A importância política de Murray Rothbard

0

Seria difícil exagerar a influência do professor Murray N. Rothbard no movimento pela liberdade e pelos mercados livres. Ele é o gigante vivo da economia austríaca, e liderou o agora formidável movimento desde a morte de seu grande professor, Ludwig von Mises, em 1971. Todos nós somos gratos a ele pelo vínculo vivo que ele forneceu a Mises, sobre cujo trabalho ele construiu e expandiu. Mas muitos estão menos cientes da influência política de Rothbard. Alguns diriam que, embora ele seja, sem dúvida, um excelente economista, seus esforços políticos não foram bem-sucedidos. Eu discordo disso.

Rothbard é o fundador do movimento libertário moderno e do Partido Libertário, que é sua encarnação política, e assim construiu a base necessária para a liberdade, inspirando o movimento de terceira via mais importante de todos os tempos. E em meu próprio trabalho político, fui profundamente influenciado pelas obras lúcidas e brilhantes de Rothbard. Em sua primeira correspondência comigo depois que fui eleito para o cargo, Rothbard expressou surpresa e prazer ao encontrar um congressista real que escreveu que “imposto é roubo” e citou com aprovação seu artigo, “Ouro vs. Taxas de Câmbio Flutuantes”. Eu, é claro, fiquei emocionado ao ouvir de alguém cujas obras eu havia estudado e admirado por tantos anos.

A aura que tradicionalmente cercou a política americana neste século se transformou em suspeita na última década. Os escândalos do Watergate (e, esperemos, também do Irã-Contragate) convenceram o público, temporariamente, de que é ingenuidade confiar em qualquer político convencional. Rothbard se encantou com o ocorrido, dizendo em 1979 que “é Watergate que nos dá a maior esperança para a vitória a curto prazo da liberdade nos EUA. Pois Watergate, como os políticos vêm nos alertando desde então, destruiu a “fé no governo” que o público tinha – e já não era sem tempo. “Rothbard se regozija, dizendo que “o próprio governo foi amplamente dessacralizado nos EUA”.

Ninguém mais confia em políticos ou no governo; todo governo é visto com hostilidade permanente, retornando-nos assim ao estado de desconfiança saudável do governo que marcou o público americano e os revolucionários americanos do século XVIII.” Por uma questão de liberdade, esperemos que essa hostilidade não seja apenas uma fase passageira.

A maioria entende que o que um político diz durante sua campanha raramente é compatível com seu desempenho. Ainda assim, esse cinismo amplo – e saudável – não se traduz em uma compreensão pública clara das mentiras do político médio.

É incrível como um político consegue manter uma imagem enquanto os fatos apontam claramente na direção oposta. Muitos ainda veem o presidente Reagan como um cortador de orçamento mesmo sendo ele quem propôs os maiores orçamentos e déficits de nossa história.

Embora talvez seja compreensível que o público permaneça ingênuo sobre as realidades da política, dada a conspiração da mídia do establishment para esconder a verdade, mas a tendência dos estudiosos de encobrir os fatos e deturpar as realidades é absolutamente imperdoável. Acadêmicos tendem a se apegar a velhas interpretações, ou pior, velhos ideais estatistas que obscurecem sua visão da realidade. E quando a ortodoxia histórica prevalecente é contestada, aqueles que têm interesse em manter os mitos tentam silenciar seus oponentes.

Apenas um exemplo de suas obras é o caso da análise revisionista de Murray Rothbard dos anos pré-Depressão de Herbert Hoover. Quando Rothbard começou a contar a história de Hoover, considere o que ele estava enfrentando. Os republicanos, que em sua maioria se opuseram ao New Deal de Roosevelt, culpam os democratas pelo enorme crescimento do governo que ocorreu durante esses anos. Por outro lado, os democratas, que se orgulham do New Deal, levam o crédito por ele. Assim, os republicanos são ensinados que “o único problema de Hoover era que ele não tinha um Congresso Republicano”, e os democratas são ensinados que o governo deve resolver qualquer crise que “os mercados livres socialmente darwinianos inevitavelmente causem”, assim como Roosevelt fez. E os intelectuais são notoriamente teimosos em aceitar novas interpretações históricas, especialmente se a revisão favorecer o livre mercado sobre o planejamento governamental.

É uma tarefa difícil mudar interpretações históricas – não importa quão falsas sejam – que foram solidificadas por gerações nas mentes dos partidários protetores do Estado. No entanto, Rothbard anunciou em 1963: “Herbert Clark Hoover deve ser considerado o fundador do New Deal na América”. E, de fato, “Franklin D. Roosevelt, em grande parte, apenas desenvolveu as políticas estabelecidas por seu antecessor”.

A análise de Rothbard é impressionante e exaustiva. Ele se empenhou em provar sua proposição e o fez. Hoover era um intervencionista. Ele estava filosoficamente comprometido em usar a máquina coercitiva do governo para trazer o pleno emprego, garantir a sobrevivência e a influência dos sindicatos, manipular o nível de preços em benefício dos agricultores, manter os níveis salariais e deportar imigrantes, evitar falências e, acima de tudo, inflar a oferta de moeda. Hoover fez isso apesar dos “liquidacionistas do fim amargo” que achavam que a Depressão representava uma correção necessária no mau investimento da década anterior.

E, de fato, contra todas as probabilidades, Rothbard fez incursões para mudar a maneira como a história trata Hoover. O eminente historiador britânico Paul Johnson, que se tornou o queridinho do movimento conservador com seu enorme estudo sobre a história do cristianismo e sua história do mundo durante o século XX, Tempos Modernos, foi diretamente influenciado pela reconstrução de Hoover feita por Rothbard. Em Tempos Modernos, Johnson chama as políticas fiscais e monetárias de Hoover de “keynesianismo vulgar”, um ponto sobre o qual Rothbard havia elaborado anteriormente.

Idols for Destruction, um trabalho acadêmico de Herbert Schlossberg que agora está causando muita conversa em círculos conservadores e evangélicos, ecoa entusiasticamente a revisão histórica de Hoover feita por Rothbard. “Herbert Hoover, surpreendentemente referido até pelos historiadores como um partidário do laissez-faire, apoiou energicamente… um poderoso Estado central que coordenaria as iniciativas empresariais.”

Afinal, o New Deal não era novo. Ele foi incubado na década anterior à ascensão de Roosevelt ao poder. A análise de Rothbard, direta e indiretamente, levou muitos a serem mais objetivos ao avaliar a política partidária, tanto hoje quanto no passado.

Anos antes de pensar em concorrer ao Congresso, me deparei com A grande depressão americana, de Rothbard. Antes de lê-lo, meu pensamento estava obscurecido pela tentação de dividir essas questões e ideias em termos partidários. Rothbard consertou isso.

A grande depressão americana foi um livro-chave na minha conversão ao pensamento libertário puro de livre mercado. A confiança que ganhei com a munição fornecida por Rothbard encorajou minha entrada na política, pois precisava da garantia de que minha fidelidade intuitiva à liberdade era compartilhada por grandes pensadores. Rothbard me ensinou a sempre manter em mente a distinção entre atividade pacífica de mercado e coerção do Estado. Serviu como um guia constante quando eu exercia o cargo.

Eu queria ver os brilhantes escritos de teóricos como Rothbard traduzidos em ação política prática. Para minha surpresa, havia um forte eleitorado para esses pontos de vista, e fui eleito para quatro mandatos. Mesmo uma pessoa familiarizada com apenas uma pequena parte do vasto trabalho que Rothbard produziu durante sua carreira conhece sua atitude em relação à política. Como Mises, ele rotula o Estado como o “aparato social de opressão violenta”.

Como minimizar o papel do Estado? Para provocar mudanças radicais e permanentes em qualquer sociedade, nosso foco principal deve ser a conversão de mentes por meio da educação. Esta é uma tarefa à qual Rothbard dedicou sua vida. É por isso que ele foi um participante tão disposto em tantas ocasiões de funções educacionais que eu organizei para estagiários, funcionários e membros do Congresso. Depois de falar em um seminário que dei, ele expressou satisfação com o grande público que compareceu, dizendo que “isso mostra até que ponto nossas ideias permearam a política e a opinião pública, muito mais do que eu esperava ou acreditava”.

Mas porque Rothbard vê a educação como o principal veículo para a mudança, isso não significa, é claro, que ele se oponha a se envolver diretamente na ação política em direção a uma sociedade libertária. Como ele havia dito, “já que o Estado não se converterá e abrirá mão graciosamente do poder, outros meios que não a educação, meios de pressão, terão que ser usados”.

É por isso que pedi sua ajuda quando fui nomeado para a Comissão do Ouro dos EUA, e Rothbard produziu um material brilhante sobre a história monetária americana no século XIX, especialmente no que diz respeito ao ouro e aos males dos bancos centrais. Estas são questões que Rothbard se recusou a transigir, apesar da enorme pressão de dentro e de fora do movimento. Até hoje, ele continua sendo o teórico monetário mais persuasivo e crítico consistente da inflação e do papel-moeda fiduciário. Quando o ouro voltar a ocupar um lugar central em nosso sistema monetário, teremos uma dívida gigantesca com o trabalho de Rothbard.

Na verdade, o trabalho de Rothbard na Comissão do Ouro nos ajudou a entrar no caminho para um padrão de moeda de ouro, porque foi da Comissão do Ouro que veio o apoio para minha legislação para cunhar a American Eagle Gold Coin. E seu encorajamento e apoio me ajudaram a me decidir a concorrer à Presidência dos Estados Unidos pela chapa do Partido Libertário.

De várias maneiras, o trabalho de Rothbard deu não apenas a mim, mas a todos nós a munição de que precisamos para lutar pelo sonho americano de liberdade e prosperidade para toda a humanidade.

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorAs linhas de frente das guerras linguísticas
Próximo artigoUm clichê do socialismo: sob propriedade pública, nós, o povo, somos os donos!
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.