Capítulo 10: A Divisão do Trabalho esclarecida

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[Trecho de “Liberdade, Desigualdade, Primitivismo e Divisão de Trabalho”, em Igualitarismo como uma Revolta contra a Natureza & Outros Ensaios (Auburn, Ala.: Mises Institute, 2000), pp. 299-302.]

 

Percebi, desde que escrevi este ensaio, que exagerei nas contribuições e na importância de Adam Smith na divisão do trabalho. Ainda, para minha surpresa, não apreciei suficientemente as contribuições de Ludwig von Mises.

Apesar da enorme ênfase na especialização e na divisão do trabalho na Riqueza das Nações, grande parte da discussão de Smith foi equivocada e enganosa. Em primeiro lugar, ele deu importância indevida à divisão do trabalho dentro de uma fábrica (o famoso exemplo da fábrica de alfinetes), bem como mal considerou a divisão muito mais importante do trabalho entre várias indústrias e ocupações. Em segundo lugar, há a contradição maliciosa entre as discussões no Livro 1 e no Livro 5 na Riqueza das Nações. No Livro 1, a divisão do trabalho é enaltecida por ser responsável pela civilização, bem como pelo crescimento econômico, e também é elogiada por expandir o estado de alerta e a inteligência da população. No Livro 5, contudo, a divisão do trabalho é condenada por levar à degeneração intelectual e moral da mesma população e à perda de suas “virtudes intelectuais, sociais e marciais”. Essas queixas sobre a divisão do trabalho, além dos temas semelhantes abordados pelo amigo íntimo de Smith, Adam Ferguson, influenciaram fortemente as queixas sobre “alienação” em Marx e em escritores socialistas posteriores.[1]

Mas de importância ainda mais fundamental foi o abandono da tradição por parte de Smith, desde Jean Buridan e os escolásticos, para os quais duas partes sempre realizam uma troca porque cada uma espera ganhar com a transação. Em contraste com essa ênfase na especialização e na troca como resultado da decisão humana consciente, Smith mudou o foco do benefício mútuo para uma suposta “propensão inata e irracional para trocar, trocar e trocar”, como se os seres humanos fossem lêmingues movidos por forças externas aos seus próprios propósitos escolhidos. Como Edwin Cannan apontou há muito tempo, Smith adotou esse rumo porque rejeitou a ideia de diferenças inatas em talentos e habilidades humanas, diferenças que naturalmente levariam as pessoas a procurarem diferentes ocupações especializadas.[2] Smith, em vez disso, assumiu uma posição igualitária-ambientalista, ainda hoje dominante na economia neoclássica, sustentando que todos os homens são uniformes e iguais, portanto, que as diferenças de trabalho ou ocupações só podem ser o resultado e não uma causa do sistema de divisão do trabalho. Ainda, Smith inaugurou a tradição corolária de que as diferenças nas taxas salariais entre essa população uniforme só podem refletir diferenças no custo do treinamento.[3],[4]

Em contraste, o trabalho recente do professor Joseph Salerno iluminou as profundas contribuições da ênfase de Ludwig von Mises na divisão do trabalho como a “essência da sociedade” e o “fenômeno social fundamental”. Para Mises, como escrevi no ensaio, a divisão do trabalho decorre da diversidade e desigualdade dos seres humanos e da natureza. Salerno, além disso, mostra com clareza incomparável que, para Mises, a divisão do trabalho é uma escolha consciente de ganho mútuo e desenvolvimento econômico. O processo de evolução social, portanto, torna-se “o desenvolvimento da divisão do trabalho”, e isso permite que Mises se refira à divisão mundial do trabalho como um “organismo social” vital ou “oecumene”. Mises também aponta que a divisão do trabalho está no coração dos organismos biológicos e é “o princípio fundamental de todas as formas de vida”. A diferença do “organismo social” é que, ao contrário dos organismos biológicos, “razão e vontade são a forma originadora e sustentadora da coalescência orgânica”. Para Mises, “a sociedade humana é, portanto, espiritual e teleológica”, o “produto do pensamento e da vontade”. Torna-se, então, de extrema importância que as pessoas compreendam o significado de manter e expandir o oecumene que consiste no livre mercado e nas trocas humanas voluntárias, bem como perceber que romper e paralisar esse mercado e o oecumene só pode ter consequências desastrosas para a raça humana.[5]

No relato padrão, escritores e teóricos sociais devem suavizar e moderar seus pontos de vista à medida que envelhecem (duas gloriosas exceções a essa regra são figuras libertárias tão diferentes como Lysander Spooner e Lord Acton). Olhando para trás, ao longo das duas décadas desde que escrevi este ensaio, fica claro que minhas opiniões, ao contrário, se radicalizaram e polarizaram ainda mais. Por mais improvável que parecesse vinte anos atrás, sou ainda mais hostil ao socialismo, ao igualitarismo e ao romantismo, muito mais crítico da tradição neoclássica clássica e moderna britânica e ainda mais apreciador das grandes ideias de Mises do que nunca. De fato, para alguém que pensava ter absorvido todo o trabalho de Mises há muitos anos, ele é uma fonte constante de surpresa; a releitura de seus trabalhos continuando a fornecer uma fonte de novos insights e de novas maneiras de olhar para situações aparentemente banais. Esse fenômeno, com o qual muitos de nós temos experiência, é um testemunho da notável qualidade e riqueza do pensamento de Mises. Embora tenha morrido há quase duas décadas, Ludwig von Mises permanece mais verdadeiramente vivo do que a maioria de nossos contemporâneos convencionalmente sábios.

 

____________________

Notas

[1] Sobre a influência de Ferguson, ver MH Abrams, Natural Supernaturalism: Tradition and Revolution in Romantic Literature (Nova York: Norton, 1971), pp. 220-21, 508.

[2] Edwin Cannan, A History of the Theories of Production and Distribution in English Political Economy de 1776 a 1848 (3ª ed., Londres: Staples Press, 1917), p. 35.

[3] Compare o igualitarismo de Smith com o grande escolástico italiano do início do século XV, San Bernardino de Siena (1380-1444). Em seu Sobre Contratos e Usura, escrito em 1431-33, Bernardino apontou que a desigualdade salarial no mercado é uma função das diferenças de habilidade e capacidade, bem como de treinamento. Um arquiteto ganha mais do que um cavador de valas, explicou Bernardino, porque o trabalho do primeiro exige mais inteligência e habilidade, além de treinamento, para que menos homens se qualifiquem para a tarefa. Veja Raymond de Roover, San Bernardino of Siena and Sant’ Antonio of Florence, The Two Great Economic Thinkers of the Middle Ages (Boston: Baker Library, 1967), e Alejandro Chafuen, Christians for Freedom: Late Scholastic Economics (San Francisco: Ignatius Press, 1986), pp. 123-31.

[4] A economia do trabalho neoclássica moderna enquadra-se nesta tradição ao definir “discriminação” como quaisquer desigualdades salariais superiores às diferenças no custo da formação. Assim, ver o trabalho padrão de Gary Becker, The Economics of Discrimination (Chicago: University of Chicago Press, 1957).

[5] Joseph T. Salerno, “Ludwig von Mises as Social Rationalist”, Review of Austrian Economics 4 (1990): 26-54. Veja também a crítica de Salerno à reação incompreensível de Eamonn Butler aos insights de Mises, acusando Mises da “falácia orgânica” e da “dificuldade com o inglês”. Ibid., pág. 29n. O contraste implícito da visão de Mises com a ênfase de Hayek na ação inconsciente e na adesão cega às regras tradicionais é explicitado por Salerno na última parte deste artigo que trata do debate sobre o cálculo socialista, e em Salerno, “Postscript”, em Ludwig von Mises, Cálculo Econômico na Comunidade Socialista (Auburn, Alabama: Ludwig von Mises Institute, 1990), pp. 51-71.