Anarquia significa apenas sem governo, sem governante; ou seja: liberdade

0

“Os anarquistas não tentaram realizar o genocídio contra os armênios na Turquia; eles não mataram deliberadamente milhões de ucranianos de fome; eles não criaram um sistema de campos de extermínio para matar judeus, ciganos e eslavos na Europa; eles não bombardearam dezenas de grandes cidades alemãs e japonesas e lançaram bombas nucleares em duas delas; eles não realizaram um “Grande Salto Adiante” que matou dezenas de milhões de chineses; eles não tentaram matar todo mundo com qualquer escolaridade no Camboja; eles não lançaram uma guerra agressiva após a outra; eles não implementaram sanções comerciais que mataram talvez 500.000 crianças iraquianas.

Nos debates entre anarquistas e estatistas, o ônus da prova claramente deve recair sobre aqueles que depositam sua confiança no Estado. O caos da Anarquia é totalmente conjectural; o caos do Estado é inegavelmente, factualmente horrendo.” – Robert Higgs

A linguagem é de tamanha importância que é fundamental para a sobrevivência da humanidade. Embora isso possa parecer exagerado, certamente não é. A ideia de nossa língua, e os sistemas de raízes de onde nossa língua se originou, não podem ser alterados à vontade para se adequar ao Estado ou a qualquer outro indivíduo ou entidade que tente criar uma posição baseada na reestruturação fraudulenta do significado das palavras e frases em seu benefício. Isso é feito sempre e somente para criar confusão ou avançar uma agenda, e geralmente ambos. Sempre que os atores estatais decidem controlar a linguagem a seu favor, eles pretendem orientar a opinião das massas, e a contradição, a hipocrisia e o controle são o resultado predominante. Isso nunca foi tão claro como o ocorrido com o termo Anarquia, que é a antítese absoluta da tirania do Estado.

Anarquia significa simplesmente sem governo ou sem governantes; em outras palavras, pessoas trabalhando, vivendo, negociando, comunicando-se, viajando e sobrevivendo pacificamente sem o domínio de mestres. Este é a única condição que pode trazer a liberdade absoluta do indivíduo. O significado completamente ilegítimo e fraudulento que foi efetivamente mudado, promovido e propagandeado pelo Estado, suas instituições, seus dicionários e sua mídia hoje sobre a palavra “anarquia”, teve o efeito de doutrinação e lavagem cerebral completa, de parecer ao humildemente ‘público’ como exatamente o oposto de seu verdadeiro significado. Essa mentalidade propositadamente induzida foi planejada e realizada por motivos específicos, pois anarquistas honestos e legítimos são inimigos do poder estatal e, portanto, considerados perigosos; não para o povo, mas para aqueles que desejam manipular e controlar o povo. Estes são a classe dominante, seus políticos, seus executores e todo o governo em geral. Estes são os maus e verdadeiros inimigos da humanidade e da liberdade.

A nova ‘definição’ forjada pelo Estado e ilegítima da palavra “anarquia” pretende esconder a verdade, confundir e controlar as massas coletivas agora ignorantes. Esta definição falsa que é usada por todos os grandes meios de comunicação e governo para marginalizar todos os promotores da liberdade, é completamente contrária ao significado real da palavra. A anarquia, de acordo com os tiranos do governo, é considerada um estado ou sociedade sem leis em meio à desordem política e social devido a nenhum ‘controle’ do governo. Diz-se que não há ‘obediência à autoridade’, o que é incorretamente declarado como insubordinação. As palavras agora usadas para descrever ou usadas de forma intercambiável com anarquia são: ilegalidade, ruptura, tumulto, caos, turbulência, desorganização, confusão, tumulto, rebelião, insurreição, terror e agitação, para citar apenas alguns dos significados incorretos falsamente atribuídos a esta grande palavra. Pode-se usar esses termos com precisão para descrever o próprio Estado, e esta é a ironia das mentiras do Estado, pois o que quer que o Estado-nação reivindique é geralmente uma distorção grosseira da verdade. Neste caso, o significado manipulado e enganoso atribuído à anarquia é uma definição perfeitamente precisa do governo e do próprio Estado.

As pessoas foram ensinadas (doutrinadas) a implorar por sua liberdade aos agentes do governo. Diz-se que isso é possível usando um processo de votação corrupto e inútil para pedir àqueles que reivindicam poder sobre você que lhe permitam ter ‘alguma’ liberdade. Nada é tão patético e ridículo quanto esse estado de espírito. A própria ideia de que um governo deve existir e governar sobre todos para conceder ‘alguma’ liberdade parcial a seus súditos é uma afronta a qualquer pensamento intelectual ou lógica relativa à liberdade. Ao concordar e participar voluntariamente desse processo, a pessoa já se definiu como um escravo.

A liberdade é a inclinação natural e o direito de todos os homens, pelo menos até que percam esse desejo natural por lavagem cerebral para acreditar que sua liberdade só pode vir devido à permissão de seus mestres. Constituições, legislação e leis proferidas “de cima” negam todos os aspectos da liberdade, porque se algum Estado é considerado necessário para ser livre, então a liberdade nunca chegou a existir. A liberdade não pode ser dada, concedida, permitida, controlada, restringida ou ordenada por qualquer homem ou governo. Ela só pode existir na mente do indivíduo, e só pode sobreviver se o indivíduo for responsável por si mesmo, e não dependente de ser ‘governado’. Este é o significado exato e verdadeiro da anarquia; nenhum governo.

A cooperação voluntária e a não-agressão são as únicas coisas necessárias para alcançar a liberdade e a coexistência pacífica. Nada menos e nada mais. O Estado não pode oferecer nenhum dos dois, pois todo governo é pura força. Leis restritivas, licenciamento, tributação, bem-estar por meio de redistribuição, decretos, agressão, extorsão, guerra, controle, poder de um sobre o outro, imposição e toda regra e opressão de qualquer tipo são completamente contrários a ser livre. Ninguém pode legitimamente autorizar outro a conceder qualquer direito que não possua, o que significa que ninguém tem o direito de votar para ter outra regra sobre ninguém. Dada essa verdade, a base de todo governo depende dessa delegação imoral de ‘direitos’ inexistentes e fraudulentamente reivindicados e, portanto, o governo não tem o direito de existir.

Não há solução para nenhum problema da vida ou da humanidade presente em qualquer governo ou estrutura de governo. Na verdade, a existência do governo por si só destrói qualquer capacidade de viver livre. O processo político, então, é um anátema para a liberdade ou qualquer coisa de valor. Governo e dominação são inerentemente maus, e somente a cooperação social espontânea e a não-violência, deixando os outros com seus próprios desejos, trarão paz e harmonia. Enquanto nenhuma força ou agressão for usada contra qualquer outro ou sua propriedade, e a participação voluntária entre os povos for evidente, um mundo melhor é possível. Esta é a essência da liberdade e a definição de anarquia. Sem governo e sem governantes; um caminho melhor a seguir.

“Ser governado significa ser observado, inspecionado, espionado, dirigido, legislado, regulamentado, cercado, doutrinado, admoestado, controlado, avaliado, censurado, comandado; e por criaturas que para isso não tem o direito, nem a sabedoria, nem a virtude… Ser governado significa que todo movimento, operação ou transação que realizamos é anotada, registrada, catalogado em censos, taxada, selada, avaliada monetariamente, patenteada, licenciada, autorizada, recomendada ou desaconselhada, frustrada, reformada, endireitada, corrigida. Submeter-se ao governo significa consentir em ser tributado, treinado, redimido, explorado, monopolizado, extorquido, pressionado, mistificado, roubado; tudo isso em nome da utilidade pública e do bem comum. Então, ao primeiro sinal de resistência, à primeira palavra de protesto, somos reprimidos, multados, desprezados, humilhados, perseguidos, empurrados, espancados, garroteados, aprisionados, fuzilados, metralhados, julgados, sentenciados, deportados, sacrificados, vendidos, traídos e, para completar, ridicularizados, escarnecidos, ultrajados e desonrados. Isso é o governo, essa é a sua justiça e sua moralidade!” – Pierre-Joseph Proudhon, Ideia Geral da Revolução no Século XIX

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.