A pressão do governo dos EUA para o Twitter banir Alex Berenson

4

Há quase um ano, o ex-jornalista do New York Times Alex Berenson foi permanentemente banido do Twitter por escrever as seguintes linhas sobre a vacina Covid:

    “Isso não impede a infecção. Ou transmissão. Não pense nisso como uma vacina. Pense nisso – na melhor das hipóteses – como um terapêutico com uma janela limitada de eficácia e um terrível perfil de efeitos colaterais que deve ser administrado ANTES DA DOENÇA. E querem tornar isso obrigatório? Insano.”

Desde o início da histeria do Covid, seguimos e citamos Berenson muitas vezes no Ron Paul Liberty Report. Berenson encarou a retórica do governo e da mídia tradicional sobre a pandemia da maneira como os jornalistas costumavam encará-la: com uma forte dose de ceticismo. E não muito tempo depois que ele foi banido por dizer isso, até o diretor do CDC admitiu que o que ele escreveu é verdade.

Mas, na época, ele era um perigo para a narrativa do governo sobre o Covid, e a empresa de mídia social “privada” Twitter o silenciou. No entanto, eles não apenas silenciaram um repórter que era uma pedra no sapato deles. Eles silenciaram preventivamente qualquer outra pessoa que pudesse questionar a narrativa. A mensagem era clara para todos os aspirantes a Alex Berensons: você quer segui-lo para o gulag digital?

Portanto, não apenas a liberdade de expressão de Berenson estava sob ataque – a própria liberdade de expressão estava sob ataque.

Muitos, especialmente os libertários, podem responder que o Twitter, como empresa privada, tem o direito de aceitar ou rejeitar que ele quiser. Isso é verdade, mas apenas na medida em que o Twitter está realmente agindo como uma entidade privada. A verdadeira questão é até que ponto o Twitter e as outras empresas de mídia social estão cumprindo diretamente as diretrizes do governo?

Depois de uma batalha legal de quase um ano com o Twitter sobre o banimento, Berenson chegou a um acordo com o Twitter e foi reintegrado no início deste mês. Escrevendo sobre sua reintegração, ele insinuou algo muito sinistro: “O acordo não encerra minha investigação sobre as pressões que o governo pode ter colocado no Twitter para suspender minha conta. Eu terei mais a dizer sobre esse assunto em um futuro próximo.”

Elon Musk, que estava em uma operação para comprar o Twitter até alguns dias atrás, respondeu a Berenson no Twitter: “Você pode falar mais sobre isso: ‘… pressões que o governo pode ter colocado no Twitter…’”

Berenson respondeu: “Gostaria de poder, mas o acordo com o Twitter me impede de fazê-lo. No entanto, em um futuro próximo, espero ter mais a relatar.”

As questões sobre a vacina foram silenciadas, assim como as questões sobre as origens do vírus. Seria possível que o surto tenha se originado em um laboratório chinês que tinha acabado de ser financiado pelo governo dos EUA? E em caso afirmativo, até que ponto as pessoas poderosas do governo desejam suprimir qualquer discussão ou investigação sobre essa possibilidade?

Em um momento crítico – assim como os autoritários estavam trancando o país e ameaçando quem recusasse a injeção – toda discussão pública sobre o assunto foi encerrada por empresas “privadas” que por acaso tinham laços muito estreitos com o governo dos EUA.

Isso levanta questões fundamentais sobre a Primeira Emenda que esperamos que possam ser exploradas pelo Congresso após as eleições de novembro. O povo americano merece saber quem está tentando calá-los… e por quê.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorO ESG reformará o capitalismo — ou o destruirá?
Próximo artigoMais sobre a inutilidade das máscaras
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

4 COMENTÁRIOS

  1. “Muitos, especialmente os libertários, podem responder que o Twitter, como empresa privada, tem o direito de aceitar ou rejeitar que ele quiser.”

    Eu nem presto atenção mais neste discurso de liberaleco randiano do estado mínimo, chupador de rola comunista. O sujeito que diz amém para as Big Techs não pode reclamar que a pizza dele chega em casa fria. Precisamos relativizar o rótulo de empresas privadas destas agências semi-estatais de repressão, censura e desinformação.

    • Sim; a pizzaria, como empresa privada, tem o direito de te enviar uma pizza fria.

      A diferença é que a pizzaria está sujeita à pressão do mercado, você pode boicotar, já o estado mínimo randiano, cheio de chupadores de rôlas comunistas, não. Boicotou, vai para a cadeia.
      O estado máximo então nem se fala…

      • Exato. E pelo visto, o passarinho azul continuará a censurar quem não for comunista, quem não apoiar as vacinas do vírus chinês, pois a venda dele para o Musk, foi pelo ralo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.