As vítimas de uma tirania vigente não a reconhecem

2
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Como a tirania surge e sobrevive?

Uma resposta infantil é que pessoas diabólicas de alguma forma tomam as rédeas do poder enquanto o povo da nação está inocentemente cuidando de suas vidas. Com sorrisos sinistros e girando as pontas dos bigodes, de maneira covarde, os tiranos impõem unilateralmente suas vontades criminosas à população.

O povo logo percebe que seus ditadores são venais e vis, mas há pouco que eles podem fazer além de se submeter silenciosamente. O povo está escravizado. Sua única esperança de emancipação é a intervenção de um super-herói – um camponês corajoso, talvez, para liderar uma revolução, ou um nobre governo estrangeiro empregando seus militares em todo o mundo para proteger a humanidade dos malfeitores.

Eu descrevo essa resposta como “infantil”, e certamente é. Mesmo assim, essa resposta capta a maior parte da atitude de muitos adultos. De acordo com essa atitude, a tirania é flagrante, pura e óbvia para todos – quase como num desenho animado – e, portanto, nunca é aceita voluntariamente. A tirania é um mal puro que é pressionado impiedosamente sobre as massas desafortunadas.

Nas nossas mentes, cidadãos esclarecidos das democracias do século XXI, a tirania é o Reino do Terror na França revolucionária. São os nazistas e fascistas de 80 anos atrás. São Stalin, Mao e Saddam Hussein. São Vladimir Putin, Xi Jinping, Kim Jong-un e o Talibã hoje.

Para aqueles de nós que possuem eleições reais e regulares, a tirania parece estar confinada a tais regimes – regimes distantes no tempo ou espaço e, portanto, culturalmente distantes de nós.

Tiranos sempre convencem

Esses regimes passados ​​e distantes são de fato tirânicos. No entanto, a atitude popular em relação a eles é perigosamente imatura. Todo tirano convence um grande número de pessoas sob seu governo de que usa a força exclusivamente para um bem maior. Os aspirantes a tirano que não conseguem convencer o povo dos propósitos nobres desses aspirantes nunca chegam ao poder que anseiam. Muito poucas pessoas se submetem.

Cada tirano real aponta para algum problema – talvez real ou talvez inventado, mas infalivelmente exagerado – cuja persistência infligirá ao seu amado Povo um dano sem precedentes. Ele convence o povo a obedecê-lo em sua pose de visionário corajoso e cuidadoso, sem medo de usar todos os poderes de que precisa para salvar seu povo dos terríveis perigos que de outra forma o aguardam. E ele insiste que seu exercício de poder deve ser amplo e ousado, livre de sutilezas legais ou éticas que apenas o impediriam de salvar seu rebanho.

Tremendo de medo desses perigos terríveis e esperançoso pela salvação prometida, o povo se submete. Como ovelhas.

Muitas pessoas, é claro, reconhecem e até se irritam com a arbitrariedade do ditador e a dureza de seus ditames. Mas, acreditando que esses ditames sejam necessários para um bem maior, a maioria mesmo dessas pessoas obedece humildemente. “O resultado final amanhã valerá a pena a dor, o sofrimento e a indignidade de hoje. Não temos escolha a não ser obedecer ao nosso líder” – assim segue o pensamento.

Assim, a tirania real surge e sobrevive. Ela surge e sobrevive sempre com a aceitação – e muitas vezes também com a aprovação entusiástica – de grande número de suas vítimas. Essas vítimas, portanto, não sentem que estão vivendo sob a tirania. Tirania é o que acontece com outras pessoas – com pessoas menos iluminadas ou muito menos afortunadas do que nós – com pessoas cujos opressores, ao contrário de nossos próprios líderes conhecidos, discursam loucamente em línguas estrangeiras, muitas vezes vestidos em trajes militares.

A tirania, acredita-se, não acontece conosco, pois não é realmente tirania se seu objetivo declarado é a nossa salvação – se ela promete nos proteger de perigos que temos certeza de que são reais, grandes e iminentes. E aquelas poucas aberrações ideológicas que insistem imprudentemente em chamar nossos salvadores de “tiranos” não reconhecem a necessidade de uma ação rápida e decisiva de cima. Essas aberrações deveriam ser ignoradas e talvez até mesmo silenciadas à força.

Tirania, novamente, não acontece conosco. Afinal, estamos cumprindo voluntariamente as ordens de nossos líderes, sabendo que são para o nosso próprio bem. Se estivéssemos sofrendo a opressão de tiranos, resistiríamos. Somos, não se esqueça, um povo glorioso. Somos iluminados, democráticos e livres. E então, porque a grande maioria de nós não está resistindo ao governo atual de nossos líderes, esse governo não pode ser tirânico. C.q.d.

Nossos líderes, em resumo, não são tiranos. Eles são servidores públicos em quem devemos confiar se quisermos ser salvos.

Então, assim concluem todos os tiranizados.

Socialismo Sanitário é tirania

Como a tirania sempre conta com o amplo apoio de suas vítimas, a maioria das pessoas que vivem sob ela não tem conhecimento do terrível destino que as aguarda. E assim é com a tirania do socialismo sanitário de hoje. Acreditando que as ordens de quarentena da Covid-19, decretos de máscara e fechamento de escolas são necessários para evitar perdas indizíveis de vidas, as pessoas obedecem. Este não é o momento para permitir que picuinhas sobre o estado de direito, ou sobre preocupações com outros assuntos que não a Covid, obstruam o valente esforço de nossos líderes para nos salvar!

No entanto, como acontece com toda tirania, a verdade acabará por emergir. No futuro, os olhos das pessoas se abrirão para os exageros, meias-verdades, distorções e mentiras descaradas usadas para desculpar as restrições tirânicas de hoje. Algum dia as pessoas olharão para 2020 e verão como um ano em que a tirania escureceu o globo.

Nossos filhos e netos balançarão a cabeça espantados com o fato de os adultos – os “adultos” – de 2020 serem tão crédulos a ponto de cair nos exageros histéricos e nos enganos e duplicidades usados ​​para justificar essa tirania. Eles ficarão chocados que em 2020 tantos repórteres, especialistas e políticos engoliram sem questionar todas as previsões exageradas de cientistas loucos como Neil Ferguson e seus colegas do Imperial College. Os queixos de nossa progênie cairão de perplexidade quando ponderarem sobre as “reportagens” atrozmente pobres e tendenciosas da mídia sobre a Covid-19. E nossos descendentes simplesmente se conformarão com a impossibilidade de compreender plenamente como e por que nos permitimos ser engolfados por tal tirania.

E então nossos filhos e netos darão tapinhas nas costas uns dos outros, com a confiança de que saberão que nunca serão tão crédulos como fomos nós em 2020.

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorQuem usa máscara está ajudando a espalhar o vírus e deve ser confrontado
Próximo artigoO resgate da loucura
é membro sênior do American Institute for Economic Research e do F.A. Hayek Program for Advanced Study in Philosophy, Politics and Economics no Mercatus Center da George Mason University; é Membro do Conselho do Mercatus Center; e um professor de economia e ex-chefe do departamento de economia da George Mason University. Ele é o autor dos livros The Essential Hayek, Globalization, Hypocrites and Half-Wits, e seus artigos aparecem em publicações como o Wall Street Journal, New York Times, US News & World Report, bem como numerosos jornais acadêmicos. Ele escreve um blog chamado Café Hayek e uma coluna regular sobre economia para o Pittsburgh Tribune-Review. Boudreaux é PhD em economia pela Auburn University e bacharel em direito pela University of Virginia.

2 COMENTÁRIOS

  1. O estado vende a ilusão de que poderá resolver problemas que de fato nunca serão resolvidos, pois estes tais “problemas” dependem da vontade subjetiva e marginal de cada indivíduo. conflitos étnico/culturais e problemas semelhantes não serão nunca resolvidos por leis e restrição de liberdade, pois além de não existir direito sobre interesse alheio ou obrigação de associação, a crença de que imposição de regras, censura vão mudar o pensamento de alguém é risível. Como tais conflitos nunca mudarão, pois pessoas não aceitam terem suas convicções e pensamento controlados o estado inventará cada vez mais desculpas para se insurgir e restringir mais liberdades, piorando e criando mais tenção entre indivíduos que não querem conviver. Estamos em uma era ridícula, onde há uma real crença popular de que pessoas devem ser obrigadas a conviver e se associar com grupos que não querem, por que alguém disse que isso é melhor pra elas e se acha detentor de uma moral superior ao ponto de serem donos do interesse dos demais e obriga-los a conviver. Realmente se acredita nisso no senso comum, e realmente se acha que isso é cabível, e que faz algum sentido. hahahaha, querem obrigar as pessoas a serem e se associarem seja no convívio ou em seus negócios com que elas definitivamente não querem.

  2. Estamos em um nível que acredito ser muito difícil relegar essa postura a pura covardia e medo. O medo existe, mas ninguém permanece como um cão tremendo no canto da parede por tanto tempo de forma tão absurda(Ninguém pode ser tão burro assim). O problema é muito mais que medo e histeria, é falta de caráter mesmo. A sociedade perdeu totalmente a vergonha na cara, são infantis sonsos que acham que tem direito de roubar dinheiro alheio terceirizando isso ao governo, por inveja e birra revanchista ideológica. A inveja cega o ser humano, o paternalismo e de certa forma doença mental, pois o descolamento da realidade é explícito, levarão a sociedade a auto destruição.