Capítulo 27: Israel Kirzner e o homem econômico

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

[Resenha de The Economic Point of View, de Israel Kirzner (Princeton, NJ: D. Van Nostrand, 1960); reimpresso como “Economics as a Moral Science,” Modern Age (Primavera, 1961).]

 

A economia tem sido considerada a ciência sombria pela maioria dos homens instruídos. Grande parte dessa atitude negativa decorre de uma firme crença de que a economia (1) lida apenas com o negócio sujo de adquirir riqueza material, de ganhar dinheiro; e (2) postula um homem friamente racional, friamente calculista, econômico, um homem sem sentimento ou compaixão, um homem que recusaria alguns centavos à sua velha mãe doente porque seu único valor na vida é “comprar no mercado na baixa e vender na alta.”

Muito dessa imagem da economia sempre foi uma caricatura. Na medida em que foi relevante, foi apenas para a economia clássica britânica do século XIX, e em grande parte porque esses economistas não estavam devidamente equipados para analisar as ações dos consumidores. Desesperados em trazer o consumidor para seu quadro teórico, os economistas clássicos concentraram-se nos empresários e em sua busca pelo lucro pecuniário. Mas, geralmente, é o consumidor que possui valores e orienta os empresários que buscam o lucro nos caminhos da produção que vão satisfazer esses valores. A omissão clássica, com a defesa infeliz – e positivista – de John Stuart Mill do conceito de homo oeconomicus, deu espaço suficiente para os inimigos das duras realidades da disciplina econômica acumularem desprezo e abuso sobre a ciência como um todo.

A economia percorreu um longo caminho desde o século XIX, embora a história não seja geralmente conhecida. Neste trabalho fino e acadêmico, o professor Israel Kirzner traça o que aconteceu com a concepção do escopo da economia desde os primeiros clássicos britânicos. Ele mostra como a economia se ampliou imensamente ao longo dos anos, até que, no notável feito de Ludwig von Mises, tornou-se parte de uma análise teórica geral de todas as ações humanas, da ciência da “praxeologia”. Em vez de se limitar a certos bens específicos ou a certos motivos particulares, a análise econômica abrange todos os bens, materiais ou imateriais, e todos os motivos, bem como analisa essas ações a partir de um determinado aspecto particular. O homem que assiste e aprecia um concerto está engajado em uma ação analisável pela economia, ainda que seu motivo seja “puro” e o bem que ele consuma seja imaterial. E não apenas as trocas interpessoais estão sob a rubrica praxeológica, mas também ações puramente pessoais como os feitos de Crusoé em sua ilha deserta. Em resumo: a economia, ou praxeologia, lida com as implicações lógicas do fato universal e formal de que os seres humanos agem, ou seja, que agem propositalmente, empregando meios para atingir fins. A economia, portanto, em seu sentido mais profundo, não é, como a maioria das pessoas acredita, uma ciência estatística, quantitativa e empírica; é uma disciplina filosófica, qualitativa e dedutiva.

Deve-se notar que a economia é profundamente diferente de todas as outras ciências sociais ou “comportamentais”. Estes últimos, que tentam desenvolver leis científicas sobre o conteúdo das ações dos homens, são deterministas, mecanicistas e, portanto, behavioristas: os homens são tratados como pedras a serem “observadas”, mapeadas e “previstas”. A economia genuína, especialmente a economia como surgiu na praxeologia e como mostrou o Dr. Kirzner, é exatamente o oposto; em vez de substituir mecanicamente o comportamento pela ação, ela fundamenta suas deduções diretamente no axioma da ação, o que significa, em essência, no axioma da intencionalidade e do livre arbítrio do homem. O conservador, devidamente desconfiado da essência anti-humana da “ciência social”, deve reconhecer que na economia, particularmente na economia em sua forma praxeológica mais desenvolvida, ele tem um aliado firme e extremamente importante. A economia praxeológica baseia-se diretamente na realidade da pessoa individual, não na coletiva; e, em vez de esconder valores e propósitos, retrata o indivíduo como se esforçando propositalmente para alcançar seus objetivos acalentados. Enquanto a construção real do edifício do direito econômico é estritamente Wertfrei, no sentido mais profundo, a economia não é “comportamental” nem mesmo “social”, mas – como Mill desta vez corretamente a chamou – uma ciência moral.