Capítulo 5 — Sobre alguns erros populares relativos ao escopo e método da economia

0
Tempo estimado de leitura: 38 minutos
  1. A Fábula da Pesquisa

As ideias populares a respeito dos métodos que os economistas empregam ou deveriam empregar no desenvolvimento de seus estudos são moldadas pela crença de que os métodos das ciências naturais também são adequados para o estudo da ação humana. Essa fábula é sustentada pelo hábito de confundir história econômica com economia. Um historiador, quer lide com o que se denomina história geral ou com história econômica, tem que estudar e analisar os registros disponíveis. Ele deve embarcar na pesquisa. Embora as atividades de pesquisa de um historiador sejam epistemológica e metodologicamente diferentes das de um físico ou biólogo, não há mal nenhum em empregar para todos eles a mesma denominação, a saber, pesquisa. A pesquisa não é apenas demorada. Também é mais ou menos caro.

Mas a economia não é história. A economia é um ramo da praxeologia, a teoria apriorística da ação humana. O economista não baseia suas teorias na pesquisa histórica, mas no pensamento teórico como o do lógico ou do matemático. Embora a história seja, como todas as outras ciências, o pano de fundo de seus estudos, ele não aprende diretamente com a história. É, ao contrário, a história econômica que precisa ser interpretada com o auxílio das teorias desenvolvidas pela economia.

A razão é óbvia, como já foi apontado. O historiador nunca pode derivar teoremas sobre causa e efeito da análise do material disponível. A experiência histórica não é experiência de laboratório. É a experiência de fenômenos complexos, do resultado da operação conjunta de várias forças.

Isso mostra por que é errado afirmar que “é da observação que mesmo a economia dedutiva obtém suas premissas últimas”.[1] O que podemos “observar” são sempre apenas fenômenos complexos. O que a história econômica, observação ou experiência pode nos dizer são fatos como estes: durante um determinado período do passado, o minerador John nas minas de carvão da empresa X na vila Y ganhou p dólares por um dia de trabalho de n horas. Não há maneira que conduza da reunião de tais dados e semelhantes a qualquer teoria sobre os fatores que determinam a altura dos salários.

Existem muitas instituições para supostas pesquisas econômicas. Recolhem materiais diversos, comentam de forma mais ou menos arbitrária os acontecimentos a que esses materiais se referem e são até ousados ​​o suficiente para fazer, com base nesse conhecimento do passado, prognósticos sobre o curso futuro dos negócios. Considerando a previsão do futuro como seu principal objetivo, eles chamam a série de dados coletados de “ferramentas”. Considerando a elaboração de planos de ação governamental como seu objetivo mais eminente, eles aspiram ao papel de um “estado-maior econômico” auxiliando o comandante supremo do esforço econômico da nação. Competindo com os institutos de pesquisa de ciências naturais por verbas governamentais e de fundações, eles chamam seus escritórios de “laboratórios” e seus métodos “. Seu esforço pode ser altamente valorizado sob vários pontos de vista, mas não se trata de economia. Trata-se de história da economia de um passado recente.

 

  1. O Estudo dos Motivos

A opinião pública ainda sofre com o fracasso da economia clássica em lidar com o problema do valor. Incapazes de resolver o aparente paradoxo da avaliação, os economistas clássicos não conseguiram rastrear a cadeia de transações do mercado até o consumidor, mas foram forçados a começar seu raciocínio a partir das ações do empresário, para quem as avaliações dos compradores são um fato dado.  A conduta do empresário na qualidade de comerciante ao serviço do público é pertinentemente descrita pela fórmula: compre pelo mais barato e venda pelo preço mais caro. A segunda parte desta fórmula refere-se à conduta dos compradores cujas avaliações determinam a altura dos preços que estão dispostos a pagar pela mercadoria. Mas nada é dito sobre o processo que configura essas avaliações. Eles são tomadas como um dado. Se aceitarmos essa fórmula simplificada demais, certamente é possível distinguir entre a conduta empresarial (falsamente denominada conduta econômica ou racional) e a conduta determinada por outras considerações que não as dos negócios (falsamente denominada conduta antieconômica ou irracional). Mas este modo de classificação não faz sentido se o aplicarmos ao comportamento do consumidor.

O dano causado por essas e outras tentativas semelhantes de fazer distinções foi que elas removeram a economia da realidade. A tarefa da economia, como muitos epígonos dos economistas clássicos a praticaram, era lidar não com os eventos como eles realmente aconteceram, mas apenas com as forças que contribuíram de alguma maneira não claramente definida para o surgimento do que realmente aconteceu. A economia não pretendia, de fato, explicar a formação dos preços de mercado, mas sim a descrição de algo que, juntamente com outros fatores, desempenhou certo papel, não claramente descrito, nesse processo. Praticamente não lidava com seres vivos reais, mas com um fantasma, o “homem econômico”, uma criatura essencialmente diferente do homem real.

O absurdo desta doutrina torna-se manifesto assim que se levanta a questão em que difere este homem econômico do homem real. Ele é considerado um egoísta perfeito, onisciente e exclusivamente dedicado a acumular mais e mais riquezas. Mas não faz qualquer diferença para a determinação dos preços de mercado se um comprador “egoísta” compra porque deseja desfrutar do que comprou ou se um comprador “altruísta” compra por outras razões, por exemplo, para fazer um presente a uma instituição de caridade. Tampouco faz diferença no mercado se o consumidor, ao comprar, é guiado por opiniões que um espectador não afetado considera verdadeiras ou falsas. Ele compra porque acredita que adquirir a mercadoria em questão o satisfará melhor do que ficar com o dinheiro ou gastá-lo em outra coisa. Quer ele almeje ou não acumular riqueza, ele sempre almeja empregar o que possui para aqueles fins que, como ele pensa, irão satisfazê-lo melhor.

Existe apenas um motivo que determina todas as ações de todos os homens, a saber, remover, direta ou indiretamente, tanto quanto possível qualquer desconforto sentido. Na busca desse objetivo, os homens são afetados por todas as fragilidades e fraquezas da existência humana. O que determina o curso real dos eventos, a formação dos preços e todos os outros fenômenos comumente chamados de econômicos, bem como todos os outros eventos da história humana, são as atitudes desses homens falíveis e os efeitos produzidos por suas ações passíveis de erro. A eminência da abordagem da economia da utilidade marginal moderna consiste no fato de que ela dá total atenção a esse estado de coisas. Não trata das ações de um homem ideal, essencialmente diferente do homem real, mas das escolhas de todos aqueles que participam da cooperação social sob a divisão do trabalho.

A economia, dizem muitos de seus críticos, pressupõe que todos se comportam em todas as suas ações de maneira perfeitamente “racional” e visam exclusivamente ao maior ganho possível, como os especuladores comprando e vendendo na bolsa de valores. Mas o homem real, eles afirmam, é diferente. Ele visa também outros fins além das vantagens materiais que podem ser expressas em termos monetários.

Há um monte de erros e mal-entendidos nesse raciocínio popular. O homem que opera na bolsa de valores é movido nessa atividade por um único propósito, o de ampliar sua competência. Mas exatamente a mesma intenção anima a atividade aquisitiva de todas as outras pessoas. O fazendeiro quer vender sua produção pelo preço mais alto que puder obter, e o assalariado está ansioso para vender sua produção pelo preço mais alto possível. O fato de que, ao comparar a remuneração que lhe é oferecida, o vendedor de mercadorias ou serviços leva em consideração não apenas o que ele recebe em termos de dinheiro, mas também todos os outros benefícios envolvidos, está em plena consonância com seu comportamento, conforme caracterizado nesta descrição.

Os objetivos específicos que as pessoas visam na ação são muito diferentes e mudam continuamente. Mas toda ação é invariavelmente induzida por um único motivo, a saber, substituir um estado que convém melhor ao ator pelo estado que prevaleceria na ausência de sua ação.

 

III. Teoria e prática

Uma opinião popular considera a economia como a ciência das transações comerciais. Ele pressupõe que a economia está na mesma relação com as atividades de um empresário assim com a disciplina de tecnologia ensinada nas escolas e exposta em livros para as atividades de mecânicos, engenheiros e artesãos. O empresário é aquele que faz coisas sobre as quais o economista apenas fala e escreve. Portanto, um empresário tem, na sua qualidade de profissional, um conhecimento mais bem fundamentado e mais realista, informações privilegiadas, sobre os problemas de economia do que o teórico que observa os negócios de fora. O melhor método que o teórico pode escolher para aprender algo sobre as condições reais é ouvir o que os performers dizem.

No entanto, a economia não trata especificamente dos negócios; trata de todos os fenômenos do mercado e de todos os seus aspectos, não apenas da atividade de um empresário. A conduta do consumidor – isto é, de todos – não é menos um tópico de estudos econômicos do que qualquer outra pessoa. O empresário, na sua qualidade de empresário, não está mais intimamente relacionado ou envolvido no processo que produz os fenômenos de mercado do que qualquer outra pessoa. A posição do economista em relação ao objeto de seus estudos não deve ser comparada à do autor de livros sobre tecnologia aos engenheiros e operários práticos, mas sim à do biólogo aos seres vivos – incluindo os homens – cujas funções vitais que ele tenta descrever. Os peritos em oftalmologia não são as pessoas com a melhor visão, mas os oftalmologistas, mesmo que sejam míopes.

É um fato histórico que alguns empresários, principalmente David Ricardo, deram contribuições notáveis ​​à teoria econômica. Mas havia outros economistas eminentes que eram “meros” teóricos. O que há de errado com a disciplina que hoje em dia é ensinada na maioria das universidades sob o rótulo enganoso de economia não é que os professores e os autores dos livros-texto não sejam homens de negócios ou fracassaram em seus empreendimentos comerciais. A falha está em sua ignorância em economia e em sua incapacidade de pensar logicamente.

O economista – como o biólogo e o psicólogo – lida com questões que estão presentes e operantes em cada homem. Isso distingue seu trabalho daquele do etnólogo que deseja registrar os costumes e hábitos de uma tribo primitiva. O economista não precisa se deslocar; ele pode, apesar de todos os escárnios, como o lógico e o matemático, realizar seu trabalho em uma poltrona. O que o distingue de outras pessoas não é a oportunidade esotérica de lidar com algum material especial não acessível a outros, mas a maneira como ele olha as coisas e descobre nelas aspectos que outras pessoas não percebem. Era isso que Philip Wicksteed tinha em mente quando escolheu para seu grande tratado um lema do Fausto de Goethe: Vida humana – todo mundo a vive, mas apenas alguns poucos são conhecidos.

 

  1. As armadilhas da hipostatização

O pior inimigo do pensamento claro é a propensão a hipostasiar, ou seja, atribuir substância ou existência real a construções ou conceitos mentais.

Nas ciências da ação humana, o exemplo mais evidente dessa falácia é a maneira como o termo sociedade é empregado por várias escolas de pseudociências. Não há mal nenhum em empregar o termo para significar a cooperação de indivíduos unidos em esforços para atingir fins definidos. É um aspecto definido das ações de vários indivíduos que constitui o que é chamado de sociedade ou a “grande sociedade”. Mas a própria sociedade não é uma substância, nem um poder, nem um ser atuante. Apenas indivíduos agem. Algumas das ações dos indivíduos são direcionadas pela intenção de cooperar com outras pessoas. A cooperação dos indivíduos produz um estado de coisas que o conceito de sociedade descreve. A sociedade não existe separada dos pensamentos e ações das pessoas. Não tem “interesses” nem metas. O mesmo é válido para todos os outros coletivos.

A hipostatização não é apenas uma falácia epistemológica e não apenas engana a busca pelo conhecimento. Nas chamadas ciências sociais, na maioria das vezes serve a aspirações políticas definidas ao reivindicar para o coletivo como tal uma dignidade mais elevada do que para o indivíduo ou mesmo atribuir existência real apenas ao coletivo e negar a existência do indivíduo, chamando-o de mera abstração.

Os próprios coletivistas discordam uns dos outros na apreciação dos vários construtos coletivistas. Eles reivindicam uma realidade e dignidade moral mais elevadas para um coletivo do que para outros ou, de uma forma mais radical, até negam tanto a existência real quanto a dignidade aos construtos coletivistas de outras pessoas. Assim, os nacionalistas consideram a “nação” como o único verdadeiro coletivo, ao qual somente todos os indivíduos que consideram compatrícios devem fidelidade exclusiva, e estigmatizam todos os outros coletivos – por exemplo, as comunidades religiosas – como de menor categoria. No entanto, a epistemologia não precisa lidar com as controvérsias políticas que isto implica.

Ao negar aos coletivos seu per se, isto é, a existência independente e própria, não se nega em absoluto a realidade dos efeitos produzidos pela cooperação dos indivíduos. Estabelece-se apenas o fato de que os coletivos surgem pelos pensamentos e ações dos indivíduos e desaparecem quando os indivíduos adotam uma forma diferente de pensar e agir. Os pensamentos e ações de um determinado indivíduo são instrumentais no surgimento não apenas de um, mas de vários coletivos. Assim, por exemplo, as várias atitudes do mesmo indivíduo podem servir para constituir a nação coletiva, a comunidade religiosa, o partido político e assim por diante. Por outro lado, um homem pode, sem descontinuar inteiramente sua pertença a um coletivo definido, ocasionalmente ou mesmo regularmente em algumas de suas ações proceda de uma maneira que seja incompatível com a preservação de sua condição de membro. Assim, por exemplo, aconteceu na história recente de várias nações que católicos praticantes votaram a favor de candidatos que declararam abertamente sua hostilidade às aspirações políticas da Igreja e desprezaram seus dogmas como fábulas. Ao lidar com coletivos, o historiador deve atentar para o grau em que as várias ideias de cooperação determinam o pensamento e as ações de seus membros. Assim, ao tratar da história do Ressurgimento Italiano, ele tem que desvendar até que ponto e de que maneira as ideias de um Estado Nacional Italiano e de um Estado Papal Secular influenciaram as atitudes dos vários indivíduos e grupos cuja conduta constitui seu objeto de estudo.

As condições políticas e ideológicas da Alemanha de sua época induziram Marx a empregar, no anúncio de seu programa de nacionalização dos meios de produção, o termo “sociedade” em vez do termo “Estado” (Staat), que é o alemão equivalente do termo inglês “nação”. A propaganda socialista dotou o termo “sociedade” e o adjetivo “social” de uma aura de santidade que se manifesta pela estima quase religiosa que goza o “trabalho social”, ou seja, a gestão da distribuição de esmolas e atividades semelhantes.

 

  1. Sobre a rejeição do individualismo metodológico

Nenhuma proposição sensata a respeito da ação humana pode ser afirmada sem referência ao que os indivíduos atuantes estão objetivando e o que eles consideram como sucesso ou fracasso, como lucro ou perda. Se estudarmos as ações dos indivíduos, aprendemos tudo o que pode ser aprendido sobre o agir, visto que não há, pelo que podemos ver, no universo nenhuma outra entidade ou ser que, insatisfeito com o estado de coisas que prevaleceria em a ausência de sua interferência, têm a intenção de melhorar as condições pela ação. Ao estudar a ação, tomamos consciência tanto dos poderes do homem quanto dos limites de seus poderes. O homem carece de onipotência e nunca pode atingir um estado de satisfação plena e duradoura. Tudo o que ele pode fazer é substituir, recorrendo a meios apropriados, um estado de insatisfação menor por um estado de insatisfação maior.

Ao estudar as ações dos indivíduos, aprendemos também tudo sobre os coletivos e a sociedade. Pois o coletivo não tem existência e realidade senão nas ações dos indivíduos. Ele passa a existir por meio de ideias que movem os indivíduos a se comportarem como membros de um grupo definido e deixa de existir quando o poder persuasivo dessas ideias diminui. A única forma de conhecer os coletivos é a análise da conduta de seus membros.

Não há necessidade de acrescentar nada ao que já foi dito pela praxeologia e economia para justificar o individualismo metodológico e rejeitar a mitologia do coletivismo metodológico.[2] Mesmo os defensores mais fanáticos do coletivismo lidam com as ações dos indivíduos enquanto fingem lidar com as ações dos coletivos. As estatísticas não registram eventos que estão acontecendo nos ou aos coletivos. Ele registra o que acontece com indivíduos formando grupos definidos. O critério que determina a constituição desses grupos são as características definitivas dos indivíduos. A primeira coisa que deve ser estabelecida ao falar de uma entidade social é a definição clara do que justifica logicamente a contagem ou não de um indivíduo como membro desse grupo.

Isso é válido também para aqueles grupos que são aparentemente constituídos por “fatos e realidades materiais” e não por “meros” fatores ideológicos, por exemplo, os grupos de pessoas descendentes da mesma linhagem ou de pessoas que vivem na mesma área geográfica. Não é “natural” nem “necessário” que os membros da mesma raça ou os habitantes do mesmo país cooperem uns com os outros mais estreitamente do que com membros de outras raças ou habitantes de outros países. As ideias de solidariedade racial e ódio racial não são menos ideias do que quaisquer outras ideias, e somente quando são aceitas pelos indivíduos elas resultam em ações correspondentes. Além disso, a tribo primitiva de selvagens é mantida unida como uma unidade de atuação – uma sociedade – pelo fato de seus membros estarem imbuídos da ideia de que a lealdade ao clã é o caminho certo ou mesmo o único caminho aberto para eles cuidarem de si mesmos. É verdade que essa ideologia primitiva não foi seriamente contestada por milhares de anos. Mas o fato de uma ideologia dominar a mente das pessoas por muito tempo não altera seu caráter praxeológico. Outras ideologias também desfrutaram de considerável longevidade, por exemplo, o princípio monárquico de governo.

A rejeição do individualismo metodológico implica a suposição de que o comportamento dos homens é dirigido por algumas forças misteriosas que desafiam qualquer análise e descrição. Pois, se alguém percebe que o que põe em movimento a ação são as ideias, não pode deixar de admitir que essas ideias se originam na mente de alguns indivíduos e são transmitidas a outros. Mas então se aceitou a tese fundamental do individualismo metodológico, a saber, que são as ideias sustentadas pelos indivíduos que determinam sua lealdade ao grupo, e um coletivo não aparece mais como uma entidade agindo por conta própria e por iniciativa própria.

Todas as relações inter-humanas são o desdobramento de ideias e a conduta de indivíduos dirigidos por essas ideias. O déspota governa porque seus súditos preferiram obedecê-lo do que resistir-lhe abertamente. O dono de escravos está em posição de lidar com seus escravos como se fossem bens móveis, porque os escravos estão dispostos a ceder às suas pretensões, quer queira quer não. É uma transformação ideológica que em nossa época enfraquece e ameaça dissolver inteiramente a autoridade de pais, professores e clérigos.

O significado do individualismo filosófico foi lamentavelmente mal interpretado pelos arautos do coletivismo. A seu ver, o dilema é se as preocupações – interesses – dos indivíduos deveriam ser classificadas antes das de um dos – selecionados arbitrariamente – coletivos. No entanto, a controvérsia epistemológica entre individualismo e coletivismo não tem referência direta a essa questão puramente política. O individualismo como princípio da análise filosófica, praxeológica e histórica da ação humana significa o estabelecimento dos fatos de que todas as ações podem ser atribuídas aos indivíduos e que nenhum método científico pode conseguir determinar como eventos externos definidos, passíveis de uma descrição pelos métodos das ciências naturais, produziram dentro da mente humana ideias definidas, julgamentos de valor e volições. Nesse sentido, o indivíduo que não se pode dissolver em componentes é, a um só tempo, o ponto de partida e o dado irredutível de todos os esforços de lidar com a ação humana.

O método coletivista é antropomórfico, pois simplesmente parte do pressuposto de que todos os conceitos da ação dos indivíduos podem ser aplicados aos dos coletivos. Não vê que todos os coletivos são o produto de uma maneira definida pela qual os indivíduos agem; são um desdobramento de ideias que determinam a conduta dos indivíduos.

 

  1. A abordagem da macroeconomia

Os autores que pensam ter substituído, na análise da economia de mercado, uma abordagem holística ou social ou universalista ou institucional ou macroeconômica por aquilo que desprezam como uma abordagem individualista espúria iludem a si próprios e ao seu público. Pois todo raciocínio concernente à ação deve lidar com a avaliação e com a busca por fins definidos, pois não há ação não orientada por causas finais. É possível analisar as condições que prevaleceriam dentro de um sistema socialista em que apenas o czar supremo determina todas as atividades e todos os outros indivíduos apagam sua própria personalidade e se convertem virtualmente em meros instrumentos nas mãos das ações do czar. Para a teoria do socialismo integral, pode parecer suficiente considerar apenas as avaliações e ações do czar supremo. Todavia, ao se lidar com um sistema em que os esforços de mais de um indivíduo dirigem ou afetam as ações, não se pode deixar de seguir os rastros deixados pela ação até o ponto em que a análise não possa mais prosseguir, isto é, até os juízos de valor dos indivíduos e os fins que eles buscam obter.

A abordagem macroeconômica considera um segmento arbitrariamente selecionado da economia de mercado (como regra: uma nação) como se fosse uma unidade integrada. Tudo o que acontece neste segmento são ações de indivíduos e grupos de indivíduos agindo em conjunto. Mas a macroeconomia procede como se todas essas ações individuais fossem de fato o resultado da operação mútua de uma magnitude macroeconômica sobre outra.

A distinção entre macroeconomia e microeconomia é, no que diz respeito à terminologia, emprestada da distinção da física moderna entre física microscópica, que lida com sistemas em escala atômica, e física molar, que lida com sistemas em uma escala apreciável aos sentidos grosseiros do homem. Isso implica que, idealmente, as leis microscópicas sozinhas são suficientes para cobrir todo o campo da física, as leis molares sendo meramente uma adaptação conveniente delas a um problema especial, mas que ocorre frequentemente. A lei molar aparece como uma versão condensada e eliminada da lei microscópica.[3] Assim, a evolução que conduziu da física macroscópica para a física microscópica é vista como um progresso de um método menos satisfatório para um método mais satisfatório de lidar com os fenômenos da realidade.

O que os autores que introduziram a distinção entre macroeconomia e microeconomia na terminologia que trata dos problemas econômicos têm em mente é exatamente o oposto. Sua doutrina implica que a microeconomia é uma forma insatisfatória de estudar os problemas envolvidos e que a substituição da macroeconomia pela microeconomia equivale à eliminação de um método insatisfatório pela adoção de um método mais satisfatório.

O macroeconomista se ilude se em seu raciocínio empregar preços monetários determinados no mercado por compradores e vendedores individuais. Uma abordagem macroeconômica consistente teria que evitar qualquer referência a preços e dinheiro. A economia de mercado é um sistema social no qual os indivíduos atuam. As avaliações dos indivíduos, conforme manifestadas nos preços de mercado, determinam o curso de todas as atividades de produção. Se se quiser opor à realidade da economia de mercado a imagem de um sistema holístico, deve-se abster-se de qualquer uso de preços.

Vamos exemplificar um aspecto das falácias do método macroeconômico por meio da análise de um de seus esquemas mais populares, a chamada abordagem da renda nacional.

A receita é um conceito dos métodos contábeis de negócios com fins lucrativos. O empresário atende o consumidor para ter lucro. Ele mantém contas para saber se essa meta foi atingida ou não. Ele (e também capitalistas, investidores, que não são eles próprios ativos no negócio, e, claro, também agricultores e proprietários de todos os tipos de bens imóveis) compara o equivalente em dinheiro de todos os bens dedicados à empresa em dois instantes diferentes de tempo e assim aprende qual foi o resultado de suas transações no período entre esses dois instantes. Desse cálculo emergem os conceitos de lucro ou perda em contraste com o de capital. Se o dono da roupa a que se refere esta contabilidade chama o lucro obtido de “receita”, o que ele quer dizer é: se eu consumir tudo, não reduzo o capital investido na empresa.

As modernas leis tributárias chamam de “renda” não apenas o que o contador considera como o lucro obtido por uma determinada unidade de negócios e o que o proprietário dessa unidade considera como a receita derivada das operações dessa unidade, mas também o lucro líquido dos profissionais e os salários e vencimentos dos funcionários. Somando-se para o todo de uma nação o que é renda no sentido contábil e o que é renda meramente no sentido das leis tributárias, obtém-se o valor denominado “renda nacional”.

A ilusão desse conceito de renda nacional pode ser vista não apenas em sua dependência de mudanças no poder de compra da unidade monetária. Quanto mais a inflação avança, maior aumenta a renda nacional. Dentro de um sistema econômico em que não há aumento da oferta de moeda e meios fiduciários, a progressiva acumulação de capital e o aprimoramento dos métodos tecnológicos de produção que ela engendra resultariam em uma queda progressiva dos preços ou, o que quer que seja, uma aumento do poder de compra da unidade monetária. A quantidade de bens disponíveis para consumo aumentaria e o padrão de vida médio melhoraria, mas essas mudanças não seriam visíveis nos números das estatísticas de renda nacional.

O conceito de renda nacional oblitera inteiramente as condições reais de produção em uma economia de mercado. Implica a ideia de que não são as atividades dos indivíduos que provocam a melhora (ou diminuição) da quantidade de bens disponíveis, mas algo que está acima e fora dessas atividades. Esse algo misterioso produz uma quantidade chamada “renda nacional” e então um segundo processo “distribui” essa quantidade entre os vários indivíduos. O significado político deste método é óbvio. Critica-se a “desigualdade” que prevalece na “distribuição” da renda nacional. Bane-se a questão de saber o que causa a alta ou a baixa da renda nacional e implica-se não haver desigualdade entre as contribuições e realizações dos indivíduos que geram o total da renda nacional.

Quando se questiona quais são os fatores que fazem aumentar a renda nacional, só se tem uma resposta: a melhoria dos equipamentos, das ferramentas e das máquinas empregadas na produção, por um lado, e a melhoria no aproveitamento dos equipamentos disponíveis para o melhor possível satisfação dos desejos humanos, por outro lado.

O primeiro é o efeito da poupança e da acumulação de capital, o último da habilidade tecnológica e das atividades empresariais. Se chamarmos de progresso econômico do aumento da renda nacional (não produzida pela inflação), não se pode deixar de estabelecer o fato de que o progresso econômico é fruto do esforço dos poupadores, dos inventores e dos empresários. O que uma análise imparcial da renda nacional teria de mostrar é, antes de tudo, a evidente desigualdade na contribuição de vários indivíduos para o surgimento da magnitude chamada renda nacional. Além disso, teria de mostrar como o aumento da quota per capita de capital empregado e o aperfeiçoamento das atividades tecnológicas e empresariais beneficiam – aumentando a produtividade marginal do trabalho e, portanto, os salários e os preços pagos pela utilização de recursos naturais recursos – também aquelas classes de indivíduos que não contribuíram para a melhoria das condições e o aumento da “renda nacional”.

A abordagem da “renda nacional” é uma tentativa abortada de fornecer uma justificativa para a ideia marxista de que sob o capitalismo os bens são “socialmente” (gesellschaftlich) produzidos e então “apropriados” por indivíduos. Isso coloca as coisas de cabeça para baixo. Na realidade, os processos de produção são atividades de indivíduos cooperando uns com os outros. Cada colaborador individual recebe o que seus semelhantes – competindo uns com os outros como compradores no mercado – estão dispostos a pagar por sua contribuição. A título de argumentação, pode-se admitir que, somando os preços pagos por cada contribuição individual, pode-se chamar a renda nacional total resultante. Mas é um passatempo gratuito concluir que esse total foi produzido pela “nação” e lamentar – negligenciando a desigualdade das contribuições dos vários indivíduos – a desigualdade em sua suposta distribuição.

Não há nenhuma razão apolítica para proceder com tal soma de todas as rendas dentro de uma “nação” e não dentro de um coletivo mais amplo ou restrito. Por que a renda nacional dos Estados Unidos e não “renda estadual” do estado de Nova York ou “renda municipal” do condado de Westchester ou “renda municipal” do município de White Plains? Todos os argumentos que podem ser apresentados a favor da preferência do conceito de “renda nacional” dos Estados Unidos contra a receita de qualquer uma dessas unidades territoriais menores também podem ser avançados a favor da preferência pela receita continental de todas as partes da América ou mesmo a “renda mundial” em relação à renda nacional dos Estados Unidos. São apenas tendências políticas que tornam plausível a escolha dos Estados Unidos como unidade. Os responsáveis ​​por essa escolha são críticos do que consideram a desigualdade das rendas individuais dentro dos Estados Unidos – ou dentro do território de outra nação soberana – e visam a uma maior igualdade de renda dos cidadãos de sua própria nação. Eles não são a favor de uma equalização mundial das rendas nem de uma equalização dentro dos vários estados que formam os Estados Unidos ou suas subdivisões administrativas. Pode-se concordar ou discordar de seus objetivos políticos. Mas não se deve negar que o conceito macroeconômico de renda nacional é um mero slogan político desprovido de qualquer valor cognitivo.

 

VII. Realidade e Brincadeira

As condições naturais de sua existência impunham aos ancestrais não humanos do homem a necessidade de lutarem impiedosamente até a morte. Incrustado no caráter animal do homem está o impulso da agressão, a ânsia de aniquilar todos aqueles que competem com ele nos esforços para arrebatar uma parte suficiente dos escassos meios de subsistência que não bastam para a sobrevivência de todos os nascidos. Somente para o animal forte havia uma chance de permanecer vivo.

O que distingue o homem dos brutos é a substituição da inimizade mortal pela cooperação social. O instinto inato de agressão é suprimido para que não desintegre o esforço conjunto para preservar a vida e torná-la mais satisfatória, atendendo a desejos especificamente humanos. Para acalmar os impulsos reprimidos, mas não totalmente extintos, de ação violenta, danças e jogos de guerra foram utilizados. O que antes era extremamente sério agora era esportivamente duplicado como um passatempo. O torneio parece uma luta, mas é apenas um desfile. Todos os movimentos dos jogadores são estritamente regulados pelas regras do jogo. A vitória não consiste na aniquilação da outra parte, mas na conquista de uma situação que as regras declaram ser de sucesso. Os jogos não são realidade, mas apenas brincadeira. Eles são homens civilizados encontrando uma saída para instintos de inimizade profundamente arraigados. Quando o jogo termina, os vencedores e os derrotados apertam-se as mãos e voltam à realidade da sua vida social, que é a cooperação e não a luta.

Dificilmente se poderia interpretar mais equivocadamente a essência da cooperação social e do esforço econômico da humanidade civilizada do que olhar para ela como se fosse uma luta ou a duplicação lúdica da luta, um jogo. Na cooperação social, cada um, ao servir seus próprios interesses, serve aos interesses de seus semelhantes. Impulsionado pelo desejo de melhorar suas próprias condições, ele melhora as condições de outras pessoas. O padeiro não faz mal àqueles para quem faz pão; ele os serve. Todas as pessoas ficariam feridas se o padeiro parasse de produzir pão e o médico não atendesse mais os enfermos. O sapateiro não lança mão de “estratégia” para vencer seus clientes fornecendo-lhes sapatos. A competição no mercado não deve ser confundida com a impiedosa competição biológica que prevalece entre animais e plantas ou com as guerras ainda travadas entre – infelizmente ainda não completamente – nações civilizadas. A competição catalática no mercado visa atribuir a cada indivíduo a função no sistema social em que ele pode prestar a todos os seus semelhantes o mais valioso dos serviços que é capaz de realizar.

Sempre houve pessoas que eram emocionalmente incapazes de conceber o princípio fundamental da cooperação no sistema de divisão de tarefas. Podemos tentar compreender sua fragilidade timologicamente. A compra de qualquer mercadoria restringe o poder do comprador de adquirir alguma outra mercadoria que ele também deseja obter, embora, é claro, ele considere sua aquisição menos importante do que a do bem que ele realmente compra. Deste ponto de vista, ele vê qualquer compra que fizer como um obstáculo que o impede de satisfazer alguns outros desejos. Se ele não comprar A ou se ele teve que gastar menos com A, ele teria sido capaz de adquirir B. Existe, para pessoas de mente estreita, mas um passo para a inferência de que é o vendedor de A que o obriga a renunciar B. Ele vê no vendedor não o homem que lhe permite satisfazer uma de suas necessidades, mas o homem que o impede de satisfazer outras necessidades. O tempo frio o induz a comprar combustível para seu fogão e restringe os fundos que ele pode gastar em outras coisas. Mas ele não culpa o tempo nem seu desejo por calor; ele coloca a culpa no negociante de carvão. Este homem mau, pensa ele, lucra com seu constrangimento.

Esse foi o raciocínio que levou as pessoas à conclusão de que a fonte de onde provêm os lucros do empresário é a necessidade e o sofrimento de seus semelhantes. Segundo esse raciocínio, o médico ganha a vida com a doença do paciente, não com a cura. As padarias prosperam com a fome, não porque forneçam os meios para aplacar a fome. Nenhum homem pode lucrar, a não ser às custas de alguns outros homens; o ganho de um homem é necessariamente a perda de outro. Em um ato de troca, apenas o vendedor ganha, enquanto o comprador sai mal. O comércio beneficia os vendedores ao prejudicar os compradores. A vantagem do comércio exterior, diz a doutrina mercantilista, antiga e nova, consiste em exportar, não nas importações adquiridas pelas exportações.[4]

Diante dessa falácia, a preocupação do empresário é prejudicar o público. Sua habilidade é estratégia, por assim dizer, a arte de infligir o máximo de mal possível ao inimigo. Os adversários cuja ruína ele trama são seus clientes em potencial, bem como seus concorrentes, aqueles que, como ele, embarcam em ataques contra o povo. O método mais adequado para investigar cientificamente as atividades empresariais e o processo de mercado é analisar o comportamento e a estratégia das pessoas envolvidas em jogos.[5]

Em um jogo, há um prêmio definitivo que cabe ao vencedor. Se o prêmio foi fornecido por terceiros, a parte derrotada vai embora de mãos vazias. Se o prêmio for formado por contribuições dos jogadores, o derrotado perderá sua aposta em benefício da parte vitoriosa. Em um jogo, existem vencedores e perdedores. Mas um negócio é sempre vantajoso para ambas as partes. Se tanto o comprador quanto o vendedor não considerassem a transação como a ação mais vantajosa que poderiam escolher nas condições vigentes, eles não fechariam o negócio.[6]

É verdade que os negócios, assim como os jogos, são um comportamento racional. Mas assim são todas as outras ações do homem. O cientista em suas investigações, o assassino na trama de seu crime, o candidato a cargos na busca de votos, o juiz em busca de uma decisão justa, o missionário em suas tentativas de converter um descrente, o professor instruindo seus alunos, todos procedem de forma racional.

Um jogo é um passatempo, é um meio de empregar o tempo de lazer e eliminar o tédio. Envolve custos e pertence à esfera do consumo. Mas os negócios são um meio – o único meio – de aumentar a quantidade de bens disponíveis para preservar a vida e torná-la mais agradável. Nenhum jogo pode, além do prazer que proporciona aos jogadores e aos espectadores, contribuir em nada para a melhoria das condições humanas.[7] É um erro igualar os jogos às realizações da atividade empresarial.

O empenho do homem em melhorar as condições de sua existência o impele à ação. A ação requer planejamento e a decisão de qual dos vários planos é o mais vantajoso. Mas o traço característico dos negócios não é que imponha ao homem a tomada de decisões como tal, mas que visa melhorar as condições de vida. Os jogos são diversão, esporte e diversão; negócio é vida e realidade.

 

VIII. Interpretação errônea do clima de opinião

Não se explica uma doutrina e ações por ela engendradas ao declarar que foi gerada pelo espírito da época ou pelo ambiente pessoal ou geográfico dos agentes. Ao recorrer a tais interpretações, meramente enfatizamos o fato de que uma ideia definida estava de acordo com outras ideias sustentadas ao mesmo tempo e no mesmo meio por outras pessoas. O que se denomina o espírito de uma época, dos membros de um coletivo ou de um determinado meio, são precisamente as doutrinas que prevalecem entre os indivíduos envolvidos.

As ideias que mudam o clima intelectual de um determinado ambiente são aquelas inéditas antes. Para essas novas ideias, não há outra explicação senão que houve um homem de cuja mente elas se originaram.

Uma nova ideia é uma resposta fornecida por seu autor ao desafio das condições naturais ou de ideias desenvolvidas anteriormente por outras pessoas. Olhando para trás, na história das ideias – e nas ações engendradas por elas – o historiador pode descobrir uma tendência definida em sua sucessão e pode dizer que “logicamente” a ideia anterior justificou o surgimento da ideia posterior. No entanto, essa filosofia retrospectiva carece de qualquer justificativa racional. Sua tendência a menosprezar as contribuições do gênio – o herói da história intelectual – e de atribuir sua obra à conjuntura dos acontecimentos só faz sentido no quadro de uma filosofia da história que pretende conhecer o plano oculto de Deus ou de um poder sobre-humano (como as forças produtivas materiais no sistema de Marx) deseja realizar dirigindo as ações de todos os homens. Do ponto de vista de tal filosofia, todos os homens são marionetes, fadados a se comportar exatamente como o demiurgo lhes estipulou.

 

  1. A crença na onipotência do pensamento

Um traço característico das ideias populares atuais a respeito da cooperação social é o que Freud chamou de crença na onipotência do pensamento humano (die Allmacht des Gedankens).[8]  Essa crença, é claro, (à parte dos psicopatas e neuróticos) não é mantida com relação à esfera que é investigada pelas ciências naturais. Mas no campo dos eventos sociais está firmemente estabelecido. Desenvolveu-se a partir da doutrina que atribui infalibilidade às maiorias.

O ponto essencial nas doutrinas políticas do Iluminismo era a substituição do despotismo real pelo governo representativo. No conflito constitucional espanhol em que os campeões do governo parlamentar lutavam contra as aspirações absolutistas do Bourbon Ferdinand VII, os partidários de um regime constitucional eram chamados de liberais, e os do rei, servis. Muito em breve o nome Liberalismo foi adotado em toda a Europa.

O governo representativo ou parlamentar (também denominado governo do povo ou governo democrático) é o governo por titulares de cargos designados pela maioria do povo. Os demagogos tentaram justificá-lo com balbucios extáticos sobre a inspiração sobrenatural das maiorias. No entanto, é um erro grave presumir que os liberais do século XIX da Europa e da América o defendiam porque acreditavam na sabedoria infalível, na perfeição moral, na justiça inerente e em outras virtudes do homem comum e, portanto, das maiorias. Os liberais queriam salvaguardar a evolução suave da prosperidade e do bem-estar material e espiritual de todas as pessoas. Eles queriam acabar com a pobreza e a miséria. Como um meio de atingir esses fins, eles defenderam instituições que contribuíssem para a cooperação pacífica de todos os cidadãos das várias nações, bem como para a paz internacional. Eles viam as guerras, fossem guerras civis (revoluções) ou guerras estrangeiras, como uma perturbação do progresso constante da humanidade para condições mais satisfatórias. Eles perceberam muito bem que a economia de mercado, a própria base da civilização moderna, envolve cooperação pacífica e se espalha quando as pessoas, em vez de trocar mercadorias e serviços, estão lutando entre si.

Por outro lado, os liberais compreenderam muito bem o fato de que o poder dos governantes, em última análise, não se baseia na força material, mas nas ideias. Como David Hume apontou em seu famoso ensaio Sobre os Primeiros Princípios de Governo, os governantes são sempre uma minoria de pessoas. Sua autoridade e poder de exigir obediência por parte da imensa maioria dos que estão sujeitos a eles derivam da opinião destes últimos de que servem melhor seus próprios interesses pela lealdade a seus chefes e pelo cumprimento de suas ordens. Se essa opinião minguar, a maioria mais cedo ou mais tarde se rebelará. A revolução – guerra civil – removerá o sistema impopular de governo e os governantes impopulares e os substituirá por um sistema e por funcionários que a maioria considera mais favoráveis ​​à promoção de seus próprios interesses. Para evitar tais violentos distúrbios da paz e suas consequências perniciosas, para salvaguardar o funcionamento pacífico do sistema econômico, os liberais advogam o governo pelos representantes da maioria. Esse esquema torna possível uma mudança pacífica na organização dos negócios públicos. Torna o recurso às armas e ao derramamento de sangue desnecessário, não apenas nas relações internas, mas também nas relações internacionais. Quando cada território pode, pelo voto da maioria, determinar se deve formar um estado independente ou uma parte de um estado maior, não haverá mais guerras para conquistar mais províncias.[9]

Ao defender o governo da maioria do povo, os liberais do século XIX não alimentaram quaisquer ilusões sobre a perfeição intelectual e moral de muitos, das maiorias. Eles sabiam que todos os homens estão sujeitos ao erro e que poderia acontecer que a maioria, iludida por doutrinas errôneas propagadas por demagogos irresponsáveis, pudesse embarcar em políticas que resultariam em desastre, mesmo na destruição total da civilização. Mas eles não estavam menos cientes do fato de que nenhum método de governo imaginável poderia prevenir tal catástrofe. Se a pequena minoria de cidadãos esclarecidos que são capazes de conceber princípios sólidos de gestão política não conseguir ganhar o apoio de seus concidadãos e convertê-los ao endosso de políticas que trazem e preservam a prosperidade, a causa da humanidade e da civilização é desesperadora. Não há outro meio de salvaguardar um desenvolvimento favorável dos negócios humanos do que fazer com que as massas de pessoas inferiores adotem as ideias da elite. Isso deve ser alcançado convencendo-os. Não pode ser realizado por um regime despótico que, em vez de iluminar as massas, as leva à submissão. No longo prazo, as ideias da maioria, por mais prejudiciais que sejam, continuarão. O futuro da humanidade depende da capacidade da elite de influenciar a opinião pública na direção certa. Não pode ser realizado por um regime despótico que, em vez de iluminar as massas, as leva à submissão. No longo prazo, as ideias da maioria, por mais prejudiciais que sejam, continuarão. O futuro da humanidade depende da capacidade da elite de influenciar a opinião pública na direção certa. Não pode ser realizado por um regime despótico que, em vez de iluminar as massas, as leva à submissão. No longo prazo, as ideias da maioria, por mais prejudiciais que sejam, continuarão. O futuro da humanidade depende da capacidade da elite de influenciar a opinião pública na direção certa.

Esses liberais não acreditavam na infalibilidade de nenhum ser humano nem na infalibilidade das maiorias. Seu otimismo em relação ao futuro baseava-se na expectativa de que a elite intelectual convenceria a maioria a aprovar políticas benéficas.

A história dos últimos cem anos não cumpriu essas esperanças. Talvez a transição do despotismo de reis e aristocracias tenha ocorrido repentinamente. De qualquer forma, é fato que a doutrina que atribui excelência intelectual e moral ao homem comum e, consequentemente, infalibilidade à maioria, tornou-se o dogma fundamental da propaganda política “progressista”. Em seu desenvolvimento lógico posterior, gerou a crença de que, no campo da organização política e econômica da sociedade, qualquer esquema arquitetado pela maioria pode funcionar de maneira satisfatória. As pessoas não perguntam mais se o intervencionismo ou o socialismo podem produzir os efeitos que seus defensores esperam deles. O simples facto de a maioria dos eleitores os solicitar é considerado uma prova irrefutável de que podem funcionar e resultarão inevitavelmente nos benefícios esperados. Nenhum político está mais interessado na questão de saber se uma medida é adequada para produzir os fins pretendidos. O que só conta para ele é se a maioria dos eleitores a favor ou rejeita.[10] Poucas pessoas prestam atenção ao que a “mera teoria” diz sobre o socialismo e à experiência das “experiências” socialistas na Rússia e em outros países. Quase todos os nossos contemporâneos acreditam firmemente que o socialismo transformará a Terra em um paraíso. Pode-se chamá-lo de autossugestão ou crença na onipotência do pensamento.

No entanto, o critério da verdade é que funciona mesmo que ninguém esteja preparado para reconhecê-lo.

 

  1. O conceito de um sistema perfeito de governo

O “engenheiro social” é o reformador que está preparado para “liquidar” todos aqueles que não se enquadram em seu plano de ordenamento dos negócios humanos. No entanto, historiadores e às vezes até vítimas que ele condena à morte não são contrários a encontrar algumas circunstâncias atenuantes para seus massacres ou massacres planejados, apontando que ele foi motivado em última instância por uma ambição nobre: ​​ele queria estabelecer o estado perfeito da humanidade. Eles atribuem a ele um lugar na longa fila de criadores de esquemas utópicos.

Ora, certamente é tolice desculpar dessa forma os assassinatos em massa de gângsteres sádicos como Stalin e Hitler. Mas não há dúvida de que muitos dos mais sangrentos “liquidadores” foram guiados pelas ideias que inspiraram, desde tempos imemoriais, as tentativas dos filósofos de meditar sobre uma constituição perfeita. Tendo uma vez traçado o projeto de tal ordem ideal, o autor está em busca do homem que a estabeleceria suprimindo a oposição de todos aqueles que discordam. Nesse sentido, Platão estava ansioso para encontrar um tirano que usaria seu poder para a realização do estado ideal platônico. A questão de saber se outras pessoas gostariam ou não do que ele próprio tinha reservado para elas nunca ocorreu a Platão. Era uma coisa evidente para ele que o rei que se tornasse filósofo ou o filósofo que se tornasse rei tinha o direito de agir sozinho e que todas as outras pessoas tinham, sem vontade própria, de se submeter às suas ordens. Visto do ponto de vista do filósofo que está firmemente convencido de sua própria infalibilidade, todos os dissidentes aparecem apenas como rebeldes teimosos que resistem ao que os beneficiará.

A experiência proporcionada pela história, especialmente pela dos últimos duzentos anos, não abalou essa crença na salvação pela tirania e a liquidação dos dissidentes. Muitos de nossos contemporâneos estão firmemente convencidos de que o que é necessário para tornar todos os assuntos humanos perfeitamente satisfatórios é a supressão brutal de todas as pessoas “más”, isto é, daqueles de quem discordam. Eles sonham com um sistema de governo perfeito que – como eles pensam – já teria sido realizado há muito tempo se esses homens “maus”, guiados pela estupidez e egoísmo, não tivessem impedido seu estabelecimento.

Uma escola moderna e supostamente científica de reformadores rejeita essas medidas violentas e atribui a culpa de tudo o que falta às condições humanas ao suposto fracasso do que é chamado de “ciência política”. As ciências naturais, dizem eles, avançaram consideravelmente nos últimos séculos, e a tecnologia nos fornece quase que mensalmente novos instrumentos que tornam a vida mais agradável. Mas “o progresso político foi nulo”. A razão é que “a ciência política parou”.[11] A ciência política deve adotar os métodos das ciências naturais; não deveria mais perder seu tempo em meras especulações, mas deveria estudar os “fatos”. Pois, como nas ciências naturais, os “fatos são necessários antes da teoria”.[12]

Dificilmente se pode interpretar mal de forma mais lamentável todos os aspectos das condições humanas. Restringindo nossa crítica aos problemas epistemológicos envolvidos, temos que dizer: o que hoje se chama de “ciência política” é aquele ramo da história que trata da história das instituições políticas e da história do pensamento político manifestada nos escritos de autores que dissertou sobre instituições políticas e esboçou planos para sua alteração. É história e pode, como tal, como foi apontado acima, nunca fornecer quaisquer “fatos” no sentido em que esse termo é usado nas ciências naturais experimentais. Não há necessidade de instar os cientistas políticos a reunir todos os fatos do passado remoto e da história recente, falsamente rotulados de “experiência presente”.[13] Na verdade, eles fazem tudo o que pode ser feito a esse respeito. E não faz sentido dizer a eles que as conclusões derivadas desse material deveriam “ser testadas por experimentos”.[14] É supererrogatório repetir que as ciências da ação humana não podem fazer experimentos.

Seria absurdo afirmar apoditicamente que a ciência jamais conseguirá desenvolver uma doutrina praxeológica apriorística de organização política que colocaria uma ciência teórica ao lado da disciplina puramente histórica da ciência política. Tudo o que podemos dizer hoje é que nenhum homem vivo sabe como tal ciência poderia ser construída. Mas mesmo que esse novo ramo da praxeologia surgisse um dia, não teria utilidade para o tratamento dos problemas que os filósofos e estadistas estavam e estão ansiosos para resolver.

Que toda ação humana deve ser julgada e é julgada por seus frutos ou resultados é um velho truísmo. É um princípio com relação ao qual os Evangelhos concordam com os ensinamentos frequentemente mal compreendidos da filosofia utilitarista. Mas o ponto crucial é que as pessoas diferem amplamente umas das outras na avaliação dos resultados. O que alguns consideram bom ou melhor é frequentemente rejeitado por outros como totalmente ruim. Os utópicos não se preocuparam em nos dizer qual arranjo dos assuntos de Estado melhor satisfaria seus concidadãos. Eles simplesmente expuseram quais condições para o resto da humanidade seriam mais satisfatórias para eles. Nem para eles, nem para seus adeptos que tentaram realizar seus esquemas, jamais ocorreu que há uma diferença fundamental entre essas duas coisas. Os ditadores soviéticos e a sua comitiva pensam que tudo vai bem na Rússia na medida em que eles próprios estejam satisfeitos.

Mas, mesmo que, para fins de argumentação, deixemos de lado essa questão, temos que enfatizar que o conceito de sistema de governo perfeito é falacioso e contraditório.

O que eleva o homem acima de todos os outros animais é a cognição de que a cooperação pacífica sob o princípio da divisão do trabalho é um método melhor para preservar a vida e remover o mal-estar sentido do que se entregar a uma competição biológica impiedosa por uma parte dos escassos meios de subsistência fornecidos pela natureza. Guiado por essa compreensão, o homem sozinho entre todos os seres vivos visa conscientemente substituir o que os filósofos chamam de estado de natureza ou bellum omnium contra omnes (lei da selva) pela cooperação social. Porém, para preservar a paz, é, como o ser humano, imprescindível estar pronto para repelir pela violência qualquer agressão, seja por parte de gangsters domésticos ou de inimigos externos. Assim, a cooperação humana pacífica, o pré-requisito da prosperidade e civilização, não pode existir sem um aparato social de coerção e compulsão, ou seja, sem um governo. Os males da violência, do roubo e do homicídio só podem ser evitados por uma instituição que, ela própria, sempre que necessário, recorre aos próprios métodos de atuação para cuja prevenção foi instituída. Surge uma distinção entre o emprego ilegal da violência e o recurso legítimo a ela. Cientes desse fato, algumas pessoas chamaram o governo de um mal, embora admitam que seja um mal necessário. Contudo, o que é necessário para atingir um fim buscado e considerado benéfico não é um mal na conotação moral deste termo, mas um meio, o preço a ser pago por ele. Ainda assim, permanece o fato de que ações consideradas altamente censuráveis ​​e criminosas quando perpetradas por indivíduos “não autorizados” são aprovadas quando cometidas pelas “autoridades”.

O governo, como tal, não é apenas um mal, mas a instituição mais necessária e benéfica, pois sem ele nenhuma cooperação social duradoura e nenhuma civilização poderia ser desenvolvida e preservada. É um meio de lidar com uma imperfeição inerente de muitos, talvez da maioria de todas as pessoas. Se todos os homens fossem capazes de perceber que a alternativa para a cooperação social pacífica é a renúncia a tudo o que distingue o Homo sapiens das feras predadoras, e se todos tivessem a força moral para sempre agir de acordo, não haveria necessidade de estabelecimento de um aparato social de coerção e opressão. Não o estado é um mal, mas as deficiências da mente e do caráter humanos que requerem imperativamente a operação de um poder policial. Governo e estado nunca podem ser perfeitos porque devem razão de ser para a imperfeição do homem e pode atingir o seu fim, a eliminação do impulso inato do homem para a violência, apenas recorrendo à violência, a mesma coisa que eles são chamados a prevenir.

É uma lâmina de dois gumes confiar a um indivíduo ou grupo de indivíduos a autoridade para recorrer à violência. A sedução implícita é muito tentadora para um ser humano. Os homens que devem proteger a comunidade contra as agressões violentas tornam-se facilmente os agressores mais perigosos. Eles violam suas responsabilidades. Eles usam mal seu poder para opressão daqueles que deveriam defender contra a opressão. O principal problema político é como evitar que o poder policial se torne tirânico. Este é o significado de todas as lutas pela liberdade. A característica essencial da civilização ocidental que a distingue das civilizações presas e petrificadas do Oriente foi e é sua preocupação com a liberdade do Estado. A história do Ocidente, da Grécia Antiga à atual resistência ao socialismo, é, essencialmente, a história da luta pela liberdade contra o avanço dos governantes.

Uma escola de filósofos sociais de mentalidade superficial, os anarquistas, optou por ignorar o assunto ao sugerir uma organização sem estado da humanidade. Eles simplesmente ignoraram o fato de que os homens não são anjos. Eles eram muito estúpidos para perceber que, no curto prazo, um indivíduo ou um grupo de indivíduos pode certamente promover seus próprios interesses às custas dos seus próprios e dos interesses de longo prazo de todos os outros. Uma sociedade que não está preparada para impedir os ataques de agressores tão sociais e míopes está desamparada e à mercê de seus membros menos inteligentes e mais brutais. Enquanto Platão fundou sua utopia na esperança de que um pequeno grupo de filósofos perfeitamente sábios e moralmente impecáveis ​​estará disponível para a condução suprema dos assuntos, os anarquistas deram a entender que todos os homens, sem exceção, serão dotados de sabedoria perfeita e impecabilidade moral. Eles falharam em conceber que nenhum sistema de cooperação social pode remover o dilema entre os interesses de um homem ou de um grupo no curto e no longo prazo.

A propensão atávica do homem de subjugar todas as outras pessoas se manifesta claramente na popularidade desfrutada pelo esquema socialista. O socialismo é totalitário. O autocrata ou o conselho de autocratas sozinho é chamado a agir. Todos os outros homens serão privados de qualquer critério para escolher e visar os fins escolhidos; oponentes serão liquidados. Ao aprovar esse plano, todo socialista implica tacitamente que os ditadores, os encarregados da gestão da produção e de todas as funções de governo, cumprirão precisamente suas próprias ideias sobre o que é desejável e o que é indesejável. Ao deificar o estado – se ele é um marxista ortodoxo, ele o chama de sociedade – e ao atribuir-lhe poder ilimitado, ele se deifica e visa a supressão violenta de todos aqueles de quem discorda. O socialista não vê nenhum problema na condução da política porque só se importa com sua própria satisfação, e não leva em conta a possibilidade de que um governo socialista proceda de modo que ele não aprove.

Os “cientistas políticos” estão livres das ilusões e auto-engano que estragam o julgamento de anarquistas e socialistas. Mas, ocupados com o estudo do imenso material histórico, eles se preocupam com os detalhes, com os inúmeros casos de ciúme mesquinho, inveja, ambição pessoal e cobiça exibidos pelos atores na cena política. Eles atribuem o fracasso de todos os sistemas políticos até então experimentados à fraqueza moral e intelectual do homem. A seu ver, esses sistemas falharam porque seu funcionamento satisfatório exigiria homens de qualidades morais e intelectuais apenas excepcionalmente presentes na realidade. Partindo dessa doutrina, eles tentaram traçar planos para uma ordem política que pudesse funcionar automaticamente, por assim dizer, e não seria envolvida pela inépcia e vícios dos homens. A constituição ideal deve salvaguardar uma conduta impecável dos assuntos públicos, apesar da corrupção e ineficiência dos governantes e do povo. Os que buscavam tal sistema jurídico não se entregavam às ilusões dos autores utópicos que presumiam que todos os homens, ou pelo menos uma minoria de homens superiores, são inocentes e eficientes. Eles se orgulharam de sua abordagem realista do problema. Mas eles nunca levantaram a questão de como os homens maculados por todas as deficiências inerentes ao caráter humano poderiam ser induzidos a se submeter voluntariamente a uma ordem que os impediria de dar vazão a seus caprichos e fantasias. Os que buscavam tal sistema jurídico não se entregavam às ilusões dos autores utópicos que presumiam que todos os homens, ou pelo menos uma minoria de homens superiores, são inocentes e eficientes. Eles se orgulharam de sua abordagem realista do problema. Mas eles nunca levantaram a questão de como os homens maculados por todas as deficiências inerentes ao caráter humano poderiam ser induzidos a se submeter voluntariamente a uma ordem que os impediria de dar vazão a seus caprichos e fantasias. Os que buscavam tal sistema jurídico não se entregavam às ilusões dos autores utópicos que presumiam que todos os homens, ou pelo menos uma minoria de homens superiores, são inocentes e eficientes. Eles se orgulharam de sua abordagem realista do problema. Mas eles nunca levantaram a questão de como os homens maculados por todas as deficiências inerentes ao caráter humano poderiam ser induzidos a se submeter voluntariamente a uma ordem que os impediria de dar vazão a seus caprichos e fantasias.

No entanto, a principal deficiência dessa abordagem supostamente realista do problema não é apenas isso. Deve-se ver na ilusão de que o governo, instituição cuja função essencial é o emprego da violência, pudesse operar de acordo com os princípios da moral que condenam peremptoriamente o recurso à violência. O governo está golpeando até a submissão, aprisionando e matando. As pessoas podem estar propensas a esquecê-lo porque o cidadão obediente à lei submete-se humildemente às ordens das autoridades para evitar punição. Mas os juristas são mais realistas e chamam uma lei sem sanção de lei imperfeita. A autoridade da lei feita pelo homem é inteiramente devida às armas dos condestáveis ​​que impõem obediência às suas disposições. Nada do que se deve dizer sobre a necessidade da ação governamental e os benefícios dela derivados pode remover ou mitigar o sofrimento daqueles que definham nas prisões. Nenhuma reforma pode tornar perfeitamente satisfatório o funcionamento de uma instituição cuja atividade essencial consiste em infligir dor.

A responsabilidade pelo fracasso em descobrir um sistema de governo perfeito não reside no alegado atraso do que se chama ciência política. Se os homens fossem perfeitos, não haveria necessidade de governo. Com homens imperfeitos, nenhum sistema de governo poderia funcionar satisfatoriamente.

A eminência do homem consiste em seu poder de escolher os fins e de recorrer aos meios para a consecução dos fins escolhidos; as atividades do governo visam restringir a liberdade de ação dos indivíduos. Todo homem visa evitar o que lhe causa dor; as atividades do governo consistem, em última instância, em infligir dor. Todas as grandes conquistas da humanidade foram o produto de um esforço espontâneo por parte dos indivíduos; o governo substitui a coerção pela ação voluntária. É verdade, o governo é indispensável porque os homens não são perfeitos. Mas projetado para lidar com alguns aspectos da imperfeição humana, nunca pode ser perfeito.

 

  1. As Ciências do Comportamento

As autodenominadas ciências do comportamento querem lidar cientificamente com o comportamento humano.[15] Eles rejeitam como “não científicos” ou “racionalistas” os métodos da praxeologia e da economia. Por outro lado, eles depreciam a história como contaminada pelo antiquarismo e desprovida de qualquer uso prático para a melhoria das condições humanas. Sua suposta nova disciplina irá, eles prometem, lidar com todos os aspectos do comportamento do homem e, assim, fornecer conhecimento que prestará serviços inestimáveis ​​aos esforços para melhorar a sorte da humanidade.

Os representantes dessas novas ciências não estão preparados para perceber que são historiadores e recorrem aos métodos da pesquisa histórica.[16] O que frequentemente – mas nem sempre – os distingue dos historiadores regulares é que, como os sociólogos, eles escolhem como objeto de suas investigações as condições do passado recente e os aspectos da conduta humana que a maioria dos historiadores de épocas anteriores costumava negligenciar. Mais notável pode ser o fato de que seus tratados frequentemente sugerem uma política definida, como alegadamente “ensinada” pela história, uma atitude que a maioria dos historiadores de som abandonou há muito tempo. Não é nossa preocupação criticar os métodos aplicados nesses livros e artigos, nem questionar as ingênuas pretensões políticas ocasionalmente apresentadas por seus autores. O que torna aconselhável prestar atenção a esses estudos comportamentais é a negligência de um dos princípios epistemológicos mais importantes da história, o princípio da relevância.

Na pesquisa experimental das ciências naturais, tudo o que pode ser observado é suficientemente relevante para ser registrado. Como, de acordo com o a priori que está no início de toda pesquisa nas ciências naturais, tudo o que acontece está fadado a acontecer como efeito regular do que o precedeu, todo evento corretamente observado e descrito é um “fato” que deve ser integrado no corpo teórico da doutrina. Nenhum relato de uma experiência deixa de ter alguma relação com todo o conhecimento. Consequentemente, todo projeto de pesquisa, se realizado de maneira consciente e habilidosa, deve ser considerado uma contribuição ao esforço científico da humanidade.

Nas ciências históricas é diferente. Tratam das ações humanas: os juízos de valor que as incitaram, a utilidade dos meios escolhidos para sua atuação e os resultados por elas produzidos. Cada um desses fatores desempenha seu próprio papel na sucessão de eventos. É tarefa principal do historiador atribuir o mais corretamente possível a cada fator o alcance de seus efeitos. Essa quase quantificação, essa determinação da relevância de cada fator, é uma das funções que a compreensão específica das ciências históricas é chamada a desempenhar.[17]

No campo da história (no sentido mais amplo do termo) prevalecem diferenças consideráveis ​​entre os diversos temas que poderiam ser objeto de atividades de pesquisa. É insignificante e sem sentido determinar em termos gerais “o comportamento do homem” como o programa de atividades de uma disciplina. O homem visa um número infinito de objetivos diferentes e recorre a um número infinito de meios diferentes para alcançá-los. O historiador (ou, nesse caso, o cientista do comportamento) deve escolher um assunto de relevância para o destino da humanidade e, portanto, também para a ampliação de nosso conhecimento. Ele não deve perder seu tempo com ninharias. Ao escolher o tema de seu livro, ele se classifica. Um homem escreve a história da liberdade, outro homem a história de um jogo de cartas. Um homem escreve a biografia de Dante, outro a do maître de um hotel da moda.[18]

Como os grandes temas do passado da humanidade já foram tratados pelas ciências históricas tradicionais, o que resta às ciências comportamentais são estudos detalhados sobre os prazeres, tristezas e crimes do homem comum. Para coletar material recente sobre estes e assuntos semelhantes, nenhum conhecimento ou técnica especial é necessário. Todo universitário pode embarcar imediatamente em algum projeto. Há um número ilimitado de assuntos para dissertações de doutorado e tratados de maior porte. Muitos deles tratam de temas bastante triviais, destituídos de qualquer valor para o enriquecimento de nosso conhecimento.

Essas chamadas ciências do comportamento precisam urgentemente de uma reorientação completa do ponto de vista do princípio da relevância. É possível escrever um livro volumoso sobre cada assunto. Mas a questão é se esse livro trata de algo que é considerado relevante do ponto de vista da teoria ou da prática.

 

___________________

Notas

[1] John Neville Keynes, The Scope and Method of Political Economy (Londres, 1891), p. 165.

[2] Ver especialmente Mises, Human Action , pp. 41-44 e Human Action 145-153, e Theory and History , pp. 250 ff.

[3] A. Eddington, The Philosophy of Physical Science (New York e Cambridge, 1939), pp. 28 ff.

[4] Mises, Human Action , pp. 660 ff.

[5] J. v. Neumann e 0. Morgenstern, Theory of Games and Economic Behavior (Princeton University Press, 1944); R. Duncan Luce e H. Raiffa, Games and Decisions (Nova York, 1957); e muitos outros livros e artigos.

[6] Mises, Human Action , pp. 661ss.

[7] Jogos organizados para o entretenimento dos espectadores não são jogos propriamente ditos, mas show business.

[8] Freud, Totem und Tabu (Viena, 1913), pp. 79 e segs.

[9] A primeira condição para o estabelecimento da paz perpétua é, naturalmente, a adoção geral dos princípios do capitalismo laissez-faire. Sobre este problema, veja Mises, Human Action , pp. 680 ff., E Mises, Omnipotent Government (New Haven: Yale University Press, 1944), pp. 89 ff.

[10] Sintomático dessa mentalidade é o peso atribuído pelos políticos às conclusões das pesquisas de opinião pública.

[11] NC Parkinson, The Evolution of Political Thought (Boston, 1958), p. 306.

[12] Ibidem , p. 309.

[13] Ibidem , p. 314.

[14] Ibidem , p. 314.

[15] Não se deve confundir as “ciências do comportamento” com o behaviorismo. Sobre o último, veja Mises, Human Action , p. 26)

[16] Claro, alguns desses estudiosos lidam com problemas de medicina e higiene.

[17] Veja acima, p. 66

[18] Karl Schriftgiesser. Oscar of the Waldorf (Nova York, 1943), 248 páginas.

Artigo anteriorCapítulo 4 — Certeza e Incerteza
Próximo artigoCapítulo 6 — Outras implicações da negligência do pensamento econômico
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.