As origens da fraude eleitoral nos EUA

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Desde que o prefeito Daley de Chicago “encontrou” dezenas de milhares de mortos para “votar” em John F. Kennedy nas eleições de 1960, muitos americanos suspeitam que as máquinas políticas urbanas do Partido Democrata estão inundadas de fraudes eleitorais. Essa suspeita não foi diminuída pelas ações do filho do prefeito, William, presidente da campanha de Al Gore e o homem encarregado da “recontagem” de votos que ocorre na Flórida.

Por mais notórias que sejam as máquinas políticas democratas, as origens da fraude eleitoral nos Estados Unidos estão no Partido de Lincoln. A enorme fraude eleitoral que ocorreu durante a Guerra entre os Estados e nos doze anos de “Reconstrução” que se seguiram fornece uma lição abjeta de tirania que tem implicações nefastas para os pagadores de impostos americanos.

Há notícias de que, durante o ciclo da eleição presidencial de 2000, muitos votos de ausentes nunca chegaram a militares no exterior, enquanto 40% dos que foram devolvidos ao estado da Flórida foram rejeitados devido a pequenos detalhes técnicos (como a ausência de um selo postal) . Durante a Guerra entre os Estados, Lincoln era conhecido por instruir seus comandantes militares a dispensar os republicanos registrados enquanto mantinha os democratas (e quaisquer outros) no campo, onde eles não podiam votar. Em estados fronteiriços como Maryland, onde havia forte oposição à guerra, soldados federais inundaram as cidades nos dias de eleições e foram instruídos a votar, mesmo não sendo residentes desses estados.

Os soldados federais também intimidaram os eleitores a votarem nos republicanos, ameaçando-os nas urnas. Como escreveu o biógrafo de Lincoln, David Donald, “Sob a proteção das baionetas federais, Nova York tornou-se republicana por sete mil votos” em 1864.

O Congresso Republicano chegou a criar três novos estados – Kansas, West Virginia e Nevada – para ajudar a fraudar a eleição de 1864 em favor de Lincoln, tão preocupados que estavam com o sentimento antiguerra generalizado e as deserções em massa do exército federal.

Durante a “Reconstrução” (1865-1877), o Partido Republicano detinha um monopólio de poder que era tão completo, observou o historiador Richard Bensel no Yankee Leviathan, que os paralelos mais próximos dessa situação são “o PRI no México, o Partido do Congresso na Índia, e os bolcheviques nos primeiros anos da União Soviética.”

Uma razão pela qual o Partido Republicano foi capaz de manter esse poder monopolista é que ele chantageou os dez estados do sul que se opunham à 14ª Emenda (o Tennessee votou a favor dela) para aprovar a Emenda negando-lhes representação no Congresso até que eles concordassem. Ao fazer isso, os estados do Norte efetivamente se separaram da união, uma união que Lincoln nunca reconheceu como tendo sido quebrada.

Quase todos os homens do sul foram privados de direitos, enquanto praticamente todos os ex-escravos do sexo masculino estavam registrados para votar (republicanos). Nenhum homem sulista poderia votar em quem participou do esforço de guerra de alguma forma, incluindo contribuir com comida ou roupas para o exército confederado. O registro de eleitor exigia que alguém proclamasse publicamente que estava do lado dos exércitos federais durante a guerra, algo que nenhum sulista são, que valorizasse sua vida, faria.

O resultado foi que, em 1868, dez dos quatorze senadores do sul dos Estados Unidos, vinte dos trinta e cinco representantes e quatro dos sete governadores eleitos eram republicanos do norte que nunca haviam se encontrado com nenhum de seus constituintes antes da guerra. Quaisquer funcionários públicos locais que não obedeceram estritamente aos ditames do Partido Republicano foram expurgados do cargo pelos militares e substituídos por lacaios do Partido Republicano que foram apoiados pelas forças de ocupação dos militares dos EUA.

Com um monopólio político obtido por meio de fraude eleitoral e força militar, o Partido Republicano saqueou o Sul por mais de uma década. Como os proprietários foram privados de seus direitos, os governos fantoches foram capazes de decretar um aumento de atrás de outro, ostensivamente para construir ferrovias, canais e estradas, muito poucos dos quais foram realmente construídos. A maior parte do dinheiro foi simplesmente roubado por lacaios do Partido Republicano e os empresários do esquema que os apoiavam. O Partido Republicano começou como o partido do bem-estar corporativo e mudou muito pouco nos últimos 150 anos.

Embora o Sul tenha sido economicamente devastado, o Partido Republicano impôs onerosos impostos sobre a propriedade que permitiram que os “funcionários” do partido interferissem e confiscassem a propriedade devido a impostos não pagos. Em determinado momento, 20% de todo o estado do Mississippi estava à venda. Em 1872, os impostos sobre propriedade no Sul eram quatro vezes mais altos do que em 1860. Eles eram trinta vezes mais altos na Carolina do Sul, onde o movimento de secessão começou. Muito desse dinheiro foi roubado por cobradores de impostos e nunca chegou ao tesouro estadual.

Um imposto federal punitivo de cinco centavos por libra também foi imposto ao algodão, o que forçou muitos fazendeiros do sul a vendê-los às autoridades fiscais do governo. Os agentes do Tesouro confiscaram a maior parte dessa receita para suas próprias contas bancárias, de acordo com um relatório de Sherrard Clemens, um investigador contratado pelo Presidente Andrew Johnson, conforme descrito em The Documentary History of Reconstruction.

Henry Clay Warmoth, o governador da Reconstrução da Louisiana, “acumulou” mais de US$ 1 milhão em riqueza em apenas quatro anos com seu salário de US $ 8.000 por ano, um feito financeiro comparável às proezas de negociação de gado futuro de Hillary Clinton.

A lição a ser aprendida com esses incidentes históricos é que qualquer partido político que seja ousado o suficiente para roubar uma eleição presidencial por meio de fraude eleitoral também será ousado (e poderoso) o suficiente para saquear os cidadãos sob seu governo, colocar em risco suas vidas e trata-los como servos.

 

Artigo original aqui.