Não existem “especialistas em saúde pública” (e nem “saúde pública”)

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Desde o início da Mania COVID, nos disseram para “ouvir os especialistas em saúde pública”. Os governos e a mídia corporativa identificaram esta categoria para nós como indivíduos (Dr. Fauci, Rachel Levine, Tedros Adhanom, Bill Gates) e grupos (CDC, OMS, Fundação Gates, Imperial College, etc) que são supostamente os melhores meios disponíveis para lidar com pandemias e disseminação de doenças. Quer saber como lidar com o COVID-19? Siga as ordens dos oniscientes especialistas em saúde pública, nos disseram.

Bem, agora estamos mais de um ano nisso, o mundo livre está em ruínas e virtualmente tudo recomendado por esses supostos especialistas de classe mundial resultou em completo caos e devastação.

Os “especialistas em saúde pública” nos disseram que as quarentenas eram a chave para nossa salvação. Quando isso não funcionou, eles fizeram a mesma coisa com máscaras, toque de recolher, distanciamento físico e assim por diante. Eles sabiam tudo, até não saberem mais, e destruíram dezenas de milhões de vidas em suas tentativas de resolver um problema de vírus. Então, como esses “especialistas” altamente elogiados poderiam entender tudo tão catastroficamente errado?

E o que exatamente é um especialista em saúde pública?

Existem muitos exemplos de especialistas em saúde individuais na sociedade.

Um dentista pode ajudar o paciente a compreender as melhores práticas de saúde bucal. Um profissional de fitness pode ajudar um cliente a atingir uma saúde metabólica ideal. Um nutricionista pode lhe dizer o que comer para se manter saudável. Um fisioterapeuta pode otimizar sua recuperação de uma lesão. Um ortopedista pode avaliar a saúde óssea. Estes são apenas um punhado de dezenas de exemplos de especialistas em saúde individuais.

Agora, o que um “especialista em saúde pública” pode fazer exatamente por você, e como você o define?

Bem, é nesse ponto que você encontramos alguma dificuldade. Se você pesquisar no Google “definição de especialista em saúde pública”, obterá 40 respostas diferentes de 40 departamentos de saúde pública acadêmicos e governamentais diferentes. As respostas variam de “profissionais da área lutam para definir a saúde pública com precisão” até “a ciência e a arte de prevenir doenças”.

Isso porque a saúde pública não é uma ciência real. Acredite em mim, pois sou alguém que estudou outra forma falsa de ciência (ciência política) na graduação. Assim como o “bem comum” não é bem para todos, a Saúde Pública sofre das mesmas falhas inatas que um conceito de saúde. O que é bom para João pode não ser bom para Luiza. O que é melhor para Catherine pode não ser melhor para Carlos. Uma tentativa de otimizar e aperfeiçoar a “saúde pública” inevitavelmente resultará em caos, como vimos acontecer ao longo do ano passado.

Você pode agradecer aos “especialistas em saúde pública” por normalizarem quarentenas saudáveis, máscaras ao ar livre, distanciamento social de 1,8 m, toques de recolher noturnos, lockdowns sociais e muitas outras medidas místicas infundadas de controle da população que foram aplicadas (e não conseguiram combater um vírus) em nome da ciência.

A saúde individual está para a saúde pública assim como a liberdade está para o totalitarismo. No momento em que você deixa de tratar os indivíduos e tenta coletivizar uma população, você não é tanto um especialista quanto um maníaco por controle autoritário disfarçado de especialista.

Fauci não é um especialista em saúde pública, ele é um imunologista obcecado por poder. Bill Gates não é um especialista em saúde pública, ele é um tecnocrata maníaco. O CDC e a OMS não possuem experiência em saúde pública, eles são burocracias inchadas que oferecem recomendações historicamente falhas para lidar com a propagação de doenças e outras questões sociais.

Nenhuma pessoa ou grupo pode reivindicar o manto da saúde pública, e nenhuma pessoa ou grupo pode reivindicar saber o que é melhor para o coletivo, assim como nenhum líder deve tomar decisões devastadoras para o “bem maior” da sociedade. Os autoproclamados especialistas em saúde pública nada mais são do que aspirantes a autocratas que habitam governos e departamentos acadêmicos. Dada a falta de experiência real ou competição nesses campos, não deveria ser uma surpresa que esses mesmos indivíduos também tenham um histórico atroz quando se trata de prevenir e tratar a propagação de doenças.

 

Artigo original aqui