Capítulo 3: Murray Rothbard no The New Banner

0
Tempo estimado de leitura: 20 minutos

[Reproduzido de The NEW BANNER: A Fortnightly Libertarian Journal, 25 de fevereiro de 1972.]

 

Nota do Editor da Redação: Nunca havia conhecido pessoalmente Murray Rothbard antes desta entrevista, eu só conhecia seu lado acadêmico – através de seus escritos; eu não tinha nenhuma ideia do tipo de personalidade que iria encontrar. Donald Stone, editor do boletim libertário Pegasus e amigo do The New Banner, que me acompanhou e auxiliou na entrevista, conheceu Murray Rothbard apenas brevemente em uma ocasião, um ano antes. Ficamos ambos muito satisfeitos, portanto, ao descobrir que sua estimada reputação como erudito se igualava com sua jovialidade e franqueza como anfitrião e interlocutor. O The New Banner está confiante de que, com esta entrevista, colocou à disposição de seus leitores uma visão atualizada da luta libertária do homem que hoje talvez seja o maior dos libertários.

 

NEW BANNER: Na 7ª edição da Carta de Ayn Rand, Miss Rand adverte seus leitores: “Não se juntem com… hippies libertários que subordinam a razão aos caprichos e substituem o anarquismo pelo capitalismo”. Você acha que essa observação foi dirigida a você e aos outros defensores de alternativas de livre mercado para instituições governamentais, e você acha que essa observação está de acordo com o princípio frequentemente declarado de Miss Rand de “definir seus termos”?

Rothbard: Bem, é difícil dizer, porque você percebe que há muito pouco fatos específicos na declaração dela. Há uma frase que abrange “hippies libertários”. Quem são eles? Onde eles estão?

O movimento que eu sou a favor é um movimento de libertários que não substituem o capricho pela razão. Agora, alguns deles o fazem, obviamente, e eu sou contra isso. Sou a favor da razão sobre o capricho. Quanto a mim, e acho que o resto do movimento também, somos anarcocapitalistas. Em outras palavras: acreditamos que o capitalismo é a expressão mais completa do anarquismo, e o anarquismo é a expressão mais completa do capitalismo. Não só eles são compatíveis, mas realmente não se pode ter um sem o outro. O verdadeiro anarquismo será o capitalismo; e o verdadeiro capitalismo será o anarquismo.

Quanto à observação dela estar de acordo com o princípio de definir os próprios termos — bem, obviamente não. Acho que ela nunca definiu o termo “anarquismo”, na verdade.

NEW BANNER: Você vê um futuro possível no “retirismo” libertário ou você vê isso como um revés no desenvolvimento político efetivo do movimento?

Rothbard: Não acho que seja um revés, porque não haverá muitos retiristas. Quantas pessoas vão se retirar para sua própria ilha ou seu próprio atol! Claro que apenas meia dúzia de pessoas irão, se realmente forem, e pode ser bom para elas. Desejo-lhes boa sorte, mas pessoalmente não o faria. Eu não vou para alguma maldita ilha ou algum maldito atol! Ah. Acho que a maioria dos libertários ou a maioria dos americanos também não fará isso.

Isso pode ser uma saída individual para essas pessoas, mas dificilmente é uma solução para o país. Não é uma solução para mim ou para qualquer outra pessoa que eu conheça. Então eu apenas acho que seja interessante ler sobre os retiristas, mas eles são irrelevantes – para usar um termo muito clichê – para as minhas preocupações atuais ou do restante do público.

Mesmo que fosse viável – mesmo que o governo não os reprimisse alegando serem um “perigo à navegação” ou qualquer outra coisa, o que sem dúvida ele faria, mesmo que conseguisse sair do papel, quem iria para lá?

Alguns dos retiristas, aliás, são filosoficamente muito fracos. Você deve conhecer esse sujeito Tom Marshall, que é o grande líder retirista e nômade. Ele tem essa visão que você precisa ser um nômade para ser livre. Em outras palavras, qualquer vínculo com um lugar ou uma carreira fere sua liberdade. Eu acho que isso é um erro filosófico maligno – que muitas pessoas fazem.

NEW BANNER: O povo americano parece, em geral, estar apoiando passivamente, se não ativamente, a Fase II [dos controles de preços de Nixon].[1] Os conservadores estão mais preocupados com a lei e a ordem do que com a liberdade econômica; os progressistas estão pedindo mais restrições após essa experiência recente com controles. O resto do país aparentemente se resignará a qualquer situação depois de tantos anos de duplipensar orwelliano. Onde isso deixa o libertário? Sozinho para a próxima geração?

Rothbard: Bem, não necessariamente, pois eu acho que ocorreu o desenvolvimento de um vácuo de liderança no país sobre as Fases I e II. Em outras palavras, os libertários foram as únicas pessoas que foram contra as Fases I e II desde o início, e por princípios. Alguns dos líderes sindicais são contra porque não receberam parte suficiente do bolo. Eles obviamente não eram contra isso por princípios. Os libertários foram os únicos desde o início a demonstrar essa discordância e a atacá-las publicamente. Sei que passei muito tempo atacando-as, debatendo com Herb Stein e assim por diante, mas acho que é útil também estrategicamente, porque a Fase II vai desmoronar. Já está começando a rachar. À medida que desmoronar, os libertários serão os únicos a possuir um histórico estabelecido de oposição. Acho que, de certa forma, podemos preencher o vácuo. Isso pode ser uma coisa muito boa para o movimento libertário. À medida que a coisa desmorona, as pessoas começarão a se voltar para nós em busca de liderança. “Bem, aqui estão esses caras que foram proféticos. Enquanto todo mundo estava concordando com isso, eles perceberam que não ia funcionar.”

NEW BANNER: Alguns libertários recomendaram ativismo antivoto durante a eleição de 1972. Você concorda com essa tática?

Rothbard: Tenho interesse em falar sobre isso. Esta é a posição anarquista clássica, não há dúvida disso. A posição anarquista clássica é que ninguém deve votar, porque, se você vota, está participando de um aparato estatal. Ou se você votar, deve escrever o seu próprio nome na cédula. Não acho que haja algo de errado com essa tática se realmente houvesse um movimento nacional – digamos, se cinco milhões de pessoas se comprometessem a não votar. Acho que seria muito útil. Por outro lado, não acho que votar seja um problema real. Não acho que seja imoral votar, em contraste com o que pensam as pessoas antivoto.

Lysander Spooner, o santo padroeiro do anarquismo individualista, fez um ataque muito pertinente a essa ideia. O fato é que, se você realmente acredita que ao votar está dando sua sanção ao estado, então você vê que está realmente adotando a posição do teórico democrático. Você estaria adotando a posição do inimigo democrático, por assim dizer, que diz que o estado é realmente voluntário, porque as massas o apoiam participando das eleições. Em outras palavras, você estaria do outro lado da moeda, apoiando a política da democracia – que o público está realmente dando suporte a ela e que tudo é voluntário.

Não acho que isso seja verdade, porque, como disse Spooner, as pessoas estão sendo colocadas em uma posição coercitiva. Elas estão cercadas por um sistema coercitivo; elas estão rodeadas pelo estado. O estado, no entanto, permite uma escolha limitada – não há dúvida que a escolha é limitada. Já que você está nesta situação coercitiva, não há razão para que você não tente fazer uso dela caso ache que fará diferença em sua liberdade ou bens. Então, ao votar, você não pode dizer que esta é uma escolha moral, uma escolha totalmente voluntária, por parte do público. Não é uma situação totalmente voluntária. É uma situação na qual você está cercado por todo um estado que você não pode votar para que ele deixe de existir. Por exemplo, não podemos votar pela eliminação da presidência – infelizmente, seria ótimo se pudéssemos, mas uma vez que não podemos, por que não fazer uso da votação se houver alguma diferença entre as duas pessoas. E é quase inevitável que haja uma diferença, aliás, porque apenas praxeologicamente ou no sentido da lei natural, cada duas pessoas ou cada dois grupos de pessoas serão ligeiramente diferentes, pelo menos. Nesse caso, por que não fazer uso dele. Não acho que seja imoral participar da eleição, desde que você entre nela consciente – desde que você não pense que Nixon ou Muskie são os maiores libertários desde Richard Cobden! – coisa que muitas pessoas, é claro, tentam se convencer antes de irem votar.

A segunda parte da minha resposta é que não acho que votar seja realmente a questão. Eu realmente não me importo se as pessoas votam ou não. Para mim, o importante é quem você apoia. Quem você quer que ganhe a eleição? Você pode ser um não-eleitor e dizer: “Eu não quero sancionar o estado” e não votar, mas na noite da eleição quem você espera que o resto dos eleitores – o resto dos idiotas por aí que estão votando – quem você espera que eles escolham? E é importante, porque acho que há uma diferença. A presidência, infelizmente, é de extrema importância. Estará mandando ou direcionando nossas vidas consideravelmente por quatro anos. Portanto, não vejo razão para não endossar, apoiar ou atacar um candidato mais do que o outro. Eu realmente não concordo com a posição não votante nesse sentido, porque o não votante não está apenas dizendo que não devemos votar, também está dizendo que não devemos apoiar ninguém. Será que Robert LeFevre, um dos porta-vozes da posição não-votante, irá, no fundo de seu coração na noite da eleição, ter algum tipo de preferência quando os votos forem contados? Ele vai torcer um pouco ou gemer mais dependendo de quem ganha? Não vejo como alguém poderia deixar de ter uma preferência, porque isso afetará a todos nós.

NEW BANNER: Que outras atividades você consideraria apropriadas para os libertários durante a eleição?

Rothbard: Bem, como tentei indicar – apoiar candidatos. Acho que haverá dois grupos principais de libertários este ano. Um grupo será o grupo não votante. O outro grupo será o grupo contra Nixon, do qual sou um membro entusiasmado. Eu quase tomo a posição “qualquer um menos Nixon”. Acabe com ele! Faça ele pagar! Elimine ele! Dê a ele a aposentadoria da vida pública que ele tanto merece. Tire-o ele de lá! Eu acho que há todos os tipos de razões pelas quais, se você quiser prosseguir neste assunto, Nixon deveria ser eliminado da vida pública.

Eu não apoio Ashbrook, mas acho que é um desenvolvimento muito interessante, porque existe a possibilidade de que os extremistas do campo conservador esperem que Ashbrook concorra com um quinto partido nas eleições gerais, o que é o importante. Porque, se ele concorrer em Ohio, Califórnia, etc., ele pode derrotar Nixon obtendo apenas 10% dos votos conservadores. Isto é, se ele tiver coragem de concorrer em uma eleição geral.

NEW BANNER: No início, seu boletim informativo, Libertarian Forum, era co-editado por Karl Hess. Ele já deixou a posição. Que diferenças ideológicas levaram a essa separação?

Rothbard: Em primeiro lugar, ele não era o editor, ele era o editor de Washington, o que significava que ele escrevia uma coluna. Ele não tinha nada a ver com a política editorial do boletim. O racha realmente começou quando fiz um ataque muito tangencial aos Panteras Negras. Ele ficou muito chateado com isso. Ele pensou que era uma coisa terrível atacar os Panteras e, já que seu nome estava no cabeçalho, os Panteras poderiam pensar que ele fazia parte do grupo que os estava atacando. Ele sentiu naquela época que era muito importante ter boas relações com os Panteras. Considero os Panteras um bando de hooligans e não vejo nenhuma razão para apoiá-los – seja em relação a quaisquer atividades criminosas de que participem ou ao programa de café da manhã gratuito. Você sabe que o Exército da Salvação tem oferecido café da manhã por muitos anos, e não vejo nada de particularmente revolucionário nisso. De qualquer forma, naquela época ele estava muito comprometido com os Panteras e essa foi realmente o que levou a separação.

Mas mais profundo do que isso é que Karl, após ter sido um anarco-capitalista por algum tempo, tornou-se um anarco-comunista ou anarco-sindicalista. Eu realmente não vejo nenhuma base para colaboração entre os dois grupos, porque mesmo que nós dois sejamos contra o estado existente, eles rapidamente criariam outro estado. Eu não acho que você possa ser um anarco-comunista ou um anarco-sindicalista. Você sabe, se a comuna administra tudo e decide por tudo, seja uma comuna de bairro ou uma comuna de massa do país – realmente não importa neste caso, alguém tem que tomar a decisão comunal. Você não pode me dizer que terá uma democracia participativa e que todos participarão igualmente. Obviamente haverá um pequeno grupo, o conselho de arbitragem ou o conselho administrativo estatístico ou como quiserem chamá-lo, tomando decisões para todos. Ou seja, será uma decisão coercitiva para a propriedade coletiva. Será outro estado novamente, pelo que entendi. Então, eu realmente não consigo ver nenhuma base para colaboração. Isso é realmente parte de uma análise mais ampla da posição comunista versus individualista.

Veja bem, eu fui uma das pessoas que originou a ideia de uma aliança com a Nova Esquerda, mas não pensei nisso nesses termos. Eu não pensava em uma aliança com a Nova Esquerda como viver em comunas com os Panteras Negras. Eu pensei nisso como participar com a Nova Esquerda em ações antirrecrutamento ou em oposição à guerra. Eu concebi uma aliança política e não ideológica. Enquanto ambos somos contra o recrutamento, vamos fazer comícios conjuntos para atacá-lo, ou algo assim. Este é um tipo de coisa completamente diferente.

Aliás, isso tem sido um problema com os libertários há muito tempo. Tanto antigamente, quando sempre se aliaram à direita, quanto agora, quando tendem a se aliar à esquerda. Você começa a se aliar a um grupo e logo se vê como um membro do grupo. Em outras palavras: a aliança se esvai. Comece com a ideia de que vamos trabalhar com conservadores ou radicais para objetivos específicos e, de alguma forma, eles começam a passar todo o tempo com essas pessoas e acabam se tornando conservadores ou radicais. O objetivo libertário desaparece e os meios tornam-se os fins. Este é um problema muito difícil porque você não quer ser sectário e não ter nada a ver com ninguém. Então você nunca vai ter sucesso em tudo. Acho que uma das respostas para isso é ter um grupo libertário forte o suficiente para continuar reforçando o libertarianismo de nossos membros.

NEW BANNER: David Nolan está formando um Partido Libertário. Seus membros indicaram interesse em nomeá-lo como seu candidato presidencial em 1972. Qual é sua resposta a essa sondagem?

Rothbard: Ha, ha, ha (risadas prolongadas). Eu realmente não acho, por mais adoráveis que sejam os pequenos partidos, que um partido libertário seja algo insensato neste estágio de nosso desenvolvimento. Ainda não existem muitos libertários. Não há financiamento, não há pessoal, não há nada. Talvez eventualmente tenhamos um partido político libertário.

NEW BANNER: Qual seria o propósito de um partido libertário?

Rothbard: Eu acho que se houvesse um partido libertário – e eu não quero fazer parecer que isso é uma coisa realista neste momento – se houvesse um partido libertário forte, ele poderia fazer várias coisas. Taticamente, poderíamos ter um equilíbrio de poder. Ainda melhor: como uma arma educacional. Se tivéssemos dez caras no congresso, digamos, cada um deles constantemente agitando por propósitos libertários – votando contra o orçamento etc., acho que seria muito útil.

Além disso, temos um problema de longo alcance com o qual nenhum de nós jamais lutou de forma alguma: como finalmente estabelecemos uma sociedade libertária? Obviamente, as ideias são uma coisa crucial. Primeiro, você tem que persuadir muitas pessoas a serem anarquistas – anarcocapitalistas. Mas, então, o que fazer? Qual é o próximo passo? Você certamente não precisa convencer a maioria do público, porque a maior parte do público seguirá qualquer coisa que aconteça. Você obviamente tem que ter uma grande minoria. Como implementamos isso? Este é o problema do poder. Como já expressei em outros lugares, o governo não vai renunciar. Não vamos ter uma situação em que Nixon leia Ação Humana, Revolta de Atlas ou Homem, Economia e Estado e diga: “Por Deus, eles estão certos. Eu desisto!” Não estou negando a possibilidade filosófica de que isso possa acontecer, mas estrategicamente é muito baixa na escala de probabilidade. Como dizem os marxistas: nenhuma classe dominante jamais cedeu voluntariamente seu poder. Tem que haver um esforço para lidar com o problema de como tirar esses caras das nossas costas. Então, se você realmente tem um grupo dedicado no congresso ou no senado, você pode começar a votar para abolir medidas ou qualquer outra coisa. Mas não acho que este seja o único caminho. Acho que talvez haja desobediência civil onde o público começará a não pagar impostos ou algo assim. Se você olhar para isso, existem várias alternativas possíveis para desmantelar o estado. Há revolução violenta, há desobediência civil não violenta e há o método de ação política. Eu não sei qual deles será bem-sucedido. É realmente uma questão tática que você não pode prever com antecedência, parece-me que seria imprudente desistir de qualquer ramo específico disso.

Cabe às pessoas criar algum tipo de perspectiva estratégica para desmantelar o estado. Por exemplo, Bob LeFevre de alguma forma conclui que é quase impossível se livrar do estado – do seu próprio ponto de vista. Ele é contra a revolução violenta — tudo bem, essa é uma posição muito respeitável; ele também é contra votar; ele é contra partidos políticos – fica muito difícil ver como alguém pode chegar a ameaçar o estado com esse tipo de procedimento. Não vejo por que devemos desistir de algo como partidos políticos. Pode ser um caminho para eventualmente desmantelar o estado ou ajudar a desmantelá-lo.

NEW BANNER: Na edição do Fórum Libertário de fevereiro de 1971, você afirmou que o movimento estava “decolando”. Na perspectiva do ano passado, você mudaria de opinião?

Rothbard: Não, acho que está decolando. Está crescendo muito rapidamente e está recebendo muita publicidade, o que é importante. A recente Conferência de Nova York foi muito bem-sucedida em muitos aspectos. Ainda estamos em boa forma. Eu não sei para onde ir a partir daqui, particularmente. Eu gostaria de ver um pensamento mais estratégico por parte do movimento sobre o que fazer a seguir. Por exemplo, deve haver algum esforço organizacional, e em caso afirmativo, qual? Esse tipo de coisa.

NEW BANNER: Você vê alguma sabedoria nos anarcocapitalistas se aliando à Nova Esquerda de hoje?

Rothbard: Não há Nova Esquerda hoje em dia. A Nova Esquerda está realmente acabada – não existe mais tal animal. Uma das razões pelas quais eu gostava da Nova Esquerda nos velhos tempos, em meados dos anos 1960, era que lá havia muitos elementos libertários. Não só havia oposição à guerra e ao alistamento militar, mas também à burocracia, ao governo central e assim por diante. Mas tudo isso parece ter sumido. Não há realmente nada acontecendo na Nova Esquerda agora.

NEW BANNER: Por que você acha que a Nova Esquerda nunca apoiou fortemente o movimento antirrecrutamento? Eles pareciam ter sido mais antiguerra, mas não preocupados com o antirrecrutamento.

Rothbard: Eles eram contra o recrutamento, porém, como você disse, não estavam realmente empenhados nisso. Não eram realmente contra o recrutamento. Eles são a favor do projeto da República Popular, quando a República Popular for estabelecida. Lembro-me de quando Castro chegou ao poder em 1959. Muitos dos seus seguidores mais sinceros disseram que uma das grandes coisas sobre Castro era que ele havia abolido o recrutamento. Claro, ele havia, mas estava de volta alguns anos depois. Veja bem, eles são contra um projeto de um governo reacionário, mas não de um governo popular. Ha, ha.

NEW BANNER: Você concorda com a proposta de que os libertários ignorem suas diferenças filosóficas para formar uma frente unificada?

Rothbard: Eu não acho que essa pergunta possa ser respondida de forma direta. Eu não concordo com a ideia sectária de que você tem que concordar em tudo antes de agir em qualquer coisa. Em outras palavras: você tem que concordar sobre A é A, livre-arbítrio, arte moderna ou qualquer outra coisa. Eu não compro isso; acho que é irreal. Por outro lado, simplesmente dizer que você se unirá em qualquer coisa se concordar sobre “destruir o estado”, sobre alguns slogans, também é muito perigoso. Depende do objetivo de sua ação ou atividade. Se você está participando de um tipo de coisa ad hoc, como um comício antirrecrutamento, então não vejo nada de errado em ter palestrantes ou atividades comuns com todas as pessoas antirrecrutamento, independentemente de suas premissas originais. Se você vai ter uma organização libertária realizando todos os tipos de atividades, conferências, jornais e coisas assim, você vai querer ter um acordo muito mais completo.

Claro, no movimento libertário você tem um espectro bastante amplo, que eu creio, felizmente, estar se estreitando. Acho que estamos chegando a uma situação na qual a extrema esquerda e a extrema direita, assim chamadas, estão se tornando uma posição central, o que nos dá mais base para a cooperação. O grupo “rip off Amerika” está começando a se acalmar e os randianos estão começando a ficar mais cautelosos com a constituição, os pais fundadores e a política externa americana. Então, eu acho que há mais acordo agora do que havia um ano atrás.

NEW BANNER: Em relação ao debate em andamento entre você e os friedmanitas, David Friedman fez uma acusação. Ele o acusou de não ter lido o que o pai dele, Milton Friedman, escreveu, incorretamente citando ou citando fora de contexto o que você leu, e ainda o acusou de ser um economista medíocre que tem inveja de toda a atenção dispensada a Milton. Algum comentário?

Rothbard: Ha, ha, ha. Quanto a citações erradas, é claro, você sempre pode dizer que ninguém leu completamente as obras de outras pessoas. Acho que Milton, por exemplo, não sabe nada sobre a escola austríaca. Obviamente, Milton é mais especialista em seus próprios escritos do que qualquer outra pessoa. Quanto a ter ciúmes de atenção, é como dizer que tenho ciúmes de Keynes ou Galbraith. Deixe-me colocar desta forma: eu acho que eles estão recebendo atenção imerecida. Parece-me que Galbraith está recebendo muito mais atenção do que merece, e acho que o mesmo vale para Milton.

Mas também creio estar muito claro que não é preciso ser um especialista nos escritos de Friedman para perceber que Milton é a favor do controle absoluto da oferta de moeda pelo estado, que é a favor de um aumento de 3% ou 4% na oferta de moeda (os números mudam o tempo todo) pelo estado a cada ano, que ele favorece um imposto de renda negativo, que é essencialmente uma renda anual garantida pelo estado, e que ele favorece um plano de vouchers que deixaria o estado solidamente no controle do sistema educacional. Essas coisas são bastante flagrantes; não há segredo nisso. Acho que está bem claro que Friedman é um estatista. Quer dizer, se você é a favor do estado ter controle da oferta monetária, controle do sistema educacional e uma renda anual garantida, é isso. Não há muito mais que possa ser dito. O fato de os friedmanitas serem contra o controle de preços é muito positivo, e eu os saúdo isso, mas os aspectos fundamentais do estado permanecem. O estado ainda comanda as principais funções da economia.

Esse é um dos problemas dos friedmanitas – eles não têm uma teoria política sobre a natureza do estado. Eles pensam no estado, e isso vale para Milton e toda a turma, pelo que vejo, como mais um instrumento social. Em outras palavras: há o mercado aqui e depois há o estado, que é outra organização amigável de bairro. Você decide sobre qual coisa, qual atividade, deve ser privada e qual deve ser estatal com base em uma ad hoc utilitária. “Bem, vamos ver, vamos alimentar a coisa pelo computador. Achamos que o mercado geralmente vence, que o mercado geralmente é melhor.” Então, na maioria das vezes, eles ficam a favor do mercado em coisas como controle de preços ou regulações governamentais, mas eles realmente pensam no estado como apenas mais um instrumento social. Quando eles ficam a favor do estado, eles vão com tudo. Não há limitação. Bem, eles dizem, o estado vai fazer isso. O estado administrará o sistema educacional ou o que quer que seja. Eles vão alimentando a coisa – teremos controles por um tempo e, então, eles desaparecerão – não é muito importante de qualquer maneira. Veja bem, eles realmente acham que podem chegar ao friedmanismo, digamos, apenas educando Nixon. O tipo de coisa que eu disse antes, jocosamente, sobre Nixon lendo A Revolta de Atlas e sendo convertido. Esse é realmente o tipo de teoria de mudança social que os friedmanitas têm. Você ocasionalmente vê o presidente, fala com ele e o convence de que não deveria haver controle de preços, que a ICC deveria ser eliminada, ou qualquer outra coisa — e então ele vai em frente e faz. Mas não funciona simplesmente assim. Eles não percebem que o estado é essencialmente uma gangue de ladrões e saqueadores. Que estão explorando o público, que têm todo um aparato burocrático de exploração e que não vão simplesmente abrir mão dele. Há todo o problema do poder envolvido que os friedmanitas se recusam a enfrentar. Eles não percebem que o estado não é um instrumento social, mas uma organização inimiga que é hostil à sociedade, saqueando-a, que deve ser confinada, diminuída, reduzida e, esperamos, finalmente abolida. Eles não têm nenhuma concepção disso. Eles só pensam nisso como outro tipo de coisa amigável, de mercearia de esquina, que você usa ou não usa.

NEW BANNER: O presidente do Federal Reserve, Arthur Burns, disse recentemente que expandiria a oferta de moeda a uma taxa que garantiria uma expansão “vigorosa” da economia dos EUA. Ao mesmo tempo, a Comissão de Preços permitirá apenas aumentos de preços limitados. Qual você acha que será o resultado líquido dessas políticas?

Rothbard: O resultado líquido será mais inflação, mais mercados negros e o povo sendo prejudicado. As pessoas que não têm força política na Comissão de Preços ou no Conselho de Pagamentos não receberão seus aumentos, enquanto aquelas que têm essa força receberão.

Todos os tipos de situações monstruosas ocorrerão. Declínio na qualidade, por exemplo. Descobriremos que haverá mais ar no chocolate Baby Ruth – você não pode mais encontrar o Baby Ruth de qualquer maneira. Haverá menos chocolate no chocolate. Não há como o estado policiar isso, é claro. E isso é muito prejudicial para o público.

A verdadeira raiz da inflação, que é a oferta de moeda, é que torneira está sendo aberta. É lamentável, mas muitas pessoas, incluindo conservadores e até libertários, têm sido grandes fãs de Arthur F. Burns. Eu nunca consegui entender isso. Ele sempre foi um inflacionista, um estatista e um pragmático.

NEW BANNER: Nixon deve pressionar por um imposto sobre valor agregado (IVA), uma medida que ele provavelmente revelará em breve. Quais podem ser os resultados de tal imposto?

Rothbard: Bem, é um imposto nacional sobre vendas. É uma coisa que ainda não foi explorada. Acho que Chodorov disse que o princípio de tributação que o governo sempre usa é o mesmo princípio do assaltante de estrada: agarre-os onde estiverem – se ele se mover, taxe-o! Se você encontrar algo que ainda não foi tributado, bem, tribute. O IVA é um novo truque que ainda não foi imposto nos Estados Unidos.

O imposto de renda está obviamente atingindo um limite crítico. Seria difícil para eles aumentá-lo. O imposto predial felizmente está sendo abandonado. E com toda a questão da educação – bem, eles precisam de um novo imposto para financiá-la. É um imposto sobre vendas, então vai tributar mais os pobres do que os ricos. Além disso, é um imposto oculto, para que o público não perceba. É um imposto de valor agregado pago por cada fabricante à medida que prosseguem na lista.

Também prejudica o volume de negócios. Se um produto for feito oito vezes, se passar por oito etapas de manufatura antes de chegar ao consumidor, será tributado duas vezes mais do que se passasse por quatro etapas. Isso restringirá o que os austríacos chamam de “processo de produção mais longo”, que prejudicará muito o investimento de capital. Aliás, apenas os austríacos trataram de toda essa questão do período de produção. Também trará integração vertical – fusões – que o governo afirma serem monopolistas. Se a coisa passar de um manufatureiro para outro, significa que você paga um imposto extra, mas se as duas empresas se fundirem, elas não terão que pagar nenhum imposto nessa fase. Então, vai incentivar as fusões.

NEW BANNER: Considerando seu histórico de previsões precisas, qual será a natureza da Fase III?

Rothbard: Eu não afirmo ser um grande previsor ou analista. É da natureza, aliás, da teoria econômica austríaca que o economista não possa realmente prever com perfeição. Não tenho certeza sobre a Fase III. Muito depende de Nixon ser reeleito ou não. Como em todos os casos de intervenção governamental, são apresentadas duas alternativas à medida que o sol se põe no oeste – quando a Fase II começa a desmoronar como já está.

Já o Conselho de Pagamentos concedeu aumentos para alguns grupos e cortou aumentos para outros grupos. Então, à medida que essa coisa se torna cada vez mais impraticável, o governo será confrontado com a questão – ou descartamos a coisa completamente e voltamos ao livre mercado ou apertamos os controles, pegamos pessoas que realmente acreditam nisso, pegamos Galbraith em vez de Stein, e temos um programa rigoroso. Poderia ocorrer de qualquer uma dessas maneiras. Quem sabe o que Nixon fará? Você não pode dizer de um dia para o outro o que Nixon vai fazer. No verão do ano passado, Nixon teria a mesma probabilidade a priori de lançar uma bomba sobre a China ou de firmar um acordo com ela. Não há como prever qual caminho ele vai tomar.

Temos a curiosa situação agora em que os economistas encarregados do programa da Fase II são quase exclusivamente contra ele. Todos eles dizem: “Bem, é claro que somos contra o controle e somos a favor do livre mercado, mas temos que fazer isso de qualquer maneira”. Nesse tipo de situação autocontraditória, quem sabe o que eles vão fazer?

NEW BANNER: Em fevereiro de 1971, o senador Mark Hatfield fez alguns comentários interessantes, mas vagos, em elogio ao seu livro Poder e Mercado. Você teve algum contato com o senador sobre sua ostensiva simpatia pelo libertarianismo?

Rothbard: Eu só encontrei o senador pessoalmente uma vez, no verão de 1969. Ele foi muito amigável com o libertarianismo naquela ocasião e disse que havia se comprometido com a causa do libertária. Agora, eu tive alguns contatos com ele desde então pelo correio. Mas, obviamente, seu histórico de votação não é particularmente libertário. É muito bom em política externa e no recrutamento, mas não é muito bom em outras coisas.

A razão disso eu realmente não sei. No entanto, ele tem sido muito bom na introdução de legislação para créditos fiscais e pelo direito de possuir ouro. Eu realmente não tenho muito contato com a equipe de Hatfield. Em resumo, pelo menos, ele é muito favorável ao libertarianismo.

Ele parece entender isso. Eu também entendo que um membro da equipe de Hatfield é um anarquista convertido pelo livro de Tannehill – esse é o boato que recebo.

NEW BANNER: Fiquei sabendo que você escreveu outros dois grandes manuscritos que ainda não foram publicados; A ética da liberdade e A traição da direita americana.

Rothbard: A traição da direita americana não é realmente um manuscrito substancial. É algo bastante agradável. É bem curto. É uma espécie de combinação de história pessoal e geral da direita de Mencken e Nock nos anos 1920, passando pelo período da Segunda Guerra Mundial e depois até o presente. Ele não será publicado no momento porque a Ramparts Press, que originalmente deveria publicá-lo, não gostou, e agora se tornou parte de uma coletânea introdutória. Agora a ideia é que eles vão lançar uma coletânea de coisas da Velha Direita como Mencken e Nock, e eu vou escolher os textos e escrever a introdução. Então, quanto a esse manuscrito, depois que a coletânea sair, acho que vou procurar uma editora para o original A traição da direita americana.

O livro de ética foi apenas parcialmente concluído, então esse é o problema com ele.

No momento estou trabalhando em um livro de libertarianismo para a Macmillan. O título provisório é Por uma nova liberdade. Será uma espécie de livro geral. É um livro bastante difícil de escrever, porque não posso ser tão erudito quanto gostaria e, por outro lado, não posso ser muito orientado para as massas. Então, eu tenho que escolher que caminhos seguir. Comecei com uma descrição do movimento discutindo quem está nele, o espectro nele, então entro na filosofia do movimento – o núcleo central da filosofia libertária. Em seguida, passo para as aplicações dessa filosofia. Acabei de terminar o capítulo sobre educação e, em seguida, vou para o bem-estar social. Depois que terminar, começarei a trabalhar no livro de ética, que é realmente o meu favorito. Até agora, escrevi em Poder e Mercado, etc., sobre os aspectos praxeológicos da liberdade “livres de juízo de valor”, e não abordei realmente a posição ética em livros. Uma coisa que acho excitante nisso é que vou tentar deduzir a ética como faço com a economia de uma situação de Robinson Crusoé e Sexta-feira – uma filosofia política de Crusoé. Mostrarei o que acontece quando Crusoé e Sexta-feira se envolvem em trocas e comércio voluntários em oposição à coerção e, em seguida, trazer toda a questão coerção versus liberdade. Então desenvolver a partir daí.

Eu também tenho outro manuscrito que é algo de muito longo prazo – é uma história dos Estados Unidos. Neste, eu escrevi até a Constituição. Será uma história dos Estados Unidos do ponto de vista libertário. É muito difícil escrever isso, porque não sabemos o que aconteceu – muitos fatos foram enterrados. As histórias ortodoxas não fornecem muitos fatos; muitos fatos são deixados de fora.

NEW BANNER: Pretende ser um livro didático?

Rothbard: Não, não realmente. É apenas uma história libertária dos Estados Unidos. Poderia ser usado como um livro didático, espero. Você sabe, Homem, Economia e Estado era originalmente para ser um livro didático e acabou como um tratado gigante. Acho que pode ser a mesma coisa.

NEW BANNER: Dr. Rothbard, em nome de nossos leitores e nossa equipe, gostaria de agradecê-lo por esta entrevista tão informativa.

Rothbard: O prazer foi meu.

[1] Nota do editor: Rothbard está se referindo às fases da Lei de Estabilização Econômica de 1970, que, dentre outras coisas, impôs controles de salários e preços na economia dos EUA de 1971 a abril de 1974.