Passou da hora de admitir: As drogas venceram a Guerra Contra as Drogas

1
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

No momento em que escrevo isso, ainda não sabemos quem ganhou a presidência dos EUA. No entanto, é hora de declarar pelo menos um vencedor. Depois de quase sessenta anos de luta, está claro que a Guerra às Drogas está quase no fim e as drogas venceram. Como relata a Associated Press, a maconha recreativa foi legalizada em Nova Jersey e Arizona, parece que está prestes a ser legalizada em Montana e Dakota do Sul, a maconha medicinal foi aprovada no Mississippi e o Oregon afrouxou as restrições às drogas pesadas.

Como escrevi em 2012, “a proibição é um exemplo clássico de política com consequências negativas não intencionais”. Os libertários se opuseram à proibição das drogas por duas razões principais. Primeiro, há um argumento simples baseado em direitos dizendo que o que eu coloco em meu corpo é basicamente problema meu, não do governo – e um governo que é grande e poderoso o suficiente para dizer a você o que você pode ou não fumar ou cheirar é grande o suficiente e poderoso o suficiente para dizer que você não pode comprar refrigerantes extragrandes ou cozinhar com gorduras trans.

Isso não quer dizer que vale tudo. Eu defendo fortemente um consenso ético que condena o uso de drogas quando interfere na capacidade de ser um bom amigo ou bom pai e que pune as pessoas quando gastam seu dinheiro com drogas (incluindo cigarros e álcool) enquanto seus filhos passam fome. Eu também acho que os mercados são reguladores muito eficazes e as empresas não devem ser proibidas se desejam tornar a abstenção das drogas uma condição para o emprego. A diferença entre um governo e as organizações que compõem a sociedade civil e comercial é que um governo pode prendê-lo. As empresas e igrejas não podem.

Os libertários também se opõem à proibição por razões consequencialistas. Mesmo se ignorarmos o argumento baseado em direitos contra a proibição, está claro que a guerra às drogas foi um desastre. Talvez as pessoas estejam usando menos drogas, mas as drogas que usam são muito mais potentes e a guerra às drogas está na raiz dos problemas do crime (veja The Economics of Prohibition de Mark Thornton para uma explicação mais detalhada). Idealmente, podemos esperar um “dividendo de paz” de uma guerra às drogas reduzida que libera recursos para outras atividades que não o policiamento e o encarceramento. Também há evidências de que a legalização das vendas de maconha aumenta o valor dos imóveis. O tempo dirá se essa associação se sustenta ou não, mas no mínimo sugere que a legalização da maconha não criou exatamente cenários infernais pós-apocalípticos repletos de drogas.

Dez anos atrás, acabar com a guerra às drogas era uma quimera. Agora, a maconha medicinal e a maconha recreativa estão sendo legalizadas em cada estado. Eu só posso esperar que o fim de toda essa loucura esteja próximo.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. Essa queda da legislação da máfia estatal sobre a produção e comercialização de drogas aparentemente é uma vitória dos gradualistas, assim entendidos como os liberalecos. Na verdade, eu acredito que está sendo feito assim para que no futuro o setor das drogas sejas explorado pela própria máfia estatal e seus comparsas do setor privado. Ou seja, não duvido que neste exato momento, estejam sendo construidas fábricas de refino de cocaína em larga escala com a desculpa que são laboratórios de vacinas, mas que convenientemente no futuro, podem ser reconvertidos….

    Eu só acharia esse processo legítimo se uma grande máfia estatal, como os EUA, por exemplo, amanhã votasse uma emenda constitucional abolindo qualquer lei anti-drogas, assim pressionando o resto do mundo a fazer o mesmo. Se o maior mercado de drogas do mundo fosse livre, a proibição no resto do mundo cairia como um castelo de cartas.