Capítulo 4 — Certeza e Incerteza

0
Tempo estimado de leitura: 12 minutos
  1. O problema da definição quantitativa

Experimentos de laboratório e observação de fenômenos externos permitem às ciências naturais prosseguir com a medição e a quantificação do conhecimento. Referindo-se a esse fato, costumava-se denominar essas ciências como ciências exatas e menosprezar a falta de exatidão nas ciências da ação humana.

Hoje ninguém mais nega que, por causa da insuficiência de nossos sentidos, que a medição nunca é perfeita e precisa no sentido pleno desses termos. É apenas mais ou menos aproximado. Além disso, o princípio de Heisenberg mostra que existem relações que o homem não pode medir. Não existe exatidão quantitativa em nossa descrição dos fenômenos naturais. No entanto, as aproximações que a medição de objetos físicos e químicos podem fornecer são em geral suficientes para fins práticos. A órbita da tecnologia é uma órbita de medição aproximada e definição quantitativa aproximada.

Na esfera da ação humana não existem relações constantes entre quaisquer fatores. Consequentemente, não há medição e quantificação possível. Todas as magnitudes mensuráveis ​​que as ciências da ação humana encontram são quantidades do ambiente em que o homem vive e age. São fatos históricos, por exemplo, fatos da história econômica ou militar, e devem ser claramente distinguidos dos problemas com os quais a ciência teórica da ação – a praxeologia e especialmente também sua parte mais desenvolvida, a economia – lida.

Iludidos pela ideia de que as ciências da ação humana devem imitar a técnica das ciências naturais, muitos autores pretendem uma quantificação da economia. Eles acham que a economia deve imitar a química, que progrediu de um estado qualitativo para um quantitativo.[1] Seu lema é a máxima positivista: Ciência é medição. Apoiados por fundos ricos, eles estão ocupados reimprimindo e reorganizando dados estatísticos fornecidos por governos, associações comerciais e por corporações e outras empresas. Eles tentam calcular as relações aritméticas entre vários desses dados e, assim, determinar o que chamam, por analogia com as ciências naturais, de correlações e funções. Eles não conseguem perceber que no campo da estatística da ação humana é sempre história e que as alegadas “correlações” e “funções” não descrevem nada mais do que o que aconteceu em um determinado instante de tempo em uma área geográfica definida como o resultado do ações de um determinado número de pessoas.[2] Como método de análise econômica, a econometria é uma brincadeira infantil com cifras que em nada contribui para a elucidação dos problemas da realidade econômica.

 

  1. Certos conhecimentos

O empirismo radical rejeita a ideia de que certos conhecimentos relativos às condições do universo sejam acessíveis às mentes dos homens mortais. Considera as categorias a priori da lógica e da matemática como pressupostos ou convenções, livremente escolhidas em função de sua conveniência para a obtenção do tipo de conhecimento que o homem é capaz de adquirir. Tudo o que se infere por dedução dessas categorias a priori é meramente tautológico e não transmite nenhuma informação sobre o estado de realidade. Mesmo que aceitássemos o dogma insustentável da regularidade na concatenação e sucessão dos eventos naturais, a falibilidade e a insuficiência dos sentidos humanos tornam impossível atribuir certeza a qualquer conhecimento a posteriori. Nós, seres humanos como somos, devemos concordar com esse estado de coisas. Como as coisas “realmente” são ou parecem ser aos olhos de uma inteligência super-humana, essencialmente distinta de uma mente humana tal como ela funciona na presente era da história cósmica, é, para nós, inescrutável.

No entanto, esse ceticismo radical não se refere ao conhecimento praxeológico. A praxeologia também parte de uma categoria a priori e prossegue pelo raciocínio dedutivo. No entanto, as objeções levantadas pelo ceticismo contra a conclusividade das categorias a priori e do raciocínio a priori não se aplicam a ela. Pois, como deve ser enfatizado novamente, a realidade cuja elucidação e interpretação cabe a praxeologia é congênere da estrutura lógica da mente humana. A mente humana gera o pensamento humano e a ação humana. A ação humana e o pensamento humano derivam da mesma fonte e são, nesse sentido, homogêneos. Não há nada na estrutura de ação que a mente humana não possa explicar completamente. Nesse sentido, a praxeologia fornece conhecimentos exatos.

O homem como ele existe neste planeta no presente período da história cósmica pode um dia desaparecer. Mas, enquanto houver seres da espécie Homo sapiens, haverá ação humana do tipo categorial de que trata a praxeologia. Nesse sentido restrito, a praxeologia fornece conhecimento exato das condições futuras.

No campo da ação humana, todas as magnitudes determinadas quantitativamente referem-se apenas à história e não transmitem nenhum conhecimento que significasse algo além da constelação histórica específica que as gerou. Todo conhecimento geral, isto é, todo conhecimento aplicável não apenas a uma constelação definida do passado, mas a todas as constelações praxeologicamente idênticas do passado, bem como do futuro, é conhecimento dedutivo derivado em última análise da categoria de ação a priori. Refere-se rigidamente a qualquer realidade de ação como apareceu no passado e aparecerá no futuro. Ele transmite conhecimento preciso de coisas reais.

 

III. A Incerteza do Futuro

De acordo com um ditado frequentemente citado de Auguste Comte, o objetivo das ciências – naturais – é saber para prever o que acontecerá no futuro. Essas previsões são, na medida em que se referem aos efeitos da ação humana, condicionais. Eles dizem: Se A, então B. Mas eles não dizem nada sobre a emergência de A. Se um homem absorver cianeto de potássio, ele morrerá. Mas se ele vai engolir esse veneno ou não, não está decidido.

As previsões da praxeologia são, dentro do alcance de sua aplicabilidade, absolutamente certas. Mas eles nada nos dizem sobre os julgamentos de valor dos indivíduos agentes e a maneira como eles determinarão suas ações. Tudo o que podemos saber sobre esses julgamentos de valor tem o caráter categorial da compreensão específica das ciências históricas da ação humana. Se nossas antecipações – nossas próprias ou de outras pessoas – futuros julgamentos de valor e dos meios que serão utilizados para ajustar a ação a esses julgamentos de valor serão corretas ou não, não podemos saber com antecedência.

Essa incerteza do futuro é uma das principais marcas da condição humana. Ele contamina todas as manifestações de vida e ação.

O homem está à mercê de forças e poderes além de seu controle. Ele age para evitar o máximo possível o que, como ele pensa, irá prejudicar a si mesmo. Mas ele só pode ter sucesso dentro de uma margem estreita. E ele nunca pode saber de antemão em que medida sua atuação atingirá o fim pretendido e, se o atingir, se esta ação aparecerá em retrospecto – para si mesmo ou para as outras pessoas que a observam – como a melhor escolha entre aqueles que foram aberto para ele no instante em que embarcou nele.

A tecnologia baseada nas conquistas das ciências naturais visa o controle total dentro de uma esfera definida, que, naturalmente, compreende apenas uma fração dos eventos que determinam o destino do homem. Embora o progresso das ciências naturais tenda a ampliar a esfera de tal ação cientificamente direcionada, ele nunca cobrirá mais do que uma estreita margem de eventos possíveis. E mesmo dentro desta margem nunca pode haver certeza absoluta. O resultado almejado pode ser frustrado pela invasão de forças ainda não suficientemente conhecidas ou além do controle humano. A engenharia tecnológica não elimina o elemento aleatório da existência humana; apenas restringe um pouco seu campo. Sempre resta uma órbita que para o conhecimento limitado do homem aparece como uma órbita do puro acaso e marca a vida como uma aposta. O homem e suas obras estão sempre expostos ao impacto de acontecimentos imprevistos e incontroláveis. Ele não pode deixar de contar com a sorte de não ser atingido por eles. Mesmo as pessoas estúpidas não podem deixar de perceber que seu bem-estar depende, em última análise, da operação de forças além da sabedoria, conhecimento, previsão e provisão do homem. Com relação a essas forças, todo planejamento humano é vão. Isso é o que a religião tem em mente quando se refere aos decretos insondáveis ​​do Céu e se volta para a oração.

 

  1. Quantificação e compreensão na atuação e na história

Muitos dados com os quais a mente se preocupa tanto em retrospecto quanto no planejamento para o futuro podem ser expressos em termos numéricos. Outras magnitudes relevantes só podem ser colocadas em palavras de uma linguagem não matemática. Em relação a tais magnitudes, a compreensão específica das ciências da ação humana é um substituto, por assim dizer, para a inviabilidade de medição.

Nesse sentido, tanto o historiador quanto o agente homem falam da relevância de diferentes eventos e ações em relação à produção de outros eventos e de estados de coisas definidos. Nesse sentido, eles distinguem entre eventos e fatos mais importantes e menos importantes e entre homens maiores e homens menores.

Erros de julgamento nessa avaliação quase quantitativa da realidade são perniciosos se ocorrerem no planejamento de ações. As especulações estão fadadas ao fracasso se baseadas em uma antecipação ilusória das condições futuras. Mesmo que sejam “qualitativamente” corretos, ou seja, se as condições que eles anteciparam realmente aparecerem, eles podem trazer um desastre se estiverem “quantitativamente” errados, ou seja, se eles erraram quanto às dimensões dos efeitos ou quanto ao tempo de sua aparência. É isso que torna as especulações de longo alcance dos estadistas e dos empresários especialmente perigosas.

 

  1. A precariedade da previsão em assuntos humanos

Ao prever o que pode ou vai acontecer no futuro, o homem pode estar certo ou enganado. Mas sua antecipação de eventos futuros não pode influenciar o curso da natureza. O que quer que o homem possa esperar, a natureza seguirá seu próprio caminho, sem ser afetada por quaisquer expectativas, desejos, desejos e esperanças humanas.

É diferente na esfera em que a ação humana pode operar. A previsão pode revelar-se equivocada se induzir os homens a proceder com sucesso de uma forma que é projetada para evitar a ocorrência dos eventos de previsão. O que impele as pessoas a ouvir as opiniões dos adivinhos ou a consultá-los é frequentemente o desejo de evitar o surgimento de eventos indesejáveis ​​que, segundo essas profecias, o futuro lhes reserva. Se, por outro lado, o que o oráculo prometeu coincidisse com seus desejos, eles poderiam reagir à profecia de duas maneiras. Confiando no oráculo, eles poderiam se tornar indolentes e negligenciar fazer o que tinha de ser feito para cumprir a previsão do fim. Ou podem, cheios de confiança, dobrar o esforço para atingir o objetivo desejado.

Podemos ilustrar o problema nos referindo à previsão de negócios. Se as pessoas ouvirem em maio que o boom continuará por vários meses e não terminará em um crash antes de dezembro, elas tentarão vender o mais rápido possível, pelo menos antes de dezembro. Então, o boom chegará ao fim antes do dia indicado pela previsão.

 

  1. Previsão econômica e a doutrina de tendências

A economia pode prever os efeitos esperados de determinadas medidas de políticas econômicas. Pode responder à questão de saber se uma política definida é capaz de atingir os fins pretendidos e, se a resposta for negativa, quais serão seus efeitos reais. Mas, é claro, essa previsão pode ser apenas “qualitativa”. Não pode ser “quantitativo”, pois não há relações constantes entre os fatores e efeitos em questão. O valor prático da economia pode ser visto neste poder nitidamente circunscrito de prever o resultado de medidas definidas.

Os que rejeitam a ciência apriorística da economia por causa de seu apriorismo, os adeptos das várias escolas do historicismo e do institucionalismo, devem, do ponto de vista de seus próprios princípios epistemológicos, ser impedidos de expressar qualquer juízo sobre os efeitos futuros esperados e em qualquer determinada política. Eles nem podem saber que determinada medida, quando quer que se a tenha tomado, provocou no passado. Pois o que aconteceu foi sempre o resultado da operação conjunta de uma infinidade de fatores. A medida em questão foi apenas um dos muitos fatores que contribuíram para o surgimento do resultado final. Mas, mesmo que esses estudiosos sejam ousados ​​o suficiente para afirmar que uma medida definida no passado resultou em um efeito definido, eles não estariam – do ponto de vista de seus próprios princípios – justificados em presumir que, portanto, o mesmo efeito também será alcançado no futuro. O Historicismo e o institucionalismo consistentes teriam de se abster de emitir qualquer opinião sobre os efeitos – necessariamente futuros – de qualquer medida ou política. Eles teriam que restringir seus ensinamentos ao tratamento da história econômica. (Podemos ignorar a questão de como a história econômica poderia ser tratada sem a teoria econômica.)

Porém, o interesse do público pelos estudos rotulados como econômicos se deve inteiramente à expectativa de que se aprenda algo sobre os métodos a serem utilizados para a obtenção de fins definidos. Os alunos que frequentam os cursos de professores de “economia”, bem como os governos que indicam assessores “econômicos”, estão ansiosos por obter informações sobre o futuro, não sobre o passado. Mas tudo o que esses especialistas podem dizer a eles, se permanecerem fiéis a seus próprios princípios epistemológicos, se refere ao passado.

Para confortar seus clientes – estadistas, empresários e estudantes – esses estudiosos desenvolveram a doutrina da tendência. Eles presumem que as tendências que prevaleceram no passado recente – inadequadamente apelidadas de presente – também continuarão no futuro. Se consideram a tendência indesejável, recomendam medidas para alterá-la. Se o consideram desejável, tendem a declará-lo como inevitável e irresistível e não levam em conta o fato de que as tendências manifestadas na história podem mudar, muitas vezes, ou melhor, sempre mudaram, e podem mudar mesmo no futuro imediato.

 

VII. Tomada de decisão

Existem modismos e manias no tratamento de problemas científicos e na terminologia da linguagem científica.

O que a praxeologia chama de escolha é, hoje, no que concerne à escolha dos meios, denominado tomada de decisão. O neologismo visa desviar a atenção do fato de que o que importa não é simplesmente fazer uma escolha, mas fazer a melhor escolha possível. Isso significa: proceder de tal maneira que não seja satisfeito um fim desejado com menos urgência, se sua satisfação impedir a obtenção de um fim desejado com mais urgência. Nos processos de produção dirigidos na economia de mercado por empresas com fins lucrativos, isso é realizado, tanto quanto possível, com a ajuda intelectual do cálculo econômico. Num sistema auto-suficiente, fechado, socialista, que não pode recorrer a nenhum cálculo económico, a tomada de decisões sobre os meios é um mero jogo.

 

VIII. Confirmação e refutabilidade

Nas ciências naturais, uma teoria só pode ser mantida se estiver de acordo com os fatos estabelecidos experimentalmente. Este acordo foi, até há pouco tempo, considerado como confirmação. Karl Popper, em 1935, em Logik und Forschung[3] apontou que os fatos não podem confirmar uma teoria; eles podem apenas refutá-lo. Portanto, uma formulação mais correta deve declarar: uma teoria não pode ser mantida se for refutada pelos dados da experiência. Desse modo, a experiência restringe o arbítrio do cientista na construção de teorias. Uma hipótese deve ser abandonada quando os experimentos mostram que ela é incompatível com os fatos estabelecidos da experiência.

É óbvio que tudo isso não pode se referir de forma alguma aos problemas das ciências da ação humana. Não existem nesta órbita fatos estabelecidos experimentalmente. Toda experiência neste campo é, como deve ser repetido continuamente, experiência histórica, isto é, experiência de fenômenos complexos. Tal experiência nunca pode produzir algo que tenha o caráter lógico do que as ciências naturais chamam de “fatos da experiência”.

Se aceitarmos a terminologia do positivismo lógico e especialmente também a de Popper, uma teoria ou hipótese é “não científica” se, em princípio, não puder ser refutada pela experiência. Consequentemente, todas as teorias a priori, incluindo matemática e praxeologia, são “não científicas”. Este é apenas um trocadilho verbal. Nenhum homem sério perde seu tempo discutindo tal questão terminológica. A praxeologia e a economia manterão seu significado primordial para a vida e a ação humana, independentemente de como as pessoas as classifiquem e descrevam.

O prestígio popular de que gozam as ciências naturais em nossa civilização, é claro, não se baseia na condição meramente negativa de que seus teoremas não foram refutados. Além do resultado de experimentos de laboratório, existe o fato de que as máquinas e todos os outros implementos construídos de acordo com os ensinamentos da ciência funcionam da maneira antecipada com base nesses ensinamentos. Os motores movidos a eletricidade fornecem uma confirmação das teorias da eletricidade nas quais sua produção e operação foram fundadas. Sentado em uma sala iluminada por lâmpadas elétricas, equipada com telefone, refrigerada por corrente elétrica e limpa por aspirador de pó, o filósofo, assim como o leigo, não pode furtar-se a admitir que possa haver, nas teorias da eletricidade, algo mais do que, até agora, não se tenha refutado por um experimento.

 

  1. O Exame dos Teoremas Praxeológicos

O epistemólogo que começa suas elucubrações a partir da análise dos métodos das ciências naturais e que as cegas impedem de perceber qualquer coisa além desse campo nos diz apenas que as ciências naturais são as ciências naturais e que o que não é ciência natural não é ciência natural. Sobre as ciências da ação humana ele nada sabe e, portanto, tudo o que diz sobre elas não tem importância.

Não é uma descoberta feita por esses autores que as teorias da praxeologia não possam ser refutadas por experimentos nem confirmadas por seu emprego bem-sucedido na construção de vários dispositivos. Esses fatos são precisamente um aspecto do nosso problema.

A doutrina positivista implica que a natureza e a realidade, ao fornecer os dados dos sentidos que as sentenças protocolares registram, escrevem sua própria história na folha branca da mente humana. O tipo de experiência a que se referem ao falar em verificabilidade e refutabilidade é, como eles pensam, algo que não depende de forma alguma da estrutura lógica da mente humana. Ele fornece uma imagem fiel da realidade. Por outro lado, eles supõem, a razão é arbitrária e, portanto, sujeita a erro e má interpretação.

Essa doutrina não apenas falha em permitir a falibilidade de nossa apreensão dos objetos dos sentidos; não percebe que a percepção é mais do que apenas apreensão sensual, que é um ato intelectual realizado pela mente. A esse respeito, tanto o associacionismo quanto a psicologia da Gestalt concordam. Não há razão para atribuir à operação que a mente realiza no ato de se tornar ciente de um objeto externo uma dignidade epistemológica mais elevada do que a operação que a mente realiza ao descrever seus próprios modos de procedimento.

Na verdade, nada é mais certo para a mente humana do que o que a categoria da ação humana traz em relevo. Não há ser humano para quem seja alheia a intenção de substituir por uma conduta apropriada um estado de coisas por outro que prevaleceria se ele não interferisse. Só onde há ação existem homens.

O que sabemos sobre nossas próprias ações e sobre as de outras pessoas é condicionado por nossa familiaridade com a categoria de ação que devemos a um processo de auto-exame e introspecção, bem como de compreensão da conduta de outras pessoas. Questionar esse insight não é menos impossível do que questionar o fato de estarmos vivos.

Quem quiser atacar um teorema praxeológico deve rastreá-lo, passo a passo, até chegar a um ponto em que, na cadeia de raciocínio que resultou no teorema em questão, um erro lógico possa ser desmascarado. Mas se esse processo regressivo de dedução termina na categoria de ação sem ter descoberto um elo vicioso na cadeia de raciocínio, o teorema está totalmente confirmado. Os positivistas que rejeitam tal teorema sem tê-lo submetido a esse exame não são menos tolos do que aqueles astrônomos do século XVII que se recusaram a olhar pelo telescópio que teria mostrado a eles que Galileu estava certo e eles errados.

 

_____________________

Notas

[1] J. Schumpeter, Das Wesen und der Hauptinhalt der theoryetischen Nationalökonomie (Leipzig, 1908), pp. 606 e seguintes; W. Mitchell, “Quantitative Analysis in Economic Theory”, American Economic Review , XV, I ff .; G. Cassel, On Quantitative Thinking in Economics (Oxford, 1935); e uma crescente inundação diária de livros e artigos.

[2] Mises, Human Action , pp. 347 e segs.

[3] Agora também disponível em uma edição em inglês, The Logic of Scientific Discovery (Nova York, 1959).

Artigo anteriorCapítulo 3 — Necessidade e Vontade
Próximo artigoCapítulo 5 — Sobre alguns erros populares relativos ao escopo e método da economia
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.