adianta estudar a ascensão de Hitler ao poder, a menos que seja para aprender com essa história e aplicar as lições? Uma lição é tomar cuidado com os líderes que chegam ao poder em tempos difíceis e, em seguida, usam ameaças estrangeiras e crises econômicas para fortalecer seu próprio poder. A menos que possamos extrair lições para nossos próprios tempos, a história se torna nada mais que uma série de pontos de dados inertes sem relevância mais ampla.

Certamente Bush usou o 11 de setembro para consolidar seu poder e os intelectuais neoconservadores que o cercavam adotaram um profundo cinismo em relação à manipulação da opinião pública. Seu estilo de governo dizia respeito à utilidade do mito público, que consideravam essencial para um governo sábio. O principal mito que eles promoveram era que Bush era o rei-filósofo cristão liderando uma nova cruzada contra o extremismo islâmico. Os mais estúpidos entre nós acreditaram nisso, e isso serviu como uma espécie de infraestrutura ideológica de sua gestão como presidente.

Em seguida, entrou em colapso quando a economia afundou e ele não conseguiu sustentar a ideia absurda de que estava nos protegendo de qualquer pessoa. O resultado foi a desgraça e o fortalecimento da esquerda política e seu etos socialista.

O papo de Hitler na Casa Branca terminou imediatamente, como se a analogia se estendesse apenas quando a ideologia nacionalista está no poder. O que as pessoas não se lembram é que o hitlerismo era mais do que apenas militarismo, nacionalismo e consolidação de políticas de identidade. Também envolveu uma mudança substancial na política interna alemã, afastando-se da livre iniciativa, ou o que restou dela sob Weimar, em direção ao planejamento econômico coletivista.

O nazismo não era apenas o nacionalismo enlouquecido. Era também um socialismo de uma variedade particular.

Voltemo-nos ao The Vampire Economy, de Guenter Reimann (1939). Ele começa a história com o decreto de 1933 de que toda propriedade deve estar sujeita à vontade coletiva. Tudo começou com auditorias aleatórias e novos regulamentos massivos de contabilidade:

    Os fabricantes na Alemanha entraram em pânico quando souberam das experiências de alguns industriais que foram mais ou menos expropriados pelo Estado. Esses industriais foram visitados por auditores do Estado que tinham ordens estritas para “examinar” os balanços e todos os lançamentos contábeis da empresa (ou do empresário individual) nos dois, três ou mais anos anteriores, até que algum erro ou lançamento falso fosse encontrado. O menor erro formal era punido com penalidades terríveis. Uma multa de milhões de marcos foi imposta por um único erro contábil. Obviamente, o exame dos livros foi apenas um pretexto para a expropriação parcial do capitalista privado com vista à expropriação completa e apreensão da propriedade desejada posteriormente. O dono da propriedade estava desamparado, uma vez que sob o fascismo não existe mais um judiciário independente que protege os direitos de propriedade dos cidadãos privados contra o Estado. O Estado autoritário estabeleceu como princípio que a propriedade privada não é mais sagrada.

As regras começam a mudar lentamente, de modo que a empresa não pode mais tomar decisões no interesse da lucratividade. Os bancos foram nacionalizados. Os chefes das grandes empresas foram mudados. A contratação e a demissão tornaram-se fortemente politizadas. Os tribunais decidiram não sobre a justiça, mas sobre as prioridades políticas. Já não bastava apenas obedecer às leis. A vontade nacional deve superar as preocupações econômicas:

    O capitalista sob o fascismo não deve ser apenas um cidadão respeitador da lei, ele deve ser servil aos representantes do Estado. Ele não deve insistir em “direitos” e não deve se comportar como se seus direitos de propriedade privada ainda fossem sagrados. Ele deveria ser grato ao Führer por ainda possuir propriedades privadas. Esse estado de coisas deve levar ao colapso final do moral dos negócios e soar a sentença de morte do respeito próprio e da autoconfiança que marcaram o empresário independente sob o capitalismo liberal.

Os controles de preços foram os próximos, aplicados de forma intermitente e com eles cresceu uma grande economia cinza, com os empresários gastando mais tempo contornando as regras do que produzindo riqueza.

    Para aumentar seus preços, um comerciante deve ter uma licença especial do Comissário de Preços. Um pedido de aumento de preço deve primeiro ser certificado pelo líder do grupo; deve ser acompanhado por uma declaração detalhada de necessidade e outros dados pertinentes, como produção e custos de distribuição.

Mandatos de produção estaduais foram os próximos. Os bens deveriam ser produzidos de acordo com objetivos políticos.

    Apoiados pelo Estado-Maior do Exército, os burocratas nazistas puderam embarcar em esquemas que obrigam os mais poderosos líderes empresariais e financeiros a empreender projetos que consideram arriscados e não lucrativos.

Os banqueiros eram obrigados a atuar como agentes estatais.

    Sob o fascismo, grandes banqueiros, anteriormente independentes – exceto, é claro, ‘não-arianos’ – tornaram-se funcionários do Estado em tudo, menos no nome. Frequentemente, ocupam cargos importantes e influentes, mas são todos membros da máquina estatal compacta e centralizada. Sua independência, sua iniciativa individual, sua posição competitiva livre, todos os princípios pelos quais eles lutaram com fervor, se foram.

Se você acha que os paralelos pararam depois que Bush deixou o poder, considere esta passagem de Reimann:

    O Estado totalitário inverte a antiga relação entre o Estado e os bancos. Anteriormente, sua influência política aumentava quando o Estado precisava de ajuda financeira. Agora, o oposto é verdadeiro. Quanto mais urgentes se tornam as demandas financeiras do Estado, mais rígidas as medidas são tomadas pelo Estado para obrigar essas instituições a aplicarem seus recursos como o Estado desejar.

Uma vez que os bancos foram totalmente colocados sob o controle do governo, eles se tornaram o meio pelo qual todas as propriedades ficaram sujeitas ao estado:

    O Estado totalitário não terá um tesouro vazio enquanto as empresas privadas ou indivíduos ainda tiverem bastante dinheiro ou ativos líquidos. Pois o Estado tem o poder de resolver suas dificuldades financeiras às suas custas. Os próprios bancos privados, as instituições financeiras que anteriormente ditavam os termos em que estavam dispostos a emprestar dinheiro, criaram o sistema de desviar fundos líquidos. Este sistema financeiro é agora utilizado pelo Estado totalitário para seus próprios fins.

Foi o que aconteceu com a bolsa de valores, considerada um patrimônio nacional. A especulação foi proibida. As empresas públicas estavam inteiramente sujeitas às regras burocráticas. A ordem substituiu a velha espontaneidade, enquanto a especulação do antigo tipo tornou-se uma atividade inteiramente clandestina. As maiores empresas não se importaram totalmente com o curso dos eventos.

    O desaparecimento de pequenas empresas dá origem a uma tendência entre os pequenos investidores de não arriscar seu capital em novos empreendimentos competitivos. Quanto mais crescem as grandes corporações e quanto mais se aproximam da burocracia do Estado, menores são as chances de surgimento de novos competidores.

O mesmo ocorreu com as seguradoras, que foram obrigadas a comprar títulos de dívida pública.

A tendência a uma regulamentação econômica cada vez maior resultou não no socialismo como tal, mas no planejamento fascista.

    O Estado fascista não concede apenas ao empresário privado o direito de produzir para o mercado, mas exige que a produção seja um dever que deve ser cumprido mesmo que não haja lucro. O empresário não pode fechar sua fábrica ou loja porque não a considera lucrativa. Para fazer isso, é necessária uma licença especial emitida pelas autoridades.

A demanda nacional por “estímulo” substituiu inteiramente a tomada de decisão privada, pois os empresários eram obrigados a produzir e evitar qualquer retração econômica que pudesse embaraçar o estado.

    O governo nazista ameaçou expressamente o empresário privado com o aumento da coerção do Estado e redução dos direitos e liberdades pessoais, a menos que ele cumpra adequadamente o ‘dever de produzir’ de acordo com as demandas do Estado.

Mas o estímulo não podia e não funcionaria, não importa o quanto os dirigentes do partido tentassem, porque as próprias instituições da propriedade privada e da competição e todas as forças do mercado haviam sido substituídas.

    O regime totalitário aniquilou a força conservadora mais importante do capitalismo, a crença de que a propriedade privada deve ser um direito sagrado de cada cidadão e que a propriedade privada de cada cidadão deve ser protegida. O respeito pela propriedade privada penetrou no espírito do povo em todos os países capitalistas. É o baluarte mais forte do capitalismo. O fascismo conseguiu destruir esta força conservadora … As pessoas ainda têm que trabalhar para ganhar dinheiro e viver de seus rendimentos. A posse de capital ainda gera renda. Mas essa receita está em grande parte à mercê dos burocratas do Estado e funcionários do Partido.

Reimann resume:

    Na Alemanha nazista não há área de atividade empresarial na qual o Estado não interfira. De forma mais ou menos detalhada, prescreve como o empresário pode usar o capital que ainda é presumivelmente sua propriedade privada. E por causa disso, o empresário alemão se tornou um fatalista; ele não acredita que as novas regras funcionarão bem, mas sabe que não pode alterar o curso dos acontecimentos. Ele foi transformado na ferramenta de uma máquina gigantesca que ele não pode dirigir.

O regime também aumentou dramaticamente a legislação social e médica, proporcionando pensões vitalícias a amigos e médicos recrutados a serviço de seus objetivos alimentares e médicos.

Agora, se alguma dessas coisas soa familiar, é porque os princípios de intervenção são universais.

O regime nazista representou não um mal único na história, mas sim uma combinação agora convencional de duas tendências ideológicas perigosas: nacionalismo e socialismo.

Nós conhecemos ambos muito bem.

 

Artigo original aqui