As linhas de frente das guerras linguísticas

1

A linguagem é o instrumento perfeito do império.
—Antônio de Nebrija, bispo de Ávila,

O bispo estava certo, na sua época e na nossa. A Espanha se tornou o império mais poderoso do mundo no século seguinte, espalhando sua língua materna pelas Américas – assim como o exército romano impôs o latim em sua extensão e assim como o Império Britânico levaria o inglês para a Índia e a África. O domínio americano no século XX também significou que o inglês se tornou o idioma internacional padrão dos negócios. Os falantes de inglês hoje desfrutam do privilégio de viajar por um mundo onde letreiros de aeroportos, placas de trânsito, cardápios de restaurantes, funcionários de hotéis e lojistas os entendem.

Portanto, podemos pensar que as guerras linguísticas globais acabaram, com o inglês declarado o vencedor e o chinês mandarim o único futuro desafiante. Mas agora temos que considerar qual inglês prevalecerá, porque há uma batalha contínua para influenciar não apenas nossas palavras, mas nossos próprios pensamentos e ações.

O inglês de quem prevalecerá? O inglês de cima para baixo de acadêmicos, políticos e jornalistas, da Associated Press, da Modern Language Association, do Merriam-Webster e da Human Rights Campaign? Ou o inglês natural e em evolução de falantes e escritores operando sem restrições impostas?

Esta é uma pergunta difícil de responder, porque a linguagem é mais do que uma ferramenta de comunicação e cognição. É também uma instituição na sociedade e, como todas as instituições, está sujeita à corrupção e captura por aqueles com agendas políticas. Como a linguagem é o ponto de partida de toda a nossa epistemologia e metafísica — isto é, processamos dados sensoriais e pensamentos usando palavras — o controle sobre a linguagem é um prêmio óbvio. Podemos comparar as tentativas de impor a linguagem preferencial com o planejamento central intervencionista em um “mercado”, enquanto a evolução de baixo para cima envolve empreendedores linguísticos atuando em um sistema de laissez-faire. Da linguagem a analogia é imperfeita; a língua não pode ser possuída, e não há questões de direitos de propriedade envolvidas. Mas a linguagem certamente pode ser controlada e dirigida, seja por oficiais, por políticos, por professores, por celebridades e influenciadores, e por elites culturais. Desplataformar, cancelar e até mesmo leis criminais de “discurso de ódio” são as ferramentas de aplicação contra o discurso não aprovado, de modo que as guerras linguísticas não são meramente acadêmicas.

Tudo isso é o assunto do meu artigo recente, que considera a questão da imposição de cima para baixo versus evolução natural no contexto de fenômenos políticos recentes como Brexit, Trump, transgenerismo, Black Lives Matter, “equidade” e justiça social.

Aqui estão quatro conceitos-chave para ajudar a entender as linhas de frente dos campos de batalha linguísticos:

Primeiro, as palavras são intencionalmente despojadas de todo o significado pelo uso excessivo e abuso.

Isso é explicado na famosa exposição de George Orwell sobre “palavras sem sentido”, que ele entendia como linguagem simples usada de maneira conscientemente desonesta para impor agendas políticas. Assim, vemos palavras como “fascismo”, “racismo”, “nazista” e “democracia”, que já tiveram usos comuns e razoavelmente compreendidos, convertidos em porretes irracionais usados ​​em combates políticos. Palavras sem sentido elevam o falante ou escritor como inerentemente bom e justo (nós), enquanto coloca o destinatário alvo em uma categoria de pessoa muito ruim (eles). Se palavras são ferramentas, palavras sem sentido são martelos.

Em segundo lugar, as palavras são codificadas e embutidas com significados além de suas simples definições acordadas.

Às vezes, isso é grosseiro e desprezivelmente óbvio, como quando o termo “negacionista” é usado para comparar os céticos das mudanças climáticas aos negacionistas do Holocausto. Às vezes isso é mais sutil, como quando Hillary Clinton menciona nossa democracia “sagrada” sem explicar como, por que ou por cuja autoridade devemos manter em reverência religiosa um sistema político de votação em massa. E às vezes palavras como “sustentável” ou “inclusivo” são usadas tão amorfamente que as tornam uma forma de artigo de luxo, como uma bolsa linguística Birkin: a identidade e o status do usuário se tornam o significado.

Terceiro, as palavras recém-impostas contêm suas próprias admoestações e exortações.

A “justiça social” perverte um conceito individualizado e temporal, a justiça, em um objetivo social amplo indefinível e inalcançável. A “equidade” distorce o ideal de tratamento igual perante a lei em um objetivo inatingível (e realmente indesejável) de resultados iguais. O racismo “sistêmico” apaga a agência moral individual, criando uma forma de pecado original ou martírio dependendo de sua raça, independentemente de suas próprias crenças e ações. Somente o “antirracismo” ativo pode expiar isso. “Cisgênero” cria uma categoria totalmente nova para o que era considerado o status padrão até cinco minutos atrás. As palavras impostas efetivamente levantam a questão em um meta-nível, pressionando todos nós a reconsiderar a realidade.

Finalmente, o léxico recém-imposto não pretende promover a comunicação e a compreensão, mas sim intimidar e desmoralizar.

Vemos isso especialmente no mundo infinitamente fluido da linguagem trans, onde novas siglas e frases surgem quase constantemente. Os primeiros adeptos das novas palavras não esperam realmente que as pessoas comuns adotem e acompanhem todos os novos termos; eles são usados ​​para exigir respeito e aquiescência ao novo panorama sexual. Aqueles que se atrapalham com as novas regras desconcertantes podem ser atacados por desrespeitar ou errar o gênero de pessoas trans. O objetivo não é ajudar as pessoas comuns a navegar pelo súbito aumento de “questões” trans por meio da gentileza ou aceitação, mas sim impor uma maneira inteiramente nova de pensar sobre nossa biologia e identidade humana mais básicas.

A linguagem vai ao cerne de como percebemos e entendemos o mundo, e muda naturalmente ao longo do tempo, tanto por imposição de cima para baixo quanto por evolução natural. Mas quando os impostores têm uma agenda, devemos reconhecê-la e compreendê-la. Este resumo do escritor africano da influência colonial britânica no Quênia se aplica igualmente aos colonizadores de hoje que tentam impor sua língua a todos nós:

     O inglês tornou-se uma ferramenta chave de controle para a doutrinação social no Quênia. O governo britânico deu grandes passos para garantir que eles implantassem o inglês como a principal língua do Estado e para deixar claro, especialmente para os negros nativos, que o inglês era o princípio e o fim de toda a sociedade e cultura. Para fazer isso, os ingleses tiveram que concentrar esse esforço em dois ramos principais: educação e administração…. Essa restrição ao uso generalizado do inglês entre a população negra levou o uso do inglês a ser colocado em muito alta consideração. Foi associado ao conhecimento e à inteligência, permitindo que aqueles que o falavam alcançassem automaticamente uma escala social mais alta do que aqueles que falavam apenas línguas africanas. Essa reverência social da língua inglesa tornou mais fácil para os britânicos impor o controle sobre os africanos. Essa reverência se traduzia facilmente em complacência, porque as pessoas aceitariam facilmente qualquer coisa relacionada à governança inglesa devido a uma alta consideração pela língua inglesa.

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Sempre ouvi de muitas pessoas que, não tem nada de imperialista no fato de o inglês ser a atual língua franca dos negócios, que essa de “imperialismo do inglês” é só mais uma retórica de anti americanos.

    É claro que o inglês não é neutro, assim como o latim, francês, etc… também não foram, e o mandarim ou qualquer outro idioma também não será.

    Idiomas neutros talvez só os artificiais como por exemplo: esperanto, interlíngua, ido, etc… Estes já foram idealizados com a proposta de neutralidade.

    Klingon, élfico, navi, etc… já estão vinculados a um universo literário cinematográfico, logo já não são tão neutros…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.