Apagando a história: a campanha da Big Tech para acabar com 2 anos de tirania COVID

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Cerca de dois anos após a Histeria COVID, parece que as forças da tirania COVID abandonaram sua guerra fracassada contra um vírus, pelo menos por enquanto. Mas elas ainda não podem se render a realidade de que tudo foi por nada. Eles não podem reconhecer que aqueles que comandam a sociedade conseguiram tudo o que queriam e acabaram destruindo centenas de milhões de vidas, sem que alcançasse nada de benéfico (pelo menos para pessoas decentes).

Agora, dezenas e dezenas de perfis contrários a narrativa COVID foram recentemente removidos. Eu mesmo, que frequentemente sou penalizado por infringir a narrativa, estou por um fio de ser suspenso indefinidamente.

A Big Tech está envolvida em uma operação gigante de limpeza para proteger a narrativa COVID. Governos poderosos e a imprensa corporativa, como seus aliados mais leais, orgulhosamente produzem o material para livrá-los. Essas forças estão criando uma câmara de eco que insiste na uniformidade completa. Então, para proteger a narrativa, os dissidentes devem ser banidos da praça pública.

De acordo com a narrativa, acabamos de descobrir que essas “medidas” podem não funcionar realmente. Mas isso não pode ser culpa das pessoas que empregaram essas medidas. Na câmara de eco, não houve discordância a esta campanha de dois anos de terror draconiano. Expor que a narrativa contrária é antiga causará um problema para as pessoas responsáveis, então é melhor remover evidências de que essa narrativa alternativa existiu desde o começo.

Você não pode permitir que repórteres mostrem evidências de que todas essas “medidas” para parar o COVID nunca funcionaram. Eles devem proclamar que esta é uma nova descoberta, e não algo que esses jornalistas independentes desonestos vêm articulando há dois anos.

Fico feliz que @DLeonhardt esteja finalmente informando nossos cidadãos suburbanos e do UWS sobre o que os Red-Staters sabem nos últimos dois anos
Vacinas, máscaras e ficar em casa não fizeram uma grande diferença nas taxas de casos de COVID, diz autor do NYT
Vacinas, máscaras, ficar em casa não fizeram uma grande diferença nas taxas de casos de COVID, diz escritor do NYT de precauções COVID-19 em um boletim informativo de quarta-feira.

 

Alguns dos maiores detratores da narrativa COVID estão sendo lentamente expurgados pela Big Tech.

Ainda esta semana, o excelente jornalista Michael Senger, autor de Snake Oil: How Xi Jinping Shut Down The World foi banido do Twitter.

Sua infração? Reafirmar a realidade de que os últimos dois anos foram uma catástrofe da pseudociência e que todo o sofrimento imposto às massas só criou problemas adicionais além do problema do vírus.

O Twitter suspendeu permanentemente Michael Senger pelo tweet abaixo. Isso é chocante e trágico, e segue os passos da suspensão (felizmente temporária) de Daniel Kotzin. Eles estão tentando nos silenciar, e presumo que o mesmo destino me acontecerá em breve.

 

Na manhã de sexta-feira, eles adicionaram o apresentador de rádio Shannon Joy à lista por destacar as dezenas de milhares de relatórios de efeitos colaterais do VAERS nas vacinas COVID dadas a crianças.

Tinha que haver uma razão para tudo isso, porque você não quer que as pessoas tenham a impressão de que toda a indústria da Saúde Pública é uma fraude ideológica gigante.

Você não quer dar às pessoas a ideia de que a Big Pharma se transformou em um cartel de golpistas famintos por dinheiro e poder.

Você não quer que os plebeus comecem a pensar que o CDC, FDA, NIH e todos os outros departamentos de saúde do governo não se importam nada com sua saúde e são apenas uma ferramenta dos interesses do Estado.

Então, em vez de esclarecer essas realidades acima mencionadas, a equipe de limpeza da Big Tech voltou seus esforços para proteger as inúmeras mentiras inventadas pela classe dominante, para que esses atores possam manter uma boa reputação aos olhos de seu eleitorado.

 

 

 

Artigo original aqui