O Lew Rockwell que eu conheço

0

[Discurso proferido em 7 de outubro de 2022, na cúpula de apoiadores do 40º aniversário do Mises Institute em Phoenix, Arizona]

Hoje estou dando uma palestra que Lew Rockwell não gostaria que eu desse.

É por isso que mantivemos o discurso do almoço sem nome.

Mas chama-se “O Lew Rockwell que eu conheço”.

Lew não gostaria de um discurso como esse, e nisso ele se parece com Ron Paul, que também geralmente evita elogios ou chamar a atenção para si mesmo.

Bem, dane-se, Lew, você vai ter que sentar aí e aceitar.

Conheci Lew em 1993 no programa de verão da Mises University. Não o conheci muito bem no início, mas admirava seus escritos. Certa vez, o vi lidar muito bem com um aluno, que obviamente não sabia quem era Lew, que perguntou: “Posso, por favor, ter mais alguns travesseiros para o meu dormitório?”

Em 1995 eu fui um dos primeiros bolsistas de verão do Mises Institute. Naquele verão, meu avô adoeceu. Ele estava perguntando aos membros da família quanto tempo levaria até eu voltar do Alabama. Quando lhe contaram que seria em agosto, ele disse a si mesmo: “Tenho que aguentar até lá”.

Lew pagou para eu voar para casa para ver meu avô doente antes que ele morresse.

Lew fez gentilezas particulares e desconhecidas como essa durante toda a vida – gentilezas que, como todos sabemos, nem sempre são correspondidas.

Agora Lew e seu trabalho têm um grande significado pessoal para mim, como explicarei em alguns momentos, mas o significado de seu trabalho para a Escola Austríaca e para o mundo, sendo de interesse mais geral, é o que começarei discutindo.

O intelecto imponente e a escrita prolífica de Ludwig von Mises podem ter o efeito de obscurecer o quão desesperador era o movimento austríaco após a Segunda Guerra Mundial.

O próprio Mises ocupou apenas um cargo não remunerado na Universidade de Nova York, onde dirigiu seu pequeno seminário. Hayek, embora não tenha se afastado inteiramente da economia, como nos lembram Desestatização do Dinheiro e seus ensaios em A Tiger by the Tail, ainda assim havia se mudado para campos relacionados, mas distintos, nessa época.

Não havia apoio institucional para a Escola Austríaca, e o número de pessoas que trabalhavam ativamente na tradição era desesperadamente pequeno.

A Escola recebeu um grande injeção no braço – me sinto engraçado usando essa expressão depois de 2020 – quando Hayek ganhou o Prêmio Nobel em 1974, um ano após a morte de Mises.

Nesse mesmo ano, a Conferência South Royalton foi realizada em Vermont. O remanescente de estudiosos austríacos se reuniu lá, e é desse evento que muitas vezes datamos o renascimento austríaco.

Mas, como observa Joe Salerno, não podemos ignorar o significado para o movimento austríaco de Homem, Economia e Estado, de Rothbard, que todos leram e Mises elogiou (sabemos por seus documentos particulares que seu elogio ao trabalho de Rothbard para correspondentes individuais foi mesmo maior do que o elogio efusivo que ele havia dado em público). Aquele livro havia mantido a Escola Austríaca viva.

Acho que podemos dizer que a fundação do Mises Institute por Lew Rockwell foi um evento divisor de águas de significado semelhante.

Como Joe escreve:

      Quando Rockwell fundou o Ludwig von Mises Institute em 1982, ele havia lançado sozinho as bases institucionais para a restauração da sólida economia austríaca – a economia austríaca descaradamente inspirada pela visão científica de Ludwig von Mises. O Mises Institute foi indispensável para resgatar o movimento austríaco moderno que havia sido iniciado por Rothbard em 1962 e, no início dos anos 1980, estava claramente naufragando. Quando Rockwell sugeriu a ideia de uma revista austríaca como um componente integral desse esforço de resgate institucional, Rothbard imediatamente viu mérito na ideia e aproveitou a revista como o principal instrumento para recuperar a economia austríaca daqueles que a haviam despojado de seu conteúdo misesiano essencial em busca de aceitação pelos economistas tradicionais. Por isso, Rothbard pressionou por um nome distinto e ousado para a revista que proclamasse orgulhosa e explicitamente a economia austríaca como uma alternativa à síntese neoclássica-keynesiana predominante. Se opuseram a ele nisso vários austríacos mais jovens que defendiam um nome menos provocativo e mais indefinido como o Revista do Processo de Mercado. Mas Rothbard reconheceu perceptivelmente essa concessão no título da revista como uma capa e um primeiro passo para diluir o núcleo praxeológico da economia austríaca.

Lembro-me de um incidente há alguns anos em que um repórter do New York Times apareceu no Mises Institute. Agora, se esta fosse uma típica instituição libertária, ora, o tapete vermelho teria sido estendido para aquele repórter. Mas quando Lew, em seu escritório, descobriu que um repórter do New York Times estava rondando o Instituto, ele desceu as escadas, disse ao repórter que ele era um porta-voz do regime e teria que sair, e então voltou aos seus afazeres.

Hoje em dia observamos muitos milhares de pessoas trabalhando na tradição austríaca e as grandes obras da Escola sendo lidas por milhões, e tomamos isso como certo.

Mas isso em si é um resultado do trabalho de Lew Rockwell e do Mises Institute.

E em 1982 não havia garantia de que a Escola Austríaca continuaria a crescer e florescer em vez de murchar e desaparecer.

Lew trouxe os alunos mais brilhantes de todo o mundo para o Mises Institute por verões inteiros, para participar do programa de bolsas de verão, antes de se tornarem acadêmicos importantes nos Estados Unidos e na Europa.

Fui um acadêmico residente no Mises Institute de 2006 a 2010 e, durante os verões, fazia festas semanais em minha casa. Isto deu-me a oportunidade de conhecer, fora dos limites do Instituto, os bolsistas de verão – e posso dizer-vos, estes eram realmente a nata da cultura. Ano após ano, mentes brilhantes passaram pelo Mises Institute e trabalharam com Joe Salerno e também Mark Thornton em suas pesquisas. A ideia era pegar o trabalho deles e transformá-lo em um artigo publicável até o final do verão, dando a esses alunos uma enorme vantagem acadêmica e profissional sobre seus colegas.

Lembro-me de um aluno em particular, que estava sendo examinado pelo corpo docente do programa da Mises University, sendo informado por Walter Block: você pertence a este lado da mesa, com o corpo docente.

O site do Mises Institute, enquanto isso, é o maior recurso online para o libertarianismo já criado. Todos os principais livros estão lá. Todas as edições impressas de periódicos como o Journal of Libertarian Studies e o Quarterly Journal of Austrian Economics estão disponíveis lá, assim como todas as edições do The Libertarian Forum e até Left and Right, a publicação de curta duração, mas altamente interessante, editada por Murray Rothbard com Leonardo Liggio.

Lew solicitou cursos de alguns de nossos principais acadêmicos e defensores libertários de longa data – acadêmicos que qualquer libertário em sã consciência admira, como Robert Higgs, Paul Cantor e Ralph Raico. Esses cursos cobrem história, literatura, economia e filosofia e, claro, estão disponíveis para visualização gratuita em Mises.org.

Encontramos lá também todas as palestras nomeadas em cada uma das Conferências Acadêmicas Austríacas, mais tarde renomeadas Conferência de Pesquisa Econômica Austríaca, o evento anual onde são apresentadas as últimas pesquisas em economia austríaca e áreas afins.

Todos os anos temos a Mises University, um intenso programa de verão instrucional de uma semana em economia austríaca, frequentado por estudantes universitários de todo o mundo. Foi este acontecimento que me fez, intelectualmente, quem sou hoje. Você pode assistir gratuitamente aos programas da Mises University dos anos anteriores no site.

E isso sem mencionar os milhares e milhares de artigos originais que foram publicados no Mises.org, ajudando as pessoas a entender os eventos atuais à luz da Escola Austríaca, ou o Acampamento de Economia Austríaca, que fornece uma rápida introdução à economia austríaca, ou o importante programa de Economia para Negócios de Hunter Hastings.

Tudo isso graças a Lew Rockwell.

Deixe-me fazer uma pausa também para dizer que, graças ao bom senso de Lew, o Mises Institute está atualmente em excelentes mãos, sob o presidente Jeff Deist. Jeff é um comentarista brilhante, cheio de ideias originais, e suas realizações no Mises Institute merecem ser classificadas como um “trabalho bem feito” por todos que se preocupam com esta instituição.

Esses dias em meu tempo livre tenho lido os estoicos, particularmente Sêneca. Embora Sêneca humanize até certo ponto o estoicismo, os princípios rígidos a que nos chama, embora reconheça neles uma nobreza inegável, muitas vezes parecem fora do meu alcance.

E, no entanto, ocorreu-me outro dia: conheço um estoico. Lew Rockwell.

Primeiro, há o seu temperamento. Nunca vi Lew perder a calma, ou parecer perturbado, ou deixar que suas emoções o dominassem. Eu nunca conheci ninguém que seja tão consistente no comando de si mesmo, exatamente como os estoicos insistiam.

Antes de elaborar mais, no entanto, deixe-me compartilhar com você uma história extraída do seriado Taxi dos anos 1980.

Há um episódio em que Ted Danson interpreta um cabeleireiro esnobe, arrogante e caro que estraga completamente o cabelo de Elaine, interpretada por Marilu Henner, que economizou para ir até ele fazer o cabelo para um evento especial.

O personagem de Alex Rieger a convence a voltar ao salão e exigir seu dinheiro de volta. Ele vai com ela. Louie De Palma, interpretado por Danny DeVito, também vai ao salão.

A certa altura, Elaine está prestes a despejar uma enorme tigela de tintura de cabelo ruiva em cima do personagem de Ted Danson. No último segundo, Alex diz algo para ela sobre isso. Se fizer isso, Elaine, não será melhor do que ele, diz Alex. Então ela para e diz, você está certo, eu sou bom demais para fazer isso.

E eles saem.

E então Louie diz: “Ela pode ser boa demais, mas eu não”, e começa a despejar a tintura sobre ele.

Agora vamos aplicar este conto à vida de nosso sujeito, Lew Rockwell.

O estoico, você deve se lembrar, não é perturbado por eventos externos, e isso inclui os ataques dos críticos. Não acredito, nos quase 30 anos que conheço Lew Rockwell, que o tenha visto responder a críticas nem uma vez. Nem uma vez.

Alguém que olha para a situação que enfrentamos hoje e conclui que a verdadeira ameaça vem da direita, e não de uma esquerda que controla todas as instituições e a mídia e demoniza os dissidentes em qualquer lugar do mundo onde eles surgem, de certa forma não é inteligente o suficiente para valer a pena responder.

Alguém que não realizou nada e não tem absolutamente nada para mostrar em termos do movimento libertário, atacando alguém como Lew Rockwell, que disponibilizou todos os textos-chave de toda a tradição austríaca para o mundo inteiro, não precisa ser respondido.

Em algum nível eu entendo isso, e admiro Lew por não desperdiçar seu tempo e simplesmente continuar seu trabalho. Deve deixá-los loucos que nem uma única coisa que eles dizem pareça afetá-lo. Eles querem que ele atire. E ainda assim ele não retruca. Ele nem mesmo os afasta, como se faria com um inseto.

Isso, meus amigos, é o que eles chamam de movimento de chefe.

Mas lembre-se: há Alex Rieger e há Louie De Palma.

Lew pode ser digno demais para responder aos seus críticos – mas eu não.

Eu posso lhe dizer que respondi às críticas de Lew.

Não, eles não merecem uma resposta, eles são fracassados mas, por algum motivo, sinto-me compelido a fazê-los saber que são fracassados.

Ah, os críticos de Lew estão tão preocupados com o abuso policial. Mas quem foi que destacou e promoveu o falecido e grande Will Grigg, de longe nossa maior voz nesse assunto, quando o libertarianismo oficial fingiu que ele não existia?

Ah, os críticos de Lew estão tão profundamente preocupados com o destino dos não-brancos em todo o mundo. No entanto, para muitos deles, apoiar guerras que levaram a centenas de milhares de mortes evitáveis ​​de não-brancos não é desqualificante.

Os críticos de Lew têm todas as vantagens possíveis: eles têm apenas opiniões oficialmente aprovadas, o que significa que não enfrentam a hostilidade fulminante de todas as grandes instituições como Lew enfrenta. Alguns de seus críticos têm fontes de financiamento à sua disposição que deveriam ter ajudado a impulsioná-los ao estrelato. No entanto, conheço um funcionário de um think-tank que, na verdade, precisa subornar as conferências para deixá-lo falar, já que ninguém nem sequer atravessaria a rua para ouvir esse cara.

E, no entanto, embora os críticos de Lew tenham seguido timidamente todas as regras estabelecidas pelo establishment, tomando cuidado para evitar certos tópicos, certificando-se de demonizar os dissidentes conforme o regime exige, honrando os ungidos do estado como Dr. Fauci, Lew ainda é muito mais popular entre os libertários do que eles.

Isso os deixa loucos. Ora, fizemos tudo o que deveríamos fazer, e ainda não podemos tocar nesse cara!

Mas talvez, caros críticos, seja exatamente por isso que vocês não podem tocá-lo.

Lew descreveu o libertário do regime com estas palavras inesquecíveis:

    O libertário do regime acredita na economia de mercado, mais ou menos. Mas fale sobre o Banco Central ou a teoria austríaca dos ciclos econômicos e ele fica inquieto. Sua revista ou instituto preferiria convidar Janet Yellen para um coquetel exclusivo do que Ron Paul para uma palestra.

O libertário do regime adora a ideia de reforma – seja do Banco Central, tributária, das escolas públicas, seja o que for. Ele foge da ideia de abolição. Ora, isso simplesmente não é respeitável! Ele passa seu tempo defendendo este ou aquele esforço de “reforma tributária”, em vez de simplesmente pressionar por uma redução ou revogação dos impostos existentes. É muito difícil ser um libertário quando se trata de lei antidiscriminação, dado o quanto ele pode receber críticas, então ele ficará do lado dos liberais de esquerda nisso, mesmo que seja completamente incompatível com seus princípios declarados.

Ele é antiguerra – às vezes, mas certamente não como um princípio geral. Pode-se contar com ele para apoiar as guerras que praticamente definiram o regime americano e que continuam populares entre o público em geral. Ele janta em feliz concórdia com os apoiadores das guerras mais notoriamente injustas, mas seu sangue ferve em indignação moral por alguém que contou uma piada de mau gosto há 25 anos.

Quando meu telefone toca e vejo que é Lew, sempre corro para atender. Ele sempre tem algo interessante para me contar – ou, verdade seja dita, às vezes um pouco de fofoca do nosso movimento maluco. Algumas vezes este ano eu atendi o telefone apenas para saber que ele havia ligado por acidente, e não consigo expressar o quão profundamente decepcionantes foram esses momentos.

Como mencionei anteriormente, Lew nunca chama a atenção para si mesmo e nunca se vangloria de suas realizações. Hoje eu mais ou menos tive que enganar Lew para que se sentasse e se deixasse elogiar.

Mas, Lew, espero que você perdoe por eu ter feito isso, presumivelmente contra a sua vontade. Perdi meu pai tragicamente em 1996, e desde então você tem sido uma figura paterna para mim. Você me apoiou nos bons e nos maus momentos.

E não importa o que aconteça, sempre pensei: Lew saberá o que devo fazer. Poucas pessoas têm a sorte de conhecer alguém tão consistentemente sábio. Muitas vezes tenho sido um parasita de seu brilhantismo estratégico, pois sempre fui até você para pedir conselhos. Você e Roger McCaffrey são as duas pessoas que consulto quando quero ter certeza absoluta do caminho que devo seguir.

Com o Mises Institute você construiu algo duradouro, que graças ao seu bom senso está em boas mãos, e que resistiu brava e corajosamente aos males da época – ao mesmo tempo em que os colocou contra uma alternativa atraente de liberdade, prosperidade e paz.

Aqueles de nós que tiveram a sorte de conhecê-lo pessoalmente encontraram uma das almas mais gentis e generosas que provavelmente conhecerão.

Lew, você é uma verdadeira joia, e minha vida foi muito enriquecida por tê-lo nela. Falo pelos libertários em todos os lugares quando, avaliando suas realizações, declaro você um de nossos grandes benfeitores e digo: obrigado por um trabalho bem feito e uma vida bem vivida.

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.