“Antidemocrático” significa apenas “algo que o regime não gosta”

1

“Democracia” é a nova “revolução”.

Nos antigos regimes marxistas, qualquer coisa que desagradasse ao regime era considerada contrária à “revolução”. Por exemplo, na União Soviética, os líderes nacionais falavam regularmente de como a nação estava no processo de “uma transformação revolucionária” em direção a uma futura sociedade comunista idealizada. Muitos anos após a revolução real e o golpe de estado na Rússia após o colapso do governo czarista, a palavra “revolução” tinha “conotações positivas e era considerada uma fonte de legitimidade na ideologia oficial”.

“Revolucionário” tornou-se sinônimo de “uma coisa que gostamos”, e não é surpresa que um manual jurídico soviético de 1952 liste as atividades “contrarrevolucionárias” entre os “crimes políticos … considerados crimes geralmente perigosos contra a ordem do Estado”. Além disso, no início da década de 1950, quando Mao Zedong lançou novos esforços para consolidar o poder comunista, ele chamou o esforço de “campanha para suprimir os contrarrevolucionários”. Outros regimes também adotaram práticas semelhantes. O regime de Fidel Castro frequentemente lançava investigações e campanhas contra dissidentes “anti-revolucionários” e os governos marxistas da Etiópia na década de 1970 descreveram os opositores domésticos como culpados de “crimes anti-revolucionários”.

Qualquer coisa que fosse considerada “contra-revolucionária” ou “anti-revolucionária” era considerada uma coisa terrível que era uma ameaça à noção confiável e vaga de progresso em direção ao cumprimento da suposta revolução. A imprecisão do termo era, claro, uma vantagem do ponto de vista do regime. Consequentemente, ser um contra-revolucionário não exigia nada mais do que ser culpado de crime de pensamento ao subscrever visões heterodoxas sobre o atual partido no poder.

Assim, ser contra-revolucionário era simplesmente se opor ao regime, independentemente de suas reais visões ideológicas. É por isso que a comunista Emma Goldman (uma revolucionária de boa fé) pode ser denunciada como “anti-revolucionária” por expressar dúvidas sobre as virtudes do regime soviético. O apoio de alguém à revolução real era irrelevante, e “antirrevolucionário” poderia simplesmente ser definido ou redefinido como qualquer coisa que o regime considerasse censurável em um determinado momento.

No ano de 2022, encontramos a palavra “democracia” desempenhando um papel semelhante no discurso político. O presidente Joe Biden fez dois grandes discursos este ano sobre como a “democracia” supostamente será abolida se seus oponentes vencerem. Na semana passada, o ex-presidente Barack Obama disse solenemente que, se os republicanos vencerem no Arizona, “a democracia como a conhecemos pode não sobreviver”. De fato, isso se tornou uma espécie de mantra entre os políticos de esquerda e seus aliados da mídia. Um escritor do Salon repreendeu os eleitores por ousar deixar seus votos serem influenciados por preocupações econômicas quando “a democracia está ameaçada”. Uma manchete do New York Times lamentou a aparente realidade de que os eleitores não parecem interessados ​​em “salvar a democracia” quando é supostamente tão claro que “a democracia está em perigo”.

Então, por que tantos eleitores estão supostamente aceitando “trocar a democracia por gasolina barata”? A resposta provavelmente está no fato de que a maioria dos eleitores pode ver o que é óbvio: a única coisa realmente em perigo é a versão de democracia da Esquerda, que é um modelo de tudo-vale-incluindo-fraude-eleitoral desenfreada para ganhar as eleições. Além disso, a esquerda quer uma tomada federal das eleições, que nos Estados Unidos sempre foi pelo menos moderadamente descentralizada. Em vez disso, o lado “pró-democracia” quer regulamentações eleitorais impostas pelo governo federal que proíbam limitações ao voto de estrangeiros, pessoas mortas e fraudes. Se a esquerda for mal nesta eleição, é muito menos provável que isso aconteça.

Qualquer tentativa de limitar a fraude – como exigir identificação dos eleitores – é denunciada como “antidemocrática”. De fato, nada mostra isso melhor do que as queixas da esquerda sobre o fato de alguns policiais terem monitorado os locais de votação. Como disse uma burocrata da Universidade de Georgetown, permitir que os agentes da lei protejam as urnas pode “intimidar” algumas pessoas e enviar a mensagem de que a fraude eleitoral realmente ocorre. Isso, ela nos diz, é “abominável”. Mas no cerne desta queixa está simplesmente uma aversão à ideia de que a presença da polícia possa fazer com que algumas pessoas tenham medo de fraudar os votos.

Ironicamente, por essa forma de pensar, ser “pró-democracia” é não se importar se o processo de votação é fraudulento. Deste modo, assim como o termo “revolucionário” sob os antigos regimes comunistas, os termos “democrático” e “democracia” hoje deixam de ter qualquer significado e realmente significam apenas “o que nosso lado gosta”.

Afinal, a maioria das pessoas razoáveis ​​concluiria que as instituições democráticas existem sempre que há eleições regulares e sufrágio universal geral para os cidadãos. Este é claramente o caso em todos os estados da união. Além disso, a esmagadora maioria dos países que a esquerda chama de “democracias” – França, Alemanha, Islândia etc. – possui requisitos de identificação do eleitor, verificações contra o voto duplo e meios semelhantes de prevenção de fraudes. Nos Estados Unidos, a esquerda chama tudo isso de “antidemocrático”.

Os detalhes reais do que significa ser pró-democrático ou antidemocrático na verdade não importam quando se trata de discurso político. A palavra “democrático” é um termo emocionalmente carregado e essencialmente um código para “politicamente legítimo”. Tudo o que realmente importa é chamar seus aliados de “democráticos” e denunciar o outro lado como “antidemocrático”. Hoje, ser rotulado como “democrático” significa que se tem a aprovação do regime dominante. Aqueles que são rotulados como “antidemocráticos” são aqueles que, como os “contra-revolucionários” de antigamente, foram considerados – com ou sem razão – ameaças ao status quo.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.